Arquivo de Janeiro 2009

Entrevista com Alan Stoleroff

“Israel não actua em meu nome”

Manuel Raposo

p1000437_reduz.jpgSociólogo e professor universitário, Alan Stoleroff é cidadão norte-americano e português. Faz parte de uma corrente, ainda minoritária, de judeus que combatem o sionismo e que recusam contribuir para a legitimação da ocupação da Palestina e do papel de Israel no Médio Oriente. “A única esperança de saída para a situação”, afirma, “é o fim da ocupação, a unidade palestiniana, a negociação com todas as forças representativas do Povo Palestiniano e a criação de um Estado Palestiniano”. Ler o resto do artigo »



Porto debate Palestina

Decorre este sábado, dia 31, no Porto, um debate sobre a Palestina no Sindicato dos Seguros, Rua do Breyner. Participam Randa Nabulsi, representante da Autoridade Palestiniana; Fernando Maurício do CPPC; o jornalista Rui Pereira; e Emílio Rubio, da Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência. A sessão unitária é promovida pelas seguintes organizações: Associação José Afonso/Norte, BE, Frente Anti-Racista, JCP, MDM, Movimento Humanista, PCP, Porto com Cuba, Casa Viva, STAL/Porto, Terra Viva, Tribunal-Iraque, União dos Sindicatos do Porto, UNICEPE e Universidade Popular do Porto. Defendendo uma Palestina Livre, a convocatória afirma que “Esta agressão acabou, mas a guerra não terminou”.



Greve geral em França

A greve geral em França, dia 29, promovida pelos principais sindicatos, foi um protesto contra o desemprego (já este ano foram despedidos mais de 100 mil trabalhadores, no país), contra o ataque aos serviços públicos e contra o dinheiro gasto para salvar os grandes empresários e banqueiros (lá como cá), em detrimento de quem vende a sua força de trabalho. Na greve participaram muitos milhares de trabalhadores dos transportes públicos, dos aeroportos, das escolas e universidades, dos hospitais e correios, da indústria automóvel, dos bancos, rádios e televisões. Numerosas manifestações realizaram-se por todo o país, envolvendo cerca de um milhão e meio de trabalhadores.



Vinho roubado

O embaixador israelita na Grécia enviou em Dezembro a Theodoros Pangalos, deputado grego, três garrafas de vinho de boas-festas. Pangalos devolveu-as dizendo: “Reparei que o vinho que me enviou foi produzido nos Montes Golã. Desde criança ensinaram-me a não roubar e a não aceitar coisas roubadas. Não posso, pois, aceitar o presente e tenho de devolvê-lo. O seu país ocupa ilegalmente os Montes Golã que pertencem à Síria, de acordo com a lei internacional. Espero que Israel encontre segurança dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas, mas também espero que o seu governo cesse de praticar a política de punição colectiva aplicada em escala maciça por Hitler e os seus exércitos”.



A crise – e os pretextos que a crise dá…

A parte substancial dos despedimentos atinge a classe operária

Pedro Goulart

qimonda.jpgA parte mais significativa dos trabalhadores que estão a ficar sem emprego não são “classe média”, mas sim operários. Nem são apenas trabalhadores de fraca qualificação, como alguns pretendem, mas também em grande parte trabalhadores qualificados. Na dezena e meia de casos que abaixo apontamos, todos recentes, entre 4 500 e 5 000 trabalhadores, na maioria operários fabris, foram ou estão em risco de desemprego. Ler o resto do artigo »



França: o direito à habitação

Madame Boutin, deixe-se de tretas

François Pechereau

droitaulogement_72dpi.jpgTodos os Invernos voltam as palavras dos políticos sobre as mortes dos sem-abrigo. O então candidato às presidenciais Nicolas Sarkozy declamava com grande convicção que, caso fosse eleito, mais ninguém seria obrigado a dormir na rua, num prazo de dois anos. Passado este tempo somos forçados a constatar que ainda se morre nas ruas das grandes cidades francesas… Ler o resto do artigo »



