Arquivo de Janeiro 2008

Continuar a fazer pressão

Movimentos de utentes de vários municípios (Anadia, Vouzela e outros), que nos últimos tempos têm perdido serviços de saúde, fizeram hoje, 30 de Janeiro, uma manifestação que reuniu várias centenas de populares frente à Assembleia da República, em protesto contra a actual política de saúde do governo. Comentando para a televisão a demissão do ministro da Saúde, uma das manifestantes disse: “Julgo que não vai haver mudança, a menos que continuemos a fazer pressão”.



Fazer contas, ou fazer de conta

M. Gouveia

Numa jornada de oposição ao governo que o BE promoveu, Francisco Louçã denunciou que as desigualdades salariais estão a aumentar; que houve 70 milhões de euros de indemnizações para cinco administradores do BCP; que um administrador ganhava 300 mil euros por mês, o que tantos ganham em 30 anos de trabalho; que há meio milhão de desempregados, dos quais cerca de 300 mil já não recebem subsídio de desemprego; que os lucros das 10 maiores empresas subiram para 6 mil milhões de euros, etc.
E afirmou: «É preciso dizer ao primeiro-ministro que acabou o tempo da aldrabice e é tempo de prestar contas, em nome da justiça e do respeito». De que respeito é que ele está a falar? De quem por quem? Ler o resto do artigo »



Auschwitz-Gaza

Cavaco Silva participou, na Sinagoga de Lisboa, numa evocação das vítimas do holocausto promovida pela Comunidade Israelita, na data do aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz. Como chefe de um Estado laico é inaceitável que se tenha prestado a fazê-lo num templo e de acordo com os ritos de uma confissão religiosa – colaborando de facto na deturpação que procura reduzir um crime contra a humanidade a um crime contra os fiéis de uma dada religião. No plano político, é igualmente inaceitável que a condenação dos crimes de ontem dos nazis contra os judeus tenha servido, objectivamente, para silenciar os crimes praticados hoje contra os palestinianos – quando, aos olhos de todos, milhão e meio de pessoas estão cercadas no campo de concentração em que o Estado israelita, reclamado herdeiro das vítimas de Auschwitz, transformou a faixa de Gaza.



Imigração – Uma lei que proteje as máfias

Lições da expulsão recente de 23 marroquinos

António Cunha

imigrantesbarco.jpgDo caso dos 23 cidadãos marroquinos que acabaram detidos no Centro de Instalação Temporária do Porto há várias ilações a tirar: sobre a lei de imigração, o papel do governo de Sócrates, a figura do ministro Rui Pereira, e, enfim, sobre o ambiente geral em que Portugal está mergulhado. Ler o resto do artigo »



Nada de bom a esperar do novo Código do Trabalho que o governo prepara

Pedro Goulart

codigotrabalho_72dpi.jpgO Livro Branco das Relações Laborais é um relatório/receituário elaborado a mando do governo e que visa aplanar o caminho para a aprovação de um novo e mais gravoso Código do Trabalho. Sob a capa de “estudo objectivo”, o relatório prenuncia já o que o governo e os patrões preparam no domínio da legislação laboral. Ler o resto do artigo »



“Opinião mediática”, as notas oficiosas do regime

Rui Pereira

As duas principais figuras públicas do PSD, Luís Filipe Menezes e Pedro Santana Lopes, acabam de apontar baterias críticas à situação dos comentadores televisivos. Queixam-se de as posições do seu partido não se encontrarem bem defendidas pelos sociais-democratas com lugar cativo nas estações de televisão, os quais muitas vezes criticarão mais o seu próprio partido do que os respectivos adversários. Entendem, por isso, a situação como um problema de falta de democraticidade. Ler o resto do artigo »



Só não vê quem não quer

As declarações do bastonário da Ordem dos Advogados geraram polémica e mal-estar entre os partidos do poder. Muitos dos casos de corrupção de altos e médios funcionários do aparelho de Estado e de enriquecimento ilícito, de que falou Marinho Pinto, metem-se pelos olhos dentro, e só não os vê nem os investiga quem não quer ou não pode fazê-lo. Não fora esta justiça uma justiça de classe, bastaria investigar seriamente alguns senhores que se têm passeado entre ministérios, autarquias e conselhos de administração nas últimas décadas, as medidas que adoptaram em beneficio de diversas empresas e sectores económicos, assim como a forma como adquiriram as fortunas de que hoje usufruem.



