Para que não se percam os frutos da civilização

Intervenção no Congresso Marx em Maio – Perspectivas para o século XXI (III)

Manuel Raposo - Quinta-feira, 12 Julho, 2012

Se, como vimos nos capítulos anteriores, se verifica um bloqueio da acumulação capitalista e se a sociedade burguesa entrou numa fase senil, como se explica que não cresça, neste mundo em crise, o movimento revolucionário? As enormes mutações sociais no proletariado mundial; a dissolução ideológica do marxismo revolucionário no século XX, acompanhando o longo estertor da revolução soviética; e a ausência de um claro ataque político às bases do sistema capitalista – não sendo todas, serão seguramente algumas das razões desse impasse.

Uma sociedade que caminha para o fim

Sabemos que o capital ao reproduzir-se reproduz também as relações sociais que lhe são próprias. Ora, a crescente dificuldade de reprodução do capital traduz-se numa dificuldade crescente de reprodução das relações sociais – daí a decomposição das instituições (nomeadamente do Estado), o esvaziamento da democracia, o abandono do estandarte do progresso, o apagamento das grandes crenças burguesas (nação, pátria, família, deus).

A civilização burguesa terá então entrado numa etapa final. É isso que transparece na própria maneira como a burguesia fala do seu regime. A ideologia do progresso contínuo, da prosperidade, que foi desde sempre a marca do positivismo burguês, da superioridade sobre as formações sociais atrasadas, transfigurou-se num discurso de justificação do retrocesso: não mais emprego garantido, não mais melhoria de vida de pais para filhos, não mais consumo livre, não mais lazer, não mais saúde e instrução para todos, não mais nada disso.

Visto no seu sentido de fundo este é um discurso que denuncia a incapacidade das classes dominantes para convencerem as classes dominadas da superioridade do seu sistema; denuncia a incapacidade de uma civilização para mobilizar o todo social em torno dos seus objectivos de classe.
Uma sociedade que já só assegura (não apenas nos factos mas também pela voz dos seus mentores) um amanhã pior que o dia de hoje – e que afirma só poder subsistir nessa condição! – é uma sociedade que caminha para o fim.
Podia dizer-se – uma sociedade já sem apresentação…

Em termos históricos não há portanto remendos possíveis – e isso está de resto patente na ineficácia das tentativas, tanto do capitalismo puro e duro como do reformismo, de colmatar as brechas do edifício.

A causa da nossa época

Dito isto, então a verdadeira causa da nossa época é pôr termo ao capitalismo.

Certo. Mas a revolução social não está de modo nenhum ao virar da esquina. Como disse antes, o movimento comunista está bloqueado no meio da crise do sistema capitalista.
É difícil encontrar uma explicação completa para este facto, mas não erro se disser que concorrem para isso
- as enormes mutações sociais no proletariado mundial pelo menos desde 1970-80;
- a dissolução ideológica que o marxismo revolucionário sofreu no século XX, acompanhando o longo estertor da revolução soviética;
- e, no presente, a ausência de um claro ataque político às bases do sistema capitalista (porque, como disse Marx, é a própria base das contradições que deve ser derrubada).

Sinais de mudança

Este estado de coisas, no entanto, não está congelado. Há sinais de mudança, embora a prazo que não se pode medir.
Centro-me nas mudanças de natureza social dos últimos 30-40.

Até 1970 a classe operária produtora de mais valia cresceu nos principais países capitalistas (9).

Nas décadas seguintes foi decaindo nesses países. Mas à escala global o seu número aumentou em termos absolutos devido aos crescimentos enormes verificados no Terceiro Mundo. Deu-se portanto uma proletarização maciça nos países periféricos e um aumento em valor absoluto do proletariado mundial. Isto quanto ao número.

Também a partir de meados dos anos de 1970, o desemprego cresceu muito nos países mais desenvolvidos, colocando fora da produção milhões de trabalhadores (10).

