Arquivo de Junho 2018

CDS: de novo os “espoliados”

Manuel Raposo

No recato do quotidiano parlamentar, o CDS apresentou uma proposta para ressuscitar um “grupo de trabalho”, criado em 2005, que tinha por missão “ressarcir” os ex-colonos portugueses que acorreram a Portugal na sequência da descolonização. A iniciativa, que toca a mais de 60 mil pessoas, tem óbvios propósitos eleitorais. Mas não só: é a própria descolonização que é atingida de forma sibilina quando se fala de “espoliados” e da perda de “bens e direitos”. Ler o resto do artigo »



Mais dinheiro para a NATO

A pretexto do culminar da celebração do “Mês de Portugal nos Estados Unidos da América” e da preparação do encontro entre Marcelo Rebelo de Sousa e Donald Trump, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Santos Silva, que faz uma visita de cinco dias a Washington, foi recebido no dia 22 pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.
Santos Silva e Mike Pompeo “ reafirmaram o compromisso mútuo entre os EUA e Portugal para aumentar as despesas com a defesa da NATO, reforçar a segurança europeia no sector da energia e enfrentar as acções destabilizadoras da Rússia”, afirmou um porta-voz do Departamento Estado norte-americano.
Santos Silva e Mike Pompeo, Marcelo Rebelo de Sousa e Donald Trump dão como certo o aumento das nossas despesas com a NATO, garantindo-nos uma funesta segurança!



A Saúde e a caça ao bolo orçamental

Pedro Goulart

Na Convenção Nacional de Saúde, realizada em Lisboa nos dias 7 e 8 de Junho, Marcelo Rebelo de Sousa advogou que Portugal deve ter uma Lei de Bases de Saúde com princípios claros, mas flexível quanto a orgânicas e estruturas, apostando num “equilíbrio virtuoso” entre público, privado e social. Este “equilíbrio virtuoso” de que fala o presidente da República não anda certamente longe da necessidade de uma “convivência entre os sectores público, privado e social” do PSD e da defesa das Parcerias Público Privadas sustentadas por este partido. Ler o resto do artigo »



Em nosso nome, não!

Jantar-concerto comemora 70 anos de opressão na Palestina

Comité de Solidariedade com a Palestina

A Câmara Municipal de Cascais, o presidente da República Portuguesa e a Orquestra Metropolitana da Guarda Nacional Republicana resolveram juntar-se ao governo de Israel para a comemoração dos 70 anos da sua existência, isto é, os 70 anos da catástrofe que se abateu sobre o povo da Palestina, num jantar que terá lugar no dia 14 de junho no Casino do Estoril. A denúncia é do Comité de Solidariedade com a Palestina que acusa aquelas entidades de cumplicidade com Israel e reclama que se retirem da comemoração. Ler o resto do artigo »