Há um mês em greve da fome

Sexta-feira, 15 Agosto, 2008

O Ministério da Educação argelino abriu concurso para 27 mil colocações mas excluiu desse concurso os professores eventuais actualmente sem trabalho. Meia centena destes decidiram entrar em greve da fome em meados de Julho, reivndicando a integração no quadro de professores. No dia 4 de Agosto, após 21 dias de greve, 28 deles foram hospitalizados de urgência em estado comatoso. No dia 11, a polícia de Argel dispersou pela força uma concentração de apoiantes junto à Presidência da República. Os grevistas da fome declararam-se decididos a “ir até ao fim”. Sindicatos franceses e espanhóis estão solidários. O silêncio do governo argelino é total. O dos sindicatos portugueses também.






Deixe o seu Comentário