Coincidências

O Grupo Carlos Saraiva, proprietário de 4 hotéis em funcionamento no Continente e na Madeira, viu embargada uma obra para mais um hotel em Belém (Lisboa) por falta de licença municipal. O grupo, que se dedica aos hotéis de luxo, tem planos para construir mais 11 mil camas até 2010. Dos administradores da empresa fazem parte Margarida Magalhães, ex-vereadora do Urbanismo da Câmara Municipal de Lisboa, e o ex-chefe de gabinete de João Soares na CML, Tomás Vasques. O mesmo hotel em Belém deu celeuma há poucos anos pelo facto de lhe ter sido autorizada pela CML a construção de um parque de estacionamento num terreno que João Soares cedera, verbalmente, à Universidade Moderna, que fica mesmo ao lado.



Juntas médicas e classes sociais

M. Gouveia

teixeirapinto_72dpi.jpgAna Maria Brandão, funcionária da Junta de Freguesia de Vitorino de Piães, em Ponte de Lima, portadora de cervicalgia e lombalgia degenerativas e após três anos de baixa, foi obrigada, pela Caixa Geral de Aposentações (CGA), a regressar ao trabalho em Novembro de 2007. Cumpriu o horário laboral sentada numa cadeira, encostada a uma parede e ajudada pelo pai. Quando as televisões falaram do assunto, o ministro das Finanças anunciou que ela iria entrar novamente de baixa médica até que a CGA fizesse a reapreciação do caso. Reavaliada por nova Junta Médica, a CGA indeferiu o seu pedido de reforma antecipada porque não se encontrava “absoluta e permanentemente incapaz” para o trabalho. Ler o resto do artigo »



Como Correia de Campos desmantela o Serviço Nacional de Saúde

Ismael Pires (*)

urgenciahospital_72dpi.jpgO ministro da Saúde Correia de Campos é uma das mais sinistras personagens que têm passado pelos governos de Portugal. Isto pela forma cega e insensível como aplica as ordens do seu chefe. Poupar dinheiro e desmantelar o Serviço Nacional de Saúde são os objectivos políticos, a agenda secreta da quadrilha que nos governa. Alguns dos seus correligionários, desfazem-se agora em indignação bradando contra aquilo que designam de «aproveitamento político da morte de duas crianças». Ler o resto do artigo »



E a vida continua…

Em Espanha, um condutor que atropelou mortalmente um jovem de 17 anos pediu em tribunal, aos pais da vítima, uma indemnização de vinte mil euros pelos estragos que o corpo do rapaz causou no seu Audi e por ter tido de usar outro veículo enquanto o carro estava a arranjar. “Também sou vítima. O problema do rapaz já não tem remédio, mas o meu tem”, disse. A mãe da vítima chegou a pensar “que o pobre homem tinha de carregar com a morte do meu filho durante toda a sua vida”, mas isto, concluiu, “para mim foi a estocada final, uma grande punhalada”. Talvez o nosso Ministro da Saúde lhe possa explicar (como fez sobre as acusações da morte da criança em Anadia) que está a fazer um “aproveitamento ignóbil” da morte do filho



Voto contra, mas light

Porque considera que “a nova lei eleitoral autárquica põe em causa uma trave mestra da democracia”, Manuel Alegre absteve-se na votação na Assembleia da República!



Ninguém é ilegal!

Vigília no Porto de solidariedade com os imigrantes marroquinos expulsos

Reunião marcada para dia 28 volta a debater a situação

António Cunha

vigiliaporto1_72dpi.jpgPor volta das 15h30 do dia 23, soara o alarme. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras preparava-se para, ainda nessa tarde, proceder à deportação de mais alguns dos imigrantes detidos no Espaço de Acolhimento de Estrangeiros e Apátridas, Unidade de Santo António, no Porto. Os que chegaram ao local cerca das 16h30 não viram sair ninguém. Por volta das 18h00, a advogada de alguns dos detidos informou que já só estavam seis marroquinos dentro do Centro de Instalação Temporária do SEF. A deportação vespertina já tinha tido lugar. Ler o resto do artigo »