Ao mesmo tempo, sobretudo nos anos mais recentes, uma grande parte, e uma parte crescente, dos desempregados passaram a ser desempregados permanentes – ou como precários ou mesmo como excluídos do sistema do salariato.
Em qualquer caso, é de notar que esta desagregação do proletariado se faz por rebaixamento de uma parte dos trabalhadores à condição de um sub-proletariado ou mesmo de um lumpen-proletariado – não por aburguesamento ou ascensão social.

Crescem os factores de explosão social

Esta evolução traduz, de forma gritante, o processo de substituição do trabalho vivo por trabalho morto que acompanha a acumulação capitalista (11).

E o que fica demonstrado não é a impossibilidade da revolução social, mas a inutilidade histórica do capitalismo da nossa época que se tornou incapaz de transformar o progresso material em benefício social.

Apesar, portanto, da complexidade desta evolução social e dos solavancos por que passa, uma coisa é certa: o processo vai na direcção de ampliar enormemente as classes proletárias, na acepção de classes despojadas de qualquer meio de produção. Mais ainda, como grande parte dessa massa não tem ocupação no quadro da produção capitalista – e é mesmo, em boa parte, impedida pelo sistema de ter uma ocupação útil – os factores de explosão social crescem também em proporção. Os motins de Londres ou Paris, ou as revoltas árabes são disso exemplos.

Em resumo: não será por falta de actores que a revolução social deixará de se fazer.

(Continua)

Notas
(9) Em 1970, na média dos seis maiores da OCDE (França, Itália, Grã-Bretanha, RFA, EUA e Japão), representava quase 40% da população activa total. C. Bitot, o. c.
(10) No conjunto dos 25 países da OCDE o desemprego foi de uns 11 milhões entre 1950 e 1974, e de 1974 até final do século saltou para 35 milhões, acompanhando o enorme incremento do capital fixo. C. Bitot, o. c.
(11) O valor do capital fixo investido por posto de trabalho, em França, era em 1950 inferior a 100 mil francos; em 1990, era superior a 1 milhão de francos, isto é, 10,4 vezes mais. Em comparação, de 1890 a 1950 a diferença não passou de 3,7 vezes mais. C. Bitot, o.c.






3 Comentários a “Para que não se percam os frutos da civilização”

  1. António alvão disse:

    A análise de Marx ao capitalismo do seu tempo, está bem feita em toda a linha. Embora o Estado, o capitalismo e o proletariado, nada se assemelhe ao do seu tempo, muitas das suas teses ainda se mantém actualizadas. Agora, como meio ou método para a revolução, ou modelo de sociedade – foi uma ilusão e um fracasso, não tanto por sua culpa, mas mais por aqueles que se diziam marxistas! Traíram-no ideologicamente, abusaram do poder, tornaram-se ditadores; em vez da ditadura do proletariado ser contra a ditadura monocrática e oligárquica, por vezes – era ao contrario. Ele tinha razão quando dizia aos oportunistas – “isso que dizeis que sois, nem eu o sou”!
    Portanto, de Marx resta-nos a sua obra e algumas t-shirts muito bonitas.
    Eu não acredito em ninguém que se diga marxista, comunista, socialista, revolucionário, etc. Habituei-me só acreditar na obra dos homens, é por esta via que os analiso, quer negativa ou positivamente.
    Acho que é um abuso andarmos na sombra de qualquer figura histórica ou ideológica, para daí tirarmos dividendos pessoais vários …
    “Como se explica que não cresça, neste Mundo em crise, o movimento revolucionário”?- O movimento revolucionário tem crescido em Espanha, Grécia, etc. Em Portugal é onde se nota menos, e quando tenta emergir, o que já tem acontecido, não tem apoio dos sindicatos, nem dos partidos ditos de esquerda. Porque estas instituições estão indirectamente ligadas ao poder democrático troikano. E não tenho duvidas de que irão ajudar a salvar o capitalismo, seguindo o exemplo do partido comunista chinês. Portanto, nunca poderiam alinhar em algo que se assemelhe à Anarquia (credo água benta, isso é que não).
    Vejamos se alguma vez os sindicatos portugueses apoiariam uma forma de luta semelhante à dos mineiros espanhóis?
    A revolução pela liberdade e pelo bem estar social, está em marcha há longos anos, com mais avanços aqui ou ali; um ou outro recuo, em algumas situações. Sabemos bem que as ratazanas democráticas ou ditatoriais no poder, estão armadas até aos dentes, e só por morte é que deixam o poder do roubo, da desigualdade e da injustiça.
    Esperemos que mais primaveras apareçam? Façamos também algo pelas mesmas! Saúde e liberdade. A.A.

