Strangelove Schäuble

António Louçã - Sábado, 18 Julho, 2015

Schauble1Wolfgang Schäuble, antes de ser ministro das Finanças, foi duas vezes ministro do Interior. Entretanto, foi apanhado a aceitar contribuições para o seu partido da parte do traficante de armas Karl-Heinz Schreiber, condenado por fuga ao fisco. A verdadeira vocação de Schäuble era para chefiar as polícias e não para dirigir as finanças públicas. Por algum motivo foi parar às Finanças, quando começou a ser procurado para o cargo um perfil de polícia.

Mais alma de polícia do que Schäuble era difícil. Quando ministro do Interior. distinguiu-se por uma constante paranóia securitária. Em Outubro de 2009 recebeu o prémio negativo “Big Brother”, pela sua concepção autoritária do Estado.

Entre as ideias preferidas de Schäuble estava a de permitir a intervenção das Forças Armadas em tarefas de segurança interna, nomeadamente para que pudessem ser abatidos aviões civis julgados suspeitos.

Outra ideia de Schäuble era a de subtrair os serviços secretos alemães ao controlo do parlamento. A fundamentação desta ideia peregrina era a de, alegadamente, haver serviços secretos estrangeiros que limitavam a cooperação com os colegas alemães para não verem depois os seus assuntos devassados por comissões parlamentares.

Schäuble defendeu, além disso, que cidadãos suspeitos de terrorismo fossem submetidos a um regime legal diferente dos restantes, e a medidas de prevenção dos actos que, supostamente, tencionariam cometer.

Em coerência com estas ideias, o incansável ministro defendeu também em 2005 que se anulasse a proibição de utilizar em tribunal depoimentos obtidos sob tortura. Deputados de todos os partidos, do Governo e da oposição, rejeitaram este plano.

Em 2007, defendeu a criação de campos de concentração para pessoas consideradas perigosas, também como meio auxiliar de prevenção do terrorismo. E preconizou o assassínio selectivo de suspeitos de terrorismo — tudo isto, dizia, para não ser preciso recorrer ao estado de sítio.

Inversamente, Schäuble opôs-se ao pedido de extradição da Procuradoria da Justiça de Munique contra 13 agentes da CIA envolvidos no sequestro do cidadão alemão Khaled al-Masri. E, quando em 2013 foi descoberta a espionagem praticada contra Angela Merkel pela NSA, Schäuble defendeu os serviços secretos norte-americanos, com o argumento de que tudo se destinava a impedir atentados terroristas.

Neste último caso, já ele era ministro das Finanças — mas no fundo tão caceteiro policial como sempre.

Houve, ao longo de toda esta história, muito quem quisesse ver a origem da sua obsessão securitária no azedume por ter ficado em cadeira de rodas desde 1990, devido ao atentado de um doente mental. O dr. Strangelove, no clássico filme de Stanley Kubrick, também odiava o mundo, sentado na sua cadeira de rodas. O general Millan Astray, mutilado e desfigurado, também gritava “Viva la muerte” diante do horrorizado filósofo Miguel Unamuno.

Mas o que aqui nos importa não são as curvas e contracurvas destas retorcidas psiques, e sim uma questão muito mais simples: porquê a principal potência capitalista da Europa teve de ir buscar um polícia frustrado e psicopata para uma pasta ministerial com mais poderes do que a própria chancelaria?






2 Comentários a “Strangelove Schäuble”

  1. leonel clérigo disse:

    Não tenho qualquer ideia que me permita dar uma resposta acertada à pergunta que António Louça faz no final do seu texto. Mas sou tentado a emitir uma opinião sobre o facto de Wolfgang Schäuble ocupar a “pasta ministerial com mais poderes do que a própria chancelaria”. Julgo que o cargo pouco tem a ver com os seus “dotes de polícia” mas mais com a larga experiência que adquiriu no “ensaio geral” da “unificação das duas Alemanhas”: a Alemanha Oriental – que perdeu toda a sua indústria para não perturbar os diferentes “mercados” da Alemanha Federal – foi uma espécie de “PIGS” da Alemanha Ocidental. Sendo assim, o “segredo do sucesso” do “especialista” Schäuble reside na sua sabedoria em fazer “secar” a indústria em qualquer lado onde ela exista – menos na Alemanha, claro!… – e transformar tudo em “passeios turísticos”, “campos de golfe”, “comezainas”… A esta transformação “radical”, chamam-lhe Austeridade, mas julgo que o mais adequado seria chamar-lhe “a maneira mais eficiente de criar “subdesenvolvimento” e “dependência” pelo mundo fora”: efectivamente, ninguém de bom senso imagina o capitalismo atacado da estapafúrdia ideia de fazer de todos os países, países igualmente desenvolvidos. O “nosso” patriótico “Arco da Governação” deveria, um dia, “pagar” por tudo isto. Como e quando, não sei…

  2. John Catalinotto disse:

    http://www.workers.org/articles/2015/07/18/greece-feels-iron-fist-of-a-german-ahab/

    O artigo de Victor Grossman de Berlim mostra o papel de Schäuble na anexação da RDA nos anos 90, para os leitores que podem ler inglês.

Deixe o seu Comentário