Expulsos sem direitos

Seis dos 23 marroquinos detidos no Porto, apanhados quando desembarcaram na costa algarvia, a 15 de Dezembro, foram repatriados sem que a sua advogada tenha sido informada. Mais quatro serão expulsos nas próximas horas. A informação, divulgada pelos marroquinos que ainda se encontram presos ao deputado José Soeiro, foi confirmada pelo ministro da Administração Interna ao afirmar ser a expulsão a medida mais correcta. O crime foi quererem melhorar de vida na mitificada Europa e caírem nas malhas das redes de tráfico humano. “Não podemos ficar de braços cruzados a assistir a esta violação dos direitos das pessoas”, diz a Casa Viva em mensagem email, convidando as pessoas a aparecerem na sua sede (Pr. M. Pombal, 167 Porto) para tomarem posição sobre o caso. (MV/Casa Viva)



Evolução

Quando, em Dezembro passado, a Câmara de Lisboa concedeu um subsídio de 400 mil euros aos organizadores do rali Lisboa-Dacar e os isentou de taxas de ocupação do espaço público, o vereador do BE José Sá Fernandes votou contra, argumentando com o facto de o rali ser promovido por uma “entidade privada”. Um mês depois, quando a mesma questão se colocou para o festival Rock in Rio, o argumento já não serviu e até se inverteu. Sá Fernandes votou a favor da proposta do PS e secundou as justificações de António Costa para gastar dinheiros públicos em apoio duma iniciativa privada com fins lucrativos. (ver artigo sobre o assunto)



Terrorismo?

João Bernardo

bushterror_72dpi.jpgO terrorismo tem sido definido como o recurso a formas violentas para derrubar as instituições vigentes. O curioso nesta definição é o seu carácter assimétrico, porque o facto de as instituições recorrerem sistematicamente a formas violentas para não serem derrubadas não costuma ser classificado como terrorismo. O que aliás não espanta, porque são os donos das instituições a ditar quem é terrorista e quem não o é. Ler o resto do artigo »



Operários fazem gerente refém

A polícia francesa invadiu uma fábrica de gelados para libertar um gerente britânico feito refém pelos trabalhadores por quase 18 horas. Prakash Patel foi retido no seu escritório na cidade de Saint Dizier, no leste do país, depois de terem sido anunciados 250 despedimentos, cerca de metade dos postos da fábrica, que pertence ao gigante anglo-holandês da área alimentar Unilever. O gerente tentava deixar a fábrica quando cerca de 40 trabalhadores lhe bloquearam o caminho e o forçaram a voltar ao escritório. Vinte polícias foram enviados para libertar o gerente, mas, quando alguns operários bloquearam a porta, começou um confronto e 14 pessoas ficaram feridas.



Milton Wolff

Os que da lei da morte se libertam

Manuel Monteiro

miltonwolff_crop.jpgMilton Wolff foi um daqueles homens cuja vida pode ser apontada como um exemplo do lutador pela liberdade. Morreu agora com 92 anos em Berkeley, Califórnia.
Militante das juventudes comunistas, mal rebenta a guerra civil espanhola alista-se como voluntário e, por feitos heróicos em combate contra as tropas fascistas, foi promovido a comandante da Brigada Lincoln. Ler o resto do artigo »



A greve valeu a pena

Vitória dos trabalhadores da Valorsul

José Mário Branco

valorsulgnr_reduz72dpi.jpgA greve dos trabalhadores da Valorsul, de 13 a 20 de Novembro, acompanhada de perto pelo MV, deu origem a um período de negociações com a administração desta empresa de capital público que assegura o tratamento dos resíduos de cinco concelhos da região de Lisboa (Lisboa, Vila Franca de Xira, Amadora, Odivelas e Loures).
Fonte sindical do SINQUIFA informou-nos de que o desfecho da luta foi, no essencial, favorável aos trabalhadores. Estes sentem que o processo de greve, que lhes custou algum cansaço físico e sacrifícios económicos, valeu a pena. Vejamos os vários aspectos decorrentes da negociação. Ler o resto do artigo »



