A guerra na Ucrânia vista nas suas origens

Editor / Jacques Baud — 7 Maio 2022

Chefes de estado e de governo da Nato, Bruxelas, março 2022. Sem entender como a guerra acontece, não se pode encontrar solução

O noticiário esmagador sobre as desgraças humanas da guerra na Ucrânia — umas reais, outras inventadas ou amplificadas pelas necessidades da propaganda — cumprem um propósito: focar a atenção do público nos efeitos da guerra, desviando-a das causas que originaram o conflito. Ora, como todas as guerras sem excepção são fonte de sofrimento humano, o que as distingue só pode ser encontrado nas suas origens. Só aí se podem avaliar as razões políticas que as explicam e encarar os meios igualmente políticos de lhes pôr fim. É o papel que cumpre a entrevista dada pelo coronel suíço Jacques Baud à revista Zeitgeschehen im Fokus (Actualidades em foco), pondo em destaque o papel ofensivo e de provocação à Rússia que tiveram os EUA, através da Nato e com a cooperação da União Europeia, nos anos que antecederam a invasão russa de fevereiro deste ano.

A entrevista,  já publicada em meios de comunicação alternativos, não terá tido, pela sua natureza herética, a divulgação que, a nosso ver, merece. Apesar de Jacques Baud ser acusado em certos meios de “conspiracionismo” e de “branquear” a Rússia, este seu testemunho reúne uma série de dados factuais, normalmente sonegados ao grande público, que permitem, pelo menos, romper a censura que nos foi imposta e pôr em causa a propaganda dominante com que diariamente somos bombardeados sem hipótese de contraditório.

 

MILITAR SUÍÇO ANALISA COM BISTURI A GUERRA NA UCRÂNIA 

Entrevista, Zeitgeschehen im Fokus, 31 março 

O senhor conhece bem a região. Que conclusões tira do que está a acontecer na Ucrânia? 

Sim, conheço bem a região. Trabalhei no FDFA [Ministério dos Negócios Estrangeiros da Suíça] e fui destacado para a Nato por cinco anos. O meu trabalho era combater a proliferação de armas letais. Nessa qualidade, contribuí para o programa na Ucrânia após 2014. Além disso, conheço muito bem a Rússia, a Nato e a Ucrânia devido ao meu trabalho anterior em inteligência estratégica. Falo russo e tenho acesso a documentos que poucas pessoas no Ocidente lêem. 

Como entende o que está a acontecer? 

É uma loucura, podemos até dizer que há uma verdadeira histeria. O que me surpreende, e realmente me incomoda, é que ninguém pergunta por que é que os russos lançaram esta operação. Ninguém defende a guerra, e eu também não. Mas como ex-chefe de Política e Doutrina do Departamento de Operações de Manutenção da Paz da ONU em Nova York por dois anos, pergunto-me sempre: como se chega ao ponto de iniciar uma guerra? 

Qual era a sua tarefa na ONU? 

A ONU precisava de entender como as guerras acontecem, que factores levam à paz e o que pode ser feito para evitar baixas ou como prevenir a guerra. Se não se entender como a guerra acontece, então não se pode encontrar uma solução. Estamos exactamente nesta situação. Cada país impõe as suas próprias sanções contra a Rússia, e sabemos muito bem que isso não vai a nenhum lado. O que me chocou particularmente foi a declaração do ministro da Economia francês de que querem destruir a economia russa com o objectivo de fazer o povo russo sofrer. É uma afirmação ultrajante. 

Como avalia a ofensiva russa? 

Atacar outro estado vai contra os princípios do direito internacional. Mas os antecedentes de tal decisão devem ser considerados. Antes de mais nada, é preciso deixar claro que Putin não é louco nem desligado da realidade. É uma pessoa metódica e sistemática, ou seja, muito russa. Acho que ele estava ciente das consequências da sua operação na Ucrânia. Ele avaliou, obviamente com razão, que, se realizasse uma “pequena” operação para proteger a população de Donbass ou uma operação “massiva” em favor da população de Donbass e dos interesses nacionais da Rússia, as consequências seriam as mesmas. Então, ele foi para a solução máxima. 

Qual é o objectivo da Rússia? 

Certamente não é dirigido contra a população ucraniana. Putin disse isso várias vezes. Também pode ser visto pelos factos. A Rússia continua a fornecer gás à Ucrânia. Os russos não impediram isso. Não fecharam a internet. Não destruíram as fábricas e o abastecimento de água. Embora tais serviços possam ter parado nas áreas de combate. Mas a abordagem de guerra russa é muito diferente da dos americanos, há os exemplos na ex-Jugoslávia, no Iraque e na Líbia. Quando os países ocidentais atacaram esses países, primeiro destruíram o fornecimento de água e electricidade e toda a infraestrutura. 

Porque é que o Ocidente actua assim? 

É preciso analisar a abordagem ocidental do ponto de vista da sua doutrina operacional. Ela baseia-se na ideia de que, se se destruir as infraestruturas, a população revoltar-se-á contra “o ditador”. Essa também foi a estratégia durante a Segunda Guerra Mundial, quando cidades alemãs como Colónia, Berlim, Hamburgo, Dresden, etc. foram bombardeadas até à destruição. Visaram directamente a população civil para que houvesse uma revolta. O governo perde o poder devido a uma revolta e vence-se a guerra sem colocar em risco as próprias tropas. Essa é a teoria. 

Qual é a abordagem russa? 

É completamente diferente. Eles anunciaram claramente o seu objectivo: querem a “desmilitarização” e “desnazificação” da Ucrânia. Se se acompanhar a situação honestamente, é exactamente isso que eles estão a fazer. Claro, uma guerra é uma guerra e, infelizmente, há sempre mortes, mas é interessante ver o que dizem os números. Na sexta-feira, 4 de março, a ONU relatou 265 civis ucranianos mortos. À noite, o Ministério da Defesa russo estimou o número de soldados mortos em 498. Isso significa que há mais baixas entre os militares russos do que entre os civis do lado ucraniano. Se compararmos isso com o Iraque ou a Líbia, sucede exactamente o oposto com as guerras que o Ocidente desencadeia.

