Arquivo de Julho 2008

Meio milhão por ano

Assinalando o Dia Internacional do Migrante, o presidente mexicano anunciou o lançamento do programa “Repatriação Humana” que se destina a dar “tratamento humanitário digno” aos mexicanos deportados dos EUA. Vítimas de “ódio, hostilidade e intolerância”, os emigrantes são repatriados em condições degradantes, facto que é indiciado pelos cuidados preconizados por Felipe Calderón, que consistem em “alimentação, hospedagem e atenção médica”. Todos os anos, 500 mil mexicanos são expulsos dos EUA.



David e Golias

Gabriel Almeida, de 11 anos, residente na periferia de Belo Horizonte, Brasil, partiu um dente quando mordia o pescoço do cão, da raça pitbull, que o atacava enquanto brincava no quintal do tio. «Agarrei-o pelo pescoço e mordi-o», contou a criança. «Não é nada demais. É preferível perder um dente a perder a vida». No final da peça A Mãe, de Brecht, a personagem principal, depois de perder o filho na luta, diz: “Dizem que acabaremos sempre derrotados, que aquilo que nós queremos não virá nunca. Aquele que está vivo não diga nunca ‘nunca’”.



Aborto, um ano depois

Um ano depois da entrada em vigor da lei do aborto no nosso país, o balanço feito pela Direcção Geral da Saúde é positivo, desmentindo todos os agoiros dos sectores mais retrógrados contra a lei. As infecções e perfurações do útero baixaram para menos de metade, indiciando uma forte diminuição dos abortos clandestinos. Foram realizados 14.247 abortos e apenas 700 mulheres optaram por prosseguir a gravidez depois de aconselhadas – o que denota segurança na opção tomada. Mas o fito do negócio prossegue: enquanto quase todos os serviços públicos utilizam o método medicamentoso, que custa 341 euros, mais de 90 por cento das clínicas privadas optam pelo método cirúrgico, que custa 444 euros.



Salário é curto

Cerca de 71% dos portugueses dizem ter dificuldade em fazer face às suas despesas porque os salários não chegam ao fim do mês. Este número resulta de um inquérito do Eurobarómetro da Comissão Europeia, e contrasta com os 47% da média europeia. As famílias que admitem dificuldades, diz ainda o estudo, não são apenas das camadas habitualmente dadas como mais vulneráveis, atingindo também a faixa dos trabalhadores urbanos, nomeadamente dos serviços.



Denúncia

Na CGD até a esmola paga taxa

pensionistas.jpgPublicamos, pelo seu interesse, uma denúncia sobre a escandalosa cobrança de taxas pela Caixa Geral de Depósitos aos pequenos depositantes. O texto, que circula na Internet e cuja origem desconhecemos, tem a abrir, muito adequadamente, os versos de José Afonso “Batendo as asas pela noite calada / Vêm em bandos com pés de veludo…». Convidamos o leitor a meditar e a divulgar, pois, como diz o autor, é preciso denunciar esta pouca-vergonha que nos atira para a miséria. Eis o texto. Ler o resto do artigo »



Preços de monopólio

Um estudo da Associação Portuguesa dos Direitos dos Consumidores (Deco) revela que os preços dos medicamentos de venda livre (sem receita médica) aumentaram 5,2% desde 2005, desmentindo o Governo sobre uma baixa dos preços ditada pela livre concorrência. O facto é que, para aquele tipo de medicamentos, os supermercados, interessados em ganhar clientes, baixaram os preços em média 3%; mas as farmácias, que continuam a deter o grosso das vendas, subiram os preços em 11%. Como não é fácil andar a correr prateleiras de supermercados quando se precisa de um medicamento, o resultado geral é pagar-se mais caro.



Actividade do Movimento dos Trabalhadores Sem Tecto divulgada numa sessão em Lisboa

mtst_72dpi.jpgO Mudar de Vida levou a cabo em Lisboa, na tarde do passado dia 27 de Julho, um encontro em que foi divulgada a actividade do Movimento dos Trabalhadores Sem Tecto, do Brasil. A exposição esteve a cargo de Lizandra Guedes, uma activista do Movimento que se encontrava em Portugal na altura e que explicou os propósitos e as acções concretas do MTST, ilustrados depois com a projecção de alguns vídeos. Ler o resto do artigo »



A marca Salazar

A Vida Privada de Salazar é o título de uma mini-série produzida por Manuel S. Fonseca, administrador delegado da Valentim de Carvalho-Filmes, em parceria com a SIC e com o apoio de dinheiros públicos através do recém criado FICA – Fundo de Investimento para o Cinema e o Audiovisual. O actual director de programas da SIC, Nuno Santos, destacou “o apelo crescente que a marca Salazar tem gerado junto do público”. Fonseca, por seu lado, considera que “uma série desta natureza ensina-nos a olhar para as grandes figuras da história portuguesa, tendo esta [Salazar] marcado para o bem e para o mal”. Talvez a seguir o Estado lhe dê mais dinheiro para nos mostrar os lados bons e os lados maus da Pide.



