O nome diz tudo

Segunda-feira, 11 Fevereiro, 2013

No final de duas agitadas semanas em que a liderança de Seguro parecia ameaçada, o PS saiu aos abraços de uma reunião magna realizada em Coimbra. Seguro acolheu propostas de Costa, para que Costa não se candidatasse a líder; Costa deu-se por satisfeito com a buchas metidas na moção, e não se candidata (para já). O “ponto de viragem”, como lhe chamou Costa, na política de oposição conduzida pelo PS resume-se a vagas críticas ao modo como o PSD encara a crise, à distribuição de culpas por “todos os governos”, à aceitação da “reforma do Estado” (desde que não seja “nas costas dos portugueses”), e ao ajustamento das metas de pagamento da dívida. Nada que afronte a troika ou atrapalhe o propósito de deixar o governo terminar a legislatura. O “lapso” de o documento inicial de Seguro ter o mesmo nome que Passos Coelho dera à moção que o levou à chefia do PSD em 2010 (“Portugal primeiro”) diz tudo.






Deixe o seu Comentário