Arquivo de Maio 2008

Em comício unitário por “responsabilidade, exigência e esperança”

Bloco tenta capitalizar à esquerda do PS

José Mário Branco

A ocupação do espaço político da direita pelo neoliberalismo da linha “blairista” de Sócrates – com mais eficácia do que os governos PSD/CDS – tem vindo a desenvolver dois fenómenos no espectro político parlamentar: a paralisia política do PSD e do CDS-PP, que ficaram sem nada para fazer a não ser apoiar a escalada anti-social do governo, por um lado; e, por outro, a desmoralização do eleitorado do PS situado mais à esquerda que – como todos os comentadores, e Soares, e Santana vão avisando – pode vir a ser capitalizado pelo PCP e pelo BE, cada um à sua maneira e com o seu estilo próprios. Ler o resto do artigo »



As preocupações do dr. Soares

Pedro Goulart

Em artigo de opinião publicado no Diário de Notícias de 27/5, Mário Soares, antigo primeiro-ministro e ex-presidente da república, diz-se chocado e entristecido por Portugal aparecer na cauda dos 25 países da União Europeia quanto à pobreza e às desigualdades. Soares diz que somos o país da UE “socialmente mais desigual e injusto, ombreando com a América de Bush”. Com esta opinião certamente muita gente estará de acordo. Ler o resto do artigo »



Inflação recorde na Europa

Segundo o Eurostat, em Março e em Maio a inflação na Europa igualou o valor máximo (3,6%) desde que esse instituto foi criado, em 1999. A inflação é uma subida dos preços que afecta o custo de vida, diminuindo o poder de compra dos salários. Recentemente o Governo negociou os aumentos dos funcionários públicos na base de uma inflação de 2,3% para este ano e de 2,1% para 2009, tendo o ministro das Finanças afirmado que “a previsão da inflação para 2008 está perfeitamente em linha com a evolução verificada mesmo a nível europeu”. No entanto, recusa-se a rever os aumentos acordados em função dos novos valores da inflação. Qualquer comerciante que aldrabasse um cliente desta forma poderia ser preso e julgado por burla.



Estabilizar a instabilidade

Os jornais anunciam que o desemprego na União Europeia se mantém “estável” nos 6,7%. Em Portugal, verifica-se a taxa de 7,4% pelo terceiro mês consecutivo. E os títulos repetem: “desemprego estável”. Mas qual é a estabilidade da vida de um desempregado? Para quem vive do trabalho, é um cinismo associar a palavra estabilidade à palavra desemprego. Isso é feito para que achemos normal um fenómeno que só é normal (e benéfico) para os detentores e gestores do capital. O desemprego é a chantagem do capital sobre a mão-de-obra.



Nepal: dez anos de guerra popular ditam o fim do regime feudal

Comunistas ganharam nas urnas porque ganharam na luta armada

Manuel Raposo

nepal1_72dpi.jpgO Partido Comunista do Nepal (maoísta) venceu as eleições gerais realizadas em 10 de Abril com mais votos do que todos os demais partidos juntos. Tido como “surpreendente” pela maioria da imprensa, o resultado, pelo contrário, vem na lógica do apoio dado pela população nepalesa à guerrilha conduzida durante dez anos pelo partido e ao seu programa de abolição do regime monárquico feudal com mais de duzentos anos. Ler o resto do artigo »



Estudantes combatem praxes reaccionárias

MATA / MV

praxe_72di.jpgO movimento estudantil MATA (Movimento Anti “Tradição Académica”) denuncia os rituais alienantes associados à chamada Queima das Fitas e à recepção aos caloiros, que são apenas uma forma de desviar os estudantes dos problemas reais que os afligem: a degradação dos cursos e das instalações, a mercantilização e o encarecimento do ensino superior, a ausência de futuro para os diplomados. Ler o resto do artigo »