Contrabando de crianças

Uma mãe guatemalteca recuperou a filha raptada há um ano, quando tinha 6 meses. Ana Escobar reconheceu a criança ao colo de uma norte-americana nas instalações do Conselho Nacional de Adopções dos EUA. Depois de uma primeira recusa, baseada num teste de ADN falsificado, novos testes provaram a razão de Ana Escobar. A menina tinha todos os papéis em ordem, tendo sido posta no circuito de adopções depois do rapto. Um advogado que tratou da adopção e um médico que falsificou os testes têm processos judiciais. A Guatemala (13 milhões de habitantes) é, depois da China (1.300 milhões), o segundo fornecedor de crianças para adopção nos EUA (4.000 e 6.500 crianças, respectivamente, em 2006).



Greve na Lufthansa

A Lufthansa, a maior companhia aérea alemã, confrontou-se no dia 28 com a maior paralisação dos últimos 13 anos devido à declaração de uma greve por melhores salários, que abrange dezenas de milhar de trabalhadores de terra e de voo da empresa. Na paralisação, por tempo indeterminado, iniciada às zero horas, perto de 5 mil trabalhadores dos turnos da manhã do pessoal de terra da companhia não compareceram ao trabalho, pelo que, apesar do plano de emergência da empresa estar a desviar os passageiros para outros destinos com menos atraso, eram de esperar grandes complicações nos transportes aéreos da parte da tarde.



Vítima de acusação forjada, há 26 anos condenado à morte

Nova audiência negada a Mumia Abu-Jamal

CSMAJ (Colectivo de Solidariedade Mumia Abu-Jamal) / MV

mumia.jpgO antigo membro dos Panteras Negras, vítima de um julgamento forjado em 1982 que o condenou à morte, e que permanece há 26 anos no corredor da morte de uma prisão estadunidense (ver neste site o artigo Novas provas ilibam Mumia Abu-Jamal, de 25 de Novembro de 2007), acaba de ser alvo de mais uma discriminação. Damos conta da informação que nos chega do Comité que, em Portugal, vem coordenando a solidariedade com Mumia. Ler o resto do artigo »



A falta que o Zé fazia

Acordo PS/BE em Lisboa começa a dar resultados

Manuel Monteiro / Manuel Raposo

ozefazfalta.jpgA organização concelhia de Lisboa do Bloco de Esquerda criticou, em comunicado de 24 de Julho, o vereador Sá Fernandes, eleito por esta força política para a Câmara Municipal de Lisboa, por “ter perdido a oportunidade de proceder à fusão da Gebalis com a EPUL, uma das vinte medidas prioritárias do programa Lisboa é Gente” com que o BE se candidatou à autarquia. Estas críticas devem-se ao facto de Sá Fernandes, à revelia do programa do Bloco, ter alinhado com o PS na votação da alteração estatutária da EPUL, aprovada na reunião da Câmara na última quarta-feira. Ler o resto do artigo »



Porto: a luta dos moradores do Bairro do Aleixo

Os negócios imobiliários de Rui Rio

António Cunha

bairrodoaleixo_72dpi.jpgNa terça-feira, 22 de Julho, cerca de 50 moradores do Bairro do Aleixo manifestaram-se em frente à Câmara Municipal do Porto (CMP), enquanto, no interior, o executivo decidia, veio-se mais tarde a saber que com os votos favoráveis da coligação PSD/CDS e também do PS, o projecto para a demolição do bairro. Os manifestantes empunhavam cartazes onde se lia “Rio exterminador social” ou “Cansados de ser discriminados” e gritavam palavras de ordem como “Rui Rio cabrão, só vês o cifrão”. No mesmo espaço, cerca de duas dezenas de agentes policiais, quase um para cada duas pessoas. Rio, o mesmo que, em campanha eleitoral para o primeiro mandato contestou a demolição, tem medo dos pobres, pelo menos quando é apanhado a mentir-lhes. Ler o resto do artigo »



Os termos da troca

Rita Moura

libano_72dpi.jpgNo site do MV, em Março deste ano, publicámos o texto de um autor anónimo, “Regras dos noticiários de todo o mundo sobre o Médio Oriente”. O jornal Público decidiu mostrar que sabia a lição. A propósito da troca de prisioneiros entre Israel e o Hezbollah, lia-se nas edições de 16 e 17 de Julho que a “festa no Líbano” contrastava com o país vizinho que “chora a morte de dois soldados”. A tónica era posta sobre a libertação do mais antigo prisioneiro libanês em Israel, Samir Kantar, em troca dos corpos de dois soldados israelitas capturados no Líbano em 2006. Ler o resto do artigo »



Escutas “democratizadas”

Carlos Completo

escutastelefonicas.jpgJorge Bacelar Gouveia, presidente do Conselho de Fiscalização dos Serviços de Informações da República Portuguesa (CFSIRP), diz que é indispensável que as polícias secretas recorram a escutas telefónicas, como uma forma de “adequar” os serviços de informações “às novas ameaças e novas realidades” resultantes do 11 de Setembro nos EUA. E afirma não acreditar que no passado, em Portugal, se tenha recorrido a esses meios (de escuta) ilegalmente. Quem ousa duvidar da palavra do senhor presidente? Os vários casos de escutas que ao longo dos anos têm vindo a público (além dos outros que não se conhecem) certamente que são produto de mentes doentias ou subversivas! Ler o resto do artigo »



Câmara do Porto: como resistir à privatização da recolha do lixo?

