O que está a acontecer nos EUA?

Editor / Vicente Navarro, Monthly Review — 21 Julho 2021

Como se não existissem classes sociais… mas de facto existem

Não é inútil sublinhar que os acontecimentos políticos e sociais nos EUA são da maior importância para a evolução do mundo de hoje. Não só por serem os EUA a maior e a mais desenvolvida potência capitalista, como ainda por ser o imperialismo norte-americano o coroamento do sistema imperialista mundial. Entender o confronto das classes sociais na sociedade norte-americana é um factor chave para perceber o rumo desses acontecimentos. 


Incêndios e inundações: vamos ver mais disto

António Louçã — 18 Julho 2021

Os negacionistas das alterações climáticas continuarão a esconder a cabeça na areia

Nos Estados Unidos e no Canadá, temperaturas a rondar os 50 graus centígrados, causaram uma vaga sem precedentes de incêndios florestais e urbanos, tendo consumido até agora uma área equivalente a 350.000 campos de futebol.

O ano passado tinha registado os fogos florestais mais devastadores da história da Califórnia, mas este ano, em julho, já conseguiu ser pior. 


Falta de vocações

Editor — 11 Julho 2021

A igreja católica queixa-se desde há décadas de “falta de vocações”: os seminários estão vazios, não há padres para as paróquias, as igrejas ficam às moscas. Não é difícil ver nisto um sinal dos tempos: a crença religiosa, remetida para o domínio íntimo de cada pessoa, não é vista como tendo qualquer papel na gestão da vida colectiva — papel este que todos os cidadãos atribuem aos poderes públicos. Mas eis que são agora os partidos políticos que se queixam de “falta de vocações” para o exercício desses poderes públicos.


A explosão social na América Latina

Manuel Raposo — 29 Junho 2021

A América Latina já não é propriamente o quintal dos EUA

A agitação social e política na América Latina nos anos 2019 e 2020, especialmente antes do desencadear da pandemia, trouxe para as ruas milhões de pessoas reclamando mudanças políticas e melhores condições de vida. No final de 2019, todo o Continente esteve em ebulição praticamente simultânea. Foi a maior turbulência das últimas décadas, marcada não só por manifestações pacíficas mas também por forte repressão militar e policial a que os manifestantes responderam com violentos confrontos com as forças do poder. Centenas de mortos e milhares de feridos não chegaram para calar os protestos.


Reflexos lusitanos da nova Guerra Fria

Manuel Raposo — 21 Junho 2021

Dezenas de iguais delações foram feitas pela CML sem que nenhum clamor se levantasse

A entrega, pela Câmara Municipal de Lisboa, de uma lista nomes de manifestantes oposicionistas à embaixada da Federação Russa gerou uma novela que vale a pena desdobrar em dois ou três capítulos.

O primeiro deles consiste no facto — agora óbvio, mas desconhecido da generalidade dos cidadãos — de que as Câmaras Municipais estão incumbidas  de proceder as estas denúncias por sistema. Tal prática, que estava cometida aos extintos Governos Civis (de má memória), terá passado de mansinho para as autarquias, sem que ninguém pusesse o procedimento em causa. Ou seja, este tipo de denúncia é um automatismo que o nosso democratíssimo regime acha normal.


Contra a corrente

Editor — 9 Junho 2021

A comunicação social nacional é hoje detida, como se sabe, por três ou quatro grandes grupos empresariais com raízes em várias áreas de negócios. A pressão exercida por tais monopólios sobre os conteúdos informativos é esmagadora — para os profissionais, mas sobretudo para o público.

Quem está do lado de cá dos jornais, das televisões ou das rádios não conhece os bastidores onde tudo se decide. Mas apercebe-se da parcialidade das notícias, da preferência dada a comentadores situacionistas, da colocação em lugares de destaque dos “colaboradores” mais fiéis, da omissão programada do que verdadeiramente diz respeito à vida colectiva, do país ou do mundo, e que poderia contribuir para mudar-lhe o rumo.


Nacionalização da dívida dos EUA — o caminho para a guerra mundial?

António Louçã — 7 Junho 2021

O programa que Trump anunciou é o de uma guerra mundial.

Donald Trump perdeu as eleições e falhou o golpe de Estado de 6 de janeiro, mas ainda anda por aí. Em discurso numa convenção do Partido Republicano, prometeu exigir à China 10 biliões de dólares de indemnização por alegadas responsabilidades na origem da pandemia de covid-19. Não se ria, leitor ou leitora, que o caso é sério. Com a ajuda de Biden, Trump tem muito do que precisa para ganhar as eleições em 2024. O programa que anunciou é o de uma guerra mundial.


Os pioneiros da moderna pirataria aérea

Urbano de Campos — 30 Maio 2021

Edward Snowden: “Não posso permitir que o governo dos EUA destrua a privacidade e as liberdades básicas” (2013)

O desvio do avião da Ryanair pelas autoridades da Bielorrússia e a prisão de um opositor do regime que ia a bordo foi, acima de tudo, um gesto de estupidez política cujas consequências talvez não tenham sido inteiramente calculadas pelo regime de Lukashenko. Mas o alarido que os meios políticos e jornalísticos ocidentais têm feito sobre o assunto não passa a ser, lá por isso, uma defesa de regras e de direitos consagrados internacionalmente, como pretendem os governos dos EUA e da Europa. Pelo contrário, os seus protestos indignados têm todos os ingredientes da mais rotunda hipocrisia.


Saara Ocidental, última colónia africana

Editor / Associação de Amizade Portugal-Sahara Ocidental — 21 Maio 2021

Uma questão esquecida: a colonização do Saara Ocidental pelo reino de Marrocos

As notícias, aparentemente inesperadas, de milhares de marroquinos a passarem a salto para Ceuta com a evidente colaboração das autoridades de Marrocos, trouxe para primeiro plano uma questão demasiado esquecida: a colonização do Saara Ocidental pelo reino de Marrocos. O pretexto para a invasão de Ceuta foi o facto de as autoridades espanholas terem recebido, para tratamento médico, um líder da Frente Polisário, a qual luta há 46 anos pela independência do território sem que Marrocos respeite as determinações das Nações Unidas sobre o caso — à imagem do que Israel faz, impunemente, com os direitos da Palestina.


Os ricos vão mesmo pagar a crise?

Manuel Raposo — 17 Maio 2021

O desastre económico e social espoletado pela pandemia obrigou os EUA e a União Europeia a porem em andamento planos de despesa e de investimento envolvendo maciças intervenções dos Estados e biliões de dólares e de euros, como não se via desde os anos 30 e desde a Segunda Grande Guerra. Saudados como um novo New Deal ou como um novo Plano Marshall — e até baptizados como “de esquerda” por parecerem contrariar a política dita neoliberal dos últimos 40 anos — essas intervenções são na verdade planos de salvação de um capitalismo a braços com uma decadência inexorável.


< Mais recentes Página 2 de 231 Mais antigos >