País Basco

A repressão tornada espectáculo

Rui Pereira

paisbascomanif_72dpi.jpgAnunciada no final deste mês de Maio, pelos governos espanhol e francês, com as velhas parangonas triunfais do costume, a (mais uma) prisão do “Número Um” da organização armada basca, ETA, teve um ingrediente novo: a convocação das televisões para a transmissão em directo de alguns rituais do espectáculo dito “antiterrorista”. Ler o resto do artigo »



EDITORIAL

Cavaco e os jovens

Afinal, o desinteresse dos jovens pela política, que tanto incomodou Cavaco Silva, era fácil de resolver. Bastou um encontro no Palácio de Belém com uns quantos dirigentes das “jotas” do leque partidário, mais uns escuteiros, para que o PR se mostrasse “confiante quanto ao futuro do sistema democrático”, uma vez que os ditos dirigentes – todos eles, como se calcula, perfeitos representantes da juventude sem trabalho, com empregos precários, excluída das escolas, vivendo em bairros de lata – lhe prometeram contribuir para a “melhoria da qualidade” do sistema político. Ler o resto do artigo »



Guerra imperialista na internet

José Mário Branco / João Bernardo

bigbrother_72dpi.jpgEm Abril de 2007 o governo da Estónia decidiu remover para um lugar esconso uma estátua em homenagem aos soldados soviéticos que haviam libertado o país da ocupação nazi, durante a segunda guerra mundial. Argumentava o governo estónio que o exército vermelho conquistara o país em vez de o ter libertado. Esta atitude talvez seja compreensível se soubermos que a Estónia foi o único país da Europa de Leste onde os nazis se comportaram de maneira relativamente moderada. Ler o resto do artigo »



As antenas da democracia (3)

O futuro bate à porta

João Bernardo

Na sequência do que foi feito nos dois números anteriores do Mudar de Vida, continuo aqui a divulgar as principais informações contidas num artigo sobre vigilância electrónica publicado em The Economist de 29 de Setembro de 2007. Ler o resto do artigo »



Desinvestir no ensino público, para favorecer o privado

Câmara e Direcção Regional da Educação de Coimbra põem em perigo crianças do primário

Catarina Martins

A Direcção Regional de Educação do Centro (DREC) e a Câmara de Coimbra estão a proceder à transferência de crianças das escolas básicas do 1º ciclo (escolas primárias) para as escolas básicas de 2º e 3º ciclos (EB 2/3, antigos ciclos preparatórios), já no próximo ano lectivo.
Trata-se de uma medida de enorme gravidade, uma vez que aquelas escolas são frequentadas por centenas de alunos (a capacidade é de 600 alunos ) com idades até aos 18/20 anos, e não foram concebidas para crianças dos 6 aos 10 anos. Ler o resto do artigo »



Contradições?

João Proença é secretário-geral da UGT, organização que diz defender os trabalhadores, mas é também membro da comissão política do PS, partido cujo governo tem dirigido uma forte ofensiva contra quem trabalha, da qual sobressai a legislação laboral (Código do Trabalho) que agora pretende impor na Assembleia da República. Pois bem, João Proença esteve recentemente na reunião da comissão política do PS onde foi dada orientação para votar favoravelmente a referida legislação. E, pasme-se, esteve calado. Será que não é o mesmo João Proença?



“Inadaptação”, alçapão para os despedimentos

António Louçã

Bem podem os patrões queixar-se de que a montanha pariu um rato e de que todas as promessas de “flexi-segurança” se reduziram à figura jurídica do despedimento por inadaptação a inovações tecnológicas. Representam desse modo aquela rábula sacramental dos descontentes, que não investem porque não lhes dão condições e que fariam desta economia um oásis de prosperidade se em tudo obtivessem satisfação. Ler o resto do artigo »



Mais trabalho precário com o novo código laboral

E aumento dos lucros dos patrões

Pedro Goulart

precario1_72dpi.jpgComo se esperava, na linha daquilo que tem sido a política do governo de José Sócrates e na continuidade da orientação resultante do Livro Branco das Relações Laborais, as normas e as alterações ao Código do Trabalho que o PS pretende fazer passar na Assembleia da República são, no essencial, favoráveis aos interesses do patronato e lesivas dos interesses das classes trabalhadoras. Ler o resto do artigo »



