Notícias da Frota da Liberdade IV

Rescaldo da greve geral na Grécia

Manuel Garcia Morales / MV - Domingo, 10 Julho, 2011

grevegeralgrecia.jpgUm grupo de 50 pessoas de todo o estado espanhol partiu no dia 22 de Junho de Madrid para Atenas onde se integrará na segunda Frota da Liberdade com destino a Gaza. Do grupo faz parte um amigo do Mudar de Vida, Manuel Garcia Morales, sindicalista e activista político, que se propõe enviar regularmente crónicas da viagem. Estamos a publicar os seus relatos à medida que nos chegam.
Nesta mensagem, de 29 e 30 de Junho, relatos do segundo dia de greve geral na Grécia e mais notícias da Frota.

29 de Junho

Segundo dia de greve geral

Não há piquetes de greve. Ontem de manhã praticamente todo o comércio estava aberto, excepto nas zonas mais “quentes” perto da Praça Sintagma (Praça da Constituição). Bares e restaurantes também estavam abertos e não me pareceu que houvesse grevistas nos hotéis.
Pelo contrário, os bancos estavam fechados, não funcionavam os autocarros e o metro funcionou, segundo fontes sindicais, para que os grevistas pudessem deslocar-se. Portanto, as pessoas que vi a encher as manifestações deviam ser de grandes empresas. Havia por exemplo uma grande coluna que vinha do porto do Pireu, totalmente paralisado, sendo o transporte marítimo um dos sectores chave da Grécia.

As manifestações que começaram pela manhã foram todas em direcção a Sintagma, frente ao parlamento em sinal de rejeição do plano de austeridade (anulação de empregos públicos, privatização de empresas, o que supõe mais despedimentos, e subida dos impostos que incidem sobre o povo, o IVA e o IRS).
O parlamento reúne à noite para dificultar a presença de manifestantes, por isso a greve geral na realidade está convocada desde as 6 da manhã de ontem até à mesma hora de amanhã, de modo que, esta noite, enquanto o parlamento vota, os grevistas estarão a protestar à porta.

Vi muita juventude, homens e mulheres, nas manifestações, muita combatividade e muita consciência de que ia haver repressão.
As pessoas levavam as suas bandeirinhas mas normalmente presas a grande paus. Muita gente tinha também protecções para evitar os gases e usam um creme branco (improvisado a partir de medicamentos comuns) para pôr na cara. É a resposta prática à utilização maciça pela polícia de gás pimenta que o governo israelita vende ao governo grego para reprimir as manifestações.

A certa altura a faísca saltou e a polícia carregou. Eu estava a mais de 500 metros de onde dispararam as primeiras granadas de gás. Mesmo assim, dez minutos depois, senti picadas na cara e na garganta porque o gás se espalha invisivelmente e atinge toda a gente.
Quando deixei a praça, à meia-noite, o enfrentamente continuava. As pessoas não desistem. A polícia carrega, dispara gás, as pessoas retrocedem e logo se reagrupam, cantam, batem palmas e recuperam terreno. Há postos e indivíduos encarregados de socorrer as pessoas afectadas pelos gases ou por terem sido agredidas pela polícia.

Houve momentos em que a situação me parecia surrealista. Numa passagem perto da praça, um grupo de jovens tomava uns copos num bar de onde saía o som de música de jazz à mistura com o barulho das bombas de gás e de confrontos que se travavam não muito longe. Ao mesmo tempo, um grupo de grevistas discutia com o piquete da polícia que guardava a entrada na praça.
Na mesma praça, enquanto havia bares abertos, o McDonald’s estava completamente destruído. A orientação política de apontar a batalha contra a banca e o grande capital parace assumida por todos.

Israel prepara a sua opinião pública

No respeitante à frota, a saída é iminente, amanhã ou depois. A tripulação grega tenta reparar a sabotagem do seu barco e nós vigiamos o nosso para que não lhe aconteça o mesmo.
Entretanto, a imprensa israelita prepara a sua opinião pública. Alguma informa que levamos elementos perigosos camuflados entre os pacifistas cujo objectivo é matar o maior número possível de soldados israelitas. Outra diz que levamos um ácido especial para desfigurar a cara dos soldados. E toda ela insiste na ameaça contra Israel, quando a intenção é chegar a Gaza através de águas internacionais em que Israel não tem nenhuma jurisdição, ainda que se arrogue ilegalmente um bloqueio naval que deveria ser motivo de protesto de todos os países e de sanções por parte das Nações Unidas.

