Tópico: País

Para uma identificação dos partidos como forças de classe

Manuel Raposo (com M.C.) — 26 Fevereiro 2024

Manifestação contra o racismo. Lisboa, 24 fevereiro 2024

O jargão parlamentar e comunicacional impôs na opinião pública uma identificação das forças partidárias segundo critérios de tipo topográfico (esquerda, direita, centro) ou de tipo comportamental (extremista, radical, moderado) que na verdade pouco ou nada nos dizem sobre a sua natureza política. Importa lembrar que os partidos, todos eles, representam classes sociais, mesmo quando a ligação entre aqueles e estas se mostra obscura e difícil de estabelecer. Apagar esta matriz significa esconder os interesses de classe que se alinham nas políticas das diversas forças partidárias, não apenas no que por elas é proposto, mas também no que respeita à sua acção prática.


Lajes, Nato e Pilatos

Urbano de Campos — 21 Dezembro 2023

Cimeira das Lajes, março 2003. Durão Barroso, Blair, Bush e Aznar selam a destruição do Iraque

O nosso país tem implicação directa nas duas guerras em curso, na Ucrânia e na Palestina, tanto pelo seu papel como membro da Nato como pela cedência da base das Lajes aos EUA. Todas as decisões tomadas no âmbito da Nato são decisões tomadas em nosso nome, e todo o uso que os EUA continuam a fazer das Lajes é por consentimento dos órgãos do Estado. Os crimes por essa via cometidos têm, portanto, cumplicidade nacional na pessoa do poder político e dos partidos e propagandistas que com ele alinham.


A deriva militar da Europa e o ataque ao Estado Social

Manuel Raposo — 16 Dezembro 2023

Açores, 2020, a pandemia trouxe mais pobreza (CGTP)

A avaliar pelos acontecimentos mais recentes, os EUA parecem estar a querer passar para os europeus o principal encargo do apoio militar e financeiro à Ucrânia. O incremento da indústria bélica que a UE tem vindo a assumir, juntamente com o propósito anunciado pela Alemanha de colocar-se à cabeça desse esforço, apontam em tal sentido – mesmo à custa de uma forte divisão entre os estados-membros, como se viu com a oposição manifestada pela Hungria. 


Santos Silva passa facturas falsas

Urbano de Campos — 3 Dezembro 2023

Lisboa. Pintura mural de apoio à Resistência Palestina

Como se não tivessem bastado as indecorosas declarações do presidente da República ao embaixador da Palestina, veio agora o presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, segunda figura do Estado, justificar o massacre que Israel leva a cabo em Gaza. Depois de o Governo ter reconhecido a Israel o “direito de defesa” (frase de código para encobrir a tolerância com a ocupação, com o genocídio e com a limpeza étnica), fica completo o quadro da cumplicidade do Estado português com os crimes dos dirigentes sionistas. 


25 de novembro, o de ontem e o de hoje

Manuel Raposo — 28 Novembro 2023

Mário Soares com Frank Carlucci, embaixador dos EUA em Portugal de 1975 a 1978. Carlucci acompanhou todos os passos do golpe

Não é bem o 25 de novembro de 1975 que a direita hoje festeja. O movimento que está em curso (na verdade, não se trata apenas de um episódio evocativo) foi lançado em primeira mão pelo CDS em 2019 e vivamente acolhido por toda a direita, até que o presidente da Câmara Municipal de Lisboa achou, este ano, chegado o momento de pôr a ideia em marcha. A evocação, cobrindo-se com juras de pluralismo democrático, visa, de facto, dar impulso a um programa político antipopular, por isso mesmo antidemocrático – mas também, pelas forças que procura agregar, inevitavelmente protofascista ou mesmo abertamente fascista.


Deixem falar o Marcelo…

Urbano de Campos — 5 Novembro 2023

Terão sido os gregos os primeiros a dizer que a palavra foi dada ao homem para ele poder esconder o pensamento. No caso de Marcelo Rebelo de Sousa sucede o contrário: a sua verborreia e ânsia de palco são um insubstituível e precioso revelador do que lhe vai na alma.

Na esclarecedora conversa que teve com o representante diplomático da Palestina em Portugal, Marcelo desprezou soberanamente os argumentos do interlocutor. Fez tábua rasa de todo o antecedente de repressão, espoliação de território, apartheid, etc. a que a operação de 7 de outubro deu resposta militar. Mostrou que o pretexto da “legítima resposta” de Israel prevalece no seu espírito sobre a acção genocidária que está em curso. 


Palestina. O problema que o Ocidente criou e não pode resolver

Manuel Raposo — 27 Outubro 2023

Todo o apoio à Palestina

As consequências políticas da operação do Hamas de 7 de outubro (com mais três organizações da resistência palestina) são hoje tão evidentes como eram imprevisíveis há quatro semanas atrás. Os ecos que teve em toda a Palestina mostram que a acção foi acolhida pelas massas populares como uma resposta sua à ocupação israelita, e não como uma intervenção desvairada de um qualquer grupo terrorista isolado da população, como Israel e o Ocidente querem fazer crer. 


Resiste, Palestina, resiste!

Manuel Raposo — 17 Outubro 2023

Manifestação em Nablus, Cisjordânia, de apoio ao Hamas e a Gaza, 9 de outubro

Tal como na guerra na Ucrânia, também na guerra agora desencadeada na Palestina a ocultação dos antecedentes do conflito desempenha um papel chave para mistificar o sentido dos acontecimentos. A ocupação militar israelita, a opressão diária exercida sobre os palestinos, a usurpação de território — é como se nada disto existisse e apenas contasse o ataque do Hamas de 7 de outubro, saído do vazio, como se não fosse provocado. As vítimas palestinas passam à condição de vilões e os criminosos israelitas, impunes vai para 80 anos, são acolhidos como vítimas.


Encontros internacionais propõem frente contra a Nato e o imperialismo

Manuel Raposo — 30 Setembro 2023

Manifestação em Lisboa, fevereiro de 2023. Por uma vida justa, nem mais um tostão para a Nato

A Terra move-se. Nos países ocidentais, nem tudo é inacção acerca da guerra na Ucrânia. Apesar do peso esmagador da propaganda difundida pelos adeptos da guerra-até-ao-fim, e da censura às fontes de informação e às posições divergentes, há quem se mexa para contrariar a maré dominante. Duas iniciativas de alcance internacional merecem notícia: uma teve lugar em Paris em outubro do ano passado, replicada depois em Londres, Belgrado, Caracas e Gwangju (Coreia do Sul); outra é uma conferência internacional a realizar em Roma em outubro próximo.


Interrogações sobre as eleições na Madeira

Manuel Raposo — 28 Setembro 2023

Enxurradas de fevereiro de 2010 atingiram a população mais pobre: 50 mortos, 1200 desalojados

Em quarenta e sete anos, desde 1976, o PSD ganhou todas as eleições legislativas regionais na Madeira, assegurando a liderança dos catorze governos resultantes. Apenas nas duas últimas não conseguiu maioria absoluta, mas mesmo assim obteve cerca de 40% dos votos expressos. Quando uma mesma força partidária consegue manter uma tal hegemonia anos a fio, há que perguntar porquê e como — sobretudo sabendo-se que o “paraíso” montado em torno da autonomia regional mal esconde uma taxa de pobreza de 30%.


Página 1 de 135 Mais antigos >