Arquivo de Fevereiro 2009

Mentir à descarada

Como se fabrica “opinião pública”

Manuel Raposo

O diário de distribuição gratuita Meia Hora deu destaque de primeira página, na sua edição de 2 de Fevereiro, aos 30 anos da revolução no Irão dizendo que o país vive “arredado do convívio (?) das nações” por apoiar “grupos radicais islâmicos” e por andar a enriquecer urânio “à revelia da ONU”. Dias depois, a 17 de Fevereiro, comentava o resultado do referendo na Venezuela dizendo que Hugo Chávez “agora pode ficar no poder até se fartar”. Para o jornalismo praticado pelo Meia Hora os factos não contam. Ler o resto do artigo »



Governo/CGD “ajudam” Manuel Fino

O empresário Manuel Fino pedira à Caixa Geral dos Depósitos muito dinheiro para compra de acções. Como a especulação desta vez correu para o torto, o empresário deu à CGD 10% das suas acções da Cimpor, à conta da dívida. Só que as acções valiam no momento 244 milhões de euros e a CGD adquiriu-as por 305 milhões, dando a M. Fino uma prenda de mais de 60 milhões. Mais: a CGD não pode vender as acções durante 3 anos, mas o empresário pode recomprá-las. Se o valor continuar abaixo do preço de compra, perde a Caixa; se o valor tender a subir, M. Fino pode comprá-las e ganha de novo. Na “resolução da crise”, aqui, como em outros exemplos, é clara a opção do governo PS pelo grande capital.



Desemprego e luta dos professores

Sindicato afirma que o desemprego entre os professores é 5 vezes maior do que diz o Governo

Pedro Goulart

O governo de José Sócrates tem-se revelado useiro e vezeiro na arte de mentir. No que respeita a estatísticas (número de desempregados, número de grevistas, etc.), tanto o governo como os seus comissários políticos, têm demonstrado alguma elaboração na tortura dos números, falseando a realidade. Ler o resto do artigo »



Cantar Zeca Afonso

No dia 22 de Fevereiro, pelas 16h30m, na Academia de Santo Amaro, em Alcântara, realiza-se uma sessão comemorativa do 22.º aniversário da morte de José Afonso, em que será celebrada a memória do poeta e militante exemplar que o Zeca foi. Entre outros, participam Francisco Fanhais e os Cantadores de Rusga. Alexandre Castanheira declama Ary dos Santos.



Coindu anuncia despedimento colectivo

A Coindu, a maior fábrica têxtil do país, que emprega quase 2 000 trabalhadores, anunciou que vai proceder a um despedimento colectivo. Esta empresa, que dispõe em Portugal de unidades fabris em Famalicão e em Arcos de Valdevez, produz assentos e acessórios para a indústria automóvel e já tem procedido a várias paragens da produção desde Setembro de 2008. Ainda se desconhece o número de trabalhadores que virão a ser afectados por este despedimento.



Dias Loureiro mente

Dias Loureiro, ex-ministro de Cavaco Silva e actualmente Conselheiro de Estado, comprovadamente mentiu quando foi ouvido na Assembleia da República sobre o seu envolvimento no caso SLN/BPN. Negou desconhecer o fundo (Excellence Assets Fund), veículo de um negócio ruinoso em Porto Rico, que causou um prejuízo de 38 milhões de dólares à SLN/BPN, afirmando peremptoriamente que não fora ele quem fizera tal negócio. Verifica-se, agora, com documentos, que Dias Loureiro interveio por duas vezes, assinando quer o contrato-promessa quer a finalização do negócio de Porto Rico. Como diz o ditado popular, cesteiro que faz um cesto faz um cento, se lhe derem vimes e tempo.



Flores de Gaza, lucro de Israel

Carlos Simões

boicotisraeligoodsmargem.jpgApós 20 meses de bloqueio, Israel permitiu a exportação para a Europa de 25 mil cravos provindos de Gaza. Desde a eleição, em Junho de 2007, do movimento Hamas para governo da autoridade palestiniana que Israel e Egipto, com o apoio dos Estados Unidos da América e da União Europeia, impuseram uma proibição à entrada e saída de bens da Faixa de Gaza. Alimentos, combustível e medicamentos, sejam mercadorias ou ajuda humanitária, são inspeccionados e confiscados na fronteira. Durante a breve trégua do Outono de 2008, Israel permitiu movimento de bens, mas o seu volume manteve-se abaixo de 3% dos valores de 2007. Ler o resto do artigo »



Amoníacos de Portugal despede 152

A empresa, do grupo Mello, vai fazer um despedimento colectivo de 152 trabalhadores (dos cerca de 240) de duas fábricas no Lavradio, Barreiro. A administração justifica este despedimento com a falta de competitividade, dizendo que a produção de amoníaco e ureia em Portugal deixou de ser viável. Por outro lado, mantém a produção de ácido nítrico e nitrato de amónio (assim como a logística de amoníaco), onde ficam apenas 85 trabalhadores. E diz que esta é a única solução capaz de “a médio e longo prazo salvaguardar o futuro das restantes actividades e respectivos postos de trabalho”. O desemprego soma e segue.