Os media ocidentais não estão a mostrar a verdade? 

Os nossos media afirmam que os russos querem destruir tudo, mas isso obviamente não é verdade. Também estou preocupado com a forma como os nossos media retratam Putin. Falam como se, de repente, o “tirano” decidisse atacar e conquistar a Ucrânia. Os EUA alertaram durante vários meses que haveria um ataque surpresa, mas nada aconteceu. De facto, os serviços de inteligência e líderes ucranianos negaram repetidamente esses avisos norte-americanos. Observando atentamente os relatórios e preparativos militares no terreno, pode-se ver claramente: Putin não tinha intenção de atacar a Ucrânia até meados de fevereiro. 

Porque é que isso mudou? 

Temos que saber algumas coisas primeiro, senão não entendemos. Em 24 de março de 2021, o presidente ucraniano Zelensky emitiu um decreto presidencial para recapturar a Crimeia. Começou então a mover o exército ucraniano para o sul e sudeste, em direcção a Donbass. Há um ano, houve uma grande concentração de tropas ucranianas na fronteira sul da Ucrânia. Zelensky sempre sustentou que os russos não atacariam a Ucrânia. O Ministro da Defesa ucraniano também confirmou isso repetidamente. Da mesma forma, o chefe do Conselho de Segurança ucraniano declarou em dezembro e janeiro que não havia sinais de um ataque russo à Ucrânia. 

Foi um truque? 

Não. Tenho certeza de que Putin não queria atacar a Ucrânia, ele disse isso repetidamente. Obviamente, houve pressão dos EUA para iniciar a guerra. Os Estados Unidos têm pouco interesse na Ucrânia. O que eles queriam era aumentar a pressão sobre a Alemanha para fechar o [gasoduto]Nord Stream II. Queriam que a Ucrânia provocasse a Rússia e, se a Rússia reagisse, o Nord Stream II ficaria congelado. 

Tal cenário foi mencionado quando Olaf Scholz visitou Washington, e Scholz claramente não queria aceitá-lo. Isto não é apenas a minha opinião, há muitos diplomatas norte-americanos que entenderam assim: o objectivo era o Nord Stream II, e não devemos esquecer que esse gasoduto foi construído a pedido dos alemães. É fundamentalmente um projecto alemão. Porque a Alemanha precisa de mais gás para atingir suas metas de energia e clima. 

Porque estão os Estados Unidos interessados no conflito? 

Desde a Segunda Guerra Mundial, a política dos EUA foi sempre impedir a Alemanha e a Rússia (ou a URSS) de trabalharem mais de perto. Isto apesar de os alemães terem um medo histórico dos russos. Mas os dois países são as duas maiores potências da Europa. Historicamente, sempre houve relações económicas entre a Alemanha e a Rússia. Os EUA sempre tentaram evitar isso. 

Não se deve esquecer que, numa guerra nuclear, a Europa seria o campo de batalha. Isso significa que, nesse caso, os interesses da Europa e dos EUA não seriam necessariamente os mesmos. Isso explica por que, na década de 1980, a União Soviética apoiou movimentos de paz na Alemanha. Uma relação mais próxima entre a Alemanha e a Rússia tornaria inútil a estratégia nuclear dos EUA. 

Os EUA criticam a dependência energética da Alemanha porquê? 

É irónico que os EUA critiquem a dependência da Alemanha ou da Europa face à energia russa. A Rússia é o segundo maior fornecedor mundial de petróleo. Os EUA compram petróleo principalmente ao Canadá, depois à Rússia, ao México e à Arábia Saudita. Isso significa que os EUA também dependem da Rússia. Isso também é verdade para os motores de foguetão, por exemplo. Isso não incomoda os EUA. Mas os EUA ressentem-se de os europeus serem dependentes da Rússia. 

Durante a Guerra Fria, a União Soviética sempre honrou todos os contratos de gás. A maneira russa de pensar a esse respeito é muito semelhante à dos suíços. A Rússia tem uma mentalidade cumpridora da lei; sente-se vinculada às regras, assim como a Suíça. Isso não significa que não tenham emoções, mas quando as regras são estabelecidas, eles seguem-nas. Durante a Guerra Fria, a União Soviética nunca fez uma conexão entre comércio e política. Nesse sentido, a disputa relacionada com a Ucrânia é principalmente política. 

De acordo com Brzezinski, a Ucrânia seria a chave para dominar a Eurásia. Qual o papel desta teoria nesta guerra? 

Brzezinski foi, sem dúvida, um grande pensador e ainda influencia o pensamento estratégico dos EUA. Mas não acho que esse aspecto seja fundamental nesta crise em particular. A Ucrânia é certamente importante. Mas a questão de quem domina ou controla a Ucrânia não é o ponto principal aqui. Os russos não querem controlar a Ucrânia. O problema da Ucrânia para a Rússia, como para outros países, é estratégico. 

Que significa isso? 

Na discussão que está a acontecer em todo o lado, questões cruciais estão a ser ignoradas. As pessoas falam sobre armas nucleares como se estivessem a assistir a um filme. A realidade é outra. Os russos querem estabelecer uma distância entre as forças militares da Nato e as da Rússia. O poder da Nato não é outro senão o poder nuclear americano. Essa é a essência da Nato. Quando eu trabalhava na Nato, Jens Stoltenberg – então meu chefe – costumava dizer: “A Nato é uma potência nuclear”. Os EUA implantaram os seus sistemas de mísseis na Polónia e na Roménia, que incluem sistemas de lançamento MK-41. 

Essas são armas defensivas? 

