Encontros internacionais propõem frente contra a Nato e o imperialismo

Manuel Raposo — 30 Setembro 2023

Manifestação em Lisboa, fevereiro de 2023. Por uma vida justa, nem mais um tostão para a Nato

A Terra move-se. Nos países ocidentais, nem tudo é inacção acerca da guerra na Ucrânia. Apesar do peso esmagador da propaganda difundida pelos adeptos da guerra-até-ao-fim, e da censura às fontes de informação e às posições divergentes, há quem se mexa para contrariar a maré dominante. Duas iniciativas de alcance internacional merecem notícia: uma teve lugar em Paris em outubro do ano passado, replicada depois em Londres, Belgrado, Caracas e Gwangju (Coreia do Sul); outra é uma conferência internacional a realizar em Roma em outubro próximo.


Interrogações sobre as eleições na Madeira

Manuel Raposo — 28 Setembro 2023

Enxurradas de fevereiro de 2010 atingiram a população mais pobre: 50 mortos, 1200 desalojados

Em quarenta e sete anos, desde 1976, o PSD ganhou todas as eleições legislativas regionais na Madeira, assegurando a liderança dos catorze governos resultantes. Apenas nas duas últimas não conseguiu maioria absoluta, mas mesmo assim obteve cerca de 40% dos votos expressos. Quando uma mesma força partidária consegue manter uma tal hegemonia anos a fio, há que perguntar porquê e como — sobretudo sabendo-se que o “paraíso” montado em torno da autonomia regional mal esconde uma taxa de pobreza de 30%.


EUA: acumular dívida por quanto tempo mais?

Editor / Ilya Tsukanov — 20 Setembro 2023

Economistas temem que o governo federal já tenha entrado numa “queda em espiral” da dívida da qual poderá não ser possível escapar

De uma forma simples mas fundamentada, o artigo que divulgamos (de modo abreviado) expõe as origens da enorme dívida que os EUA têm para com o resto do mundo e como é constantemente acrescida, sempre à custa dos mesmos credores. E explica como é mantida incobrável, não apenas pelo ascendente económico de que os EUA ainda dispõem, mas também, em última instância, pela ameaça militar. Este domínio, que tem permitido ao imperialismo norte-americano ditar regras ao resto do mundo, está porém em declínio acentuado. 


Quem com ferros mata

Urbano de Campos — 11 Setembro 2023

50 anos depois, os familiares continuam à procura dos mortos. Esta foto é de 1989, no deserto de Atacama, onde há inúmeras valas comuns

11 de setembro de 1973, Chile. O general Pinochet chefia um golpe de Estado que derruba o regime democrático presidido por Salvador Allende, líder da Unidade Popular. O Chile vivia desde 1970 um movimento de massas que ameaçava os poderes da burguesia doméstica e os interesses dos monopólios imperialistas, com os EUA à cabeça. Como homem de mão dos serviços secretos norte-americanos, Pinochet implantou uma das ditaduras mais sanguinárias dos tempos modernos e ensaiou uma das primeiras experiências do que viria a chamar-se o neoliberalismo económico.


A esquerda perante os BRICS

Manuel Raposo — 4 Setembro 2023

Milhões de trabalhadores serão trazidos para o terreno da luta de classes na sua feição mais moderna, a do confronto pleno com o capitalismo

Não tendo podido travar a expansão dos BRICS e o crescente prestígio que a organização ganhou no mundo dependente e periférico, o Ocidente tem tentado diminuí-la através de propaganda negativa, de omissões, ou do habitual anedotário noticioso. A denúncia destas jogadas importa para clarificar o que está em jogo, como faz o artigo de Rui Lourido que antes publicámos. Mas é também indispensável que a esquerda reflicta sobre as responsabilidades políticas que sobre ela recaem numa época em que o mundo se transforma de forma evidente. Que tarefas cabem à esquerda anti-imperialista e anti-capitalista nestas circunstâncias?


A importância da cimeira dos BRICS

Editor / Rui Lourido — 30 Agosto 2023

Mais de 40 países manifestaram interesse em integrar os BRICS

Os meios ocidentais tentaram por todos os processos, e desde há longos meses, diminuir a importância da cimeira dos BRICS realizada há uma semana na África do Sul. Uma informação objectiva, porém, dá conta de que os países do chamado Sul Global reunidos em Joanesburgo deram um passo importante no sentido de se libertarem da tutela do ocidente imperialista, congregando-se para estabelecer relações de colaboração que lhes permitam não apenas prescindir, mas também rejeitar as instituições internacionais que os têm sujeitado à eterna condição de países dependentes.


Os limites da globalização imperialista

Editor / Domenico Moro — 17 Agosto 2023

A tendência globalizadora do capital verificada nas últimas três décadas parece abeirar-se de um limite

O artigo seguinte, do italiano Domenico Moro, procura realçar as contradições que crescem presentemente no mundo capitalista em resultado da guerra económica movida pelos EUA contra a China, seu principal competidor. A divisão que está em marcha entre os dois colossos arrasta para um ou outro lado economias e países de todo o globo, apontando para a formação de dois campos económicos opostos e em confronto político.


JMJ: um encontro de bons espíritos

Manuel Raposo — 11 Agosto 2023

Abusos: um assunto que a Igreja quer tratar à porta fechada

Mesmo os que hoje se dizem não crentes ou ateus fizeram coro com os prosélitos da Igreja Católica nos elogios rasgados ao “êxito” da Jornada Mundial da Juventude. Personagens como João Soares (que alardeia ser ateu, republicano e socialista), ou Marcelo Rebelo de Sousa (que exibe a sua condição de fiel católico e não pode esconder o passado fascista e colonialista) coincidiram, babados, nos encómios à Igreja e a “Sua Santidade”.


Lucros da banca e moral oficial

Urbano de Campos — 1 Agosto 2023

Fraude no BES valeu 12 mil milhões. Ricardo Salgado acusado de 65 crimes. Veremos que justiça vai ser feita

Os lucros da banca que actua em Portugal, revelados nos últimos dias, deram aos meios de comunicação oportunidade para veicular uns quantos reparos moralistas. O moralismo consistiu nisto: manifestar uma espécie de comiseração para com o cidadão comum, aflito para pagar as contas, ao mesmo tempo que se justificava a opulência da banca como coisa absolutamente impoluta e inelutável. Como quem nos diz: “Temos pena, mas são estas as regras do jogo”.


Quem tornou a guerra inevitável?

Editor / Ekaterina Blinova — 24 Julho 2023

Soldados ucranianos em treino no Reino Unido, julho 2022. “Somos uma grande família”

O artigo seguinte foi publicado pela agência noticiosa russa Sputnik News. Dá conta dos acontecimentos que, desde o início dos anos 1990, antecederam e criaram as condições para a invasão russa de 24 de fevereiro. A sequência dos acontecimentos, acompanhada dos comentários da tenente-coronel, reformada, da Força Aérea dos EUA, Karen Kwiatkowski, permite ver como o Ocidente, particularmente os EUA e o seu principal agente na Europa, o Reino Unido, fizeram da Ucrânia instrumento para uma guerra contra a Rússia. 


< Mais recentes Página 3 de 242 Mais antigos >