Linda bandeirinha

TM / Tiago Lança

cimg3144bandeira_72dpi.jpg“Uma bandeira voava por Lisboa. Subiu sobre o Camões, deu uma cambalhota sobre os fios do eléctrico, endireitou-se, subiu e desceu o Chiado. Por baixo estavam cerca de 1400 pessoas a gritar “Palestina Vencerá”. Era um por cada morto palestiniano no morticínio do ano novo de 2009. Neste Sábado não se quis esquecer que a trégua israelita é uma mentira para encobrir um genocídio.”
TM

“Sábado de manhã fui passear.
Fui até à Bijou para tomar café. Passei pela bandeira palestiniana no Camões, mas
preferi andar, andar célere, porque fazia frio, e ir parando só para desenhar.
A minha cabeça, protegida por um boné marroquino, só se preocupava em captar o que a circundava. Ler o resto do artigo »



País Basco: detidos 8 independentistas

O Estado espanhol, através do juiz Baltasar Garzon, colocou em “detenção preventiva” 8 militantes independentistas que procuravam formar uma lista concorrente às eleições locais de 1 de Março. Segundo Garzon, os factos apontados aos 8 militantes “poderiam constituir um delito de participação em organização terrorista”. Dada a ilegalização do Batasuna, as duas novas organizações independentistas que pretendem concorrer às eleições no País Basco são a Askatasuna (“Liberdade”) e D3M (Democracia 3 000 000). A engenharia jurídica do “democrático” Estado espanhol está a tentar retirar qualquer hipótese de luta legal aos independentistas bascos.



Rumo a uma sociedade nazi?

É conhecido como nos “democráticos” EUA há regras tão rígidas para determinadas questões – já não falando na perseguição a comunistas e a “terroristas” – que tornam o dia a dia dos cidadãos verdadeiramente irrespirável. São numerosos os exemplos por todo o país, desde o aparelho de estado às empresas, mas há uma empresa que se esmera nas regras. A Clarian Pledge promete rescindir os contratos aos seus trabalhadores fumadores, hipertensos, obesos ou que tenham os níveis de glucose ou colesterol elevados. Não, seguramente, pela saúde de quem trabalha, mas pela saúde da empresa.



Como em outras cidades do mundo

Manifestação em Lisboa exige condenação dos agressores israelitas

cimg3152desfile_72dpi.jpgOntem em Lisboa, dia 24, uma concentração no Largo Camões, seguida de desfile até à Praça do Município, juntou cerca de 1500 pessoas em apoio da população palestiniana.
Apesar de os agressores israelitas terem parado o ataque, o problema não está resolvido, como salientaram os oradores que intervieram em nome dos promotores da manifestação – CPPC, MPPM, CGTP, MDM, Tribunal-Iraque e dezenas de outras organizações que tinham já promovido as concentrações realizadas em Lisboa nos dias 5 e 8 deste mês. Ainda no Largo Camões, uma bandeira da Palestina foi largada em balões e sobrevoou boa parte da Baixa da cidade. Os manifestantes gritavam “Palestina vencerá”. Ler o resto do artigo »



Qimonda: 1 800 empregos em perigo

A Qimonda, em Vila do Conde, é uma fábrica de “chips” para computadores que, em Portugal, emprega 1 800 trabalhadores, e, em todo o mundo, cerca de 13 500. Bancos portugueses e autoridades alemãs prometeram uma solução para os problemas financeiros da empresa, mas chegaram a um impasse. Então, a empresa alemã, que já teve diversos apoios do Estado português, solicitou, em Munique, a abertura de um processo de falência. Assim, apesar de continuar a operar em Portugal a curto prazo, se não houver uma solução, mais dois milhares de operários portugueses irão para o desemprego. Operários, note-se bem, não “classe média”; e de uma empresa de elevada tecnologia, não de baixa produtividade.



