Arquivo da Categoria 'Cultura'

A linguagem politicamente correcta e a Tese XI sobre Feuerbach

António Louçã

politcorrecto_flipA mania obsessiva da linguagem politicamente correcta encobre geralmente uma negação da dialéctica e daquele preceito do “Manifesto” que recomendava assumir o interesse de conjunto da massa assalariada, e não apenas o interesse corporativo de uma das suas fracções.
Assim, os nacionalistas latino-americanos costumam enfurecer-se quando alguém fala de cidadãos dos Estados Unidos da América como “americanos”. Têm, claro, alguma razão, porque “americanos” são todos — também os sul- e os centro-americanos. Mas a alternativa que propõem (chamar aos cidadãos dos EUA “norte-americanos”) também tem inconvenientes: quando falamos de crimes de guerra norte-americanos, com razão podem sentir-se ofendidos os canadianos ou os mexicanos. Ler o resto do artigo »



Em memória de Alípio de Freitas

Alipio_flipMorreu Alípio de Freitas. Nos seus 88 anos de vida podem contar-se várias vidas. Nascido em Trás-os-Montes, foi padre. Viajou para o Brasil e empenhou-se, ainda como sacerdote católico, na luta dos pobres. Passou pela URSS e por Cuba. Regressou ao Brasil depois de 1964, já não como padre, e integrou a luta amada contra a ditadura. Foi preso em 1970 e torturado. Após 9 anos de cadeia, foi libertado na condição de apátrida. Rumou a Moçambique para junto dos camponeses pobres. Regressado a Portugal em 1983, participou nas acções populares e nas lutas da esquerda. Integrou, desde 2004, a Audiência Portuguesa do Tribunal Mundial sobre o Iraque.
No início deste ano, inúmeros amigos prestaram-lhe homenagem na forma de um livro — “Palavras de Amigos” (*) — com mais de uma centena de depoimentos. Como evocação do lutador incansável, deixamos aos leitores o texto em que Alípio de Freitas, nesse mesmo livro, conta em traços largos a sua própria vida. Ler o resto do artigo »



A actualidade de José Afonso

AJA assinala 30 anos da morte do poeta com várias iniciativas

Pedro Goulart

zeca_afonsoJosé Afonso — poeta, compositor, intérprete, resistente antifascista, militante da esquerda revolucionária, homem corajoso e homem solidário — continua hoje, 30 anos após a sua morte, a 23 de Fevereiro, como um forte exemplo, pelo difícil combate político que travou durante décadas da sua vida. Esta figura-chave da música popular portuguesa contribuiu decisivamente, com Os Vampiros, para a fundação do canto político no nosso país. E a sua Grândola Vila Morena permanece como um símbolo do derrube do fascismo em Portugal. Ler o resto do artigo »



Hoje, quinta-feira 23, 22h00 Sessão de música e poesia

Por iniciativa do MOB e do Comité de Solidariedade com a Palestina realiza-se uma sessão de música e poesia pelo duo Farah Chamma (poetisa palestiniana) e Yassin Basilic (músico greco-tunisino).
Farah Chamma escreve poesia em inglês, árabe e francês, usando uma variedade de estilos líricos e linguísticos. Viveu no Brasil e fala português. Tem desenvolvido a poesia performativa e a “palavra falada” (spoken word). Yassin Basilic toca flauta.
Local: MOB, Rua dos Anjos, 12b (metro Anjos).