José David Gregório, trabalhador da Administração Local

lixoporto.jpgA Câmara Municipal do Porto discute hoje uma proposta de concessões da Recolha de Resíduos Sólidos da Cidade. A proposta contempla a GSC – Compañia General de Servicios y Construcción, SA e outra a SUMA – Serviços Urbanos e Meio Ambiente, SA. A velha receita continua a funcionar: primeiro deixa-se degradar serviços, não se investe nem se planeia: depois aparecem os “salvadores” que vão ajudar a autarquia/Estado a controlar o défice e “reduzir” as despesas. O problema é que a recolha de resíduos se tornou num negócio de milhões e as empresas não trabalham para a satisfação do bem público mas para a obtenção de lucro. Ler o resto do artigo »



Isto não é sociedade que se apresente (V)

O presidente francês aderiu à última moda, usando sapatos com tacões de sete centímetros. Cada vez com mais adeptos entre os ricos e famosos, como Silvio Berlusconi e Tom Cruise, a moda pode custar entre 2 mil e 30 mil euros. Entretanto, a polícia grega prendeu nove mulheres que participaram numa competição de sexo oral, filmada para colocar as imagens na Internet e, na cidade britânica de Derby, vai a leilão um par de cuecas da Rainha Vitória que se espera consiga ultrapassar os 630 euros. A Sony Ericsson, por sua vez, vai despedir duas mil pessoas porque os lucros, no segundo trimestre de 2008, foram só de 6 milhões de euros, menos 213 milhões do que no mesmo período do ano passado.



As maravilhas do capitalismo global

João Bernardo

Publicámos recentemente uma notícia e uma Breve acerca da utilização do trabalho de menores por empresas subcontratantes que produzem para o grupo Zara. Tendo em vista o público leigo, os administradores das grandes firmas elaboram códigos de conduta e emitem comunicados onde dizem desconhecer o que se passa e lavam as mãos do assunto.
Na realidade eles sabem muito bem quais são as condições vigentes nas subcontratantes, porque no actual modelo económico as empresas principais exercem um controlo rigoroso e permanente tanto sobre a tecnologia usada pelas subcontratantes como sobre os sistemas de trabalho a que estas recorrem; se não fosse assim, as próprias empresas principais entrariam em colapso, já que a sua actividade depende do fluxo produtivo das subcontratantes. Ler o resto do artigo »



O milagre do Grupo Zara

O sucesso do Grupo Zara resulta das pequenas fábricas que executam trabalho em subempreitada, concebidas como instrumentos de alta produtividade a baixo custo, onde os operários trabalham em péssimas condições. Por cada par de sapatos, vendido na loja a 40 euros, um operário recebe 40 cêntimos. A relação da Inditex (que detém a Zara) com estes trabalhadores não existe. A Inditex dá trabalho de empreitada a centenas de pequenas fábricas sem ter com elas qualquer compromisso. O imenso polvo impõe condições a mais de 15 mil pessoas que trabalham nas duas mil sociedades independentes que funcionam na Galiza e no Norte de Portugal. (Dados de uma reportagem do Expresso, 27 Maio 2006)



Barbárie ao vivo

Os telejornais de 20 de Julho, mostraram as imagens de um soldado israelita a disparar um tiro de espingarda à queima-roupa (não mais de um ou dois metros de distância) sobre um prisioneiro palestiniano amarrado, de olhos vendados e seguro por outros soldados israelitas. Esta barbaridade recorda a que foi captada num filme semelhante, durante a primeira Intifada, em que soldados israelitas agarraram um jovem palestiniano acusado de atirar pedras e lhe partiram os braços usando grandes pedras. Mais do que qualquer acção militar, o vídeo agora revelado mostra o que é a selvajaria organizada, metódica das tropas israelitas. Para ver e divulgar: clique aqui.



Trabalho infantil alimenta o império Zara

Pedro Goulart

zara_felgueiras_72dpi.jpgA Cunha & Alves Lda é uma empresa de confecções de Paços de Ferreira que emprega cerca de 150 trabalhadores e que utiliza trabalho infantil no vestuário que fornece à Zara, uma das marcas do grupo Inditex. Quando recentemente a Autoridade para as Condições do Trabalho fez uma fiscalização a esta subcontratada da Inditex, os responsáveis da empresa tentaram que dois menores de 14 e 15 anos que lá trabalhavam na altura escapassem aos inspectores. Ler o resto do artigo »



Apelo de Cesare Battisti

“Eu agora preciso de vocês mais do que nunca”

João Bernardo

battisti2_72dpi.jpgNo Mudar de Vida nº 5, de Fevereiro de 2008 (em Janeiro no site), e de novo em Fevereiro no site chamei a atenção para o caso de Cesare Battisti, que denominei “um perseguido em redor do mundo”, romancista e antigo militante político italiano que desde há mais de um ano se encontra detido no Brasil, aguardando a decisão das autoridades sobre um processo de extradição apresentado pelo governo da Itália, onde Battisti foi condenado à prisão perpétua. Ler o resto do artigo »



Consumam menos, diz o FMI

“Recomendações” ao governo para prosseguir o aperto do cinto, a três meses da apresentação do orçamento de Estado para 2009

Manuel Raposo

vendacasas_72dpi.jpgA três meses apenas da apresentação pelo governo do orçamento de Estado para 2009, o FMI recomenda “aos portugueses”, em relatório agora publicado, que façam mais poupança e reduzam o consumo, de modo a poder prosseguir a consolidação das contas do Estado e a redução do défice externo. Trata-se evidentemente de uma indicação dada ao governo de Sócrates no sentido de continuar o aperto de cinto que tem imposto aos assalariados. Ler o resto do artigo »



Os limites da democracia

João Bernardo

haackestargazer.JPGCom frequência se ouve dizer em alguma extrema-esquerda que é preciso aproveitar as possibilidades da democracia capitalista. Por meu lado, parece-me mais útil forçar a democracia a mostrar os seus limites. Vou contar três histórias, que servem como parábolas.