Morrer a trabalhar

Acidentes de trabalho mataram 160 trabalhadores em 2007, mais 3 que em 2006. Os dados, divulgados pela Autoridade para as Condições de Trabalho, revelam ainda que, por sectores, morreram 81 pessoas na construção civil, 30 na indústria transformadora, 22 no comércio e serviços, 14 na agricultura, 4 nos transportes e armazenagem, 1 na administração pública e 8 em outros sectores. As pequenas empresas (com menos de 9 trabalhadores) somaram 66 mortos e as grandes (com mais de 50 trabalhadores) atingiram 43. Nove dos mortos eram imigrantes (5 brasileiros, 2 angolanos e 2 ucranianos). Pelo menos 80% dos mortos são de sectores operários (mais de 10 vítimas por mês), facto que revela quem é mais penalizado pelas condições de trabalho, inclusive nas grandes empresas (3 a 4 mortos por mês).



Cesare Battisti

Um perseguido em redor do mundo

João Bernardo

battisti.JPGOs órgãos de informação de massas esforçam-se por legitimar ideologicamente as medidas antiterroristas, apresentando-as como uma necessária preservação dos valores da tolerância contra o fundamentalismo islâmico. Esquecem-se − ou, mais exactamente, procuram fazer esquecer − que o governo de Washington é integrado por fundamentalistas religiosos não menos fanáticos e que conta como principais apoios entre os países muçulmanos a Arábia Saudita, esse exemplo de feminismo e de liberdade religiosa, e o Paquistão, outro exemplo de perfeito funcionamento das regras parlamentares. E esquecem ainda que as medidas antiterroristas, não só agora mas desde há muito, se têm destinado a perseguir os que lutam contra o capitalismo. Ler o resto do artigo »



Roubo, também nas pensões

As alterações introduzidas na Segurança Social pelo governo de Sócrates estão a ser aplicadas, no conjunto, desde Janeiro. Sobretudo os reformados que auferiam salários mais baixos são fortemente atingidos pelas novas medidas. O economista Eugénio Rosa apresenta o caso concreto de uma trabalhadora do sector têxtil que, se se tivesse reformado em 2006, receberia 461 euros de pensão; mas, reformada em 2007, só recebe 388 euros. Pensões mais baixas e tempo de trabalho obrigatório mais alongado são os resultados das medidas governamentais. À sombra da “modernização” e da “sustentabilidade” da segurança social, são canalizadas para o capital, também por esta via, massas consideráveis de riqueza.



Com os votos do PS, PSD, BE e Lisboa com Carmona

Câmara de Lisboa isenta Rock in Rio de 6,5 milhões de euros em taxas

M. Raposo

Por proposta do presidente António Costa – aprovada com os votos do PS, do PSD, do BE e dos vereadores de Carmona Rodrigues – a Câmara Municipal de Lisboa decidiu isentar de taxas a organização do festival Rock in Rio deste ano, à semelhança de anos anteriores. São 6,5 milhões de euros que não entram nos cofres da CML, apesar da grave situação financeira que atravessa. Ler o resto do artigo »



CML despede mais 96

Mais 96 contratos de prestação de serviços foram rescindidos pela Câmara Municipal de Lisboa, no âmbito das medidas de “saneamento financeiro”. Os trabalhadores visados denunciam o facto de os critérios não levarem em conta o trabalho desempenhado e sim as escolhas pessoais dos responsáveis municipais. Num dos casos, levantado pela própria pessoa na Assembleia Municipal, o trabalho era exercido há 5 anos e meio e o contrato tinha sido firmado com base numa declaração do Director Municipal de Recursos Humanos de que as funções eram imprescindíveis para o funcionamento dos serviços.



Programa político

Mike Huckabee, ex-governador do Arkansas e candidato republicano à presidência dos EUA, disse, num acto da campanha eleitoral, que os prisioneiros de Guantânamo são mais bem tratados que os presos do seu Estado. Para deixar claro que não estava a reclamar uma melhoria de tratamento para os “seus” presos, gracejou: “Espero que eles não saibam disto, porque senão vão todos querer ser transferidos para Guantânamo”.