Voos da CIA

Embaixador dos EUA sai em defesa do governo português

Cristina Meneses

vooscia_72dpi.jpgUm dia depois de o governo português ter reconhecido a existência de voos de ou para a base de Guantânamo que passaram por Portugal (ate aqui firmemente negados), o embaixador dos EUA saiu em defesa de Sócrates.
Dois anos após a denúncia de voos ilegais da CIA, o governo comunica o que já todos sabíamos mas não explica por que razões os aviões não foram fiscalizados. Ler o resto do artigo »



De boas intenções…

Acerca de uma entrevista de Bruto da Costa

José Mário Branco

miseriaportugal_72dpi.jpgCoordenador de um novo estudo intitulado “Um Olhar sobre a Pobreza”, o professor Alfredo Bruto da Costa dá hoje (sexta-feira, 23 de Maio) uma interessante entrevista ao jornal Público, cuja leitura a todos aconselhamos. Trata-se de um repositório dos raciocínios labirínticos em que, acerca desse tema, se vai esfalfando tanta gente bem intencionada, caso do entrevistado. Desde há longa data envolvido na análise da pobreza em Portugal e da sua incidência no tecido social do país, e mesmo da sua denúncia, Bruto da Costa, quando é alvo de perguntas directas do jornalista acerca das razões e origens da pobreza, mostra-se sempre incapaz de assumir as causas que lhe estão na raiz e de mostrar o papel do Estado na (não-) distribuição da riqueza. Ler o resto do artigo »



Desigualdades, pobreza e exploração

Pedro Goulart

Segundo um relatório da União Europeia, Portugal é o país com mais desigualdade na distribuição de rendimentos no conjunto dos 25 países da Comunidade. Em 2004, havia em Portugal 957 mil pessoas a viver com 10 euros por dia, entre as quais cerca de 230 mil com menos de 5 euros. E também há as notórias desigualdades internas entre regiões e entre homens e mulheres. Ora, por aquilo que se conhece no que respeita ao agravamento do fosso que separa ricos de pobres em Portugal, de 2004 para cá a situação ainda deve estar bem pior. Ler o resto do artigo »



Presa por interpelar o general

A activista estadunidense Toby Blome, do movimento Code Pink, foi presa por ter interpelado o general Petraeus durante uma audiência no Senado para o nomear como chefe do Comando Central. Toby, na assistência, desafiou o general a pôr termo imediato à guerra e à ocupação do Iraque. Por esta atitude, é julgada dia 23 no Tribunal Superior de Washington. Toby Blome já fora a julgamento, em finais de 2006, devido a um protesto em frente à residência do ex-secretário da Defesa, Donald Rumsfeld, mas perante uma não-decisão do júri o governo não prosseguiu com a acusação. Os activistas antiguerra na capital dos EUA mobilizam-se para apoiarem Toby no seu novo julgamento. (Indymedia)



Mais um docente iraquiano assassinado

Segundo informação dada à CEOSI (Espanha) por fontes universitárias iraquianas, o cadáver de Taha Abdul Razak, professor de Estudos Islâmicos da Universidade de Tikrit, foi encontrado em 15 de Maio num veículo abandonado num subúrbio de Bagdade, juntamente com o do sheik Mahmud Talb Latif Al-Jumaily, membro da Comissão de Cientistas Muçulmanos. Com este novo caso, o número de professores universitários iraquianos assassinados desde o início da ocupação do Iraque eleva-se a 284. A lista completa dos docentes assassinados desde 2003, por comandos treinados e organizados pelos EUA, pode ser consultada em www.nodo50.org/iraq
(Iraq Solidaridad)



