Resistir contra o genocídio de um povo

Israel lança mais colonatos contando com apoio de Trump

Comité de Solidariedade com a Palestina - Sábado, 28 Janeiro, 2017

muro_israelNakba é a palavra árabe para designar a catástrofe que foi a fundação do Estado de Israel no território da Palestina. A “catástrofe” deveu-se ao facto de existir um povo de carne e osso nessas terras supostamente desabitadas que iriam abrigar a invenção de um “povo judeu”. A catástrofe foram os massacres de 1947-48 pelas milícias sionistas, a destruição de aldeias palestinianas e a expulsão dos seus habitantes.
A grande tragédia desta catástrofe é a voracidade insaciável do Estado de Israel, que até hoje omite desenhar as suas fronteiras nacionais em qualquer atlas geográfico, na certeza de que elas serão sempre e sempre alargadas.

O projecto sionista desde o seu início é o de estender os limites do Estado judeu sobre todo o território da Palestina histórica. Como já dizia Himmler a propósito da Polónia, “não é possível germanizar o povo, é preciso germanizar o território”. E, como na verdade, a Palestina não era nem é “uma terra sem povo”, a limpeza étnica sempre foi tarefa essencial do projecto sionista. Assim, temos assistido desde há quase 70 anos, sob a fiel cumplicidade da maioria dos governos democráticos, ao lento mas progressivo genocídio do povo palestiniano.

Logo após a tomada de posse de Trump, Israel anunciava a construção de mais 566 alojamentos em Jerusalém-oriental e 2.500 na Cisjordânia, dois territórios palestinianos ocupados ilegalmente segundo o direito internacional. (Porque a ocupação e usurpação de terras que teve lugar entre 1948 e 1967 é considerada ainda hoje dentro da legalidade internacional).

O genocídio segue o seu curso, não só pela extensão de cada vez mais colonatos judeus em cima de casas, terras agrícolas e aldeias palestinianas destruídas pelas forças militares e policiais israelitas, mas também pelo bloqueio à Faixa de Gaza, onde uma população de quase dois milhões de palestinianos vive cercada, sem acesso a água potável, a medicamentos e cuidados médicos, mal nutrida e regularmente bombardeada pelo exército israelita.

O intuito do genocídio está presente na política colonial quotidiana de Israel. Vemo-lo no recente anúncio da construção de mais colonatos, e vemo-lo nos esforços para privar os palestinianos de qualquer meio de subsistência. Um despacho de 25 de Janeiro da agência noticiosa Ma’an News reportava, por exemplo, que aviões israelitas estavam a pulverizar com químicos herbicidas as culturas agrícolas ao longo da fronteira de Gaza, numa zona onde se concentra toda a reserva de alimentos da Faixa de Gaza. O pretexto evocado para esta acção é o de manter uma zona de segurança com a visibilidade necessária para impedir a “infiltração” de palestinianos. Os estragos provocados por esses produtos químicos não se limitam à zona fronteiriça e penetram até mais de um quilómetro no interior da Faixa, destruindo os poucos meios de subsistência que ainda restam a uma população encurralada neste imenso campo de concentração em que se tornou Gaza.

Perante a impunidade de que goza o Estado de Israel, a cumplicidade descarada de Trump ou a cumplicidade dissimulada dos governos da União Europeia, se nos sobra ainda algum optimismo quanto à sobrevivência do povo palestiniano, é porque vemos que não foi possível quebrar a sua capacidade de resistência ao fim destas sete décadas de martírio. Ainda na semana passada, e segundo o jornal L’Humanité, uma greve geral foi massivamente seguida em várias localidades árabes de Israel, sobretudo no Neguev e em Nazaré, para protestar contra mais uma destruição de casas no deserto do Neguev, que levou à morte de dois beduínos alvejados por polícias israelitas.

Resta-nos também uma ponta de optimismo por sabermos que podemos, também nós aqui na Europa, apoiar e fortalecer essa resistência respondendo ao apelo dos sindicatos, associações e outros agrupamentos da Palestina para pressionar Israel através da campanha BDS — Boicote, Desinvestimento e Sanções — a cessar a sua política de ocupação, apartheid e opressão na Palestina.






Deixe o seu Comentário