Justiça burguesa, justiça de classe

A propósito da recondução ou não de Joana Marques Vidal

Pedro Goulart

Nas últimas semanas tem-se intensificado as tomadas de posição — a argumentação e as exigências — de vários analistas e políticos de direita, assim como as insistentes perguntas, pressionantes, dos jornalistas de serviço visando a recondução de Joana Marques Vidal como Procuradora-Geral da República. O jornal online de uma certa direita mais radical, o Observador, faz uma defesa cerrada da sua recondução, destacando-se aí a argumentação de Luis Rosa, José Ribeiro e Castro e Rui Ramos. Ler o resto do artigo »



O verão do nosso descontentamento

António Louçã

Um outro Verão, de todos os perigos e de todas as promessas, foi quente e acabou mal. Agora, mesmo com alterações climáticas, todos são igualmente cinzentos e deprimentes e já antes de começarem tem um mau fim anunciado. Este, de 2018, não foi especialmente seco nem quente, mas como podiam faltar-lhe os incêndios? Onde em 2017 ardeu Pedrógão, agora ardeu Monchique. Empresários turísticos logo apareceram de mão estendida, a fixar prazos ao Estado para lhes restabelecer as condições do negócio. Ler o resto do artigo »



Um circo montado em volta de McCain

Urbano de Campos

Os elogios rasgados ao senador norte-americano John McCain, falecido há dias, que se fizeram ouvir nos EUA como na Europa, e mesmo por cá, têm tanto de ridículo e de vazio como têm de revelador. O piloto de caça, o criminoso de guerra, o reaccionário foi silenciado para que melhor emergisse, neste momento útil, o adversário de Donald Trump. Ler o resto do artigo »



Especular é preciso, fazer justiça não é preciso

Manuel Raposo

Há muitos anos que a direita não tinha uma oportunidade para amesquinhar a esquerda como com o caso do vereador do Bloco de Esquerda na Câmara Municipal de Lisboa. Não houve um só exemplar do bando dos comentadores encartados que não aproveitasse para calcar aos pés, não só Ricardo Robles e o BE, mas através deles toda a esquerda. O BE deu o flanco, claro. Mas, vista de perto, a argumentação da direita é uma pedra que lhe cai nos pés. Ler o resto do artigo »



As lamúrias anti-Trump

Pedro Goulart

Donald Trump, após reunião com Jean-Claude Juncker, em 25 de Julho, anunciou que norte-americanos e europeus “vão trabalhar em conjunto” visando estabelecer uma relação comercial livre de taxas alfandegárias, livre de barreiras e livre de subsídios para bens comerciais. Assim, aquilo que parecia um cenário de guerra comercial EUA-UE, acabou, momentaneamente, por não acontecer. Há uma trégua, foi criado “um grupo de trabalho”, mas a luta prossegue. E Trump já cantou vitória sobre a União Europeia. Ler o resto do artigo »



A direita e o patronato, imunes ao cretinismo parlamentar

António Louçã

O ex-ministro socratista Manuel Pinho imortalizou-se um dia com os chifres que fez ao parlamento. Agora voltou ao local do crime, para insistir nas metáforas bovinas em que é especialista: a Contribuição Audiovisual (CAV), disse ele, é uma “vaca leiteira”, em que a RTP se amamenta e se alambaza. Os chifres, agora de forma menos gráfica, estão na metáfora e estão na conversa: é que foi o próprio Manuel Pinho quem assinou, entre outros ministros, o restabelecimento dessa CAV que agora abomina. Ler o resto do artigo »



Os “nossos homens” nos palcos internacionais

Urbano de Campos

A eleição, em final de Junho, de António Vitorino como director-geral da Organização Internacional das Migrações, um organismo da ONU, renovou por uns dias a vaidade nacional sobre papel desempenhado “lá fora” pelos “nossos homens”. A lista já vai longa, de facto, o que leva a saloiice dos meios de comunicação e dos dirigentes políticos a descobrir dotes especiais na alma lusa. Ler o resto do artigo »



EUA defendem-se do seu próprio veneno

Manuel Raposo

O objectivo declarado das medidas proteccionistas aprovadas por Trump, taxando fortemente produtos oriundos do Canadá, da Europa ou da China, é defender a economia norte-americana da concorrência. Mas então cabe perguntar: porque é que a (ainda) primeira economia do mundo se sente ameaçada pelas outras? Porque é que o livre comércio a prejudica depois de a ter ajudado a expandir-se e a dominar o mundo inteiro? Porque é que a “globalização” — até há bem pouco tempo arvorada como bandeira do capitalismo ianque — passou a ser um mal a combater da forma mais extremada? Ler o resto do artigo »