O nosso moral está alto. Sentimo-nos portadores de milhões de toneladas de solidariedade. E sentimo-nos felizes tanto pelo privilégio de transportar tão grata mercadoria como por recebermos imensas demonstrações de apoio de todos os que defendem a paz e a solidariedade, conheçam-nos ou não.

30 de Junho

Não devo, não pago, não vendo

O primeiro dia de greve saldou-se, segundo fontes sindicais que consultámos directamente, em 270 detenções e uns 40 manifestantes feridos, um deles dirigente sindical. No segundo dia de greve havia mais grevistas em Sintagma do que no dia anterior. Era comum a ideia de obstaculizar a votação no parlamento.

A partir das três da tarde começaram as cargas policiais para despejar a praça. Li no El País de hoje que “grupos encapuchados” estenderam os conflitos a diversos bairros e atacaram a polícia, que se teria defendido com granadas de gás. A correspondente do El País deve deve ter copiado directamente o relatório da polícia.
Os “encapuchados”, entre os quais me encontrava, não o eram – eram pessoas normais que levavam máscaras antigas para poderem suportar as cargas da polícia. Foi emocionante ver o povo de Atenas, homens e mulheres, predominantemente jovens, mas também adultos, defender palmo a palmo cada rua, conforme a polícia alargava o perímetro de intervenção da praça empurrando as pessoas para os bairros adjacentes e deixando bolsas de manifestantes cercadas no centro do cordão que avançava.

Por fim, o povo perdeu a peleja. O parlamento, basicamente com a maioria absoluta do Partido Socialista, aprovou o plano de cortes com o aplauso do capital europeu e a felicitação dos governos conservadores e socialistas dos diversos países – o que significa que vou pagar 23% de IVA da próxima vez que tomar um sumo de laranja ou um café num bar da esquina, que as pessoas que na Grécia tenham rendimentos anuais superiores a 8 mil euros vão pagar imposto sobre o rendimento, que vão ser despedidos uns 150 mil funcionários e que vão ser vendidas empresas e património público. O lema de milhares de manifestantes era: Não devo, não pago, não vendo.

O capital financeiro europeu, sobretudo alemão e francês, pode respirar tranquilo, cobrará as suas dívidas com altos juros e, para isso, o governo grego venderá tudo o que o capital privado quiser comprar, deixando o povo com uma mão atrás e outra à frente. Ninguém falou de cortar os gastos militares que fazem da Grécia o quarto importador de armas do mundo, em que gasta 4,3% do seu PIB (mais 0,3% do que com a Educação), especialmente da França e da Alemanha – que nesta parte do gasto público não pediram austeridade à Grécia.
A classe operária grega perdeu a batalha com dignidade, mas já há reuniões para preparar as próximas lutas.

Governo grego colabora na sabotagem da frota

A respeito da Frota, continuam os problemas, uns burocráticos, outros de sabotagem directa, como no caso do barco grego. Os companheiros da frota grega publicaram um comunicado em que acusam directamente o seu governo de colaborar com uma sabotagem que poderia ter provocado a afundamento do barco em alto mar o que só foi evitado pelas provas prévias de navegação feitas à cautela.
O governo israelita continua com a sua suja campanha de intoxicação. Temem que saiamos rumo a Gaza e talvez por isso um senador norte-americano pediu a Obama que envie comandos de elite a Israel para ajudar a dominar os perigosos assaltantes que pretendem chegar a uma cidade que não é israelita e que está cercada ilegalmente para tentar obrigar o seu povo a render-se, à maneira medieval, pela fome.
Por estas complicações a data de saída voltou a atrasar-se.

Saudações fraternais,
Manolo Garcia

(mais notícias no site www.rumboagaza.org)






Deixe o seu Comentário