Eccolet despede 180 operários

A fábrica de calçado Eccolet vai despedir 180 dos 320 trabalhadores da sua unidade fabril, em Santa Maria da Feira. Esta fábrica, pertença de uma multinacional dinamarquesa, chegou a empregar cerca de 1 700 trabalhadores no início, antes de proceder a diversas reestruturações. Segundo um sindicalista, pensa-se que a empresa pretende deslocalizar a unidade de produção para um país asiático.



Em apoio do povo palestiniano

Basta de crimes, basta de impunidade

Manifestação em Lisboa, dia 24, sábado, 15 horas, Largo Camões

Tribunal-Iraque / MV

gaza_meninos.jpgO Tribunal-Iraque, uma das organizações que apoiam a realização de uma manifestação, amanhã em Lisboa, em apoio do povo palestiniano, divulgou uma convocatória em que exige o fim do bloqueio a Gaza e o julgamento dos responsáveis israelitas por crimes de guerra.

“Em 22 dias, as tropas de Israel mataram 1 300 palestinianos, metade deles crianças e mulheres.
Bombardearam casas, escolas, hospitais, sedes de agências noticiosas. Usaram munições de urânio e fósforo branco contra a população. Destruíram culturas e gado, oficinas, redes de saneamento e de energia. Mataram condutores de ambulâncias e de camiões de ajuda humanitária. Impediram o socorro aos feridos. Deixaram 100 mil pessoas sem abrigo e 400 mil sem água. Não se sabe quantos corpos estão ainda debaixo de escombros. Ler o resto do artigo »



Peões contra PSP

Várias pessoas agredidas à bastonada por elementos do corpo de intervenção da PSP de Almada durante uma manifestação, no dia 16, vão apresentar queixa contra esta força policial. E tratava-se apenas de uma manifestação/festa de celebração e defesa da nova zona pedonal de Almada, onde participavam diversos jovens acompanhados de crianças!



Greve de trabalhadores corticeiros

Após decisão em plenário, cerca de 160 trabalhadores das corticeiras Vinicor e Subercor, começaram quarta-feira, dia 21, uma greve por tempo indeterminado, exigindo o pagamento dos salários em atraso. De salientar as dificuldades com que vivem os trabalhadores: para além dos salários em atraso, já de si baixos, verifica-se que mais de uma dezena de casais trabalham nas empresas em causa.



As ilusões alegristas e o chamado Fórum das Esquerdas

Pedro Goulart

Quem tenha acompanhado, ou se dê ao trabalho de inventariar criticamente o passado político de Manuel Alegre, desde o seu apoio ao golpe de direita do 25 de Novembro de 1975, passando pela sua participação e/ou conivência, ao longo das últimas décadas, com a política anti-trabalhadores do PS, não pode alimentar ilusões sobre o que Alegre ainda possa fazer pela esquerda e pelos trabalhadores. Não são mais uns dos já muitos arrufos de Alegre com o PS ou um ou outro voto do poeta com os partidos da esquerda parlamentar que dão quaisquer garantias de que ele pretenda cortar com o seu passado. Ler o resto do artigo »



Bolívia e Venezuela cortam relações diplomáticas com Israel

Um exemplo de como isolar internacionalmente o estado israelita

Manuel Raposo

O presidente boliviano Evo Morales deu a conhecer no dia 14 o corte de relações diplomáticas da Bolívia com Israel e disse que ia pedir ao Tribunal Penal Internacional para acusar os responsáveis israelitas de genocídio. Também a Venezuela expulsou o embaixador israelita no dia 6. Dois exemplos que contrastam com a postura cúmplice das autoridades portuguesas diante do massacre. Ler o resto do artigo »



Brasil dá asilo político a Cesare Battisti

O governo brasileiro concedeu asilo político a Cesare Battisti, cuja extradição era pedida pelo estado italiano, em evidente demonstração de perseguição política. E o ministro brasileiro da justiça justificou a concessão do asilo com “um fundado temor de perseguição”. Cesare Battisti, a quem já nos havíamos referido solidariamente no MV, foi militante, na década de 70, da organização política italiana Proletários Armados para o Comunismo e, em Junho passado, apresentara um pedido de refúgio ao Comité Nacional para os Refugiados.