Os Estados Unidos, é claro, dizem que são puramente defensivas. Na verdade, esses lançadores podem disparar mísseis antibalísticos. Mas o mesmo sistema também pode lançar mísseis nucleares. Estas rampas estão a poucos minutos de Moscovo. Se, numa situação de tensão crescente na Europa, os russos detectarem, com imagens de satélite ou inteligência, actividades nessas plataformas que indiquem preparativos para um lançamento, eles esperarão até que os mísseis nucleares sejam lançados em direcção a Moscovo? Claro que não. Lançariam imediatamente um ataque preventivo. 

Toda essa situação se agravou depois de os EUA se retirarem do Tratado ABM [Tratado de Mísseis Antibalísticos]. De acordo com este Tratado, sistemas deste tipo não poderiam ser implementados na Europa. A ideia era justamente manter um certo tempo de reacção em caso de confronto. Isto porque erros não intencionais podem acontecer. Tivemos algo assim durante a Guerra Fria. Quanto maior a distância entre os mísseis nucleares, mais tempo há para reagir. Se os mísseis forem implantados muito perto do território russo, a Rússia não terá tempo de reagir no caso de um ataque e corre o risco de entrar numa guerra nuclear muito mais depressa. Isto afecta todos os países vizinhos. 

Os soviéticos, no seu tempo, perceberam isso, por isso criaram o Pacto de Varsóvia. A Nato foi a primeira… A Nato foi fundada em 1949 e o Pacto de Varsóvia apenas seis anos depois. O motivo foi o rearmamento da República Federal da Alemanha e a sua entrada na Nato em 1955. Se você olhar para o mapa de 1949, poderá ver uma lacuna muito grande entre o poder nuclear da Nato e o da URSS. A URSS queria ter uma cintura de segurança  para que pudesse travar uma guerra convencional pelo maior tempo possível. Essa era a ideia: fazer uma guerra convencional o mais longa possível e evitar entrar no nuclear. 

Ainda é assim hoje? 

Após a Guerra Fria, a estratégia nuclear foi um pouco esquecida. A segurança já não era uma questão de armas nucleares. A guerra no Iraque ou no Afeganistão foram guerras com armas convencionais, e a dimensão nuclear estava fora de vista. Mas os russos não esqueceram. Eles pensam estrategicamente. Naquela época, visitei o Estado-Maior da Academia Voroshilov em Moscovo. Aí pode ver-se como as pessoas pensam. Eles pensam estrategicamente, tam como se deve pensar em tempos de guerra. 

Isso acontece hoje? 

Hoje você pode ver muito claramente. O pessoal de Putin pensa estrategicamente. Os russos têm pensamento estratégico, pensamento operacional e pensamento táctico. Os países ocidentais, como vimos no Afeganistão ou no Iraque, não têm estratégia. Este é exactamente o problema que os franceses têm no Mali. O Mali agora exigiu que eles saíssem do país, porque os franceses estão a matar pessoas sem objectivo estratégico. Com os russos é completamente diferente, eles pensam estrategicamente. Eles têm um objectivo. É o mesmo com Putin. Os nossos meios de comunicação dizem que Putin colocou armas nucleares em jogo… 

Que acha disso? 

Vladimir Putin colocou as forças nucleares em alerta de nível 1 em 27 de fevereiro. Mas esta é apenas metade da história. Nos dias 11 e 12 de fevereiro, uma conferência de segurança foi realizada em Munique. Zelenski estava lá. Ele indicou que queria adquirir armas nucleares. Isso foi interpretado como uma ameaça potencial e a luz vermelha acendeu no Kremlin. Para entendê-lo, é preciso lembrar o Acordo de Budapeste de 1994. Tratava-se de destruir mísseis nucleares no território das ex-repúblicas soviéticas, deixando apenas a Rússia como potência nuclear. A Ucrânia também entregou armas nucleares à Rússia em troca da inviolabilidade das suas fronteiras. Quando a Crimeia voltou à Rússia em 2014, a Ucrânia disse que não cumpriria o acordo de 1994. Voltemos às armas nucleares…

O que disse Putin realmente? 

Se Zelensky quisesse recuperar as armas nucleares, isso certamente seria inaceitável para Putin. Com armas nucleares na fronteira, há muito pouco tempo de aviso. Durante a conferência de imprensa após a visita de Macron, Putin deixou claro que, se a distância entre a Nato e a Rússia fosse pequena, isso iria criar complicações. Mas o elemento decisivo foi, no início da operação contra a Ucrânia, quando o ministro das Finanças francês ameaçou Putin ao declarar que a Nato era uma potência nuclear. Putin reagiu aumentando o nível de alerta das suas forças nucleares. Os nossos media, é claro, não mencionaram isso. Putin é realista: tem os pés no chão e tem um propósito. 

O que levou Putin a intervir militarmente agora? 

Em 24 de março de 2021, Zelensky emitiu um decreto presidencial para reconquistar a Crimeia pela força. Começou os preparativos para fazê-lo. Se essa era a sua verdadeira intenção ou simplesmente uma manobra política, não sabemos. O que vimos, no entanto, é que ele reforçou massivamente o exército ucraniano na região de Donbass e no sul em direcção à Crimeia. É claro que os russos estavam cientes dessa concentração de tropas. 

Ao mesmo tempo, a Nato realizou grandes exercícios entre o Báltico e o Mar Negro. Compreensivelmente, isso levou os russos a reagir, realizando exercícios no distrito militar do sul. As coisas acalmaram-se depois disso e, em setembro, a Rússia realizou os exercícios “Zapad 21”, planeados há muito tempo. Esses exercícios são realizados a cada quatro anos. No final dos exercícios, algumas tropas permaneceram perto da Bielorrússia. Eram unidades do Distrito Militar Oriental. 

Como reagiu o Ocidente a isso? 

A Europa e especialmente os EUA interpretaram isso como um reforço das capacidades ofensivas contra a Ucrânia. Especialistas militares independentes, mas também o chefe do Conselho de Segurança da Ucrânia, disseram, na altura, que não havia preparativos para a guerra. As tropas deixadas pela Rússia em outubro não se destinavam a uma operação ofensiva. 

