As antenas da democracia (1)

Ver e escutar

João Bernardo - Sábado, 9 Fevereiro, 2008

antena_crop_72dpi.jpgO semanário The Economist é um dos órgãos de informação mais respeitados em todo o mundo. Ligada ao grande capital transnacional e fiel defensora dos governos norte-americanos, essa revista oculta quando não quer divulgar, mas é muito exacta nos factos que relata, o que a converteu numa leitura obrigatória para os grandes patrões e os administradores das principais empresas. Por este motivo parece-me importante dar a conhecer aos leitores do Mudar de Vida as informações e as passagens mais significativas de um extenso artigo sobre vigilância electrónica publicado em The Economist de 29 de Setembro de 2007. Estou convencido de que os trabalhadores não devem desconhecer aquilo que os capitalistas sabem.

As câmeras de televisão de circuito fechado dotadas de visão nocturna converteram-se num elemento obrigatório da paisagem urbana, registando todos os nossos gestos. Na Inglaterra e no País de Gales, ou seja, a Grã-Bretanha com excepção da Escócia, calcula-se que estejam instaladas em locais públicos cinco milhões destas câmeras, o que representa cerca de uma para cada dez habitantes. Chegou-se ao extremo de munir as câmeras de vídeo com altifalantes, permitindo aos agentes que as operam admoestar as pessoas que atirarem papéis para o chão ou urinarem numa esquina de rua. Isto lembra-me a mãe do Woody Allen, que o mágico fez desaparecer e não conseguiu voltar a reincarnar, e do céu dirigia conselhos e repreensões ao filho, para gáudio dos habitantes de Nova Iorque, que todos eles a ouviam. Só que, agora, as coisas são muitísimo mais sérias. Nos Estados Unidos a proporção é igualmente de uma câmera de televisão de circuito fechado para cada dez habitantes, calculando-se que estejam instaladas cerca de trinta milhões de câmeras.

Nos Estados Unidos, a lei denominada Patriot Act, aprovada pouco depois dos atentados de 11 de Setembro de 2001 contra o Pentágono e contra as torres do World Trade Center, determinou que os serviços de informação e o FBI têm o direito de obrigar provedores de internet, companhias telefónicas, bibliotecas e mesmo partidos políticos a fornecer dados acerca de quem quer que seja sem conhecimento do visado. Do mesmo modo, domicílios e escritórios podem ser vistoriados pela polícia sem conhecimento de quem lá mora ou trabalha. E aquela lei, completada por disposições posteriores, aumentou também os poderes do governo para interceptar telefonemas e e-mails privados, tanto dentro dos Estados Unidos como no exterior.

Em próximas edições continuarei a resumir as informações contidas no artigo de The Economist.






Deixe o seu Comentário