Contra a brutalidade policial

Concentração de protesto no Casal da Boba, sábado 17, 16 horas

Plataforma Gueto / MV

kuku.jpgNove dias passados sobre o assassinato de Edson Sanches (Kuku), o jovem de 14 anos da Amadora morto por um polícia, gerou-se um movimento de solidariedade em torno da família, nomeadamente através da venda de CD’s, T-Shirts e donativos que têm ajudado a suportar despesas. Mas além de solidariedade, afirma a Plataforma Gueto – que tem insistido na denúncia – “é preciso exigir justiça, lutar por ela”, no sentido de “não deixar que esta execução caia no esquecimento” como sucedeu em casos anteriores (Angoi, Tony, PTB, Tete, Corvo, etc.). Ler o resto do artigo »



Greve dos professores, no dia 19

No dia 19, os professores e educadores portugueses levam a cabo uma greve:
- exigindo a suspensão do actual modelo de avaliação;
- protestando pelo clima de intimidação e ameaça instaurado pelo ME;
- em luta pela revisão do Estatuto da Carreira Docente.
Salienta-se que na jornada de reflexão e luta nas escolas, promovida no passado dia 13 pela Plataforma Sindical dos professores, participaram milhares de docentes que debateram a continuidade da acção e da luta dos professores e educadores.



Acção de solidariedade em Faro, dia 16

Realiza-se em Faro, no dia 16, às 21:30 h, no Clube Farense (Rua de Santo António, 30) uma sessão de solidariedade com o povo palestiniano. Participarão representantes da Associação da Cultura Islâmica do Algarve, do Comité de Solidariedade com a Palestina, do Fórum pela Paz e Direitos Humanos, do Conselho Português para a Paz e Cooperação e do Tribunal-Iraque. A sessão contará com leitura de poemas por Afonso Dias e será moderada pela professora Eugénia Taveira. Esta iniciativa segue-se a uma acção de rua, no passado sábado, convocada por várias organizações da região e na qual se fizeram ouvir vozes de protesto e de repúdio pela guerra a que os palestinianos estão de novo sujeitos.



Sessão pública em Lisboa, dia 15

Promovida pelo Fórum pela Paz e pelos Direitos Humanos, vai ter lugar uma sessão pública sobre a situação na Palestina no dia 15 de Janeiro, às 21h, no Fórum Lisboa (antigo Cinema Roma) com intervenções de Luís Moita, Francisco Assis, Manuel Carvalho da Silva, Miguel Portas e Domingos Lopes. A convocatória sublinha o importante papel da opinião pública “na defesa de uma paz justa em toda a região, com o reconhecimento da independência da Palestina e no respeito pelas resoluções da ONU”.



Gaza e o Ghetto de Varsóvia – um inventário de analogias

António Louçã

ghetto_varsovia.jpgA invasão de Gaza pelo exército israelita reproduz uma série de padrões de procedimento bem conhecidos noutros genocídios do passado. Acusa-se o Hamas de ter provocado a invasão ao lançar morteiros sobre as antigas povoações palestinianas, hoje colonizadas por Israel. O nazismo afirmava também que tinham sido os judeus a provocar a nação alemã, através duma conspiração mundial contra ela. A Alemanha nazi nunca proclamou a sua intenção de exterminar os judeus e sim a necessidade de se “defender”. Ler o resto do artigo »



Maquinistas noruegueses param por Gaza

No dia 8 de Janeiro todos os comboios na Noruega, e todos os eléctricos e o metropolitano de Oslo, pararam por dois minutos em protesto contra a invasão israelita de Gaza. O sindicato divulgou a seguinte informação aos passageiros: “Devido à situação em Gaza, o Sindicato dos Maquinistas da Noruega decidiu manifestar a nossa solidariedade com o povo palestiniano. O protesto consiste em acrescentar mais dois minutos de paragem na estação. A mesma acção vale para todos os comboios de passageiros da Noruega simultaneamente. Exigimos a imediata retirada de todas as tropas israelitas do território palestiniano. Obrigado pela vossa compreensão.” Um exemplo de solidariedade internacionalista.