Quando o generalíssimo Franco decidiu apoiar-se na Opus Dei para proceder a uma modernização conservadora e tecnocrática do fascismo, tomou certas medidas de abertura política e de liberalização da cultura. Ler o resto do artigo »



A “mudança” de Obama

Em campanha para candidato dos democratas, Obama defendia uma política externa de diálogo aberto com tradicionais inimigos dos EUA, como o Irão. Agora, já em campanha para presidente, Obama diz que os EUA precisam de agir com diplomacia agressiva, que não foi usada durante a administração Bush. “O Irão deve ser objecto de sanções económicas bem como de uma diplomacia directa. Devemos ter uma diplomacia agressiva que, infelizmente, falta há vários anos. Uma parte do problema é que deixamos a diplomacia nas mãos dos europeus. Devemos comprometer-nos activamente”, disse.
(Reler artigo de Rita Moura Barack Obama / Continuidade política debaixo de uma retórica de “mudança” e comentários)



Luta no Hotel Tivoli

Trabalhadores e representantes do Sindicato de Hotelaria e Turismo manifestaram-se dia 17, frente ao Hotel Tivoli, em Lisboa. Denunciaram as ilegalidades, as ameaças e a repressão que o patronato está a exercer sobre eles. A direcção procura impor aos trabalhadores funções que não são da sua atribuição (antecipando-se ao novo Código de Trabalho de Sócrates), ameaçando-os, caso não aceitem, com o despedimento ou o convite a acordos para saírem da empresa. Parece desenhar-se aqui uma tentativa de despedimentos, com a substituição destes trabalhadores por outros, com vínculos precários, logo, mais baratos, e duplamente baratos se aceitarem a polivalência que os outros recusam.



Polícias italianos condenados por brutalidades durante a reunião do G8 em Génova

Centro de Mídia Independente (Brasil) / MV

genovacarlogiuliani72dpi.jpgDepois de sete anos de batalhas judiciais, um tribunal de Génova condenou 15 polícias italianos por crimes e agressões contra activistas anti-G8 em 2001. As agressões pelas quais foram condenados ocorreram num ataque à escola Diaz, um espaço de convergência utilizado pelos manifestantes. Nessa ocasião, dezenas de pessoas foram presas, torturadas e humilhadas pelas forças repressivas. No local funcionava uma rádio, que transmitiu o momento exacto em que a escola era invadida e os manifestantes atacados. Ler o resto do artigo »



Mais um despedimento colectivo feito à margem da lei

Perto de 160 trabalhadoras têxteis postas na rua da noite para o dia

Urbano de Campos

soniadelaunay72dpi.jpgA empresa têxtil Meneses e Pacheco (Vila Verde, Braga) encerrou em 15 de Julho enviando os perto de 160 trabalhadores, na maioria mulheres, para o desemprego. Este desenlace seguiu-se a quatro dias de paralisação em que as operárias montaram vigília permanente na fábrica impedindo a saída de produtos acabados. Como em muitos casos semelhantes, a empresa mantinha uma actividade contínua e dispunha de encomendas suficientes para prosseguir a laboração. Ler o resto do artigo »



Preços altos, salários baixos

Segundo dados do INE agora divulgados, o aumento de preço dos alimentos foi de 5,8% durante o último ano. Ora, os trabalhadores que menos ganham são os que gastam maior percentagem do seu rendimento em bens alimentares. Fácil é de ver que são os mais atingidos por este tipo de inflação. Entretanto, como o último aumento salarial na função pública foi de 2,1% e os patrões das empresas privadas na maior parte dos casos aproveitam para seguir esta orientação, é fácil de perceber como os referidos aumentos de preços corresponderam quase ao triplo dos aumentos salariais das classes trabalhadoras.



Isto não é sociedade que se apresente (IV)

O estudo realizado pelo Conselho Económico e Social sobre a pobreza em Portugal, coordenado por Alfredo Bruto da Costa, revela que 35% dos portugueses que vivem na pobreza têm emprego. Atenção: não são pobres que arranjaram emprego; são trabalhadores que empobreceram.



Não basta a legalização

Segundo a BBC, em países onde o aborto é proibido, as mulheres estão a comprar pela Internet medicamentos que permitem a interrupção da gravidez em casa. 11% das 400 utilizadoras de um dos sites mais procurados, que realizaram abortos com fármacos enviados por correio, tiveram de ser submetidas a intervenções cirúrgicas devido a hemorragias. Mas não basta a legalização. Em Portugal, o presidente do colégio de ginecologia e obstetrícia da Ordem dos Médicos calcula que os abortos clandestinos no país ainda rondem os 6 mil. Falta de informação, gravidezes depois das dez semanas e receio da exposição pública são as razões para que tantas mulheres continuem a recorrer a meios clandestinos.



