Tancos e muito mais

Manuel Raposo - Quarta-feira, 12 Julho, 2017

Medalha SDA pergunta que tem faltado na discussão sobre o caso de Tancos é esta: pode um roubo de tal dimensão ser praticado sem colaboração interna? Tudo aponta que não. A incúria, a vedação furada, a falta de vídeo-vigilância e de rondas, e tudo o mais que se descubra, são, quando muito, como é bom de ver, incidentes que podem ter facilitado a operação, mas que não explicam a limpeza como pôde ser levada a cabo. De resto, como poderiam os gatunos saber destas facilidades se, mais uma vez, não tivessem informação de dentro?

Depois do foguetório inicial da comunicação social e das forças políticas, a discussão está agora a ser reduzida a um problema de “falha de segurança” e é dentro desse âmbito fechado que se procuram “responsáveis”. Percebe-se porquê: a resposta à pergunta que levantamos implica não com “incúrias” mas com corrupção e redes de tráfico de armas. E para o poder, é claro, importa ilibar as forças armadas, e as instituições em geral, desse tipo de crime.

A questão, porém, subsiste. O próprio PR disse que outros roubos tinham sido praticados em países da NATO, insinuando que o de Tancos poderia ser mais um. Um entendido em segurança e questões da NATO (Álvaro Vasconcelos, TSF, 7.7.17) sublinhou a ligação íntima entre tráfico de armas e tráfico de drogas, que não são praticados por amadores. Além de Tancos, houve recentemente o roubo de armas na PSP. E está sob investigação, já com 12 militares presos, o desvio de dinheiros das messes da Força Aérea, na ordem dos 10 milhões de euros. E antes, houve os escândalos, nunca averiguados até ao fim e abafados, das compras de material militar (como os submarinos e blindados Pandur). Tudo isto aponta na mesma direcção: corrupção praticada de alto a baixo a coberto da autoridade.

Podia alargar-se o leque à corrupção no SEF e em serviços do ministério da Justiça, às discriminações praticadas no Colégio Militar, às violências (com mortes) praticadas nos cursos de Comandos, às mortes em operações stop (de que Portugal é um triste recordista), aos espancamentos levados a cabo em esquadras de polícia, ou mesmo às brutalidades e arbitrariedades das seguradoras privadas. Em qualquer destes casos, um ponto comum: os criminosos actuam a coberto da autoridade que lhes é dada.

Todas estas forças têm por missão, em última análise, a violência. Por detrás da cortina da defesa nacional, da segurança dos cidadãos, da ordem pública estão na verdade instituições destinadas não só à prática da violência mas com o exclusivo da violência. Mais: para que os agentes não hesitem na aplicação da violência, têm de ter a certeza de que gozam da protecção dos seus superiores, mesmo nos limites da infracção. É por isso que a grande maioria dos casos de violência policial, por exemplo, acabam impunes.

Não admira, assim, que haja no comportamento dos diversos agentes (em toda a hierarquia) uma certa moral espartana: podes violar as regras desde que não sejas descoberto; se fores descoberto, pagas — o que te obriga a refinar a astúcia.

O “desinvestimento” nas forças armadas e de segurança foi mote para tentar justificar o que se passou em Tancos, não só por parte de militares, mas também — pasme-se! — por parte do PCP e do BE. Foi a primeira tentativa de desviar atenções do fulcro da questão e de evitar tocar no nervo sensível da situação geral, que é este: longe de se tratar da proverbial “meia dúzia de maçãs podres”, os factos apontam a tendência para o aumento dos casos de corrupção numa instituição que a população vê como um corpo inútil para o país e que apenas serve para alinhar atrás das aventuras militares das grandes potências.

De facto, nenhum dos adeptos da tese peregrina da “falta de meios” se atreveu a pôr em causa os gastos com a NATO ou as missões militares no Afeganistão, no Kosovo, no Mali, nas costas da Somália e por aí fora — missões que custam milhões ao país, mas que pagam bons salários aos militares destacados e justificam os postos do oficialato.

A prova de que as coisas vão muito para além das falhas de circunstância, dos cortes orçamentais, etc. e, bem pelo contrário, implicam com a própria integridade das forças armadas (e por extensão das forças de segurança) veio pela voz de Adriano Moreira, esse guru da defesa das instituições que sabe bem, desde os tempos do salazarismo e da guerra colonial, como se assegura a coesão do Estado.
Disse ele que, na circunstância presente, é “indispensável separar o incidente [de Tancos] do respeito pelas Forças Armadas”. É preciso, sublinhou, “não fazer nada que afecte o respeito e a autoridade que [as FA] ganharam” junto da NATO. E para que todos entendessem bem, insistiu dizendo que “a democracia não é composta só por cidadãos, mas por instituições, que têm também direito a respeito” (declarações à TSF, 7.7.17).