Provas da barbárie de Israel sobre a população civil de Gaza

Al-Jazira, Nações Unidas e Cruz Vermelha comprovam crimes de guerra e violação do direito humanitário

Manuel Raposo

gazafosforobranco.jpgA cadeia de TV árabe Al-Jazira tem denunciado repetidamente, desde dia 10, a utilização de fósforo branco contra a população de Gaza pelas tropas de Israel. O uso de fósforo branco contra pessoas é proibido e a violação desta interdição constitui crime de guerra.
A Al-Jazira divulgou imagens que mostram o lançamento de bombas de fósforo através de meios aéreos, as densas cortinas de fumo que se formaram nas zonas urbanas e ainda pedaços do mesmo fósforo a arder no meio das ruas. Foram igualmente mostradas imagens de feridos com queimaduras consistentes com o tipo de lesões causadas pelo fósforo. Ler o resto do artigo »



Denúncia

Duas pequenas histórias sob a democracia do PS

Carlos Completo

linha_saude24.jpgPrimeira história. Sete enfermeiros da Linha Saúde 24 foram recentemente despedidos. No dia 10, concentraram-se em protesto junto ao edifício onde funciona este serviço. E dizem-se perseguidos por criticarem o mau funcionamento da empresa privada que trabalha articuladamente com o Ministério da Saúde. Ler o resto do artigo »



Mais um jovem morto pela polícia

Após perseguição a um carro furtado, mais um jovem negro e pobre foi abatido pela polícia, no bairro da Quinta Laje, em 4 de Janeiro. Com apenas 14 anos, Kuku foi morto com um tiro na cabeça e, mais uma vez, a justificação da polícia foi a “legítima defesa” de um dos agentes (que disparou à cabeça, repita-se). Com a costumada cobertura da comunicação social e a conhecida complacência dos tribunais face à violência policial, é de prever mais uma absolvição ou uma pena meramente simbólica, ou até que o caso morra com o “inquérito em curso”. Por isso, importa denunciar tais situações, como fez a Plataforma Gueto num comunicado divulgado pela Internet em que contraria a versão da polícia.



Concentração em Lisboa

Manifestantes exigem ao governo que condene a agressão israelita

p1000433_reduz.jpgDepois de, no dia 5, perto de 400 pessoas se terem reunido no largo de São Domingos, em Lisboa, para denunciar a agressão de Israel a Gaza, hoje, dia 8, concentraram-se a partir do fim da tarde em frente da embaixada israelita mais de meio milhar de manifestantes que acusaram de assassinas as autoridades de Israel e reafirmaram “Palestina vencerá”. Ler o resto do artigo »



Plataforma abstencionista

A Plataforma Abstencionista, movimento de várias organizações que propõe a abstenção nas eleições, divulgou um manifesto em que expõe as suas ideias, em resultado de reuniões realizadas no ano passado. O texto pode se consultado no blogue plataforma-abstencionista. A primeira reunião deste ano terá lugar em Lisboa no dia 10, às 14 horas, na Biblioteca dos Operários da Sociedade Geral, Rua das Janelas Verdes, nº 13, 1.º Esq.



Pela Palestina, contra a agressão israelita

Conselho da Paz, revista Política Operária e STML denunciam terrorismo de estado de Israel

gaza.jpgEm comunicado divulgado no dia 5, o Conselho a Paz (CPPC) condena o ataque israelita a Gaza como “um exemplo particularmente cruel da política de terrorismo de Estado que Israel pratica há várias décadas contra o povo da Palestina e o seu direito a constituir-se em Estado soberano”. Salientando a impunidade de que Israel goza entre a chamada “comunidade internacional”, o CPPC afirma que é isso que permite ao estado sionista “violar o direito internacional, invadir, ocupar, assassinar, cortar fontes de energia, alimentos, impedir assistência médica e humanitária” ao milhão e meio de pessoas de Gaza que “vivem encarceradas naquela que é já considerada a maior prisão do mundo”. Ler o resto do artigo »



Sessão pública

O MPPM (Movimento pelos Direitos do Povo Palestiniano e pela Paz no Médio Oriente) promove hoje, dia 7, às 18:30h, uma sessão de informação sobre a situação na Palestina. Exigindo o fim imediato da agressão israelita à Faixa de Gaza, a convocatória anuncia a participação de Mário Ruivo, de Carlos Almeida e do jornalista José Goulão. A sessão decorre em Lisboa na Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto, Rua da Palma 248.