Brasil: rumo ao paraíso da mão-de-obra barata

O passo a passo das reformas neoliberais

Paulo Marques, professor e dirigente sindical

No Brasil, o Governo de Lula, do Partido dos Trabalhadores, dando continuidade ao projeto neoliberal, está a atacar descaradamente os trabalhadores. Durante toda a década anterior, o PT ainda fez oposição às reformas de desmonte da legislação social e trabalhista de Fernando Henrique (FHC). Entretanto, o PT, logo ao assumir, começou a desmontar a Previdência Social. Uma burocracia sindical profissionalizada gerada em longo processo dentro do partido agora cumpre seu papel de “gestores da economia” em cargos de governo e Fundos de Pensão. Administra a crise do Capital, seguindo o receituário neoliberal: descarregar o peso da crise nas costas dos trabalhadores. Ler o resto do artigo »



Que generosos…

Pela nova lei, os pensionistas iriam receber em Janeiro os aumentos de Dezembro, no valor de 2,4 % sobre o montante das suas pensões. A 90% deles caberiam menos de 15 euros de acréscimo. Mas seriam cerca de 15 milhões a debitar pelas Finanças num só mês. Então, o ministro Vieira da Silva resolveu transformar milhões em tostões, dividindo os magros 15 euros por catorze meses. Contando com os que, entretanto, morressem, seria muita poupança. Diante dos protestos, o ministro recuou e vai agora pagar o total devido, quando puder. O autor da manobra, o secretário de Estado da Segurança Social, Pedro Marques, teve o desplante de dizer que os pensionistas sairiam beneficiados porque os aumentos de 2009 incidiriam sobre uma base maior… (MV/JR)



Em greve desde Dezembro

A maior ocupação de minas na história da Polónia

M. Raposo

mineirosbudryk1.jpgQuinhentos mineiros da mina de carvão polaca de Budryk estão em greve, desde meados de Dezembro, com ocupação das galerias a mil metros de profundidade. Exigem salário igual ao dos trabalhadores da Jastrzebska Coal Company, que acabou de comprar a mina. Apesar de terem uma produtividade duas vezes superior à média da industria mineira na Polónia, os mineiros de Budryk têm os salários mais baixos do sector. Ler o resto do artigo »



Ajuda envenenada

Um soldado britânico de 18 anos que perdeu uma perna no Iraque contraiu sida por lhe terem administrado sangue contaminado. O sangue, fornecido pelos militares norte-americanos, não fora devidamente testado. Tentando desculpar a negligência, o presidente do Comité da Defesa da Câmara dos Comuns britânica disse à cadeia de TV Skynews que “as vantagens de receber sangue de qualquer tipo quando se é ferido ultrapassa de longe os riscos da contaminação”, e enalteceu a ajuda dos EUA que “deram o seu sangue para salvar os nossos militares”. O soldado faz parte de um conjunto de dezoito militares e seis civis feridos no Iraque e no Afeganistão infectados com VIH, hepatite e sífilis em resultado de transfusões.



Aldrabice europeia à descarada

Sócrates acha que os portugueses são parvos

José Mário Branco

socratestratado_72dpi.jpgRaramente os formalismos da conversa dos deputados na Assembleia foram tão ridículos como no dia em que Sócrates anunciou a ratificação do Tratado Europeu por via parlamentar. Um contraste de palhaçada entre, por um lado, aqueles “vossa excelência” a que os obriga o regulamento e, por outro, a aldrabice pegada das justificações do primeiro-ministro para não fazer o referendo. Ler o resto do artigo »



EDITORIAL

A tentação ditatorial

A decisão, congeminada por PS e PSD, de eliminar os pequenos partidos é mais um corte nos direitos democráticos estabelecidos há 33 anos. Tanto basta para qualquer força de esquerda se lhe opor. Mas, para além disso, importa ver como a medida evidencia o esvaziamento da democracia representativa.

Provou-se, bem cedo, que o voto apenas confere ao povo – reduzido à condição periódica de eleitor – a capacidade de escolher os representantes das classes dominantes que hão-de espezinhar os direitos da maioria. A distância entre as promessas eleitorais e as políticas praticadas nestas três décadas aí está para o demonstrar. Ler o resto do artigo »



"Demagogia e populismo"?

