Arquivo de Julho 2009

Unir a luta dos imigrantes com o movimento operário

Três perguntas a Tendance Claire, fracção do Novo Partido Anticapitalista

Manuel Vaz

travailleurs_unis_72dpi.jpgNa série “Três perguntas a…”, que Manuel Vaz iniciou com centro na realidade francesa de hoje, publicamos desta vez um texto que aborda a questão antiga mas actual da presença e do peso dos imigrantes na luta de classes em França – na sequência dos acontecimentos, de que o Mudar de Vida deu conta, da Bolsa do Trabalho de Paris. Vistos sempre e paradoxalmente como um motor de luta e um freio pelas organizações operárias indígenas, os imigrantes constituem sem dúvida um ponto de referência clássico em matéria de internacionalismo e solidariedade. Destacam-se, nesta entrevista, os esforços dos meios da esquerda revolucionária francesa para reerguer um movimento operário anticapitalista assente em critérios de luta de classe. Ler o resto do artigo »



Refugiados e deslocados

Continua a aumentar por todo o mundo o número de refugiados e deslocados. Hoje, já são mais de 42 milhões. Isto acontece devido a condições de vida degradantes, a problemas climáticos (por exemplo catástrofes) e por causa das guerras (promovidas por uns países contra outros ou por grupos militares dentro de um mesmo país). Para a ACNUR (Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), um dos pilares de apoio a refugiados e deslocados, os cenários prioritários da sua intervenção são o Afeganistão, Paquistão, Sudão, Somália, Congo, Palestina e Iraque.



Corticeiros em luta

Os operários corticeiros da região Norte encetaram no dia 27 de Julho uma semana de protestos contra os salários em atraso e os despedimentos, assim como a favor de aumentos salariais para o sector. Pelo meio, denunciam o lay-off, os despedimentos colectivos e as falências fraudulentas. Está marcada uma marcha dos trabalhadores corticeiros pela região e uma vigília frente à associação dos empresários do sector, em Santa Maria da Feira. Os operários procuram envolver nestas lutas, e bem, não apenas os trabalhadores corticeiros mas também a população.



Contra o golpe militar nas Honduras

Concentração de apoio ao povo hondurenho, dia 28 às 19 horas, Rossio, Lisboa

honduras72dpi.jpgNa próxima terça-feira, 28 de Julho, tem lugar em Lisboa (Rossio, 19 h) uma concentração de solidariedade com o povo hondurenho e de repúdio do golpe de Estado levado a cabo há um mês que instaurou uma ditadura militar neste país centro-americano.
Desde 28 de Junho, sucedem-se as manifestações populares em defesa das liberdades e do presidente eleito Manuel Zelaya. Foi lançado um apelo à greve geral e solicitado apoio internacional à resistência do povo hondurenho. A repressão policial e militar causou já numerosas mortes e detenções. Ler o resto do artigo »



O modelo de Soares e de Perestrello

Carlos Completo

Em recente entrevista a um semanário, Marcos Perestrello, actual candidato do PS à Câmara de Oeiras, critica o PSD e o CDS por atacarem o investimento público e pretenderem “rasgar” os avanços sociais que o governo de José Sócrates teria levado a cabo nos últimos tempos. Perestrello sugere que, como consequência da crise e da política do PSD e do CDS, aqueles dois partidos de direita deixariam parte dos portugueses “à beira da estrada”, excluídos da economia e da sociedade. Eles representariam, assim, o capitalismo desumano, o mau capitalismo. Ler o resto do artigo »



Import/export de lixo tóxico

É velha e sórdida a história dos países ditos desenvolvidos que procuram exportar o seu lixo tóxico para os países com mais baixo nível de desenvolvimento. Agora, foram quase 100 os contentores, com centenas de toneladas de lixo tóxico (fraldas, preservativos, seringas e pilhas), vindos do Reino Unido e descobertos nos portos brasileiros de Santos e Rio Grande. Apesar das investigações ministeriais, prossegue o negócio sujo de quem, nos “países ricos”, não quer assumir o tratamento dos seus próprios lixos, com comerciantes sem escrúpulos e ávidos de dinheiro dos “países menos desenvolvidos”.