No entanto, os chamados especialistas militares ocidentais, especialmente em França, interpretaram isso como preparativos para a guerra e começaram a designar Putin como louco. Foi assim que a situação evoluiu desde o final de outubro de 2021 até o início deste ano. A forma como os EUA e a Ucrânia se entenderam sobre essa questão foi muito contraditória. Os EUA alertaram sobre uma ofensiva planeada, enquanto a Ucrânia negou. Era um vai-vem permanente. A OSCE informou que o Donbass foi bombardeado [pelos ucranianos] em fevereiro deste ano.

A OSCE informou que o Donbass foi bombardeado em fevereiro. O que aconteceu então? 

No final de janeiro, a situação pareceu evoluir. Os EUA conversaram com Zelensky e pequenas mudanças foram observadas. Desde o início de fevereiro, os Estados Unidos falam sobre um ataque russo iminente e começam a espalhar cenários de ataque. 

Antonio Blinken, no Conselho de Segurança da ONU, explica como um ataque russo se desenrolaria de acordo com os serviços secretos dos EUA. Isso lembra-nos a situação em 2002/2003 antes do ataque ao Iraque. Aí, também, as explicações dadas pelos Estados Unidos foram supostamente baseadas em análises de inteligência. 

Como sabemos, não era verdade, o Iraque não tinha armas de destruição em massa. Na verdade, a CIA não confirmou essa hipótese. Como resultado, Donald Rumsfeld confiou não na CIA, mas num pequeno grupo confidencial dentro do Departamento de Defesa, que havia sido criado especialmente para evitar a análise da CIA. 

De onde vem essa informação? 

No contexto ucraniano, Blinken fez exactamente a mesma coisa. Em toda a discussão que antecedeu a ofensiva russa, nota-se a total ausência das análises da CIA e das agências de inteligência ocidentais. Tudo o que Blinken nos contou veio de uma equipa que ele mesmo montou, o “Tiger Team”. Os cenários que nos foram apresentados não vieram de uma análise de inteligência, mas de especialistas autonomeados que inventaram um cenário com uma agenda política. Assim nasceu o boato de que os russos estavam prestes a atacar. 

Em 16 de fevereiro, Joe Biden disse que sabia que os russos estavam prestes a atacar. Mas quando perguntado como sabia disso, ele respondeu que os Estados Unidos tinham capacidades de inteligência muito boas, sem mencionar a CIA ou o Agência de Inteligência Nacional. 

Então, algo aconteceu em 16 de fevereiro 

Naquele dia, houve um aumento exagerado nas violações do cessar-fogo pelos militares ucranianos ao longo da linha de cessar-fogo [no Donbass], a chamada “linha de contacto”. Sempre houve violações nos últimos oito anos, mas desde 12 de fevereiro o aumento foi enorme, incluindo explosões, especialmente nas regiões de Donetsk e Lugansk. Sabemos disso porque a missão da OSCE no Donbass relatou. Estes relatos podem ser lidos nos Relatórios Diários da OSCE. 

Qual era o objectivo do exército ucraniano? 

Esta foi certamente a fase inicial de uma ofensiva contra o Donbass. Quando o fogo de artilharia se intensificou, as autoridades de ambas as repúblicas começaram a evacuar a população civil para a Rússia. Numa entrevista, Sergei Lavrov mencionou mais de 100.000 refugiados. Na Rússia, isso foi visto como o início de uma operação em grande escala. 

Quais foram as consequências? 

Essa acção do exército ucraniano desencadeou tudo. A partir daquele momento, ficou claro para Putin que a Ucrânia iria realizar uma ofensiva contra as duas repúblicas. Em 15 de fevereiro, o parlamento russo, a Duma, adoptou uma resolução propondo o reconhecimento da independência dessas repúblicas. A princípio Putin não reagiu, mas à medida que os ataques se intensificaram, ele decidiu em 21 de fevereiro responder positivamente ao pedido parlamentar. 

Porque deu Putin esse passo? 

Nessa situação, ele não teve escolha, porque o povo russo não teria entendido que ele não fizesse nada para proteger a população de língua russa do Donbass. Para Putin, ficou claro que se ele interviesse apenas para ajudar as repúblicas ou para invadir a Ucrânia, o Ocidente reagiria igualmente com sanções massivas. 

Num primeiro momento, reconheceu a independência das duas repúblicas, depois, no mesmo dia, celebrou tratados de amizade e cooperação com cada uma delas. A partir de então, poderia invocar o artigo 51 da Carta das Nações Unidas, que lhe permitia intervir para auxiliar as duas repúblicas no âmbito da defesa colectiva e da legítima defesa. Assim, ele criou a base legal para sua intervenção militar. 

Mas ele não apenas ajudou as repúblicas, ele também atacou toda a Ucrânia 

Putin tinha duas opções: primeira, simplesmente ajudar o Donbass de língua russa contra a ofensiva militar ucraniana; segunda, realizar um ataque mais profundo em toda a Ucrânia para neutralizar as suas capacidades militares. Ele também levou em conta que, fizesse o que fizesse, as sanções choveriam sobre ele. Foi por isso que ele optou claramente pela variante máxima; no entanto, deve-se notar que Putin nunca disse que quer tomar posse da Ucrânia. Os seus objectivos são claros: desmilitarização e desnazificação. 

Qual o pano de fundo desses objetivos? 

A desmilitarização é compreensível, já que a Ucrânia reuniu todo o seu exército no sul, entre Donbass e Crimeia. Uma operação rápida permitiria que ele cercasse essas tropas. Foi o que aconteceu, e grande parte do exército ucraniano está actualmente cercado numa grande bolsa na região de Donbass, entre Slavyansk, Kramatorsk e Severodonetsk. Os russos cercaram-no e estão em processo de neutralizá-lo. 