Dito

Se [a civilização do mundo ocidental] está em crise, é preciso transformá-la. (…) Para isso deveriam servir os meios de comunicação de massas. Será que foram, até hoje, para isso utilizados? Evidentemente que não. Foram utilizados para fazer da opinião pública um enorme bloco de gelo, completamente petrificado. Somos como ursos brancos, vivemos uma civilização de ursos brancos, num décor de silêncio e frio.
Este desvio explica-se, como sempre, pela vontade que têm os privilegiados de conservar os seus privilégios frente à formidável vaga de conhecimentos que os ameaça. Ler o resto do artigo »



Lutas dos moradores, lançamento de livro

No dia 30 de Janeiro, pelas 18h30m, no Bar A Barraca, Jardim de Santos, é apresentado o livro Sem Mestres, nem Chefes, o Povo Tomou a Rua. Trata-se de um livro sobre as lutas dos moradores no pós-25 de Abril de 1974, da autoria de José Hipólito dos Santos, militante político-social de pendor libertário e bom conhecedor deste tipo de problemas. Edição da Letra Livre.



Livro

“A verdadeira morte de Amílcar Cabral”

António Louçã

amilcar_cabral_2Primeiro publicado em Outubro de 2012, depois reeditado em Março de 2014, o livro de Tomás Medeiros leva-nos, através do exemplo concreto de Amílcar Cabral, a uma reflexão muito mais ampla. No centro deste trabalho está a contradição de uma política que se quer revolucionária sem assentar no proletariado.
Não se trata, desde logo, de um convite abstracto à reflexão. O autor foi, em Angola, um dos fundadores do MPLA, e, em São Tomé e Príncipe, dirigente do MLSTP. Antes disso, desempenhou em Lisboa papel destacado na primeira coordenação de estudantes africanos, que se traduziram na influência inédita de uma corrente anticolonial à frente da Casa de Estudantes do Império. Privou nessa fase com figuras como Agostinho Neto, Marcelino dos Santos e o mais notável dos dirigentes africanos lusófonos, Amílcar Cabral. Ler o resto do artigo »



A Dominação e a Arte da Resistência

Trata-se de um livro de James Scott, professor de Ciência Política e de Antropologia, homem de pensamento libertário, que é um contributo importante para a compreensão das relações entre opressores e oprimidos. Nele, o autor propõe uma tese em que se salientam diversas formas de resistência dos grupos dominados, através da existência de um discurso, prático e escondido, em contraposição com aquilo que é o seu discurso público. Esta prática de alguns grupos (vide as relações escravos/senhores, intocáveis/brâmanes) traduz-se, por vezes, numa resistência passiva e clandestina, que em determinados momentos e em circunstâncias propícias, pode levar a um discurso público (desoculto) e à revolta. Edição Livraria Letra Livre.



Porto resistente

Manifestação da CGTP nos Aliados e Zeca Afonso na Casa da Música

Pedro Goulart

elescomemtudoEm 19 Outubro, dezenas de milhares de trabalhadores atravessaram a Ponte do Infante a pé, desfilaram pelas ruas do Porto e concentraram-se na Avenida dos Aliados. Durante o protesto organizado pela CGTP os manifestantes condenaram veementemente o Orçamento para 2014 e as políticas do governo, exigindo demissão deste. Aqui, ao contrário de Lisboa, não foi colocado qualquer obstáculo à passagem dos manifestantes a pé em cima de uma ponte.

Apesar da deslocação de milhares de trabalhadores dos distritos de Braga, Bragança, Viana do Castelo, Vila Real e Aveiro, o forte dos manifestantes provinha do concelho do Porto, assim como dos concelhos vizinhos. Além dos manifestantes da CGTP, estavam presentes trabalhadores de sindicatos independentes e outros não sindicalizados. Assim como vários militantes políticos de esquerda. Ler o resto do artigo »



Zeca Afonso, concerto no Porto 20 Outubro, 21h, Casa da Música, sala Suggia

No seu 26.º aniversário, a Associação José Afonso promove uma evocação da vida e da obra dessa figura-chave da música popular portuguesa que foi José Afonso. No concerto juntam-se alguns dos seus companheiros e uma nova geração que cresceu com o “poeta, andarilho e cantor”: António Capelo, Coro Vox Populi, Grupo AL-DUFFeiras, Francisco Fanhais, Grupo Vocal Canto Décimo, Grupo Vozes Ao Alto, João Afonso + Rogério Pires, João Lóio + Regina Castro, Manuel Freire, Orquestra Ligeira de S. Pedro da Cova, Rui Pato, Uxia (Galiza) + Sérgio Tannus, Guilhermino Monteiro (Direcção Musical). Entrada 10€, bilhetes à venda na Casa da Música.