2.500 menores presos pelos Estados Unidos no Iraque

João Bernardo

iraquecriancapresa2.jpgEm Fevereiro (www.jornalmudardevida.net/?p=626) chamei a atenção para o caso de um detido de Guantánamo, Omar Khadr, aprisionado pelos norte-americanos no Afeganistão quando tinha 15 anos de idade. Podemos agora ver que se trata de uma prática generalizada.
Segundo um relatório enviado na semana passada pelo governo dos Estados Unidos ao Comité da ONU para os Direitos das Crianças, desde 2002 já foram presos pelas forças armadas norte-americanas no Iraque 2.500 menores de 18 anos, em alguns casos por períodos superiores a um ano. Ler o resto do artigo »



Mais um caso de violência no palco da ‘tradicional’ Queima das Fitas

MV / M.A.T.A. (Movimento Anti "Tradição Académica")

No final da semana passada, os jornais relataram mais uma história chocante relacionada com a chamada Queima das Fitas, desta vez em Braga, onde uma rapariga foi violada. Sobre o caso, o Movimento Anti Tradição Académica (M.A.T.A) tomou posição num comunicado em que afirma “Uma violação é uma violação. Mas nós temos outras coisas a dizer também”. Publicamos de forma resumida as principais passagens do referido comunicado. Ler o resto do artigo »



Brasil: gangsterismo nos sindicatos dos transportes

MV / Conlutas

Em quase todo o Brasil os motoristas e os cobradores de autocarro trabalham, para além da tradicional jornada de 8 horas, muito tempo extra, chegando a 16 ou até em casos extremos 20 horas diárias. Várias empresas de autocarro instalam colchões onde os trabalhadores dormem. E tudo por um salário mensal equivalente, no máximo, a 330 euros. A maior parte dos sindicatos deste sector nada faz pelos trabalhadores; em vez disso associam-se aos patrões e desmobilizam as greves. Ler o resto do artigo »



“Populismo” é que não

O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, disse que não cederia a “medidas populistas” e por isso não baixaria os preços dos combustíveis. Quis ele dizer, atendendo à alta contínua dos preços que se tem verificado (já por 18 vezes desde início do ano), que nada fará para controlar o custo dos transportes, do gás, da electricidade, do pão, do leite, da carne e de tudo o que directa ou indirectamente depende dos preços do petróleo. Portanto, baixar ou sequer controlar os preços de bens essenciais para aliviar um pouco os mais pobres – isso é “populismo”. Estamos entendidos. Os 25% de crianças portuguesas que vivem na pobreza percebem perfeitamente.



Falta de margem

Na mesma altura em que o ministro das Finanças se negava a travar a alta dos preços dos combustíveis, o presidente da Galp anunciava 175 milhões de euros de lucro no primeiro trimestre do ano, mais 23% do que no mesmo período do ano anterior, e declarava não haver margem para baixar os preços.



O país está no bom caminho

Esta a ideia expressa por um Sócrates cheio de bazófia, depois de saber que o desemprego descera umas décimas no primeiro trimestre de 2008, em relação ao ano anterior. Talvez tentando disfarçar a diminuição (de 2,2 para 1,5%) do crescimento económico, que o seu governo acabara de reconhecer. O que Sócrates não disse foi que grande parte dessa descida de desemprego se deveu ao aumento do trabalho precário, o que prenuncia mais desemprego. Também não disse que, entre 2005 e 2007, o número de desempregados a receber subsídios de desemprego, segundo o INE, passou de 72 para 56% do total dos desempregados. Particularmente afectados pela falta dos subsídios estão as pessoas com menos de 30 anos e os desempregados com mais de 45 anos.



Precários Inflexíveis

O grupo Precários Inflexíveis, plataforma de luta contra o trabalho precário, vai juntar-se no café do Cinema São Jorge, em Lisboa, às 21h30 de 4a feira, dia 21 de Maio, para pensar e planear as próximas acções de intervenção. Em convocatória pela Internet faz um convite à participação dos interessados, anunciando “rebeldia e luta contra a precariedade”. O grupo prepara novas acções e denuncia o facto de a Concertação Social ser só para alguns. Com efeito, chama a atenção para o milhão de trabalhadores precários existentes no país e para os outros à beira de o ser e que não estão verdadeiramente representados nesses fóruns. O precariado já não é o que era…



