Afeganistão

Imperialismo devolve afegãos aos talibãs

José Mário Branco - Quarta-feira, 5 Dezembro, 2007

afeganistaoguerrilheiro_72dp.jpgUm relatório do Senlis Council (um centro de estudos pró-ocidental que integra a Rede de Fundações Europeias) revela que os talibãs já contam com presença permanente em 54% do território do Afeganistão, exercendo um significativo controlo psicológico e ganhando cada vez mais legitimidade aos olhos dos afegãos. A questão já não é se chegarão a Cabul, mas “quando e de que forma”.
Outro relatório enviado ao Parlamento britânico pela organização humanitária Oxfam alerta para o facto de que a segurança no país piorou de modo significativo; que a corrupção do Governo central e da administração local apenas agrava os problemas; e que são necessárias medidas urgentes para impedir que milhões de pessoas enfrentem um desastre humanitário.
Os mais de 15 mil milhões em ajudas recebidos pelo Afeganistão desde 2001 não foram destinados a melhorar a vida dos cidadãos. Mais de 1.200 afegãos morreram este ano, metade dos quais em operações internacionais ou das forças do governo de Cabul. O Afeganistão sofre quatro vezes mais ataques aéreos das forças internacionais do que o Iraque.
Estes relatórios mostram o fracasso da ofensiva militar imperialista desencadeada com o pretexto do 11 de Setembro – mas cujo real objectivo foi o controlo da produção de heroína e do trânsito do petróleo do Cáspio para o Oceano Índico – e mostram também como (e porquê) a resistência cresce entre a população.
Que sejam os talibãs a consegui-lo é fruto do retrocesso causado pelo próprio imperialismo que liquidou previamente tudo o que era ou podia apontar para o progresso, apoiando decididamente os talibãs, quando, em nome de princípios religiosos obscurantistas, estes se opunham ao governo de Najibulá, do Partido Democrático do Povo Afegão (comunista). Nos curtos anos desse governo (1987-1992), as mulheres afegãs conquistaram a cidadania plena, o sistema de educação e de saúde foi generalizado, mas… havia o pecado de ser apoiado pela URSS. E Najibulá foi enforcado pelos talibãs em frente dos escritórios da ONU, à vista dos funcionários que o entregaram.
Que alternativa real deixaram ao povo afegão?






Deixe o seu Comentário