O futebol do mundo e o futebol de Alcochete

António Louçã

O desporto-rei ganhou ao longo do último século uma popularidade sem paralelo entre todas as modalidades. Hoje, está a um passo de ser vítima do seu próprio sucesso. A irrupção de uma milícia embuçada, para agredir jogadores no centro de treinos de Alcochete, ocasionou um debate público com várias análises acertadas sobre a involução que tem sofrido o futebol. Ler o resto do artigo »



CDS: de novo os “espoliados”

Manuel Raposo

No recato do quotidiano parlamentar, o CDS apresentou uma proposta para ressuscitar um “grupo de trabalho”, criado em 2005, que tinha por missão “ressarcir” os ex-colonos portugueses que acorreram a Portugal na sequência da descolonização. A iniciativa, que toca a mais de 60 mil pessoas, tem óbvios propósitos eleitorais. Mas não só: é a própria descolonização que é atingida de forma sibilina quando se fala de “espoliados” e da perda de “bens e direitos”. Ler o resto do artigo »



A Saúde e a caça ao bolo orçamental

Pedro Goulart

Na Convenção Nacional de Saúde, realizada em Lisboa nos dias 7 e 8 de Junho, Marcelo Rebelo de Sousa advogou que Portugal deve ter uma Lei de Bases de Saúde com princípios claros, mas flexível quanto a orgânicas e estruturas, apostando num “equilíbrio virtuoso” entre público, privado e social. Este “equilíbrio virtuoso” de que fala o presidente da República não anda certamente longe da necessidade de uma “convivência entre os sectores público, privado e social” do PSD e da defesa das Parcerias Público Privadas sustentadas por este partido. Ler o resto do artigo »



Em nosso nome, não!

Jantar-concerto comemora 70 anos de opressão na Palestina

Comité de Solidariedade com a Palestina

A Câmara Municipal de Cascais, o presidente da República Portuguesa e a Orquestra Metropolitana da Guarda Nacional Republicana resolveram juntar-se ao governo de Israel para a comemoração dos 70 anos da sua existência, isto é, os 70 anos da catástrofe que se abateu sobre o povo da Palestina, num jantar que terá lugar no dia 14 de junho no Casino do Estoril. A denúncia é do Comité de Solidariedade com a Palestina que acusa aquelas entidades de cumplicidade com Israel e reclama que se retirem da comemoração. Ler o resto do artigo »



De noite todos os gatos parecem pardos

António Louçã

A vaga de movimentos populistas, nacionalistas e de extrema-direita tem tido o seu reverso na febre unitária que, um pouco por todo o lado, se declara nos arraiais da esquerda. Diante de um perigo agudo, chamemos-lhe fascista ou outra coisa, dir-se-ia que vale tudo.

Assim, a ascensão eleitoral de Donald Trump ocasionou ideias tão peregrinas como a de um jovem deputado português que preconizava o voto em Hillary Clinton como mal menor. Ler o resto do artigo »



Capitalismo e desigualdade

CEO ganharam mais 40% em três anos

Pedro Goulart

Em 2017, os CEO (1) das empresas do PSI 20 (2) ganharam, em média, 46 vezes mais do que o custo médio que as suas empresas despenderam com os trabalhadores, enquanto, há três anos, essa diferença era de 33 vezes. Isto é, em média e em 2017, um assalariado teria de trabalhar 46 anos para obter o mesmo valor monetário que o CEO consegue em 12 meses. Ler o resto do artigo »



Maio de 68: mais do que a agitação estudantil

Manuel Raposo

Cinquenta anos passados, não há propagandista, por mais rasteiro, desta burguesia em fim de festa, que não se compraza em declarar morto o movimento de Maio de 68. A evocação que toda a comunicação social dele tem feito — em tom de enterro festivo — só tem lugar, aliás, pelo facto de as classes dominantes considerarem que a coisa é hoje inóqua e que as “transformações” reclamadas nas ruas foram absorvidas pela sociedade burguesa. Ler o resto do artigo »



Bons alunos, parceiros leais ou simples lacaios

Carlos Completo

Uma força militar composta por 146 elementos do Exército português parte no próximo dia 7 de Maio para o Afeganistão a fim de integrar uma missão da NATO, com a função específica de garantir a protecção do aeroporto internacional de Cabul. A NATO está presente no Afeganistão desde 2003, a pedido dos EUA, e na sequência dos acontecimentos do 11 de Setembro naquele país. Conta aí com cerca de 13 mil militares. Ler o resto do artigo »



Vão os EUA abandonar a lógica de guerra?