14 de Julho em França

Balanço de uma festa espectacular e chauvinista

A luta operária não foi enterrada pelos festejos

Manuel Vaz

fete-nacionale-johnny-sarko-bis-72dpi.jpg14 de Julho é o dia da festa nacional em França comemorativa da tomada da Bastilha, início do processo revolucionário que conduziria à queda da monarquia absoluta em 1789. Hoje, a burguesia rodeia o acontecimento de festejos espectaculares, demagógicos e chauvinistas com o intuito de seduzir as multidões.
Segundo os números da polícia, que neste caso pratica a inflação – e exactamente o contrário quando se trata de manifestações hostis ao governo – as multidões afluíram por toda a parte onde o Estado lhes proporcionou encontro. Ler o resto do artigo »



O antiterrorista

António Nunes, presidente da Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) acaba de obter um Mestrado com 18 valores na Universidade Nova de Lisboa. Talvez a tese que defendeu – subordinada ao tema “Terrorismo, novos terrorismos e segurança interna em Portugal” – ajude a explicar a sanha repressiva com que a ASAE muita vez actuou. Na dissertação, António Nunes contou com um júri onde participaram conhecidas figuras da direita portuguesa ligadas aos serviços de informações: Jorge Bacelar Gouveia, presidente do Observatório de Segurança, Crime Organizado e Terrorismo, José Manuel Anes, especialista em terrorismo islâmico e Heitor Romana, director de formação do SIS.



Se eles não confiam…

Lopes da Mota, magistrado e presidente da Eurojust, é fortemente suspeito de ter exercido pressões sobre outros magistrados para que arquivassem o processo do caso Freeport. O presidente da Eurojust veio agora levantar um incidente de suspeição, exigindo o afastamento do magistrado Vítor Silva, que dirige o processo disciplinar que então lhe foi instaurado. Diz aí Lopes da Mota que o magistrado Vítor Silva “não é imparcial”. Quando eles não confiam uns nos outros, isto é, na justiça praticada em Portugal, o que há-de pensar o simples cidadão?



Porque se justifica um boicote académico a Israel

Apelo de uma feminista e professora universitária israelita

Rachel Giora / MV

boicotisrael_72dpi.jpgRachel Giora, destacada feminista israelita e professora de Linguística na Universidade de Telavive, apela ao boicote contra Israel numa carta, divulgada em final de Maio pelo colectivo “Jewish Peace News”, em que apoia os esforços desenvolvidos pelo Comité Britânico para as Universidades da Palestina. Na sua mensagem, refere alguns dos êxitos do movimento de boicote até à data e explica porque se justifica um boicote académico. Publicamos um resumo das principais passagens. Ler o resto do artigo »



Mais salários em atraso

Nos primeiros seis meses de 2009, os inspectores da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) detectaram, em cerca de 11 mil empresas inspeccionadas, quase sete milhões de euros de salários em atraso. Isto representa um aumento de 40% em relação a igual período do ano anterior. Por causa e a pretexto da crise (que é apenas para alguns), agrava-se a praga dos salários em atraso, infelizmente já bem conhecida pelos trabalhadores portugueses.



Nem Sócrates, nem Ferreira Leite

Quanto menor for a “governabilidade”, mais condições terão os trabalhadores de fazer valer os seus direitos

Manuel Raposo

socrates72dpi.jpgPerigo de o país se tornar “ingovernável”, foi o que o PS atirou à cara dos eleitores na própria noite em que soube da derrota nas europeias. Desde então, o mote tem-se repetido em jeito de campanha para assustar os temerosos. É fácil de perceber o propósito: dramatizar o confronto partidário daqui até às eleições legislativas para justificar a necessidade de uma nova maioria absoluta. Ler o resto do artigo »



Trabalhadores ameaçam explodir fábrica

Os operários da francesa Fabris, fábrica de componentes automóveis em liquidação, ameaçam fazer explodir botijas de gás nas instalações da empresa, caso não lhe sejam pagas indemnizações individuais de 30 mil euros, pela perda dos seus postos de trabalho. A Fabris, actualmente ocupada pelos trabalhadores, ainda dispõe de um valioso stock destinado aos seus principais clientes: PSA e Renault. Chamamos a atenção para a radicalização das lutas verificada em França, que depois dos sequestros de executivos de grandes empresas, agora ameaçam a destruição de uma fábrica, caso não vejam satisfeitas as suas reivindicações.