Gestores chegam a ganhar 219 vezes mais que os trabalhadores

Pedro Goulart

salaires_72dpi.jpgA propósito dos reparos feitos por Cavaco Silva à enorme desproporção entre o que ganham os gestores “de topo” e os trabalhadores das respectivas empresas, apareceram uns senhores (J. Miguel Júdice, Pacheco Pereira, Lobo Xavier & Cª) – daqueles que não precisam de contar até ao fim do mês os euros que lhes restam – a dizer que diminuir as diferenças salariais não resolve o problema e que o discurso de Cavaco cedeu à “demagogia e ao populismo”. Ler o resto do artigo »



Kosovo

M. Raposo

mapakosovo_72dpi.jpgA história actual do Kosovo começa em 1991. A então Jugoslávia resistia à expansão da União Europeia. A Alemanha alimentou o separatismo das repúblicas do norte da federação jugoslava: a Eslovénia e a Croácia. Quando as tropas federais foram enviadas para defender a unidade do país, o Ocidente levantou o fantasma da “Grande Sérvia” e a guerra estalou. Eslovenos e croatas, apoiados militarmente pela Alemanha, declaram independência e são imediatamente reconhecidos pelo governo de Kohl. A UE, dividida, cede ao facto consumado. Acto contínuo, a guerra alastra à Bósnia com o mesmo resultado. A Jugoslávia vai sendo cortada às fatias e os novos países tornam-se presas da UE. Ler o resto do artigo »



ACRL denuncia nova lei dos partidos

A Associação Cívica República e Laicidade dirigiu aos presidentes da República e da Assembleia da República um apelo em que denuncia as restrições às liberdades democráticas impostas pela nova lei dos partidos políticos. A ACRL refere não só as limitações resultantes para os partidos existentes como o obstáculo que a lei cria à formação de novos partidos (ver Apelo ao Presidente da República e Presidente da Assembleia da República em www.laicidade.org). Entretanto, o Tribunal Constitucional rejeitou os recursos apresentados por vários pequenos partidos que consideram inconstitucional a obrigatoriedade de um partido ter, pela novas regras, mais de 5 mil filiados.



Dossiê Habitação I

Tanta gente sem casa

Uma crise crónica sem fim à vista. Faltam 200 mil fogos, 190 mil estão degradados e 500 mil estão superlotados

M. Raposo

semcasamanif2_72dpi.jpgUm estudo elaborado pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa por encomenda do governo dá conta de que a falta de casas em Portugal se cifra em 200 mil fogos. A este défice acrescem ainda 190 mil fogos em mau estado, habitados, que necessitam de reparação.
Os males do parque habitacional não se ficam infelizmente por aqui. A sobrelotação de habitações atinge 500 mil fogos em todo o país. É uma realidade escondida de vistas mas das mais terríveis, que se traduz em modos de vida insuportáveis pela acumulação de pessoas (ou famílias diferentes) em espaços incapazes de satisfazer mínimos de conforto e de dignidade. Ler o resto do artigo »



Dossiê Habitação II

Artigo 65, um direito só no papel

Às famílias portuguesas sem casa, juntam-se agora os imigrantes, obrigados a viver em garagens, nos locais de trabalho ou em bairros de lata.

Cristina Meneses

semcasamanif_72dpi.jpgDiz a Constituição, no seu Artigo 65.º – Habitação e urbanismo: “1. Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que preserve a intimidade pessoal e a privacidade familiar”.
Para ser efectivo, o Direito à Habitação implicaria a definição de regras de ocupação, uso e transformação dos solos urbanos, e de obrigações por parte do Estado, de acordo com as necessidades da maioria da população. Ao contrário disso, são os interesses da propriedade privada e do capital que prevalecem. Ler o resto do artigo »



Dossiê Habitação III

Agir com as populações a partir da base

Cristina Meneses

parishabitacao_nov07_2_72dpi.jpgA actividade das associações de moradores desfavorecidos renova-se um pouco por todo o mundo. Por vezes criadas através da Internet, reúnem em assembleias abertas e manifestam-se na rua. Eis três exemplos. Ler o resto do artigo »



O desaire paquistanês

M. Raposo

bush_musharraf_72dpi.gifO assassinato de Benazir Bhutto é um novo desaire para a política dos EUA. A ditadura de Pervez Musharraf vai-se aproximando do fim no meio de uma profunda crise política e social, como sucedeu há anos com as ditaduras de Marcos, nas Filipinas, e de Suarto, na Indonésia – também elas apoiadas até à última pelos EUA. No Paquistão, Bush procurou um compromisso que salvasse tudo: o papel preponderante dos militares, a mão de ferro de Musharraf e as aparências de democratização trazidas por Benazir. Ler o resto do artigo »



III Encontro dos Povos Zapatistas com os Povos do Mundo

Mulheres, indígenas e trabalhadores – Não há fronteiras para a esperança!