Manuel Raposo

A forma amistosa como parece ter decorrido a cimeira entre os chefes de estado coreanos, e a antecipação deste encontro em relação à prevista reunião de Donald Trump com Kim Jong-Un, mostram a intenção dos líderes coreanos de dizerem: quem decide o destino das Coreias são os coreanos. Mas não é certamente esse o pensamento do imperialismo norte-americano, que tudo fará para não perder o domínio que exerce há décadas sobre a Coreia do Sul e toda aquela parte do Pacífico. Ler o resto do artigo »



“Soldado Milhões” — o filme e a lenda

António Louçã

O filme de Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa que agora estreou será, para o público escassamente informado sobre a Primeira Grande Guerra, uma reconstituição estimulante de ambientes e de personagens. À primeira vista, as entorses ao rigor histórico serão desculpáveis com o formato de “ficção histórica” que é o do filme. Ler o resto do artigo »



A Catalunha e o cárcere europeu

Pedro Goulart

Nos últimos dias, vimos nos média que as procuradorias espanhola e alemã estão a colaborar estreitamente na negociação de uma eventual extradição de Carles Puigdemont para Espanha. Recordamos que Puigdemont foi detido pela polícia alemã, em colaboração com a polícia espanhola, quando o dirigente político independentista catalão regressava à Bélgica, vindo da Dinamarca. Ler o resto do artigo »



Criminosos e cúmplices no ataque à Síria

Manuel Raposo

O bombardeamento da Síria por parte dos EUA, Reino Unido e França, na noite de 13 para 14, não espanta ninguém. Ele foi o segundo acto da fantochada iniciada pelo governo britânico com o caso Skripal. De facto, a representante dos EUA na ONU (o robô Nikki Haley), quando falou sobre o suposto envenenamento do ex-espião, enunciou logo os alvos em toda a sua extensão: Síria, Rússia, Irão. Ler o resto do artigo »





Momento clarificador

Sobre a posição dos EUA acerca dos direitos da Palestina, diz a jornalista Dalia Hatuqa (Foreign Policy, 13 Setembro): “As políticas da administração Trump não representam uma mudança radical. A Casa Branca simplesmente abandonou a fachada de neutralidade e carimbou a agenda do governo israelita. Durante décadas, os dirigentes palestinos empenharam-se num processo de paz viciado, procurando levar a comunidade internacional a aceitar um estado palestino para a população da Cisjordânia e Gaza. Os EUA, por seu lado, foram mantendo a ficção de que eram um árbitro honesto e um mediador neutral. Ler mais »

De fininho

Marcelo Rebelo de Sousa, o cidadão e o PR, publicou um texto evocando a (sua) memória de Vera Franco Nogueira, falecida em finais de Agosto. A senhora, mulher do último ministro dos Negócios Estrangeiros de Salazar, Franco Nogueira, foi uma fiel acompanhante das missões diplomáticas do marido na procura de apoios para a política colonial do ditador. Marcelo passa ao lado da questão e destaca o papel da senhora… na fundação da Academia de Música de Santa Cecília. Mas aproveita para tirar do esquecimento outros nomes do círculo salazarista a que a sua família pertencia: Paulo Cunha, Antunes Varela, Veiga de Macedo, entre outros. É, evidentemente, um tributo de Marcelo a uma época Ler mais »

Barcelona: 100 mil pela libertação dos presos políticos

No Sábado, 14 de Julho, muitas dezenas de milhares de pessoas percorreram as principais ruas de Barcelona, exigindo a libertação dos presos independentistas e o regresso dos políticos exilados no estrangeiro. A “democracia” e a “justiça” espanhola continuam postas em xeque.
A manifestação foi convocada pela Assembleia Nacional Catalã (ANC), Omium Cultural e Associação Catalã de Direitos Civis (ACDC). O presidente do Governo Regional, Quim Torra, denunciou “o relato fictício com que o Estado construiu uma rebelião que não existiu” e defendeu que “o processo de autodeterminação da Catalunha não seja criminalizado”. A Quim Torra juntou-se a mulher de Carles Puigdemont, presidente do Governo da Catalunha deposto, e a presidente do parlamento catalão, Marcela Topor.