Foi preciso o tribunal…

O cidadão italiano Danilo Giuffrida disse que era homossexual durante a inspecção médica para o serviço militar. A informação passou à autoridade dos transportes italiana e a sua carta de condução foi suspensa. Foi obrigado a repetir o exame de condução devido ao seu “distúrbio de identidade sexual” e recebeu uma licença para apenas um ano, em vez dos habituais 10 anos de validade. Depois de um longo processo judicial, Danilo teve direito a uma indemnização quando um tribunal siciliano decidiu que os seus direitos constitucionais tinham sido quebrados e que a homossexualidade não pode ser considerada uma “doença mental”.



Isto não é sociedade que se apresente (III)

A família de Lauro Baja, embaixador filipino na ONU de 2003 a 2006, é ré no processo movido pelo Fundo Asiático-Americano de Defesa Jurídica e Educação. Baoanan, uma filipina de 39 anos, pagou 5 mil dólares ao embaixador e a uma agência de viagens da sua mulher, em troca de um emprego como enfermeira. Foi de Manila para Nova Iorque onde ficou como empregada doméstica a tempo inteiro na casa de quatro andares do diplomata em Manhattan, recebendo cem dólares por três meses de trabalho. Impedida de sair de casa, forçada a trabalhar 18 horas por dia, Baoanan disse em conferência de imprensa: «Eu não tinha esperança de escapar. Pensei em cometer suicídio, porque estava demasiado deprimida.»



Grandes falências nos EUA

Num só dia, duas grandes empresas de crédito à habitação dos EUA desvalorizaram-se em 49 e 51%, evidenciando que estão falidas. O secretário do Tesouro norte-americano decidiu “salvá-las” comprando-lhes uma quantidade ilimitada de acções e aumentando-lhes as linhas de crédito, ou seja, injectando-lhes dinheiro dos cofres dos EUA. Mesmo assim, o colapso pode não ser evitado, havendo quem preveja nova queda de 35% do valor das empresas. As medidas do Tesouro significam que a população norte-americana pagará, com mais endividamento, as falências. Um novo exemplo de como a consigna neoliberal “menos Estado” só se aplica às despesas sociais, justamente para que sobre dinheiro para estes casos.



Sonho americano

No final de Junho deste ano, em cada 501 lares dos EUA um deles tinha processos de execução de hipotecas. Em relação a Junho de 2007, as execuções de hipotecas (por incapacidade de pagamento por parte das famílias) aumentaram 53%. No mesmo período de um ano, a apropriação pelos bancos credores dos bens hipotecados cresceu 171%. Aliciadas pelo crédito barato de há uns anos, milhares de famílias de fracos recursos vêem-se agora sem as prestações que foram pagando e desapossadas das casas que compraram.



Pessoas encaixotadas

A propósito dos incidentes no bairro da Quinta da Fonte, o presidente da Solidariedade Imigrante, Timóteo Macedo, lembrou que em 1999, quando o bairro foi feito para acolher os desalojados pela Expo98, a conflituosidade era latente entre as várias comunidades que o habitavam. “Estas situações são impostas pelas condições em que essas pessoas vivem, sobretudo pela falta de infra-estruturas e apoios sociais” disse. “Não houve quaisquer critérios no realojamento. As pessoas foram encaixotadas e deixadas ao seu destino. Devia ter-se optado por outras forma de realojamento em Lisboa e não em autênticos guetos na periferia onde existe uma exclusão social e económica constante”.



Encontro de inflexíveis contra o trabalho precário

Renato Teixeira

precariosnosquerem.jpgRealizou-se no domingo passado, no teatro da Comuna em Lisboa, um encontro de trabalhadores precários, promovido pelos Precários Inflexíveis, sob o lema: “Não há acordo para a precariedade”. Respondeu à chamada meia centena de pessoas, na sua maioria jovens, de diferentes áreas laborais e inseridos em diferentes tipos de plataformas de acção política e sindical. Ler o resto do artigo »



A Guerra pela Água na Bolívia

Trabalhadores vs Transnacionais na luta pelo controle dos bens naturais

Alexander Hilsenbeck Filho / Daniel Caribé

guerradaagua72dpi.jpgEm 2000, na cidade de Cochabamba (com cerca de 700 mil habitantes, considerando-se a área urbana e rural), na Bolívia, houve a privatização da água e do já precário sistema de abastecimento e redes de esgoto, ficando a cargo da Aguas del Tunari, um consórcio criado por capitais dos EUA, Itália, Espanha e Bolívia que, da noite para o dia, aumentou as tarifas em até 300% sem que houvesse sequer melhora nos serviços ou ampliação da área de cobertura para as zonas mais pobres. Ler o resto do artigo »



Pretos e brancos

Manuel Raposo

As listas de deputados do MPLA para as eleições de Setembro próximo têm sido tema de chacota de todo o bicho-careta da comunicação social portuguesa. Isto porque o MPLA – como qualquer burguesia no poder – se rodeou das figuras públicas a que podia deitar mão, incluiu nas listas familiares dos dirigentes, enfim, mobilizou os fiéis do poder. Os nossos finos comentadores podiam, por exemplo, aproveitar para denunciar os chorudos negócios de muitos empresários portugueses com o governo de Luanda e contabilizar os subornos que fazem passar por baixo da mesa para obter os favores da classe dominante angolana. Mas não. Ler o resto do artigo »



Contra a perseguição aos ciganos

O ministro do Interior italiano, membro da Liga do Norte, Roberto Maroni, declarou recentemente que tenciona fazer uma lista com as impressões digitais de todos os ciganos que vivem em Itália, incluindo as crianças. Cinicamente, justifica esta medida dizendo que é indispensável proteger os menores. Contra a medida foi lançada uma petição internacional que se insurge contra a criação de ficheiros policiais dos ciganos e visa impedir qualquer registo de base étnica. Ver petição



Tudo em regra

Onze soldados paquistaneses foram mortos em 10 de Junho num ataque aéreo norte-americano na fronteira com o Afeganistão quando as forças dos EUA procuravam atacar guerrilheiros talibãs. Aos protestos do governo paquistanês o chefe do estado-maior norte-americano respondeu que o ataque “respeitou todas as regras”.



