Porque quer António Costa cumprir com os 3 por cento?

António Louçã - Segunda-feira, 7 Dezembro, 2015

PPP_PPC_MLAQue o PS assinou o memorando de entendimento e quer continuar a representar a rábula do bom aluno, já se sabia. Que Centeno vai a Bruxelas demonstrar a sua capacidade para continuar a fazer todos os trabalhinhos de casa, também não é novidade.
O que é novo — e não havia necessidade — é fazer os seus próprios trabalhinhos de marrão e sentir-se também obrigado a fazer os deveres do cábula apanhado em falso. Ora, Passos Coelho e Maria Luís Albuquerque foram apanhados pela UTAO — em falso, a cabular. Depois de tanta conversa sobre “cofres cheios” e “almofadas protectoras”, depois de tantas promessas eleitoralistas sobre devolução da sobretaxa, descobre-se que afinal as contas estão armadilhadas e “muito dificilmente” se cumprirá os tais 3 por cento do défice.

Se fosse a Alemanha ou a França, ninguém lhe iria à mão por isso. E o Governo de António Costa, se não tem a coragem ou vontade política de questionar o espartilho dos défices à memorando, devia ter pelo menos a sensatez de mandar este recado a Bruxelas: “Vocês, que apoiaram Passos Coelho até ao último minuto, aguentem-se agora com o défice que ele deixou”.

Mas já se viu que Costa e Centeno vão por outro caminho: “É muito difícil, mas vamos meter ombros à solução das dificuldades”. E quando eles dizem que vão “meter ombros”, significa que se preparam para atirar para cima dos nossos ombros mais uma carga de sacrifícios austeritários.

E não será que se preparam para fazê-lo com a secreta satisfação de julgarem existir aí um pretexto para a renegação de promessas feitas durante as negociações com o BE e o PCP? Não foi também com um pretexto parecido (“Encontrei isto tudo numa lástima que ninguém podia adivinhar”) que Passos Coelho atirou às malvas as suas promessas da campanha eleitoral de 2011?






Deixe o seu Comentário