Alexander Hilsenbeck Filho

foto-zapatista.jpgO Exército Zapatista de Libertação Nacional, grupo armado de indígenas localizados no sudeste do México, deu início no passado dia 28 de Dezembro ao III Encontro dos Povos Zapatistas com os Povos do Mundo, sendo que essa terceira edição se destina a discutir especificamente a condição das mulheres zapatistas e das mulheres no mundo. Em análise, entre outros temas, experiências de autonomia e autogestão que já contabilizam 14 anos ininterruptos. Ler o resto do artigo »



Revolução tecnológica

Os alunos da Faculdade de Medicina Dentária de Lisboa queixam-se de que trabalham com equipamentos de há trinta anos, já obsoletos. O edifício tem perigosas infiltrações. «Qualquer dia a casa cai». As obras estão avaliadas em cerca de um milhão de euros, mas em cada ano que passa diminui o investimento público na Faculdade, muito embora esta consiga 2,4 milhões de euros de verba em trabalho. A revolução tecnológica continua. Basta olhar para a boca e dentes dos portugueses. (JR)



Palestina

Duas conferências para liquidar a resistência

Uma estratégia pró-sionista de ocupação permanente

José Mário Branco

palestina_72dpi.JPGDuas “Conferências” recentemente realizadas ilustram, dramaticamente, o quanto os direitos mais elementares do povo palestiniano são espezinhados por uma “comunidade internacional” que apregoa os direitos humanos, a democracia e a liberdade. Uma, em Annapolis (EUA), promovida por Condoleeza Rice, propunha-se amarrar o presidente palestiniano, Abbas, à sua nova e consentida condição de pau-mandado. A segunda, à laia de prémio de bom comportamento, reuniu 87 países e organizações “doadores”, entre os quais Portugal, para criarem as duas condições essenciais para o êxito da primeira: encher os bolsos de uma oligarquia palestiniana corrupta e, não menos importante, alimentar a impostura da “ajuda ao povo palestiniano”. Ler o resto do artigo »



Em 2008 não vão faltar razões para a luta

Pedro Goulart

maniflisboa_72dpi.jpgO ano de 2007 terminou com a greve dos trabalhadores da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP), opondo-se ao impasse verificado nas negociações do Acordo de Empresa. Igualmente estão em greve os trabalhadores da recolha do lixo no Porto e em Lisboa. Mas, também contra as crescentes dificuldades no acesso à saúde, as populações de Anadia, de Vila Pouca de Aguiar, Alijó, Murça, Régua e Chaves estão em luta contra o encerramento de Urgências, de Blocos de Partos e de Serviços de Atendimento Permanente (SAP). Como estiveram ou estão lutando moradores de Silves, Almada e Sintra contra os traçados de muita alta tensão da REN, próximos das suas casas, locais de trabalho e de estudo. Ler o resto do artigo »



Um paraíso de mercenários

João Bernardo

mercenarios-dibujo_72dpi.gifO arquipélago de Fiji fica situado no Oceano Pacífico, ao norte da Nova Zelândia e a leste da Austrália. Pelas fotografias é um daqueles paraísos das agências turísticas, areia branca, coqueiros, sereno mar azul, montanhas verdes, senhoras com flores no cabelo e cavalheiros atléticos.
Quando as autoridades britânicas abandonaram o arquipélago e o país se tornou independente, em 1970, as forças militares montavam a cerca de 200 homens, mas a participação nas operações de paz − são assim chamadas, não sou eu que lhes chamo − no Líbano e no Sinai implicaram que em quinze anos os efectivos militares de Fiji aumentassem dez vezes. Ler o resto do artigo »