Quem deve, teme

O Corpo de Intervenção da polícia tem 70 elementos destacados em permanência para vigiar as embaixadas dos EUA e do Reino Unido em Lisboa, um sexto dos efectivos da capital. A decisão de atribuir a missão ao CI e não à Divisão de Segurança, como seria normal, foi tomada em 2001 e teve obviamente natureza política.



Agora, o BNP…

Gestão danosa, viciação das contas, transferência de perdas para offshores, etc., são alguns factos que a Operação Furacão investiga no Banco Português de Negócios e que o colocam à beira da insolvência. A Sociedade Lusa de Negócios, a mesma que foi bafejada com o Siresp, detém o BPN e está a tratar de remendar a situação. (Ver artigo “Negócios em família”)



A ementa da fome

No Japão, a reunião deste ano dos oito países mais ricos do mundo teve como tema central a crise alimentar e a fome. Mas o tema não teve qualquer influência nos almoços e jantares dos chefes de governo que ali se encontraram. Uma média de 24 pratos diferentes, vinhos a 70 euros a garrafa, 25 dos melhores chefes de cozinha do Japão e do mundo, um custo médio de 300 euros por refeição/pessoa. Levantam-se vozes de protesto, fala-se de hipocrisia. Mas onde está o problema? Os líderes do capitalismo limitaram-se a confirmar o que já mostrámos no MV nº 9, que não há falta de alimentos, desde que haja dinheiro para os comprar.



Duas no cravo, uma na ferradura

O grupo Luta Socialista, que integra o Bloco de Esquerda, demarcou-se de uma resolução política da Mesa Nacional, classificando-a de “superficial e politicamente inócua”. O LS critica o texto por omitir a manifestação de 5 de Junho e as paralisações das pescas e dos transportes rodoviários. Mas, logo a seguir a esta crítica pela esquerda – e perfilhando a mesma lógica de aproximação ao PS – ataca o documento pela direita por este não dar relevo ao comício do Teatro da Trindade, que o LS considera “o acontecimento mais relevante para a recomposição da esquerda anti-neoliberalismo desde a fundação do BE”. Nem mais nem menos.



Anticapitalismo na gaveta

Na interpelação a Sócrates no debate parlamentar desta quinta-feira, defendendo um imposto sobre os lucros especulativos das petroleiras, Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, afirmou: “Evidentemente que estamos a falar de lucros especulativos. Não estamos a falar de lucros normais, que são aceitáveis”. Ficamos a saber que, ao mesmo tempo que diz defender uma sociedade socialista (onde os lucros serão socializados), o PCP acha que os lucros “normais” do capital são aceitáveis. (Ver neste site artigo “Não gosto que nos chamem ladrões”)



«Não gosto que nos chamem ladrões»

Com efeito, são só capitalistas

João Bernardo

galp72dpi.JPGEm Junho de 2008, segundo a Direcção Geral de Energia do Ministério da Economia, o preço sem impostos da gasolina e do gasóleo em Portugal era superior ao preço médio no núcleo de 15 países da União Europeia (anterior ao alargamento de Maio de 2004). Em relação à gasolina era superior em 0,6% e, relativamente ao gasóleo, era superior em 1,9%. Como estas médias ocultam variações consideráveis, é útil saber que em relação à Alemanha, Áustria, Finlândia, França, Irlanda, Reino Unido e Suécia, o preço da gasolina sem impostos em Portugal era superior entre 1,4% (Finlândia) e 16,9% (Irlanda), sendo superior ao da Alemanha e Suécia sem impostos em mais de 7%. Quanto ao gasóleo, e relativamente à Alemanha, Áustria, Finlândia, França, Irlanda, Inglaterra e Suécia, o preço sem impostos em Portugal era superior entre 2% (França) e 21,1% (Irlanda), sendo superior ao preço sem impostos da Finlândia e Inglaterra em mais de 7%. Ler o resto do artigo »



Estado social e assistência pública

Menos subsídios de desemprego, mais sobre-exploração, mais economia paralela

Pedro Goulart

economiaparalela72dpi.jpgA existência actual e oficial de mais de 430 mil desempregados (embora a realidade seja bastante mais grave do que os números oficiais) conduz-nos a uma série de interrogações. Como é que a estes 430 mil desempregados correspondem apenas 250 mil subsídios de desemprego (números também oficiais, referentes ao primeiro trimestre de 2008)? E às outras quase duas centenas de milhar de desempregados, o que lhes acontece? Dão-lhes dinheiro para montarem uma empresa? Dão-lhes o Rendimento Social de Inserção? Dão-lhes a Remuneração Mínima Garantida? Ou, simplesmente, sugerem-lhes que vão roubar? Ler o resto do artigo »