Agora, quanto à chamada desnazificação… Quando os russos dizem isso, não é uma frase vazia. Para compensar a falta de confiabilidade dos militares ucranianos, o país construiu poderosas forças paramilitares desde 2014, incluindo, por exemplo, o notório regimento Azov. Mas há muitos mais.

Há um grande número desses grupos que estão sob o comando da Ucrânia, mas não são formados exclusivamente por ucranianos. O regimento Azov, por exemplo, é composto por 19 nacionalidades, incluindo franceses, suíços, etc. É uma verdadeira legião estrangeira. No total, esses grupos de extrema-direita somam cerca de 100.000 combatentes, segundo a Reuters. 

Porque existem tantas organizações paramilitares na Ucrânia? 

Em 2015/2016 estive na Ucrânia com a Nato. A Ucrânia teve um grande problema, eles estavam a ficar sem soldados, porque o exército ucraniano teve muitas baixas devido a acções não-combatentes. Eles tiveram baixas devido a suicídios e problemas com álcool. Tinham dificuldade em encontrar recrutas. Pediram-me para ajudar por causa da minha experiência com a ONU. Então, eu fui para a Ucrânia várias vezes. 

O ponto principal era que o exército não tinha credibilidade entre a população e nem dentro das forças armadas. É por isso que a Ucrânia tem cada vez mais fomentado e desenvolvido forças paramilitares. São fanáticos movidos pelo extremismo de direita. 

De onde vem esse extremismo de direita? 

As origens remontam à década de 1930. Após os anos de fome extrema, que entrou para a história como o Holodomor, surgiu uma resistência ao poder soviético. Para financiar a modernização da URSS, Stalin confiscou as colheitas, causando fome. O NKVD, precursor da KGB (que era ao mesmo tempo o Ministério de Assuntos Internos e Segurança), implementou essa política. 

O NKVD foi organizado em bases territoriais e na Ucrânia havia muitos judeus nos mais altos postos de comando. Como resultado, tudo se confundiu numa única ideologia: odeio os comunistas, odeio os russos e odeio os judeus. Os primeiros grupos de extrema-direita datam dessa época e ainda existem. 

Durante a Segunda Guerra Mundial, os alemães precisavam desses grupos, como a Organização Nacionalista Ucraniana (OUN) de Stephan Bandera e o Exército Insurgente Ucraniano. Os nazis usaram essas organizações para lutar na retaguarda soviética. Na época, as forças do Terceiro Reich eram vistas como libertadoras, como a 2ª Divisão Blindada SS, “Das Reich”, que havia libertado Kharkiv dos soviéticos em 1943, e ainda é celebrada na Ucrânia hoje. 

O epicentro geográfico dessa resistência de extrema-direita foi em Lvov, hoje Lviv, na antiga Galícia. Esta região ainda teve a sua “própria” 14ª Divisão SS Panzer Grenadier “Galitzia”, uma divisão SS totalmente ucraniana. 

A OUN, formada durante a Segunda Guerra Mundial, sobreviveu ao período soviético? 

Após a Segunda Guerra Mundial, o inimigo era a União Soviética. A URSS falhou em eliminar completamente esses movimentos anti-soviéticos durante a guerra. Os Estados Unidos, a França e a Grã-Bretanha perceberam que a OUN poderia ser útil e apoiaram-na para lutar contra a URSS com sabotagem e armas. Até ao início da década de 1960, os insurgentes ucranianos eram apoiados pelo Ocidente por meio de operações clandestinas, como Aerodinâmica, Valiosa, Minos, Capacho e outras. 

Desde então, a Ucrânia manteve uma relação estreita com o Ocidente e a Nato. Hoje, é a fraqueza do exército ucraniano que leva ao uso de tropas fanáticas de direita. Acho que o termo neonazis não é totalmente correcto, embora tenham ideias muito semelhantes, adoptam seus símbolos, são violentos e antissemitas, 

Qual é o significado dos acordos [de Minsk] no contexto da disputa actual? 

Após 2014, dois acordos foram assinados para pacificar a situação na Ucrânia.  É importante entender isso, porque a quebra desses dois acordos basicamente levou à guerra de hoje. Desde 2014, supostamente, havia uma solução para o conflito, essa solução estava nos acordos de Minsk. Em setembro de 2014, os militares ucranianos não conseguiram lidar com o conflito [no Donbass], mesmo tendo sido aconselhados pela Nato. Por isso tiveram que se comprometer com os acordos de Minsk I em setembro de 2014. Foi um acordo entre o governo ucraniano e representantes das duas autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk, com garantes europeus e russos. 

Como ocorreu o nascimento dessas duas repúblicas? 

Para entender, precisamos de voltar um pouco atrás história. No outono de 2013, a UE pretendia concluir um acordo comercial e económico com a Ucrânia. A UE ofereceu à Ucrânia uma garantia de desenvolvimento com subsídios, exportações e importações, etc. As autoridades ucranianas queriam fechar o negócio. Mas isso tinha um problema sério, a indústria e a agricultura ucranianas estavam voltadas para a Rússia. Por exemplo, os ucranianos desenvolviam motores para aviões russos, não para aviões europeus ou americanos. Assim, a orientação geral da indústria era para Leste, não Oeste. Em termos de qualidade, a Ucrânia dificilmente poderia competir com o mercado europeu. Portanto, as autoridades queriam cooperar com a UE mantendo relações económicas com a Rússia. 

Isso teria sido possível? 

Por sua vez, a Rússia não teve problemas com os planos da Ucrânia. Mas também queria manter as suas relações económicas com a Ucrânia. Por isso, propôs a criação de um grupo de trabalho tripartido para elaborar dois acordos: um entre a Ucrânia e a UE e outro entre a Ucrânia e a Rússia. O objectivo era cobrir os interesses de todas as partes. Mas foi a União Europeia, através de [Durão]Barroso, que pediu à Ucrânia que escolhesse entre a Rússia e a UE. A Ucrânia pediu tempo para pensar numa solução. Depois disso, a UE e os EUA não jogaram limpo. 