Os números falam

O Diário de Notícias de hoje, 20 de Maio, dá conta de que 25 novos hospitais privados vão abrir no país até 2009. Na forja está ainda a regulamentação das Casas da Saúde que englobam a prestação de cuidados continuados e que se prevê venham a instalar-se nas capitais de distrito (22 no total). Nesta corrida às privadas muitos médicos abandonarão os hospitais do Estado, calculando-se que dentro de 3-4 anos faltem médicos nos serviços públicos de saúde. Se dúvidas houvesse sobre o propósito do governo, na linha dos anteriores, de entregar o negócio da doença nas mãos de capitais privados, os números aí estão para as desfazer.



Maio de 68

A questão da exploração dos trabalhadores foi o eixo das reivindicações estudantis

João Bernardo

mai68_1.jpgUns jovens interessantes, embora um tanto ou quanto estouvados, erguendo barricadas e lançando pedras à polícia em nome de ideias generosas mas completamente impraticáveis − eis como o Maio de 1968 tem sido frequentemente apresentado na avalanche de artigos e conferências que celebram os quarenta anos passados sobre o acontecimento. Muitos comentadores simpatizam com esse movimento na medida em que o consideram utópico e, portanto, inofensivo. Simpatizam mais ainda quando só vêem estudantes envolvidos, cujos protestos e desordens não punham directamente em perigo a base económica do sistema. Mas Maio de 68 não foi um movimento utópico, foi um movimento derrotado, o que é muito diferente; e mesmo durante a fase inicial, restrita ao meio estudantil, a questão da exploração dos trabalhadores foi determinante. Ler o resto do artigo »



Família Bush envolvida com o nazismo

Há décadas que circulam rumores acerca de laços entre a família presidencial dos EUA e a máquina de guerra nazi. Agora o jornal britânico The Guardian revela como os processos baseados na Lei (estadunidense) dos Negócios com o Inimigo ainda se fazem sentir no presidente actual. O avô de George W. Bush, o antigo senador Prescott Bush, foi presidente e accionista de empresas que fizeram lucros com os apoiantes financeiros da Alemanha nazi. O Guardian obteve, por meio de dossiês recentemente revelados nos Arquivos Nacionais dos EUA, a confirmação de que uma empresa dirigida por Prescott Bush esteve relacionada com os arquitectos financeiros do nazismo.



O mundo editorial em guerra

Chantagem do grupo Leya sobre a organização da Feira do Livro

Pedro Acabado

feiradolivro_72dpi.jpgAssiste-se na área editorial a uma guerra que tem como base a concentração das editoras em dois grandes grupos: a Leya, liderada pelo empresário Miguel Paes do Amaral; e o Círculo de Leitores, do consórcio alemão DirectGroup Bertelsmann. Os conflitos reflectem-se nas duas associações de livreiros: a União de Editores e Livreiros (UEP) e a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL). Ler o resto do artigo »



Computador de esquerda, computador de direita

Agências noticiosas dos EUA e britânicas deram grande destaque às declarações do director-geral da Interpol, que teria confirmado a existência de laços secretos entre o presidente venezuelano Hugo Chávez e a guerrilha colombiana (FARC). Mas a Interpol diz exactamente o contrário: o computador com as supostas “provas”, apreendido a um dirigente das FARC, foi manipulado pelo exército colombiano, sendo impossível autenticar os documentos lá encontrados. Em contrapartida, um paramilitar colombiano foi extraditado da Colômbia para os EUA, e o seu testemunho silenciado. O seu computador tinha provas, essas sim autenticadas, de assassinatos, fraudes eleitorais, compra de deputados e governadores; e da implicação do presidente colombiano Álvaro Uribe, aliado dos EUA, nas acções dos paramilitares. (MV/VoltaireNet)



É só fumaça?

