“Recuperação” económica faz-se à custa do emprego

Dados da OCDE mostram que o desemprego em todo o mundo vai continuar a crescer

Manuel Raposo - Terça-feira, 30 Junho, 2009

chomageweb.jpgA Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) divulgou em 24 de Junho uma visão optimista sobre a evolução da crise económica. Fala mesmo em luz ao fundo do túnel. Mas, vistas as coisas em concreto, a luz não será para todos.

A OCDE dá a fase de contracção das economias dos países mais desenvolvidos como tendo chegado ao fim, depois de um recuo sem precedentes “desde o fim da segunda guerra mundial”. A retoma, no entanto, apresentar-se-á “fraca e frágil”, diz a organização, e a situação não será igual em todas as partes do mundo.

Onde reside então o optimismo da OCDE? No facto de encontrar sinais de retoma económica nos EUA e no Japão e de isso poder significar, por arrasto, uma recuperação de outras grandes economias como a chinesa. Na zona euro, em contrapartida, as coisas continuam sombrias.
Os números do optimismo traduzem-se na previsão de uma quebra económica nos países da OCDE, para este ano, de “apenas” 4,1% (quando antes eram previstos 4,3%) e num crescimento positivo de 0,7% em 2010 (em lugar do crescimento negativo antes apontado de 0,1%).

Nos EUA o crescimento será de 0,9% no próximo ano (antes falava-se em estagnação) e no Japão admite-se agora um crescimento de 0,7% (contra um decréscimo de 0,5%) que sucederá a uma forte quebra este ano. Nos países da zona euro a contracção económica será de 4,8% este ano (pior que os 4,1% previstos em Março), seguindo-se uma estagnação no ano que vem (em vez de uma queda de 0,3%).
Para termo de comparação, diga-se que o crescimento chinês se situa presentemente à roda dos 7%, depois de ter andado durante anos seguidos acima dos 10%.

O optimismo dos autores do estudo é atraiçoado quando reconhecem que “faltará tónus” a esta retoma. E sobretudo quando apontam os fracos em que assenta. Concretamente: possibilidade de novas turbulências no sistema financeiro mundial e crise dos mercados obrigacionistas por força do aumento da dívida pública dos Estados – isto é, Estados muito endividados não podem garantir o pagamento dos dividendos das obrigações que emitem.

Mas o ponto mais significativo da questão é a evolução do emprego. A OCDE não deixa dúvidas de que a recuperação que a põe optimista será acompanhada por um agravamento do desemprego. A taxa de desemprego nos EUA atingirá 9,3% neste ano e 10,1% no ano que vem (quando foi de 5,8% em 2008). Nos países da zona euro, pior ainda: 10% neste ano e 12% em 2010 (foi de 7,5% em 2008). Mais: o crescimento do desemprego fará baixar o consumo, que por sua vez dificultará a recuperação económica.

Como as coisas têm sido apresentadas a público, parece que a contradição entre a (prevista) recuperação económica e o aumento do desemprego se deve apenas a um desfasamento no tempo. É isso que leva a OCDE a afirmar que a recuperação do desemprego se fará apenas quando “a retoma for suficientemente vigorosa”. Mas este entendimento mascara o facto de a recuperação, a haver, resultar em grande parte da redução brutal da força de trabalho. E, por isso mesmo, mascara ainda outra realidade: é que, mesmo que a recuperação se dê, grande parte dos braços que foram despedidos ficarão definitivamente no desemprego. Por aqui se confirma a tendência geral manifestada na evolução do capitalismo de concentrar de um lado a riqueza e do outro a pobreza – e de entre uma coisa e outra haver uma relação indissolúvel, como faces da mesma moeda.






Um Comentário a ““Recuperação” económica faz-se à custa do emprego”

  1. Ismael Pires disse:

    E a recuperação económica faz-se também à custa do saque do património natural da nossa terra e do nosso mar. Pode não parecer muito a propósito mas deixo abaixo um texto que acabo de publicar no meu blogue e mostra como o litoral anda a ser rapinado e temos de fazer algo para o defender. Um abraço para todo o colectivo redactorial. Só jornais como este falam do que é importante para nós todos e nos querem esconder.

    O mar é nosso e Tróia também

    Havia as dunas, a areia quente quando o sol batia a pino e os corpos que pediam sombra e companhia para deitar. E havia aquele azul todo atravessado de branco, espuma e bandos tardios de gaivotas. E pouco mais pedíamos nesse tempo. Ao calor do Verão vinha juntar-se o teu calor de corpos enlaçados, o suor caindo em bagas, crescendo em nós nos nossos corpos. Tínhamos tudo. Era nosso o mar, era nosso o céu, era nossa a liberdade. E sabíamos em Tróia que cavalos disfarçados ou traidores que nunca haveriam de ter poder sobre nós. Amávamos e isso dava-nos a tranquilidade azul dos deuses. Tínhamos remetido as guerras para o espaço inútil do esquecimento. Nesse tempo éramos nós os heróis.

    Vai-se tornando hábito usar este espaço para pedir a vós todos queridos visitantes e leitores que ajudem a salvar algo. Ontem os Jardins do Palácio de Cristal, hoje que assinem por Tróia esse espaço de nós todos que agora foi entregue a interesses privados que não deixam desfrutar às pessoas aquilo que é de todos. Tempos difíceis estes em que até o mar alguns querem ter só para o seu usufruto egoísta.

    Deixo abaixo os links para a petição que vos peço para assinarem por Tróia e ainda um link para um filme premiado de Tiago Cravidão que mostra como os ofícios tradicionais do mar estão a ser destruídos porque está a ser roubado o mar aqueles que dele sempre viveram. Deixo também um link para a página da «Revista Rubra» que tem divulgado esta luta. É importante que toda a gente saiba disto e que toda a gente venha em defesa daquilo que é de todos nós.

    Petição por Tróia a enviar ao presidente da Câmara Municipal de Grândola.
    http://www.peticaopublica.com/?pi=P2009N186

    Filme de Tiago Cravidão:
    http://www.dailymotion.com/video/x9n0mb_o-mar-e-nosso_news

    Página da «Revista Rubra» com reportagens e notas sobre a campanha «O mar é nosso»
    http://www.revistarubra.org/?cat=5

Deixe o seu Comentário