Porquê? 

A imprensa ocidental titulou: “A Rússia pressiona a Ucrânia para impedir o tratado com a UE”. Isso não era verdade. O governo ucraniano continuou a mostrar interesse no tratado com a UE, mas simplesmente queria mais tempo para considerar soluções para essa situação complexa. Mas os media europeus não disseram isso. Nos dias seguintes, extremistas de direita do oeste do país apareceram na praça Maidan em Kiev. Tudo o que lá aconteceu com a aprovação e apoio do Ocidente é realmente terrível. 

O que aconteceu depois de Yanukovich, o presidente democraticamente eleito, ter sido derrubado? 

O novo governo interino – surgido do golpe nacionalista de extrema direita – como seu primeiro acto oficial, mudou a lei linguística na Ucrânia. Isso mostra que o golpe não teve nada a ver com democracia, mas foi produto dos ultranacionalistas que organizaram o levantamento. Essa mudança legal desencadeou uma tempestade nas regiões de língua russa. 

Grandes manifestações foram organizadas em todas as cidades do sul de língua russa, em Odessa, Mariupol, Donetsk, Luhansk, e na Crimeia, etc. As autoridades ucranianas reagiram brutalmente, reprimindo com o exército. Repúblicas autónomas foram brevemente proclamadas em Odessa, Kharkov, Dnepropetrovsk, Lugansk e Donetsk. Isto foi reprimido com extrema brutalidade e, finalmente, duas permaneceram: Donetsk e Lugansk, que se proclamaram repúblicas autónomas. 

Como legitimaram o seu status? 

Fizeram referendos em maio de 2014, para ter autonomia, e isso é muito, muito importante. Se você olhar para a nossa comunicação social nos últimos meses, só se fala de “separatistas”. Mas é mentira: os media ocidentais sempre falaram de separatistas, mas isso é falso, a autonomia dentro da Ucrânia foi claramente mencionada nos referendos. Essas repúblicas queriam algum tipo de solução suíça, por assim dizer. Depois de o povo ter votado favoravelmente pela autonomia, as autoridades pediram o reconhecimento das repúblicas pela Rússia, mas o governo Putin recusou. 

A Crimeia também está relacionada a isso? 

Habitualmente, esquecemos que a Crimeia era independente, mesmo antes da Ucrânia se tornar independente. Em janeiro de 1991, enquanto a União Soviética ainda existia, a Crimeia realizou um referendo que foi gerido a partir de Moscovo e não de Kiev. Assim, tornou-se uma República Socialista Soviética Autónoma. A Ucrânia só realizou o seu próprio referendo de independência seis meses depois, em agosto de 1991. 

Na época, a Crimeia não era considerada parte da Ucrânia. Mas a Ucrânia não aceitou isso. Entre 1991 e 2014 houve uma luta constante entre as duas entidades. A Crimeia tinha a sua própria constituição com as suas próprias autoridades. Em 1995, encorajada pelo Memorando de Budapeste [sobre Garantias de Segurança, 1994], a Ucrânia derrubou o governo da Crimeia pela força militar e revogou a sua constituição. Mas isso nunca é mencionado, pois lançaria uma luz completamente diferente sobre o desenvolvimento actual. 

O que queria o povo da Crimeia? 

De facto, o povo da Crimeia considerava-se independente. Os decretos impostos a partir de Kiev estavam em total contradição com o referendo de 1991 e explicam porque a Crimeia realizou um novo referendo em 2014, depois de o novo governo ultranacionalista chegar ao poder na Ucrânia. O resultado foi muito semelhante ao de 30 anos antes. 

Após o referendo, a Crimeia pediu para se juntar à Federação Russa. Não foi a Rússia que conquistou a Crimeia, foi o povo que autorizou as suas autoridades a pedir à Rússia que os acolhesse. No tratado de amizade entre Rússia e Ucrânia assinado em 1997, a Ucrânia garantiu a diversidade cultural das minorias no país. Quando a língua russa foi banida como língua oficial em fevereiro de 2014, esse tratado estava a ser violado. 

As pessoas que não sabem de tudo isso correm o risco de julgar mal a situação? 

Acho que sim, também nos Acordos de Minsk foi garantida a autonomia das repúblicas do Donbass. Eram fiadores, do lado ucraniano, Alemanha e França e, do lado das autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk, a Rússia. Todos desempenharam esse papel no âmbito da OSCE. A UE não estava envolvida, era uma questão da OSCE. Imediatamente após os Acordos de Minsk I, a Ucrânia lançou uma operação contra as duas repúblicas autónomas. O governo ucraniano ignorou completamente o acordo que acabara de assinar. O exército ucraniano sofreu outra derrota total em Debaltsevo. Foi um colapso. 

Isso também aconteceu com o apoio da Nato? 

Sim, e perguntamo-nos o que é que os conselheiros militares da OTAN fizeram porque as forças armadas dos rebeldes derrotaram totalmente o exército ucraniano. Isso levou a um segundo acordo, Minsk II, assinado em fevereiro de 2015, que serviu de base para uma resolução do Conselho de Segurança da ONU. Por conseguinte, este acordo era vinculativo ao abrigo do direito internacional e tinha de ser implementado. 

Isso também foi monitorizado pela ONU? 

Não, ninguém se importou e, além da Rússia, ninguém exigiu o cumprimento do acordo de Minsk II. De repente, só se falava no “formato Normandia”. Mas isso não fazia sentido. Este “formato” nasceu durante a celebração do Dia D em junho de 2014. Foram convidados ex-protagonistas da Segunda Guerra Mundial, chefes de estado aliados, bem como Alemanha e Ucrânia. No formato da Normandia, apenas os chefes de estado estavam representados, as repúblicas autónomas obviamente não estavam presentes. A Ucrânia nunca quis falar com os representantes de Luhansk e Donetsk. Mas se lermos os acordos de Minsk, vemos imediatamente que um referendo deveria ter sido realizado para que a constituição ucraniana pudesse ser alterada (no sentido federal). Este processo interno foi impedido pelo governo ucraniano. 