M. Gouveia

socratescigarro_72dpi.jpgÀ primeira vista, o incidente do cigarro de Sócrates não merece mais que um título “Se fumar mata, o ridículo também”.
Mas vejamos: houve uma denúncia sobre esta prevaricação do primeiro-ministro. Houve alarde em toda a comunicação social. Sócrates fez uma contrição pública. Não serão alarmantes sintomas de que estamos numa sociedade vigiada, hipócrita e moralista? E de que o exercício público da política está a ser intencional e subrepticiamente substituído por uma cultura telenovelesca para desviar a atenção dos cidadãos dos verdadeiros problemas e assim os reduzir a espectadores passivos de uma medíocre farsa, encenada para esconder a tragédia que se passa nos bastidores e de que eles são as vítimas? Ler o resto do artigo »



Também no Japão

Um terço dos japoneses vive de trabalho precário

João Bernardo

operariosjaponeses_72dpi.jpgTerminada a segunda guerra mundial, o Japão, ocupado pelos vencedores norte-americanos, era um país em escombros e onde as forças políticas de esquerda tinham peso e existiam sindicatos combativos. Para reforçar os sindicatos reformistas e evitar o perigo revolucionário instituiu-se o hábito de proceder a negociações anuais entre os sindicatos e as maiores empresas, em que se estabeleciam os aumentos salariais, tomados depois em consideração pelas restantes firmas. Estas negociações anuais, juntamente com o emprego vitalício garantido a numerosos trabalhadores e as promoções por tempo de serviço, constituíam a base do pacto social em que assentou a considerável estabilidade daquele país. Ler o resto do artigo »



Não se pode exterminá-los?

A EDP, uma empresa de serviço público, cumpre à risca as regras do capitalismo mais coerente. Aumento para os trabalhadores: 1,8%. Aumento para os administradores: 118%. Não, não é engano: cento e dezoito por cento! Com ar de gozo – um gozo criminoso, tendo em conta os aumentos miseráveis dos trabalhadores e as dificuldades de sobrevivência da grande maioria da população – o presidente da administração, António Mexia, declarou, quando interpelado pelos jornalistas: “Sobre o aumento de 118%? Não me queixo…”.



“O outro lado da moda”(*)

500 despedimentos no sector têxtil de Barcelos, só no primeiro trimestre do ano

Urbano de Campos

vilorbarcelos_72dpi.jpgNo final de Abril, mais uma empresa têxtil de Barcelos, a Vilor, fechou as portas mandando para o desemprego 67 trabalhadores. Uma semana antes, uma outra empresa dos mesmos patrões, a Lor & Lor encerrou igualmente despedindo 33; e mais duas, a Districelus e a JSL, fecharam também e despediram 20 trabalhadores cada uma.
Invocando “falta de condições para laborar”, os proprietários da Vilor e da Lor & Lor anteciparam as férias dos trabalhadores – não certamente para lhes conceder esse direito mas para não os ter por perto quando fosse anunciado o encerramento que todos já anteviam. Ler o resto do artigo »



Professores voltam à rua

A Plataforma Sindical dos Professores promove no próximo sábado, dia 17, manifestações regionais de professores em Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e Faro integradas num protesto nacional. Em Lisboa a concentração faz-se no alto do Parque Eduardo VII, às 15 horas. As exigências dos professores são as seguintes: Contra o modelo de avaliação do ministério da Educação, avaliação sim mas esta não. Contra a gestão do Sr. Director, em defesa da gestão democrática. Pela revisão do estatuto da carreira docente. Pela contagem integral do tempo de serviço. Em defesa da escola pública, em defesa de serviços públicos de qualidade para todos, por condições de trabalho dignas.



Estão bem uns para os outros

Os que decidiram homenagear Durão Barroso, um dos criminosos da guerra do Iraque, entregando-lhe a chave da cidade de Lisboa; ou os que aprovaram (ou deixaram passar) o voto de pesar na Assembleia da República pela morte do cónego Melo, um reconhecido terrorista e confesso representante da direita mais reaccionária – estão bem uns para os outros. É neles que temos de ver os responsáveis pelos tempos sombrios que vivemos hoje em Portugal.



Bolívia: “Media Luna, NO!”