Cinco trabalhadores do MST assassinados no Brasil

Pedro Goulart

mst.jpgNa tarde de 6 de Julho, no estado de Pernambuco, foram assassinados cinco camponeses do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e um outro, que ficou ferido, foi hospitalizado. O massacre ocorreu no Assentamento Chico Mendes (na fazenda Garrote), propriedade há anos atribuída legalmente ao MST. Os seis construíam uma casa, quando os assassinos chegaram de moto, obrigaram os trabalhadores a deitar-se no chão e dispararam. Ler o resto do artigo »



Bispos bascos pedem perdão

Os bispos bascos de Bilbau, Donostia (S. Sebastian) e Gasteiz (Vitória) pediram agora perdão pelo “injustificável silêncio dos meios oficiais da nossa igreja” em relação à execução de catorze religiosos bascos pelas tropas franquistas durante a guerra civil espanhola (1936-39). A restante igreja católica espanhola, tão disposta a vir para a rua manifestar-se por causas reaccionárias, mantém, ao longo destes 70 anos, absoluto silêncio sobre as suas cumplicidades com os crimes do franquismo.



Livraria parisiense atacada por grupo sionista armado

Três perguntas a Olivia Zemor, animadora da livraria Résistances e do movimento de apoio à Palestina

Manuel Vaz

livrariaresistances_003.jpgUm comando de cinco homens encapuzados e declarando pertencer à Liga de Defesa Judaica (LDJ) atacou no passado dia 3 de Julho a livraria Resistances [Resistências], situada no 17.° bairro parisiense, ocasionando várias destruições materiais. Não é a primeira vez que esta livraria é objecto de agressões orquestradas pelas organizações sionistas armadas, como é o caso da LDJ, organização terrorista proibida em… Israel e… nos Estados Unidos da América!
A livraria, aberta em 2007, desenvolve uma vasta actividade de apoio ao mundo árabe e à Palestina em particular. Na véspera da agressão, tinha acolhido nas suas instalações uma conferência de Mahmoud Suleiman, presidente da câmara da aldeia de Al-Masara, na Palestina ocupada. Ler o resto do artigo »



Só perde quem não luta

Últimas notícias (10 de Julho) sobre a luta dos imigrantes, em Paris, pela regularização da sua condição de trabalhadores: depois de 14 meses de ocupação das instalações da Bolsa do Trabalho, depois da expulsão musculada efectuada pela CGT, depois de 15 dias de ocupação dos passeios em frente da Bolsa… a decisão do governo apareceu – 300 propostas de regularização! (M. Vaz, Paris)



Investigar para quê?

O combate à corrupção está reduzido à política do macaco: não vejo, não oiço, não falo.

Ismael Pires (*)

corrupcao.jpgO relatório da organização Transparência Internacional, que analisa o combate à corrupção nos países da OCDE e foi divulgado na semana passada, passou quase despercebido entre nós. E a razão só pode ser uma. Portugal aparece citado, na pior categoria, ao lado de países como o Brasil, África do Sul, Argentina e México.
O relatório dá alguns exemplos da vergonha nacional. Portugal demorou três anos a responder a um pedido de cooperação das autoridades judiciais inglesas. Ainda se lembram do ar do senhor Procurador-Geral da República quando afiançava que não havia novidades sobre o caso Freeport? Claro, quando não se investiga nem se deixa os outros investigar, não aparecem novidades. Ler o resto do artigo »



Estivadores: greve e manifestação

Os estivadores dos portos de Lisboa, Setúbal e Figueira da Foz estão em greve por três dias (entre 8 e 10 de Julho), tendo já obrigado ao desvio de várias dezenas de navios para portos estrangeiros. Hoje, dia 8, centenas de estivadores (incluindo também trabalhadores de Leixões, Viana do Castelo, Aveiro e Sines) estão a manifestar-se frente à Assembleia da República, invectivando o governo de José Sócrates. Estão em luta contra a nova lei de bases da actividade portuária que, não beneficiando de qualquer consulta às associações sindicais, põe em causa os postos de trabalho no sector.



