Iraque

“As tropas dos EUA retiram porque a resistência a isso as obriga”

Três perguntas a Gilles Munier

Manuel Vaz - Sábado, 12 Setembro, 2009

gilles-munier-1.jpgA Associação de Amizade Franco-Iraquiana (AFI) foi fundada em 1985 por um grupo de personalidades defensoras da política árabe do governo francês. O seu secretário-geral desde 1986, Gilles Munier, é um profundo conhecedor desta região do mundo na qual efectuou mais de 150 viagens entre 1974 e 1983, tendo encontrado por várias vezes os principais dirigentes do partido Baas, então no poder. A agressão norte-americana de Abril de 2003 veio alterar profundamente as relações franco-iraquianas e, por tabela, o funcionamento da associação.
Antes de 2003, Gilles Munier participa activamente no programa “Petróleo por alimentos”, único meio concedido às autoridades iraquianas para atenuar os efeitos do embargo económico ao Iraque imposto pelos EUA e sancionado pela ONU. Em 2005, Munier é acusado, conjuntamente com outras personalidades, de ter furado o embargo. As autoridades judiciais decidem-se a instruir um processo (que continua sem data de julgamento marcado), retiram-lhe o passaporte e proíbem-lhe a saída do território nacional.

Isso não impediu o secretário-geral da AFI de continuar a militar incansavelmente pelo reconhecimento da resistência iraquiana como o único representante legítimo do povo iraquiano, inclusive junto ao governo francês.

Gilles Munier publicou em 2000 O guia do Iraque (Ed. Jean Picollec) que teve edições nos Estados Unidos (Interlink Publishing) e no Reino Unido (Arris Book) sob o título Iraq, an illustrated history. E acaba de editar Les espions de l’or noir (Os espiões do ouro negro). Como tradutor, fez conhecer em França Zabiba et le Roi, um conto escrito por Saddam Hussein que se encontra igualmente traduzido em português (Ed. Europa-América). O seu trabalho de publicista centra-se na colaboração regular que fornece à revista mensal Afrique Asie e ao boletim AFI-Flash que difunde notícias sobre a resistência iraquiana desde 2003. AFI-Flash vai na sua 94.ª edição (http://gmunier.blogspot.com).

1. Em 2005 o juiz Courroye acusou-o no processo “Petróleo por alimentos”. Retiraram-lhe o passaporte e, para não ser preso, teve de pagar uma caução de 50 mil euros. Graças à insistência do seu advogado, o passaporte acaba de ser restituído e pode assim viajar de novo para o estrangeiro. Como explica esta viragem no caso?

Não é verdadeiramente uma viragem, excepto para mim. Há quatro anos que me era interdito sair do território francês metropolitano, quando a instrução do processo estava terminada há ano e meio. A “justiça” temia, supostamente, que eu me “concertasse com cúmplices e destruísse documentos”. Na verdade, o ministério dos Negócios Estrangeiros prolongava a interdição de saída de França – corrente no quadro de uma investigação – para me impedir de ter actividades políticas no estrangeiro, nomeadamente apoiar a resistência iraquiana.

De facto, a maioria das pessoas implicadas no caso “Petróleo por alimentos” recuperaram os passaportes há muito tempo. É o caso do patrão da sociedade petrolífera
Total que, por exemplo, se deslocou a Angola e à Síria na companhia de Nicolas Sarkozy. Foi mesmo ao Iraque para se encontrar com o primeiro-ministro Nouri al-Maliki. E porque não eu?

gillesmunierespionsornoir.JPGPor espantoso que possa parecer, a juíza Xavière Siméoni, encarregada do dossiê, levantou a minha proibição de viajar para o estrangeiro na sequência da carta que dirigi ao Procurador da República de Paris expondo-lhe a situação. Juntei o livro que acabo de publicar – Os espiões do ouro negro – que retrata agentes subversivos ocidentais no Cáucaso e no Próximo Oriente, desde a época napoleónica aos anos 1948-1950. Aí conto como os anglo-saxões, depois de terem eliminado os seus concorrentes imperialistas franceses e alemães, se encontraram numa posição de força para se apoderarem das principais jazidas petrolíferas mundiais. A maior parte das guerras do século XX, grandes ou pequenas, têm por pano de fundo o petróleo. E isso ainda não acabou. Hoje, os EUA tomaram o lugar da Grã-Bretanha. Não foi para instaurar a democracia que Bush invadiu o Iraque e o Afeganistão, ou que os EUA se atiram ao Irão ou manipulam a Geórgia, mas sim por razões de abastecimento petrolífero.

Na minha carta ao Procurador, pedia a restituição do passaporte para poder dar sequência à minha actividade. Em caso de recusa, queria que ele me explicasse por que havia “dois pesos e duas medidas” no tratamento dos inculpados do caso “Petróleo por alimentos”, que ele me dissesse claramente porque é que a justiça impedia que eu fosse ao estrangeiro, incluindo o espaço Schengen.