“Viva Palestina”

Para Gaza, com amor

Rita Moura

london_gaza_map.jpgUm mês depois do genocídio em Gaza, o trio terrorista – Livni (que levou a cabo o último massacre), Netanyahu (que a criticou por ter terminado o ataque cedo demais), e Lieberman (que pretende negar cidadania aos israelitas árabes) – ganhou as eleições em Israel. Os cidadãos israelitas, na sua maioria, mostraram mais uma vez que são pela guerra em vez da paz, pela morte em vez da vida. Ler o resto do artigo »



Fehst em lay-off

O lay-off está na moda. Triste moda. Muitas empresas servem-se do pretexto da crise para aplicar o lay-off. A fábrica de componentes e material eléctrica Fehst, em Braga, há mais de um mês (a partir de 6 de Janeiro) que impôs este processo a 169 trabalhadores, a aplicar durante três meses. Já então a CT da empresa dava o seu parecer negativo, considerando tal processo inadequado. Desde essa altura que os trabalhadores desta empresa são obrigados a parar às segundas e terças-feiras, perdendo mensalmente 30 a 40% do seu salário.



A morte de Eluana

O bando capitalista e retrógrado que governa a Itália, com Berlusconi à cabeça, tudo fez para torpedear as próprias leis burguesas que regem este país, prolongando artificialmente a vida de Eluana Englaro, uma situação que se arrastava há já 17 anos. Na sua campanha reaccionária a favor da vida (que hipocrisia!), contou com o habitual apoio do não menos reaccionário Vaticano. A morte agora consumada representa o fim de um pesadelo de muitos anos, em que não havia qualquer hipótese da doente melhorar, assim como uma derrota daqueles que, laicos e clérigos, querem impor a sua moral a toda a sociedade.



Seminário sobre Gaza

A Catástrofe Humanitária em Gaza é tema de um seminário internacional promovido pelo MPPM que terá lugar em Lisboa a 14 de Fevereiro. Como socorrer os palestinianos? Como assegurar a sua sobrevivência como povo? Como garantir o seu direito a um futuro independente e em paz? – são algumas das questões a abordar. As intervenções estarão a cargo do jornalista Miguel Urbano Rodrigues, Silas Cerqueira (MPPM), Michael Kingsley (director da Agência das Nações Unidas para Apoio aos Refugiados Palestinianos) e Pierre Galand (da Associação Belga para a Palestina). A sessão realiza-se no Hotel Holiday Inn Lisboa, Av. António José de Almeida 28-A, entre as 15 e as 20 horas.



Carfer encerra, mais 150 no desemprego

A administração da fábrica de malhas Carfer, em Esposende, anunciou no dia 6, pouco antes da saída dos trabalhadores, que no dia 9 entregava no tribunal o processo de insolvência da empresa e que esta ficava desde logo encerrada. Não tendo sido formalmente despedidos, os trabalhadores reuniram seguidamente em plenário e decidiram concentrar-se no dia 9 à porta da fábrica. São mais 150 trabalhadores no desemprego, na maioria mulheres. Entre eles estão vários casais e alguns trabalhadores que laboravam na empresa desde a sua inauguração, há 40 anos.



Roma: indiano queimado vivo

Um indiano imigrado em Itália foi espancado e queimado vivo numa estação de comboios nos arredores de Roma, tendo sido hospitalizado em estado muito grave. A vítima, de 35 anos e sem abrigo, foi atacada por um grupo de indivíduos que o agrediram e seguidamente o regaram com gasolina e lhe pegaram fogo. A hipótese posta pela polícia de se ter tratado de roubo não bate certo com os factos e só pode ser vista como uma tentativa de disfarçar a natureza fascista do ataque. Com efeito, os agressores iam munidos de uma garrafa com gasolina, o que não deixa dúvidas sobre a premeditação do acto.



FrutiNatura encerra de surpresa

A fábrica da FrutiNatura, em Vila do Rei, Castelo Branco, faz parte do grupo espanhol Rocafort. Tem produzido fruta descascada e higienizada para a TAP e para diversas multinacionais. No dia 2 de Fevereiro, os cerca de 30 trabalhadores chegaram à empresa e encontraram as portas fechadas a cadeado. Apesar de saberem da situação difícil da empresa, os trabalhadores foram apanhados de surpresa. E, face à insólita situação, decidiram permanecer à porta da unidade fabril, à espera de explicações da administração.



Freeport – que justiça esperar?

