Paralux insolvente

Quarta-feira, 11 Novembro, 2009

A Paralux, empresa de material eléctrico, no Cacém, foi declarada insolvente e são mais 150 trabalhadores que correm o risco de desemprego. No dia 9, o refeitório já não abriu, por falta de pagamento à empresa que geria o espaço. Também a Serlux, junto àquela empresa e comandada pelos mesmos administradores, já pediu a insolvência. E, aqui, os trabalhadores correm exactamente o mesmo risco. O aumento da mancha negra do desemprego já se tornou uma triste rotina diária. Só uma medida lhe pode pôr cobro: a resistência dos trabalhadores exigindo a proibição dos despedimentos.






9 Comentários a “Paralux insolvente”

  1. jorge disse:

    boa tarde
    Acho que isto que se passa na Paralux foi provocado pelas encomendas anuladas por prazo de entrega, pelo que aconteceu na empresa onde trabalho.
    Tivemos que recorrer a um outro fornecedor.

  2. funcionario disse:

    Os prazos de entrega de facto eram bastantes longos nalguns casos e por razões várias,mas esta insolvência penso que foi muito bem elaborada ao longo destes últimos tempos e veio ao encontro das necessidades e conveniências da gerência administrativa, pena é que esta empresa não tivesse mais uns associados a quem tivessem de prestar relatório de contas (para onde foi e quanto, o que entrou, e o que há em termos de €).

  3. MTCF disse:

    Boa Tarde,
    Um pouco por desconhecimento de causa existem muitas situações mal explicadas. Não me parece que tenha sido só por encomendas anuladas e alteração de fornecedor!!! como é que uma empresa passa de líder de mercado para uma insolvência???

  4. intruso disse:

    É bem capaz de ser uma daquelas empresas a aproveitar a situação da crise. Mas, pelo que sei, crise não era o factor causa nesta empresa, mas sim talvez mais um caso tipo FACE OCULTA.

  5. H_Ramus disse:

    Boa tarde,
    Prazos de entrega à parte, nenhuma empresa consegue sobreviver se os seus clientes não pagam e os bancos não mantêm abertas linhas de crédito. Não sendo uma empresa de retalho, assume-se que os seus clientes serão outras empresas ou o poder local, câmaras municipais.
    Outras empregas estão “estranguladas” de liquidez dado que os bancos congelaram linhas de crédito ou o preço do dinheiro subiu de forma substancial. Consequência óbvia são as dificuldades em pagamento quer a fornecedores quer a funcionários.
    As autarquias, consideradas bons pagadores, são normalmente o exemplo do inverso. Quem tiver conseguido cobrar uma dívida a uma autarquia em tempo útil que atire a 1ª pedra.
    De salientar que, neste caso, não havia casos de salários em atraso. Estes são efeitos de uma crise que felizmente pouco tocou Portugal. Espanha está prestes a atingir uma taxa de desemprego de 20%.

    http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601068&sid=asUuQSLvVciE

    Solução? averiguar as causas para esta insolvência, sendo mais provável a falta de pagamentos por parte de clientes (especialmente por parte das autarquias). Mas se calhar isso daria muito trabalho para uma notícia de 30 seg na tv…

  6. desabafo disse:

    É o país que temos, é o exemplo do tipo de gestão que se faz em Portugal (felizmente nem todas são assim). Ser-se gestor exige muito. É preciso ser visionário, ver mais longe . É preciso ser-se inteligente, é querer aprender e não fechar-se no casulo achando que os outros não percebem nada. É aprender a ouvir os outros, é tomar decisões no momento certo, é preciso ter coragem, é perceber a tempo que muito pode ser feito, é evoluir ao ponto de reconhecer que pode haver pessoas que os podem ajudar a andar para a frente, é ser-se líder, é respeitar as pessoas.
    Os mercados evoluiram muito e a forma de agir tem que acompanhar a evolução, se não temos um fim anunciado.
    Chegar ao telhado sem que haja preocupação em consolidar paredes é muito fácil enquanto há. Enfiar a cabeça na areia e achar que tudo se vai resolver por si, é muita ingenuidade.
    As pessoas é o que há de mais importante numa empresa, é com elas que o gestor tem que manter uma parceria, fazer com que as pessoas percebam que fazem parte de um todo.
    É muito fácil pôr agora a culpa nos outros.
    Sem tudo isto, que é básico, o final não podia ser feliz!

  7. Fudido disse:

    Não havia mas agora já há, sai em bom tempo pois era uma grande empresa mas quem manda nunca me enganou. Muito bonzinhos e esmifraram foi os euritos. Agora, quanto eu sei, fazem-se de vítimas também. Abram os olhos caros ex-colegas, de santo não têm nada. Ainda querem ver se vos f… mais.

  8. mais um disse:

    Empregados, tomem atenção às vossas rescisões pois, mesmo sendo com justa causa, não é a mesma coisa se forem os bandidos a promover um despedimento colectivo.

  9. RUI OLIVEIRA disse:

    BOA TARDE

    FALA-SE MUITO MAS NAO SE DIZ TUDO O QUE SE TEM QUE DIZER

    O DONO DA EMPRESA NAO SE ADAPTOU AOS TEMPOS MODERNOS OU SEJA
    EXPORLUX,TROMILUX.SPECTROILUX E MAIS ALGUMAS EMPRESAS DESSE RAMO
    FAZEM O MESMO QUE A PARALUX E MAIS BARATO E COM MELHOR QUALIDADE

    A PARALUX PENSAVAM A 20 ANOS ATRAS QUE SO ELES E QUE DESTRIBUIAM ILUMINAÇÃO

    PENA TENHO DOS EMPREGADOS QUE O DONO FICA SEMPRE BEM

    UM ABRAÇO SOLIDARIO

    RUI OLIVEIRA

Deixe o seu Comentário