Acerca do MV

capa0a.jpg MUDAR DE VIDA é um jornal político popular que se edita em dois suportes: internet e papel. Um primeiro número experimental, em papel, foi amplamente divulgado no 25 de Abril e no 1.º de Maio de 2007; e, em 30 de Maio, foi distribuído um suplemento dedicado à greve geral. A edição de papel sai com regularidade mensal a partir da primeira semana de Outubro de 2007. Os nossos propósitos estão expressos no estatuto editorial que a seguir se publica. Sem suportes financeiros, sem estrutura partidária que o apoie, MUDAR DE VIDA depende inteiramente, desde a nascença, do acolhimento que encontrar. A todos fazemos um apelo. Enviem-nos críticas e sugestões. Se se sentirem cativados, colaborem na divulgação junto de colegas, amigos, vizinhos. E se acharem que este projecto vale a pena, façam uma assinatura.

Equipa

Redacção: Cristina Meneses, Manuel Raposo, Pedro Goulart Colaboradores: António Louçã, Carlos Simões, Celestino Braga, Eugénio Silva, Manuel Monteiro, Rita Moura, Urbano de Campos Cartune: Manuel da Palma Site: David Raposo

Estatuto Editorial

1 MUDAR DE VIDA é um jornal político popular. O objectivo de MUDAR DE VIDA é contribuir para que os trabalhadores e as camadas populares ganhem confiança nas suas forças próprias; encorajá-los a agir contra os atropelos aos seus direitos; dizer-lhes, numa palavra, que mudar de vida depende da sua iniciativa política. Opomos o trabalho ao capital. Opomos a liberdade e a independência dos povos ao imperialismo. Combatemos todas as formas de obscurantismo, de desigualdade e de discriminação.

2 MUDAR DE VIDA procura romper o monopólio da informação oficial, dominada pelos interesses do capital ou pelas conveniências das forças partidárias que detêm o poder. Rejeitamos a informação institucionalizada, obediente a centros de decisão, submetida a hierarquias, que filtra a opinião popular e a impede de se fazer ouvir de viva voz.

3 MUDAR DE VIDA está ligado à vida do país e do mundo. Centramos a atenção nas condições de vida, nos anseios e nas lutas dos trabalhadores e das camadas populares. Damos prioridade aos mais oprimidos da sociedade: o proletariado, a mulher trabalhadora, os imigrantes. Somos uma tribuna de denúncia da exploração. Combatemos todas as situações em que as pessoas são tratadas como instrumentos de lucro e não como seres humanos. Noticiamos a vida nas empresas e a actividade sindical. Fomentamos a troca das experiências dos colectivos de trabalhadores e dos agrupamentos cívicos, de qualquer país, com o fim de incentivar a resistência, a iniciativa própria, a auto-organização e o apoio mútuo sem fronteiras. Procuramos criar uma corrente de opinião activa contra as guerras de agressão, a dominação neocolonial, a destruição da natureza. Incentivamos a solidariedade com os povos que resistem à opressão e defendem a sua independência e os seus recursos. Damos importância a tudo o que na vida do país e do mundo – desde a actividade partidária à cultura ou ao quotidiano – seja espelho da oposição de interesses que marca as sociedades contemporâneas.

4 MUDAR DE VIDA está aberto a opiniões diversas sobre os assuntos que concitam o interesse do campo popular. Fomentamos o debate e o confronto de ideias sob todas as formas de escrita jornalística. Damos lugar de destaque à polémica. Procuraremos ter posição sobre cada matéria em discussão. Pomos de lado o academismo, o doutrinarismo, a frase fácil. O propósito é, pela informação objectiva, pelo relacionamento dos factos e pela argumentação, fornecer aos leitores chaves para o entendimento da realidade – ajudar a compreender a natureza da política dos governos e dos partidos do poder ocultada pelas querelas do dia-a-dia; ajudar a ver os interesses privados que se mascaram de interesse social ou nacional. Mantemos com os leitores uma permanente troca de ideias, suscitando a crítica, a correspondência e a colaboração individual e colectiva.

5 MUDAR DE VIDA apresenta-se como um jornal de militância, feito e divulgado por pessoas empenhadas nos objectivos enunciados neste estatuto editorial. Um projecto como o de MUDAR DE VIDA só pode ter êxito se for apoiado por uma rede de grupos locais. A difusão e o enraizamento de MUDAR DE VIDA dependem, acima de tudo, da constituição e multiplicação desses grupos locais. Tais grupos serão os elos de ligação da redacção ao país. Deles se espera também a colaboração permanente no envio de notícias, na crítica ao que for publicado, na organização de debates.

6 MUDAR DE VIDA publica-se em dois suportes: página de Internet e papel. A página Internet tem actualização permanente, pretendendo-se que constitua, quanto possível, um veículo diário de informação alternativa. A versão em papel sai, inicialmente, com periodicidade mensal, e ainda quando os acontecimentos o exijam. Constitui base para a actividade dos grupos locais de apoio. Destina-se fundamentalmente a chegar às pessoas que não dispõem de acesso à Internet.

7 MUDAR DE VIDA é dirigido por um colectivo redactorial. O colectivo é responsável, no quadro deste estatuto editorial, pela edição tanto da versão electrónica como da de papel. Tem por missão reunir e seleccionar os textos a publicar (de sua autoria ou de colaboradores permanentes ou de correspondentes), com base em critérios de rigor informativo, de interesse político e de actualidade.

Março 07