Paris

Imigrantes expulsos à força da Bolsa do Trabalho pela CGT

Manuel Vaz

101_pana_002.jpgVerão é tempo de férias para quem pode. Não será o caso para mais de metade da população parisiense que não tem meios para tanto. A imprensa por seu lado, já vai falando de uma baixa significativa de turistas em visita à capital. Efeitos evidentes da crise. Mas, se tal não é o seu caso e está a pensar em visitar Paris, aproveite para descobrir uma das facetas do Paris operário actual: o Paris dos imigrantes sans papiers [sem papéis], clandestinos. Ler o resto do artigo »



Editorial

“Governabilidade”, dizem eles

Passadas as eleições para o parlamento europeu, abriu a caça ao voto para as eleições autárquicas e legislativas. Percebe-se a razão do afã: está em jogo a escolha da equipa que vai gerir o país, concretamente os negócios que se oferecem às classes dominantes, nos próximos quatro anos.

No meio da intensa vozearia – particularmente dos dois partidos do bloco central, PSD e PS – não se vislumbra nenhuma abordagem de medidas imediatas contra os despedimentos, para a criação de emprego, pela melhoria das condições de vida da população trabalhadora, etc, problemas estes que constituem a verdadeira emergência que o país vive. O que está em causa na disputa é outra coisa: como dar continuidade à política dos últimos quatro anos. Ler o resto do artigo »



Sinais de fogo

O gesto insultuoso que custou a demissão a Manuel Pinho foi o último acto de arrogância de um ministro que, a respeito dos trabalhadores de uma empresa em dificuldades, dizia que “podia pôr toda aquela gente a votar nele”; ou que, quando já estava demitido sem o saber, ainda se gabava de “andar a safar empregos”. Boçalidade à parte, a atitude não representa nem mais nem menos que a prepotência de um Sócrates, uma Maria de Lurdes Rodrigues ou um Santos Silva – enquanto se sentiram escudados por uma maioria absoluta e por um apoio inequívoco do patronato. Neste sentido, o destempero do ex-ministro é também um sinal da impaciência, próprio dos fins de festa, que atinge todo o governo.



Nova caravana de apoio à Palestina

O deputado britânico George Galloway, que organizou, a partir do Reino Unido, uma caravana de solidariedade com a população de Gaza, logo após o ataque militar de Israel de Dezembro-Janeiro, está agora a organizar um segundo comboio, com origem nos EUA. Desta vez, as 500 viaturas previstas permitirão transportar, via Cairo, centenas de pessoas e fazer chegar à Palestina uma ajuda médica de 10 milhões de dólares.



A campanha dos EUA para desacreditar as eleições no Irão

Paul Craig Roberts / MV (CM)

irao.jpgA campanha de descrédito lançada sobre as eleições no Irão, com origem nos EUA e no Reino Unido, é desmontada por Paul Craig Roberts, num artigo publicado no site norte-americano CounterPunch, de que divulgamos um resumo. Paul Roberts, economista e ex-secretário adjunto para o Tesouro no governo de Reagan, conhece bem os processos usados pelos EUA, sendo uma das mais vozes mais críticas da política belicista da Casa Branca. Ler o resto do artigo »



Segurança Social dá o exemplo

Em Dezembro de 2008, abriu, em Castelo Branco, um call center da Segurança Social. Desde o início que foi objectivo (e prática) deste organismo do Estado recorrer a uma empresa de trabalho temporário para o recrutamento de 200 trabalhadores. Um bom exemplo dado pelo governo no combate ao trabalho precário! Entretanto, já decorreu um mês desde que os Precários Inflexíveis obtiveram da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) a garantia de que esta irá dar “tratamento inspectivo” à situação laboral e nada…