Eis pois a directiva do velho estratego para conter os prejuízos: salvar a imagem das instituições, mesmo quando — sobretudo quando — não se pode salvar a sua natureza.






3 Comentários a “Tancos e muito mais”

  1. leonel clérigo disse:

    Qualquer “explicação” de acontecimentos passados admite, geralmente, mais do que uma versão. É habitual isto acontecer visto os “factos” seleccionados pelo autor (ou autores) para “apoiar” a sua “explicação”, são escolhidos segundo o seu “interesse” ou seja, de modo a que a coisa acabe por “se passar” como ele deseja que “se tenha passado”. Por isso, a verdade Histórica sai geralmente prejudicada e a História que encontramos nas livrarias são geralmente – salvo honrosas excepções – “histórias da treta”.
    Um exemplo “clássico” disto, foi a versão “oficial” da CIA sobre o dramático assassinato do Presidente dos USA John Kennedy. Segundo esta “explicação”, a bala que o matou – disparada pelo “comunista” Lee Oswald – teria que fazer um “milagroso” percurso: entrar pela parte detrás do pescoço de Kennedy, sair-lhe pela frente, virar logo de seguida à direita e depois à esquerda de modo a perfurar as costas do governador Connally, sair-lhe pelo peito e, finalmente, atravessar o seu pulso direito e alojar-se na sua perna esquerda. Se este trajecto – em termos balísticos – se tivesse realizado, seria mais milagroso do que as “aparições” de Fátima. O resultado, toda a gente (ou quase) o conhece: “nunca” se soube quem, afinal, assassinou o Presidente Kennedy.

    1 – Nas questões levantadas acima por M. Raposo, equacionam-se alguns “aspectos” importantes sobre o acontecimento do “roubo de Tancos”. E nestes, os “dados” e a “interpretação” trazidos pelo capitão de Abril Vasco Lourenço, são deveras interessantes: se entendi bem e o “material roubado” estava já muito perto de ser “sucata”, os “terroristas” serão assim tão “trouxas” para o adquirirem?
    Face a isto – e tudo o resto que M Raposo refere acima – tem Vasco Lourenço razão em afirmar que toda esta história está “muito mal contada”. Esperemos que a contem bem.

    2 – Quanto ao Incêndio, a ingénua “rapidez” com que saltou da Polícia Judiciária a “causa natural” do “relâmpago”, parece indicar que o “fogo posto” era “facto” indesejável à “teoria explicativa” que se pretendia “oficial”. E também às “eleições autárquicas” dado que a “direita” corre o risco de caber toda ela numa “charrete” do Parque de Sintra.

    3 – Se é verdade que “há males que vêm por bem”, há uma coisa que parece ter-se clarificado:
    quando, no silêncio do campo, um qualquer caçador dá um tiro para o ar, a “passarada” recolhida nas árvores, levanta vôo. Foi o que aconteceu com estes dois acontecimentos: a “passarada” de direita, toda ela “levantou vôo”. Na primeira fila, a Comunicação Social o que foi coisa boa para se tirar as dúvidas de que lado sempre estiveram. Além disso…como o tempo de Austeridade compôs um numeroso “exército” e onde ele está estacionado.

  2. afonsomanuelgonçalves disse:

    Sabe-se que Adriano Moreira é um académico prestigiado que tem o dom do uso da palavra e não é novidade para ninguém que aquilo que afirma se mede com pompa e circunstância. Mas o erudito da concepção do Estado esquece que a Suíça, por exemplo, não tem forças armadas e no entanto é um Estado mais soberano que este pobre país em que ele é um cidadão como outro qualquer. Por isso toda a sua efabulação argumentativa acaba numa verborreia arcaica que só pode convencer quem o venera docilmente. Portugal, ao contrário da Coreia não coloca os militares ao serviço da agricultura e de outros apoios de que a sociedade civil pode beneficiar. Por isso, era interessante que as “prestigiadas” forças armadas fossem úteis para tarefas pacíficas e produtivas ao serviço da sociedade e não para “missões pacíficas” ao serviço da NATO e dos interesses imperialistas.

  3. António Alvão disse:

    “Nenhuma economia sustenta um exercito permanente ” – Marx.

    “O HOMEM ACABA ONDE O MILITAR COMEÇA” – (…)

Deixe o seu Comentário