Carlos Completo

luvas_72dpi.jpgOs estados capitalistas ditos democráticos dotam-se de aparelhos judiciais, que aplicam as leis que as classes dominantes fazem aprovar nos seus parlamentos. Estas leis visam manter a ordem jurídica da burguesia e os seus interesses de classe. Os polícias e os magistrados são funcionários destes estados e, como tal, devem aplicar as leis a toda a gente. Só que a igualdade na aplicação das leis é meramente formal, visto tratar-se de “cidadãos” que não são iguais nem económica nem socialmente, já que pertencem a classes sociais distintas. Claro que há ainda situações particulares, que resultam de compadrios, favores, etc. Ler o resto do artigo »



Corticeira Amorim despede 200

Duas empresas da Corticeira Amorim, em Santa Maria da Feira, que fabricam rolhas e aglomerados compósitos, vão iniciar um processo de despedimento colectivo envolvendo quase 200 trabalhadores. O Grupo Amorim, que é líder mundial do sector corticeiro, justifica os despedimentos com a crise económico-financeira mundial e a queda nas exportações, mas os trabalhadores acham que a empresa está a aproveitar-se da situação para reduzir mão-de-obra e aumentar os lucros. Os trabalhadores marcaram uma vigília para o dia 7, em defesa dos seus postos de trabalho.



Edscha: 180 empregos em risco

A unidade fabril da Edscha, em Vendas Novas, com 180 trabalhadores, corre o risco de encerrar. A multinacional alemã Edscha, fabricante de componentes para a indústria automóvel, apresentou um pedido de insolvência para as 15 unidades de produção que laboram na Europa, incluindo Portugal. O parque industrial de Vendas Novas é dominado pelo sectores automóvel e corticeiro, dois sectores em dificuldades, o que faz prever o surgimento de graves questões sociais na região.



Crise gera onda de chauvinismo

A crise económica está a gerar, entre os trabalhadores dos diversos países, reacções nacionalistas e de rejeição dos imigrantes. Nos EUA os alvos são sobretudo os trabalhadores de origem latina, e também crescem os ataques racistas. No Reino Unido, centenas de trabalhadores têm-se manifestado contra italianos e portugueses que trabalham nas refinarias do norte do país, exigindo prioridade de emprego para os nacionais britânicos. Na Islândia, levada à bancarrota, igualmente os estrangeiros, portugueses nomeadamente, foram hostilizados. Factos que mostram a importância de travar um combate ao nacionalismo que divide as classes trabalhadoras e que as torna instrumentos do capital em crise.



Editorial

O capital que pague

Sejamos claros: é a classe operária que sofre em primeiro lugar, e acima de todas as outras, o desgaste da crise. Basta ver as notícias e os números dos despedimentos. E o grosso dos apoios do Estado exclui precisamente os que mais sofrem com a situação.
Não é de espantar: para os capitalistas, sair da crise é forçar os assalariados a produzirem mais valor por cada euro de capital investido. Ignorar isto é ignorar tudo. Ler o resto do artigo »



Ramada luta por centro de saúde

Os moradores de Ramada, Odivelas, desde 2003 que lutam por um Centro de Saúde para a sua freguesia, a maior do concelho de Odivelas. Numa acção reivindicativa, em 31 de Janeiro, promovida pela Comissão Pró-Centro de Saúde e pela Junta de Freguesia de Ramada, participaram cerca de meia centena de moradores que, para além de outras medidas a adoptar, decidiram solicitar ser recebidos de urgência pela Ministra da Saúde. Será que estas questões não fazem parte das apregoadas medidas de protecção social do governo de José Sócrates?



Desemprego em Alcanena

Cerca de 100 trabalhadores da centenária fábrica de curtumes Constantino Mota, em Alcanena, vão pedir a suspensão dos seus contratos de trabalho, depois de a administração da empresa ter decidido pedir a insolvência. Além das elevadas dívidas à Banca, à Segurança Social e aos fornecedores (perto de 9 milhões de euros), a empresa ainda deve dois meses de salários aos trabalhadores que, neste momento, estão a passar por grandes dificuldades económicas.



Iraque: qual vitória?

A propósito das eleições locais iraquianas realizadas em 30 de Janeiro – que a imprensa fiel ao dono norte-americano elogiou como mais uma “vitória da democracia” – o jornal The Nation (EUA) publica um artigo em que John Tirman (director executivo do Centro de Estudos Internacionais do MIT) lembra, com base em números indesmentíveis, o resultado dos 6 anos de ocupação do Iraque: 4,5 milhões de desalojados, 1 a 2 milhões de viúvas, 5 milhões de órfãos, 1 milhão de mortos. De um modo ou de outro, lembra o autor, um em cada dois iraquianos foram atingidos. “Será difícil”, comenta John Tirman, “descrever isto como uma vitória seja de que tipo for”.



Em defesa do emprego na Euronadel

A Euronadel, fábrica de agulhas para a indústria têxtil, em Abóboda, Cascais, através do director-geral e da gerência, informou os trabalhadores e a comunicação social que ia iniciar um processo de despedimento colectivo dos 182 trabalhadores da empresa. A multinacional, que tem vindo a deslocalizar a produção para outras unidades, está a tentar aproveitar a crise para liquidar a produção nesta fábrica. Os trabalhadores, que estão dispostos à luta para defender os seus postos de trabalho, concentram-se, dia 3 de Fevereiro, junto ao Ministério da Economia, onde pretendem ser recebidos.