Mas, os ucranianos também assinaram o acordo… 

Sim, mas a Ucrânia decidiu culpar a Rússia pelo seu problema interno. Os ucranianos alegaram que a Rússia havia atacado a Ucrânia e essa era a fonte dos problemas. Mas, para todos nós que visitamos o país, ficou claro que era um problema doméstico. Desde 2014, os monitores da OSCE nunca viram unidades militares russas. Ambos os acordos são muito claros e precisos: a solução deve ser encontrada na Ucrânia. Tratava-se de conceder uma certa autonomia dentro do país, e só a Ucrânia poderia resolver esse problema. Não tinha nada a ver com a Rússia. 

Para isso, era necessário um ajuste na constituição? 

Sim, exactamente, mas não foi feito. A Ucrânia não tomou quaisquer medidas a este respeito. Os membros do Conselho de Segurança da ONU também não se comprometeram. 

Como se comportou a Rússia? 

A posição da Rússia foi sempre a mesma. Queria que os Acordos de Minsk fossem implementados. Nunca mudou de posição em oito anos. Durante esses oito anos houve várias violações de fronteiras, bombardeios de artilharia, etc., mas a Rússia nunca questionou o cumprimento dos acordos. 

Como procedeu a Ucrânia? 

A Ucrânia promulgou uma lei no início de julho do ano passado. Era uma lei que outorga direitos diferentes aos cidadãos dependendo de sua origem étnica. Essa legislação lembra muito as Leis Raciais de Nuremberg de 1935. Apenas os verdadeiros ucranianos têm direitos plenos, enquanto outros têm direitos limitados. 

Logo em seguida, Putin escreveu um artigo explicando a génese histórica da Ucrânia. Ele criticou a distinção feita entre ucranianos étnicos e russos. Escreveu o artigo em resposta a essa lei. Mas, na Europa, isso foi interpretado como significando que ele não reconhecia a Ucrânia como um estado, e que o seu artigo procurava justificar uma possível anexação da Ucrânia. No Ocidente, as pessoas acreditam nisso e podem ser contadas pelos dedos de uma mão as que leram o artigo de Putin. É óbvio que no Ocidente o objectivo era dar uma imagem de Putin o mais negativa possível. Eu li o artigo, faz todo o sentido. 

O que esperavam os russos de Putin? 

Há muitos russos na Ucrânia. Putin tinha que dizer alguma coisa. Não teria sido correcto que o seu povo (também do ponto de vista do direito internacional) não dissesse nada diante de uma lei discriminatória contra os russos ucranianos. Todos esses pequenos detalhes são uma parte importante do conflito, caso contrário não entendemos o que está a acontecer. Esta é a única maneira de colocar o comportamento de Putin em perspectiva e ver os mecanismos que provocaram a guerra. Não posso dizer se Putin é bom ou mau. Mas o julgamento que fazemos dele no Ocidente é claramente baseado em elementos falsos. 

O que acha da reacção da Suíça, com o fim da neutralidade? 

É um desastre. A Rússia elaborou uma lista de 48 “estados hostis”, e a Suíça também está nela. Esta é realmente uma mudança de época, mas pela qual a própria Suíça é responsável. A Suíça sempre foi “o personagem do meio”. Facilitámos o diálogo com todos os Estados e tivemos a coragem de estar “no meio”. Há uma histeria em relação às sanções. A Rússia está muito bem preparada para esta situação. Vai sofrer, mas está preparada para aguentar o impacto. No entanto, o princípio das sanções é totalmente errado. Hoje, as sanções substituíram a diplomacia. 

Vimos isso com a Venezuela, com Cuba, Iraque, Irão, etc. Esses estados não fizeram nada além de ter uma política que não agrada aos EUA. Esse foi o seu “erro” fatal. Quando vejo os atletas com deficiência suspensos dos Jogos Paralímpicos, fico sem palavras. É totalmente descabido. Afecta pessoas individuais, é simplesmente perverso. É tão cruel como quando o ministro dos Negócios Estrangeiros francês disse que o povo russo deve sofrer sanções. Quem diz isso, a meu ver, não tem honradez. Não há nada de positivo em começar uma guerra, mas reagir assim é simplesmente vergonhoso. 

O que pensa quando as pessoas se manifestam contra a guerra na Ucrânia? 

Pergunto-me: o que torna a guerra na Ucrânia pior do que a guerra contra o Iraque, Iémen, Síria ou Líbia? Nesses casos, sabemos que não houve sanções contra o agressor, os Estados Unidos. Quem se manifesta pelo Iémen? Quem se manifestou pela Líbia, quem se manifestou pelo Afeganistão? Não sabemos por que é que os Estados Unidos estavam no Afeganistão. Sei de fontes de inteligência que nunca houve uma indicação clara de que o Afeganistão ou Osama bin Laden estivessem envolvidos nos ataques de 11 de setembro, mas mesmo assim fomos à guerra no Afeganistão. 

Porquê? 

Em 12 de setembro de 2001, logo após os ataques terroristas, os Estados Unidos decidiram retaliar e bombardearam o Afeganistão. O chefe do Estado-Maior da Força Aérea dos EUA disse que não havia alvos suficientes no Afeganistão. Ao que o secretário de Defesa respondeu: “Se não tivermos alvos suficientes no Afeganistão, vamos bombardear o Iraque”. Eu não inventei isso, existem fontes, documentos e pessoas que estavam lá. Esta é a realidade, mas a propaganda e a manipulação fazem-nos inclinar permanentemente para o lado “certo”. 