Encontro de precários em Lisboa

Realiza-se ao longo da tarde do próximo domingo, dia 13 de Julho, no Teatro da Comuna em Lisboa (Praça de Espanha), um encontro de trabalhadores precários por iniciativa dos Precários Inflexíveis. Participam também elementos do grupo anti-recibos verdes FERVE. A precarização das relações de trabalho, que está no centro da crise social do mundo capitalista, será debatida à luz do recente “livro branco” do governo, a que os precários chamam “livro branqueador”. É importante participar e apoiar este movimento de luta contra a precariedade e a retirada das conquistas sociais dos trabalhadores. (ver neste site a secção Vai Acontecer)



Contra o G-8

Como tem sido habitual todos os anos, milhares de pessoas manifestaram-se no dia 5 de Julho, em Hocaido, norte do Japão, contra a reunião do G-8 (reunião das 8 nações mais ricas do mundo), que começa dia 7 naquela cidade e se prolonga por três dias. Os manifestantes protestavam contra o agravamento da pobreza e o aumento da dependência mundial dos combustíveis fósseis. E gritavam diversas palavras de ordem como: “Somos contra o encontro das nações ricas” e “Quem deu ao G-8 o direito de organizar o mundo?” Quando os capitalistas conferenciam, que se cuidem todos os oprimidos. Porque eles estão a dirimir, provisoriamente, os seus conflitos e a prepararem a melhor forma de prosseguir a exploração dos trabalhadores e a opressão dos povos.



M. Ferreira Leite e a homossexualidade

Eleitoralismo incompetente

M. Gouveia

Na entrevista à TVI de Manuela Ferreira Leite ouvimos algumas afirmações sobre a homossexualidade que são um exemplo do que é uma má jogada eleitoralista: tentar disfarçar o reaccionarismo com argumentos incompetentes. Não só desmascara o reaccionarismo como revela a incompetência. Ler o resto do artigo »



Isto não é sociedade que se apresente (I)

Um casal alemão ofereceu o filho recém-nascido no site de leilões eBay. O anúncio divulgado no dia 24 de Maio descrevia o bebé como «item de coleccionador». «Vendo meu bebé semi-novo porque chora demais. É um macho e tem 70 cm de comprimento», dizia o texto colocado pelos pais da criança. A mãe tem 23 anos e o pai 24. A oferta inicial era de 1 euro e nenhum lance foi feito nas duas horas e meia de divulgação do anúncio.



Isto não é sociedade que se apresente (II)

A quantidade de pessoas com fome em todo o Mundo aumentou 50 milhões em 2007 devido à crescente escassez de alimentos em algumas regiões, revelou esta quinta-feira o director-geral da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO). As conclusões da cimeira da FAO, realizada em Roma no mês passado e subscritas por 180 países participantes, calculavam em 862 milhões a quantidade de pessoas que sofrem de subnutrição em todo o Mundo.



Pobres, nem a pão e água

Consumo de pão baixa 20% só este ano. Preço da água vai subir

Manuel Raposo

pao.jpgNos últimos dois anos, o consumo de pão pelos portugueses baixou de 30%. Só no ano corrente a quebra foi de 20%. Os dados, fornecidos pela Associação das Indústrias de Panificação, traduzem uma pioria absoluta das condições de alimentação das camadas mais pobres da população, uma vez que aquela quebra não corresponde a uma substituição de alimentos – os portugueses mais pobres, que já comiam pelo mais barato, agora comem cada vez menos e pior. Ler o resto do artigo »



Desemprego soma e segue

Na petrolífera Cepsa, após a fusão com a Total, vão ser despedidos 48 de um total de 228 trabalhadores (21%). Mais uma vez, os patrões declaram as suas “boas intenções” e prometem ajudar os trabalhadores a arranjar trabalho noutras empresas. Na Rohde, multinacional de calçado, a empresa informou agora quais os 196 trabalhadores, num total de 1200 (16%), que vão ser despedidos. E o sindicato, resignado, diz que entre fechar a empresa e despedir 200 trabalhadores, é preferível o despedimento. Claro, é sempre possível inventar um mal maior para desculpar o mal real.



Guerra contra a liberdade

Segundo o New York Times, a UE e os EUA, a pretexto da guerra contra o terrorismo, ultimam um acordo que permitirá aos governos e às companhias privadas da Europa enviarem informações pessoais dos cidadãos – transacções dos cartões de crédito, viagens ou hábitos na net – para os EUA e vice versa. Tentando calar o alarme provocado em advogados defensores dos direitos dos cidadãos, o acordo estabelece que “informações sobre raça, religião, opiniões políticas, saúde ou vida sexual não podem ser usadas por um governo a menos que a legislação nacional garanta a apropriada protecção dos dados”. Não dizendo o que é considerado “apropriada protecção dos dados”, sugere que cada Governo decida por si.



Longo caminho para a liberdade

Dias antes de completar 90 anos, Nelson Mandela recebeu um belo presente vindo dos EUA. O senado norte-americano aprovou no passado dia 27 uma lei que retira Mandela da “lista nacional de terroristas”. Foi nos anos 80 que Reagan determinou que o dirigente sul-africano e outros membros do ANC eram criminosos. A partir de hoje, 18 anos após a sua libertação, 15 anos depois de ter recebido o Nobel da Paz e 14 anos após ser eleito presidente da África do Sul, Nelson Mandela pode finalmente visitar os EUA sem ter que certificar que não é terrorista.