Concerto de tributo a José Afonso

A Associação José Afonso (AJA) e a Reitoria da Universidade de Lisboa promovem, com o apoio do SPGL, no próximo dia 20 de Julho, um concerto assinalando os 50 anos da primeira edição de Os Vampiros. O concerto realiza-se na Aula Magna, em Lisboa, pelas 21h, e conta com a participação de Rogério Pires, Sérgio Caldeira, Pedro Syroh, José Fanha, o grupo Ensemble VOCT, Rui Pato, João Afonso, Manuel Freire, Luis Pastor, Lourdes Guerra, Pedro Fragoso e Francisco Fanhais.



O capitalismo num beco sem saída

Uma visão marxista da actual crise

Manuel Raposo

O Capitalismo num Beco Sem Saída (*) é o expressivo título de um livro, publicado este ano nos EUA, que analisa a presente crise do capitalismo mundial de um ponto de vista marxista. Centrado sobretudo na situação dos EUA, o livro mostra o significado da destruição de emprego e da sobreprodução numa era de alta tecnologia e grande produtividade do trabalho. Uma obra que, a partir da actualidade, aborda não apenas os aspectos económicos da crise mas também os movimentos sociais e políticos que ela está a gerar.
O autor, o norte-americano Fred Goldstein, colabora no jornal Workers World e publicou em 2008 uma outra obra, Capitalismo de Baixos Salários (**), em que aponta os efeitos do novo imperialismo globalizado e de alta tecnologia na luta de classes nos EUA. Ler o resto do artigo »



Homenagem a Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira

Dia 2 de Setembro, no Porto, nos Jardins do Palácio de Cristal, às 18h, é prestada homenagem a Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira, num espectáculo gratuito. A CulturePrint promove o Concerto e  apresenta o livro “Provas de Contacto”, com testemunhos sobre os dois Amigos Maiores que o Pensamento, compilando textos de Manuel Alegre, Alípio de Freitas, Francisco Duarte Mangas, João Pedro Mésseder, José Duarte, Regina Guimarães, Júlio Cardoso e Manuel Freire. No concerto participam: Coro dos Amigos Maiores, Frei Fado del Rei, Maestro António Victorino de Almeida, Miguel Leite e Os Contracorrente.



Para que não se percam os frutos da civilização

Intervenção no Congresso Marx em Maio – Perspectivas para o século XXI (conclusão)

Manuel Raposo

A crise do mundo capitalista martiriza em primeiro lugar e acima de tudo o proletariado. Mas começou também a atingir os privilégios das chamadas classes médias, o principal sustentáculo do poder nos países mais desenvolvidos. Que significado tem esse facto para o declínio das sociedades capitalistas e que efeitos políticos traz para a luta de classes? A crise capitalista põe a nu o processo de exploração em que assenta toda a sociedade e revela a natureza de classe dos valores e das instituições burguesas – Estado, democracia, violência. Como pode, então, o comunismo marxista propor ao proletariado a saída do círculo de giz do capitalismo? São as questões colocadas nesta última parte da intervenção feita no congresso Marx em Maio. Ler o resto do artigo »



Para que não se percam os frutos da civilização

Intervenção no Congresso Marx em Maio – Perspectivas para o século XXI (III)

Manuel Raposo

Se, como vimos nos capítulos anteriores, se verifica um bloqueio da acumulação capitalista e se a sociedade burguesa entrou numa fase senil, como se explica que não cresça, neste mundo em crise, o movimento revolucionário? As enormes mutações sociais no proletariado mundial; a dissolução ideológica do marxismo revolucionário no século XX, acompanhando o longo estertor da revolução soviética; e a ausência de um claro ataque político às bases do sistema capitalista – não sendo todas, serão seguramente algumas das razões desse impasse. Ler o resto do artigo »