Embaixador-patrão

Com o desplante de um colonialista, o embaixador dos EUA em Portugal fez saber que o seu governo está muito atento aos investimentos chineses em Portugal. Argumentou que os capitais chineses não são bem privados, mas sim estatais, e que assim violam as regras da livre concorrência. Por isso, acrescentou, o que os chineses fazem não é actividade económica mas “intervenção política”. O homem, obviamente, não se enxerga: pela posição que ocupa e pelo aviso que deixou, fez precisamente o que critica nos chineses — intromissão política num país que não é o seu. Mas, por trás do desplante e da incongruência, pressente-se outra coisa: o proteccionismo de Trump não quer ficar-se pelas fronteiras dos EUA, antes pretende ter voz activa nas fronteiras de qualquer Estado, em qualquer parte.

Dissolução da NATO!


Por iniciativa do CPPC e outras organizações, realizam-se em vários pontos do país protestos contra a cimeira da NATO que terá lugar em Bruxelas a 11 e 12 deste mês. Os protestos exigem nomeadamente a dissolução da NATO e o fim das guerras de agressão.
Actos públicos em Évora (7 Julho, 11h, Praça do Giraldo), Lisboa (9 Julho, 18h, Largo Camões), Coimbra (10 Julho, 15h, Praça 8 de Maio), Faro (10 Julho, 18h, Rua Santo António), Porto (12 Julho, 18h, Rua de Santa Catarina).

Mais dinheiro para a NATO

A pretexto do culminar da celebração do “Mês de Portugal nos Estados Unidos da América” e da preparação do encontro entre Marcelo Rebelo de Sousa e Donald Trump, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Santos Silva, que faz uma visita de cinco dias a Washington, foi recebido no dia 22 pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.
Santos Silva e Mike Pompeo “ reafirmaram o compromisso mútuo entre os EUA e Portugal para aumentar as despesas com a defesa da NATO, reforçar a segurança europeia no sector da energia e enfrentar as acções destabilizadoras da Rússia”, afirmou um porta-voz do Departamento Estado norte-americano.
Santos Silva e Mike Pompeo, Marcelo Rebelo de Sousa e Donald Trump dão como certo o aumento das nossas despesas com a NATO, garantindo-nos uma funesta segurança!

Israel, zero pontos!

“Zero pontos para Israel na competição musical da Eurovisão” é uma campanha anual, lançada por cidadãos israelitas que se opõem à ocupação da Palestina e ao apartheid.
A cantora israelita Netta Barzilai representa o Estado de Israel, colaborando nos esforços para limpar a sua imagem internacionalmente. A canção, chamada “Toy”, fala de emancipação feminina e justiça social, enquadrando-se numa contínua tentativa israelita de branquear a opressão do povo palestiniano. Ler mais »

Perigos e oportunidades para a Palestina na era de Trump


Palestra, 5a feira, 10 Maio, 21 horas, Pequeno Auditório da Culturgest, Lisboa, entrada gratuita

O Comité de Solidariedade com a Palestina e o Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente, com o apoio da Culturgest, promovem uma palestra com o historiador israelita Ilan Pappé, moderada pelo jornalista José Goulão.
Ilan Pappé é uma das figuras cimeiras da denúncia do sionismo e da ocupação da Palestina e da defesa dos direitos do povo palestino.
Professor de História, director do Centro Europeu de Estudos sobre a Palestina da Universidade de Exeter, Reino Unido, iniciou a sua formação académica na Universidade Hebraica de Jerusalém e leccionou na Universidade de Haifa entre 1984 e 2006. Ler mais »

Exército israelita mata a sangue frio

Nesta sexta-feira 30, uma manifestação pacífica de mulheres, homens e crianças palestinianos reclamava, dentro das fronteiras de Gaza, o direito de retorno às casas de onde foram expulsas em 1948 as suas famílias. O espírito que levou a população de Gaza a aproximar-se da fronteira imposta por Israel é bem ilustrado por esta afirmação de um dos manifestantes, reproduzida pelo enviado especial do Le Monde: “Queremos enviar uma mensagem ao ocupante. Estamos de pé, existimos”. Ler mais »

“Um teatro cuidadosamente montado”