Daniel Caribé

bolivia2.jpgEntre Dezembro de 2007 e Janeiro de 2008, quando a nova Constituição foi aprovada – e a maioria dos trabalhadores bolivianos a apoiava – intensificou-se, entre as classes dominantes de algumas províncias, o propósito de divisão do país, a que chamaram “autonomia”. Na conturbada história da Bolívia, mais um momento de convulsão social se aproximava. Ler o resto do artigo »



Queixa colectiva contra a polícia

Um grupo de 32 cidadãos apresentou queixa na Inspecção Geral da Administração Interna (IGAI) contra o tratamento brutal de que foram alvo por parte da polícia quando, no passado dia 8 de Fevereiro, resistiam pacificamente ao fecho do Grémio Lisbonense, em Lisboa. A Lusa esteve presente na conferência de imprensa que anunciou esta iniciativa, mas praticamente nada passou para os médias dominantes. Trata-se, ao que sabemos, da primeira queixa colectiva deste género.



Anonimato, porquê?

O contrato de exploração do Terminal de Contentores de Alcântara foi prorrogado por mais 27 anos e meio sem concurso público. Juristas contactados pelo Público afirmaram que a extensão do contrato “pode valer mais do que o contrato original” e que, assim, “nada permite nem justifica que não seja submetida à concorrência”. Sublinharam ainda que o Estado, ao perpetuar um concessionário na prestação de um serviço público, não admite “outras propostas com possíveis melhorias”. Estas afirmações foram proferidas sob anonimato. Depois de uma notícia do Jornal de Negócios, é a segunda vez que especialistas consultados pela imprensa pedem anonimato ao comentarem notícias relacionadas com a Mota-Engil desde que esta contratou Jorge Coelho como administrador.



Como a “reforma do Estado” dá dinheiro a ganhar

INA e privados facturam milhões em "cursos" e "acções de formação"

Urbano de Campos

siadap_72dpi.jpgO Instituto Nacional de Administração (INA), que pertence ao ministério da Economia, está a organizar acções de formação sobre a avaliação de desempenho dos professores. O curso custa 200 euros por pessoa. Como se pode ver no respectivo site, do total de nove acções de formação previstas, quatro já estão esgotadas. Em cada uma podem participar no máximo 25 professores, o que significa que só nestas quatro o INA arrecadou 20 mil euros. A Fenprof acusa o Governo de «fazer negócio à custa dos professores». Ler o resto do artigo »



Direita boliviana conspira contra o governo de Evo Morales

A embaixada dos EUA organiza a divisão da Bolívia

Manuel Raposo

boliviamorales_72dpi.jpgAs forças da direita boliviana – empresários, banqueiros e grandes proprietários – movem contra o regime do presidente Evo Morales uma acção subversiva que procura travar o processo de nacionalizações e de reformas populares. Esta oligarquia, com o apoio dos EUA, reclama a autonomia em quatro das nove províncias (departamentos) do país, não por acaso as mais ricas. Ler o resto do artigo »



Greve na cervejeira Cintra

Os operários, na maioria jovens, concentraram-se em protesto na entrada da empresa

Pedro Goulart / Urbano de Campos

Os trabalhadores da cervejeira Cintra, em Santarém, estiveram em greve de três horas por turno, em 30 de Abril. Protestam contra a falta de actualização salarial desde há 7 anos e contra a insegurança dos postos de trabalho. A greve responde também à interrupção, pelos patrões, da negociação do Acordo Colectivo de Empresa, que estava em curso. Ler o resto do artigo »



Estão a mexer no nosso bolso

Impostos pagos pelos bancos voltam a diminuir

Faria de Almeida

lucrodosbancos_96dpi.jpgEm resposta a diversos protestos, o ministro das Finanças e o primeiro-ministro proclamaram a sua intenção de acabar com os privilégios fiscais da banca portuguesa que paga menos impostos do que a generalidade das empresas. Para além da injustiça evidente, o facto constitui um verdadeiro ultraje aos portugueses face aos elevadíssimos lucros auferidos pelo sector bancário num Portugal onde um quinto da população vive abaixo do limiar da pobreza. Ler o resto do artigo »