Os nomes dos mortos

Um site chamado Serviço de Notícias dos Árabes Indignados publica uma lista com os nomes de 187 palestinianos mortos no primeiro dia do ataque israelita, que já dura há 11 dias, lembrando simplesmente: “Os nossos mortos têm nome e cara”. Consulte a lista, leitor, porque as vítimas do terror israelita são pessoas concretas.



Genocídio!

Comunicado de imprensa do Comité de Solidariedade com a Palestina denuncia massacre de crianças em escola de Gaza

gaza2.jpg“As agências noticiosas acabam de divulgar a notícia do bombardeamento, pela força aérea israelita, duma escola da ONU em Gaza. Segundo as primeiras informações, há pelo menos 40 mortos e um número indeterminado de feridos, provocados pelos estilhaços das granadas utilizadas no bombardeamento. Com esta nova carnificina, eleva-se a mais de 600 o número de baixas, em grande parte civis e em grande parte crianças, causado pela invasão de Gaza. Ler o resto do artigo »



Harold Pinter

A voz desassombrada do dramaturgo e activista político

haroldpinter.gifNascido em 1930, em Londres, faleceu no passado dia 25, o grande dramaturgo (Prémio Nobel da Literatura, em 2005) e activista político Harold Pinter. Foi poeta, romancista e ensaísta, mas ficou particularmente conhecido pelas suas peças de teatro. As acusações sem rodeios que fez a Bush e a Blair acerca da guerra contra o Iraque são de toda a actualidade diante do massacre dos palestinianos de Gaza. Ler o resto do artigo »



Solidariedade grega com Gaza

Milhares de gregos, à semelhança do que se está a verificar por todo o mundo, manifestaram hoje em Atenas o seu repúdio pela agressão militar israelita a Gaza, atirando pedras e sapatos contra a embaixada de Israel. Uma parte significativa do povo grego, que ultimamente se tem batido valentemente nas ruas da Grécia contra a grave situação económica e social no seu país, bem como contra o governo de direita no poder, dá, assim, mais uma exemplar prova de solidariedade internacionalista.



Fim do ataque israelita e do bloqueio a Gaza!

Lisboa: concentração na embaixada israelita, dia 8, 18 horas / acção de rua, Largo de S. Domingos-Rossio, dia 5, 18 horas. Porto: “Noite de inquietação”, Púcaros-Bar, Arcos da Ribeira, dia 8, 22 horas.

gazaholocaust2_72dpi.jpgO ataque das tropas de Israel contra os palestinianos de Gaza já fez mais de 400 mortos e 2500 feridos. A ameaça de uma invasão terrestre promete ainda mais morticínio e destruição. À semelhança do que está a acontecer por todo o mundo, várias organizações portuguesas decidiram protestar publicamente contra mais estes crimes. Ler o resto do artigo »



Cavaco e as suas prerrogativas

Cavaco Silva promulgou rapidamente, no fim do ano, o decreto regulamentar sobre o regime simplificado de avaliação dos professores, manifestando o seu apoio a esta teimosa e oca medida governamental. Como, aliás, tem dado aval, com raras hesitações, à numerosa legislação antitrabalhadores provinda do governo PS. O mesmo não se passou com o estatuto autonómico dos Açores, onde o PR parece ter descoberto que mexiam nas suas prerrogativas. Aí, Cavaco estrebuchou bastante, mostrando por duas vezes a sua indignação perante a comunicação social. Entretanto, a luta dos professores prossegue nas escolas, estando a ser preparada uma greve para o dia 19 de Janeiro.