O jornalista australiano John Pilger, um dos poucos com coragem para denunciar os crimes do imperialismo, como fez a respeito da invasão do Iraque em 2003, definiu o caso Skripal (ver entrevista à RT) como “um teatro cuidadosamente montado” pelo governo e pela imprensa do Reino Unido com o apoio do parlamento. Destaca ele que “é extraordinário que haja uma tentativa de homicídio e um local de crime e não haja provas nenhumas”. Ler mais »

Eles protegem-se

O vergonhoso convite a Passos Coelho para professor catedrático numa universidade pública portuguesa (o ISCSP) mostra bem como o poder protege o poder. Bem se esforçam os apaniguados por enaltecer os “conhecimentos” de Passos Coelho e valorizar a “experiência” do homem como primeiro-ministro, mas não se safam do que é evidente: compadrio, nepotismo. O tacho entregue de mão beijada a Passos Coelho, para além do mais, fê-lo passar à frente de professores que esperavam a sua ocasião, razão suplementar para os abaixo-assinados que circulam contra a nomeação.
Nada disto demoveu o deputado e dirigente do PS Sérgio Sousa Pinto de vir em socorro de Passos Coelho, achando muito bem o convite. Ler mais »

Heitor da Silva, militante anticapitalista

HeitorFaleceu aos 79 anos, em 21 de Agosto de 2017, no Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, vítima de cancro, o companheiro Carlos Alberto Heitor da Silva.
No 25 de Abril de 1974, então empregado do Hotel Ritz, em Lisboa, participou empenhadamente na fundação da Comissão de Trabalhadores e nas reivindicações dos empregados da indústria hoteleira. Como já havia sido, em Santo António dos Cavaleiros, um dos grandes dinamizadores da Associação de Moradores local.
Posteriormente, aderiu ao Partido Revolucionário do Proletariado (PRP), estando envolvido nas diversas lutas então acompanhadas e desenvolvidas por este partido. Foi, e manteve-se sempre ao longo dos anos, um grande defensor do Poder Popular. Mais tarde, havia de participar nos Grupos Dinamizadores de Unidade Popular(GDUP´S). Mostrou sempre ser um militante empenhado, generoso e solidário. Ler mais »

Morreu Francisco Ribeiro, lutador antifascista

FranciscoRibeiro_crop
Com 101 anos de idade, morreu Francisco José Rebelo Ribeiro. Foi um lutador antifascista, residente durante muitos anos e até ao final na cidade de Aveiro, várias vezes detido e torturado pela PIDE. Depois do 25 de Abril, empenhou-se no apoio às candidaturas presidenciais de Otelo (1976 e 1980) e foi um activo organizador local da revista “Versus” (1983-1988).
Um dos filhos de Francisco Ribeiro, o capitão da Força Aérea Júlio Ribeiro, fora dos poucos que não abandonaram os paraquedistas da Base de Tancos aquando da deserção de 123 oficiais em vésperas do 25 de Novembro de 1975. Apareceu depois morto, em circunstâncias mal esclarecidas, que o pai sempre tentou investigar. Ler mais »

Trabalhadores das IPSS reclamam mais direitos

Os trabalhadores das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) reúnem-se dia 26 de Fevereiro, em Lisboa, num encontro nacional para debater o papel destas instituições, desfilando depois até ao Ministério do Trabalho para entregar uma resolução com várias reivindicações.
No encontro, os trabalhadores vão defender que os protocolos de cooperação que o Governo faz com a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) e a União das Misericórdias Portuguesas (UMP) passem a ter uma rubrica específica para os trabalhadores da IPSS. A grande maioria destes trabalhadores ganha o salário mínimo nacional e quer melhorar o contrato colectivo de trabalho no sentido de obter mais direitos, nomeadamente as 35 horas semanais.

CTT: greve e manifestação em 23 de Fevereiro

Os trabalhadores dos CTT marcaram uma greve nacional e uma manifestação para 23 de Fevereiro, contra a redução de pessoal e o encerramento de postos de atendimento. Esta decisão de encerramento irá provocar um aumento das deslocações dos utentes, o que, no caso da população mais idosa, dependente dos Correios para o levantamento das suas pensões, se revela bastante complicado.
Os quatro sindicatos que convocam a greve e a manifestação, convidam a população a juntar-se ao protesto em que contestam os despedimentos, o encerramento de estações de correio e a sobrecarga de trabalho dos carteiros, defendendo a reversão da privatização dos CTT-Correios de Portugal e um serviço postal universal de qualidade.