Das suas respostas, deduz-se que o Ocidente tem atirado lenha para a fogueira e provocado a Rússia há muito tempo. No entanto, essas provocações raramente são relatadas na nossa comunicação social e Putin é retratado como um belicista, um monstro…

O meu avô era francês, foi soldado na Primeira Guerra Mundial. Ele contou-me muitas vezes como essa guerra começou: foi o produto de uma estimulação da histeria em massa. A histeria, manipulação e comportamento impensado dos políticos ocidentais são muito semelhantes ao que aconteceu em 1914 e estou muito preocupado com isso. Quando vejo como o nosso país neutro já não é capaz de assumir uma posição independente da UE e dos EUA, fico envergonhado. Precisamos de ter a cabeça clara, racional e conhecer os factos por trás da campanha dos media. Essa é a única maneira de a Suíça ter uma política de paz razoável. 

———

Jacques Baud é mestre em Econometria e pós-graduado em Segurança Internacional pelo Instituto de Relações Internacionais de Genebra. Foi Coronel do Exército Suíço. Trabalhou para o Serviço Suíço de Inteligência Estratégica. Foi consultor para a segurança de campos de refugiados no leste do Zaire durante a guerra do Ruanda (ACNUR-Zaire/Congo, 1995-1996). Trabalhou para o DPKO (Departamento de Operações de Manutenção da Paz) das Nações Unidas em Nova Iorque (1997-99). Fundou o Centro Internacional de Desminagem Humanitária em Genebra (CIGHD) e o Sistema de Gestão de Informação para Desminagem (IMSMA).

(Tradução: Mudar de Vida, a partir da versão em castelhano publicada em Observatorio de la Crisis)

 


Comentários dos leitores

Leonel Lopes Clérigo 11/5/2022, 13:08

DESTRUIÇÃO na UCRÂNIA: QUE ALGIBEIRAS VÃO PAGAR A FACTURA?...

Basta abrir qualquer canal da "nossa" brilhante TV "informativa" - RTP, SIC, TVI, CNN... - para quase de imediato nos depararmos com um cenário de destruição em "unidades residenciais", "complexos industriais", "instalações militares"...Ucranianas.
Mas quando se procura entender o que está na Origem desta destruição, a coisa não é fácil e exige trabalho. Andar-se "à cata" de informações credíveis no meio de tanta "mixórdia", cansa.
Contudo, o "passar do tempo" trás vantagens: a "poeira" assenta, a ORIGEM da coisa vai abrindo seu caminho, torna-se clara e acaba por meter no lixo os muitos "aldrabões". E é bom que estes se "registem" para, como dizia o anúncio, "mais tarde recordar" seus "científicos" raciocínios.
Um exemplo: quanto tempo passou para se tornar claro que a Segunda Guerra Mundial "não se decidiu" no "Desembarque na Normandia" dos Aliados, mas em KURSK, na Bielorrúsia, a maior Batalha de Tanques da História onde foi destruído o grosso da "Cavalaria PANZER"? Esta, foi de facto uma aldrabice de "longa duração".
Que andam os nossos Historiadores (salvo raras excepções) a fazer?...A dar aulas no Jardim Zoológico.

1 - As imagens frequentes de DESTRUIÇÃO de inúmeros conjuntos Habitacionais na Ucrânia, levanta de imediato duas questões:
1.1 - Torna-se "possível" recuperar as "ruínas" que restam dos edifícios destruídos e de "forma rentável"?
1.2 - Que QUANTIAS estão em jogo para se poder refazer tudo aquilo e voltar a ter - pelo menos - o que existia?
Como é "natural" no Capitalismo há ainda uma outra questão de decisiva importância: quem abre o "porta-moedas" para pagar a conta de um País destruído e falido? Vai o Tio SAM pôr a "trabalhar" as Rotativas fazendo mais dívida (se isso for possível?) do que a "assustadora" que já tem? E A Europa? A Economista Lagarde vai "assobiar para o ar" ou pôr os Europeus a pagar os devaneios dos Aventureiros da NATO?... O que nos diz a sabedoria popular é que "os amigos são para as ocasiões"... Paga e não refiles...

2 - Maus tempos se avizinham...e os feiticeiros abundam.

Leonel Lopes Clérigo 13/5/2022, 10:32

AOS BURGUESES que ADORAM "CONTAS CERTAS"

“Observem a guerra não, como de costume, com os olhos de um soldado, mas sim com os de um economista”.

HJALMAR SCHACHT

jmluz 16/5/2022, 13:21

Embora seja verdade que houve fome em 1932, (ela não foi apenas na Ucrânia, mas também na Rússia Soviética e no Cazaquistão) as razões para isso não têm nada a ver com as que o autor do texto Jacques Baud erradamente indica, como a que os nacionalistas ucranianos apontam para fazer a sua propaganda mentirosa e reacionária de alienação de massas, com o objectivo de dividir e semear ódio entre as classes trabalhadoras e os povos irmãos da Ucrânia e da Rússia. A verdade dos factos não tem nada a ver com qualquer politica económica de "confisco das colheitas para financiar a modernização da URSS", com que se pretende atacar a politica soviética e particularmente Staline, mas como o prova vários historiadores, particularmente o historiador Mark Tauger - que dedicou sua vida profissional a pesquisar a agricultura e a fome soviética - ele mostra que as razões da fome se devem a uma combinação de factores: secas em algumas áreas, chuvas fortes em outras, pragas de mofo, ferrugem, insetos e roedores. E, claro, a luta contra os latifundiários do campo, que sabotavam a produção.

Quanto ao resto da entrevista, concordo inteiramente.

Luciobrito 17/5/2022, 11:18

Excelente

ROLDÃO 17/5/2022, 14:54

A propaganda faz a festa, independentemente do sofrimento associado, já estamos a pagar as consequências da especulação desse conflito.


Envie-nos o seu comentário

O seu email não será divulgado. Todos os campos são necessários.

< Voltar