Um caminho ainda mais longo

Em Maio, o senado da Califórnia aprovou uma lei que permite funcionários públicos serem membros do Partido Comunista. Até ao mês passado, o maior e mais populoso estado norte-americano reservava-se o direito de despedir trabalhadores por serem comunistas. Agora, já podem pertencer ao PC, desde que assinem o compromisso de que não se envolverão em acções contra o governo. A democracia norte-americana não pára de nos surpreender!



Os bancos ganham mais

Segundo um estudo do economista Eugénio Rosa, em apenas quatro anos (de 2004 a 2007) a banca arrecadou em Portugal 13.537 milhões de euros de lucros, tendo pago apenas uma taxa efectiva de imposto de 15,6%, muito inferior à das restantes empresas, que é de 26,5% (incluindo IRC e derrama). Se a banca tivesse pago a taxa legal, as finanças arrecadariam só nestes quatro anos mais 1.536 milhões de euros de receita fiscal.



E os trabalhadores ganham menos

Ainda segundo o mesmo estudo, as remunerações dos trabalhadores bancários representam uma percentagem cada vez menor da riqueza apropriada pela banca em Portugal. Em 2004, os chamados custos com pessoal representavam 55,6% do VAB (valor acrescentado bruto) da banca e, em 2007, eram apenas 36,5% do referido VAB. De referir que nas despesas com pessoal estão incluídas as despesas com o conselho de administração, assim como despesas de transportes e ajudas de custo, etc. Enquanto isto, no mesmo período, os lucros da banca subiam 155,4%!



Vender a vida

“Homem vende a vida por 243 mil euros” é o título de uma notícia que conta que um inglês de 44 anos, residente na Austrália, vendeu hoje toda a sua vida (casa, carro, mota, emprego e amigos) num leilão, por 243 mil euros. Fazendo as contas, é por quanto vendem a vida milhões de pessoas que ganham 500 euros por mês: 6 mil por ano vezes 40 anos de trabalho. E muitos milhões vendem por muito menos. Para não falar dos que a perdem (como tantos imigrantes) por menos que isso. Diz o homem que o seu objectivo foi mudar de vida. Ao contrário dele, há quem pense em mudar de vida para não ter de a vender.



Aguenta, aguenta!

Nas manifestações regionais da CGTP do passado sábado, puxado por megafones sindicais, de novo apareceu o slogan “O custo de vida aumenta – O povo não aguenta”. Imaginamos, lá em casa, os patrões e Sócrates a rirem-se e a comentar: “Ai aguenta, aguenta! A prova é que andam há muitos anos a gritar o mesmo…”. Não é por acaso que, nos dois noticiários radiofónicos mais ouvidos (Antena 1 e TSF), foi precisamente esse slogan o fundo sonoro escolhido para a notícia dos protestos.



Dirigente sindical turca encarcerada há seis meses

Campanha internacional exige a libertação de Meryem Özsogüt

LabourStart / Francisco Raposo / MV

meryem72dpi.jpgMeryem Özsogüt, dirigente do sindicato turco da Função Pública SES (dos funcionários da saúde e dos serviços sociais) foi presa na manhã do dia 8 de Janeiro deste ano por ter participado numa conferência de imprensa, em 14 de Dezembro anterior, onde foi denunciada a morte, pela polícia, do activista Kevser Mizrak. Meryem participou nessa conferência de imprensa depois de o seu sindicato ter recebido um fax convidando-a para estar presente. A federação internacional dos sindicatos da Função Pública, PSI, considera que a polícia e as outras autoridades não emitiram qualquer aviso de que essa reunião ou actividade fosse considerada ‘ilegal’. Várias outras pessoas presas na mesma ocasião, ostensivamente pelas mesmas razões, foram entretanto libertadas. No entanto, Meryem Özsogüt continua presa e o seu julgamento tem sido sucessivamente adiado. Ler o resto do artigo »



Jornalismo e poder

Uma técnica que vem de longe

Rui Pereira

moniteuruniversel.jpgSem prejuízo de, em breve, aqui se dar uma visão desta técnica tal como é utilizada hoje pela comunicação social, eis um exemplo de como o discurso – neste caso, os títulos – de um jornal da época vai acompanhando, dia a dia, a evolução da relação de forças na política francesa.
Primeiro, os factos. Em 1815, no curto período de 12 dias, Napoleão Bonaparte, então forçado ao exílio na ilha de Elba, evade-se, regressa a França, reagrupa as forças que lhe são fiéis e avança rapidamente para Paris. Aí, nas Tulherias, retomará o poder para o que ficou conhecido como os “Cem Dias” (após os quais seria de novo destituído e desterrado para a ilha de Santa Helena, onde acabaria por morrer). Ler o resto do artigo »



Milhares na rua em 28 de Junho

Manifestações em todo o país contra o governo e as leis laborais

manifporto28junho.jpgEm mais de 20 cidades em todo o país os trabalhadores saíram à rua em protesto contra a reforma das leis laborais, promovida pelo patronato e pelo governo do PS e apoiada pela direcção da UGT.
Dezenas de milhares de trabalhadores manifestaram o seu repúdio por umas leis crescentemente favoráveis aos capitalistas (que já falam na necessidade de se ir ainda mais longe nesta legislação) e expressaram a vontade de prosseguir a luta contra o patronato e o governo de José Sócrates. Ler o resto do artigo »