Oito dias mais tarde, o tribunal de Paris pediu-me para reformular o requerimento com as formas jurídicas adequadas, o que foi feito por Jacques Vergès, o meu advogado. Na semana seguinte, ele foi convocado pela juíza Siméoni. Ele explicou-lhe a minha situação. O meu passaporte foi-me finalmente devolvido, e eu agradeço-lhes.

Penso que a minha carta ao Procurador foi em boa altura. Com a chegada de Obama ao poder nos EUA e os esforços franceses para relançar o comércio com o Iraque, o caso “Petróleo por alimentos” interessa menos àqueles que o encomendaram. Claro, irá a julgamento. Mas quando? Para mim, quanto mais cedo melhor. Espero aproveitar o processo para lembrar que mais de milhão e meio de crianças iraquianas morreram, vítimas dos apetites imperialistas e petrolíferos de George Bush e dos neoconservadores.

2. O acordo de segurança assinado em 30 de Junho passado entre a administração Obama e o governo de al-Maliki, que prevê a retirada das tropas de ocupação norte-americanas das cidades, vai mudar alguma coisa no terreno?

Em linguagem militar, a retirada das forças norte-americanas das cidades não passa de um redesdobramento de tropas. Se os norte-americanos deixam as cidades, é sobretudo porque a resistência a isso os obriga: eles perdem muitos homens. Mas o acordo de segurança permite-lhes regressar a coberto da luta contra a Al-Caida, nome que eles dão às organizações de resistência, sem distinção.

Este recuo não altera nada na vontade dos iraquianos de libertarem o país. A redução das forças de ocupação, no horizonte de 2011, não significa para eles o fim dos combates, porque 50 mil conselheiros permanecerão no Iraque por tempo indeterminado. Novas bases estão em construção para os acolher. Pelo menos se tudo se passar como prevê o Pentágono, porque no terreno a luta intensifica-se.

A situação é tal que o coronel Reese, conselheiro do “Comando operacional de Bagdad”, num relatório publicado pelo New York Times de 31 de Julho, receia uma retirada “não planificada” que poria em perigo os interesses dos EUA. O balanço que ele faz da ocupação do Iraque é dos mais negativos: ineficácia e corrupção nos ministérios e nas forças armadas, incapacidade de melhorar as infraestruturas, potencial de violência anti-americana elevado… O porta-voz do ministério do Interior reconheceu que são necessários 128 mil agentes de segurança só para proteger a nomenklatura, quase tanto como o número de GI!

Na resistência, Izzat Ibrahim al-Douri, que dirige o partido Baas clandestino, pediu aos seus guerrilheiros para concentrarem os ataques sobre as tropas norte-americanas e de só atacarem os seus colaboradores locais em caso de legítima defesa. Em princípio de Agosto, lançou um apelo aos diversos agrupamentos patrióticos para constituírem um “Conselho supremo da resistência”, mesmo que fosse apenas para apresentar uma frente comum quando tiver de se negociar com o inimigo. Isto tornou-se urgente porque a resistência está dividida em entidades combatentes mais ou menos concorrentes. Os norte-americanos aproveitam isso para contactar com algumas as organizações. Ultimamente, tiveram um encontro em Amã com dirigentes do “Conselho político da resistência iraquiana”, que compreende o Exército do Islão, a Frente Islâmica da Resistência Iraquiana, o Hamas do Iraque e o Ansar al-Sunna. A unificação da resistência tornou-se uma necessidade absoluta.

3. Em França, o movimento anti-guerra e de solidariedade com a resistência do povo iraquiano, mesmo com um eco favorável na opinião pública, não se alarga. Na sua ideia, quais são os impedimentos?

O pouco eco tido em França pela luta do povo iraquiano tem quer ver, primeiro, com o facto de a opinião pública achar que o nosso país não está implicado na guerra.
Outro motivo do desinteresse: as organizações que se opuseram à última guerra do Golfo – na maioria de extrema-esquerda – foram incapazes de unir esforços para mobilizar a opinião pública. O problema delas é que a resistência é maioritariamente baasista e islamo-nacionalita, e elas estão ainda influenciadas pela diabolização de Saddam Hussein. E depois, temem ser acusadas de apoiar a “Al-Caida na Mesopotâmia”.
Também responsáveis: os médias franceses. Contrariamente aos jornalistas anglo-saxões, os franceses não dão, em geral, boa conta da situação que se vive no terreno.

(testemunho recolhido em 27 Julho 2009)






Um Comentário a ““As tropas dos EUA retiram porque a resistência a isso as obriga””

  1. afonsomanuelgonçalves disse:

    1 – A opinião pública francesa coloca-se à margem do conflito porque considera que a França não está envolvida na agressão imperialista. No comments.

    2 – Está influenciada pela manipulação da imprensa ao serviço do imperialismo. No comments

    3 – Tem medo de ser conotada como conivente dos terroristas da Al-Qaida. No comments

    4 – Não tem medo de ser conotada como conivente das tropas terroristas agressoras. No comments

Deixe o seu Comentário