  2. Ubaldo Gouveia de Camargo disse:

    Todo regime social (Socialismo, Liberalismo, Comunismo, etc.) não depende das crises no regime do qual se origina, mas sim do desenvolvimento das “forças produtivas” que são levadas em frente pelo regime em crise ou não. As tais crises, por exemplo, do capitalismo não são “causa” mas sim efeito do fato social de tal regime não permitir a sua substituição pelo regime que deu origem, ou seja, O Socialismo. Portanto, o Socialismo não é uma utopia, nem muito menos um idealismo; é um produto do desenvolvimento do Liberalismo, principalmente na sua parte econômica (capitalismo) que levou a um enorme desenvolvimento das “forças produtivas”, das ciências em geral e de um novo modo de produzir, ou seja, o coletivismo. Porém, na hora de se apropriar do produto dessas forças ele entra em contradição e se apropria de forma individualista, mediante um sistema jurídico-social da propriedade privada.
    O que queremos dizer com tudo isso é que todo regime social que cria as condições de existência, suficientes e necessárias do (sistema) que lhe irá substituir deve permitir a sua substituição de modo pacífico e sem revolução sob pena de não o fazendo entrar em crise sociais e históricas sem fim.
    Os regimes socialistas implantados até hoje (URSS,China, etc) fracassaram porque justamente padeceram do mesmo erro do capitalismo ou liberalismo; não entenderam o seu papel histórico e precário e se imaginaram
    eternos e imutáveis e, principalmente porque não tentaram, pelo menos criarem as tais “condições de existência” dos sistema que deterministicamente lhe foi ditado pela dialética e o materialismo histórico (O Comunismo) e se transformaram num sistema tal como o capitalismo conservador e retrógrado, inclusive regredindo a aquilo que deveriam ter substituído.
    Enfim, as crises do atual regime global, o capitalismo não se deve unicamente a problemas de origem econômicos , mas principalmente porque não fizeram o seu dever de casa e são reacionários por natureza.
    Gratos. Ubaldo. São Paulo, 31/10/2012.

  3. Ubaldo Gouveia de Camargo disse:

    Para que não se perca para sempre, nem fique o homem (gênero) congelado no espaço e tempo é preciso entender de uma vez para sempre que todos os benefícios conquistados, todo progresso das ciências , todo sistema implantado não deve ser em prol de uma elite dominante, nem muito menos para beneficiar seus interesses de classe dominante. Todo regime é histórico, isto é, tem início, meio e fim. Além disso, é dialético, deve superar a si mesmo, transformando no seu contrário a fim de que a sociedade e o homem em conjunto com ela também evolua. Assim, Capitalismo, Socialismo e Comunismo tem origem ou estão embricados um nos outros e são sucessivos uns ao outros, numa eterna roda viva, sendo portanto mutáveis, dialéticos e em constante transformação.
    Sem a Dialética e o materialismo histórico todo o progresso alcançado pela humanidade (e só a ela pertence todo progresso) se perderia ou se congelaria no espaço e tempo,ou então, a humanidade regressaria a um estado anterior ao do “homo sapiens” tão longamente e duramente alcançados.
    E, finalmente, para que não tenha sido em vão que o “homo sapiens” que saiu da caverna, após ter permanecido lá por mais de quinhentos mil anos e saiu de lá como “homo sapiens- sapiens” não se venha a perder é que precisamos tomar consciência de que tudo evolui e se transforma para que não venha a se perder para sempre.
    Gratos. Ubaldo. São Paulo, 04/11/2012.

Deixe o seu Comentário