Para que não se percam os frutos da civilização

Intervenção no Congresso Marx em Maio – Perspectivas para o século XXI (II)

Manuel Raposo

Nesta segunda parte da intervenção feita no congresso Marx em Maio realça-se a posição das correntes marxistas que mostram as raízes da actual crise mundial. Em vez de culparem o “neoliberalismo”, ou a financeirização do capital, como se a crise tivesse origem numa qualquer deriva ideológica das classes dominantes ou num entorse do capitalismo – aquelas correntes mostram a crise como resultado do próprio crescimento capitalista. É esse crescimento que, contraditoriamente, provoca a queda da taxa de lucro do capital e o declínio de todo o sistema. Ler o resto do artigo »



Para que não se percam os frutos da civilização

Intervenção no Congresso Marx em Maio – Perspectivas para o século XXI (I)

Manuel Raposo

Realizou-se de 3 a 5 de Maio deste ano, na Faculdade de Letras de Lisboa, um congresso designado Marx em Maio – Perspectivas para o século XXI, por iniciativa do Grupo de Estudos Marxistas daquela Faculdade. Foi uma importante ocasião para trazer o pensamento marxista a debate, sobretudo considerando a crise mundial que o capitalismo atravessa e a necessidade de reerguer a luta anticapitalista.
A intervenção que tive oportunidade de fazer será publicada por partes. Nesta primeira parte lembra-se como Karl Marx encarava o combate às contradições do capitalismo e defende-se a ideia de que a actual crise é uma radiografia do estado terminal a que chegou a civilização burguesa. Limitá-la às suas manifestações económicas é um dos vícios que bloqueia o crescimento de um movimento revolucionário. Ler o resto do artigo »



Aldina Duarte por Manuel Mozos

Aldina Duarte, Princesa Prometida, é um cúmplice e excelente documentário de Manuel Mozos centrado sobre a vida desta importante fadista dos nossos dias. No documentário, além de nos brindar com a força telúrica da sua voz, Aldina Duarte expõe-se como uma mulher consciente e corajosa, que não esquece as suas raízes e assume publicamente uma opção de classe. Mesmo que possa persistir alguma ingenuidade da artista (afirmado por uma espectadora no debate que se seguiu à passagem do documentário na Malaposta), tal é largamente compensado pelo humanismo e generosidade que Aldina tem revelado ao longo de algumas das suas entrevistas.



Celebrar Zeca e Adriano

O movimento Amigos Maiores que o Pensamento, com mais de 460 adesões individuais e 120 colectivas, escolheu as escadas da Casa da Música, no Porto, para arrancar com a celebração da vida e obra de José Afonso e Adriano Correia de Oliveira. Na passada terça-feira, ouviram-se os bombos do grupo Ritmo de Fogo, seguidos da actuação dos Canto D’Aqui. “José Afonso e Adriano Correia de Oliveira foram exemplos de cidadania política, cultural e social. Tinham uma capacidade de intervenção indiscutível que, ainda hoje, pode e deve servir de estímulo para todos quantos não abdicam das causas da liberdade e da dignidade humana”, lê-se no Manifesto do movimento. Consulta o site.



Festa SOS Racismo

Para comemorar o seu 20.º aniversário, o SOS Racismo organiza de 7 a 10 de Dezembro uma festa contra o racismo sob o tema “Um planeta muitas culturas”, com um vasto programa de música (Tito Paris, João Afonso, Couple Coffee, Maria Viana, entre muitos outros) e ainda cinema, teatro, fotografia, performances, poesia, literatura, exposições. As diferentes iniciativas decorrem na Cinemateca Portuguesa (dia 7) e no Clube Ferroviário, em Santa Apolónia (nos restantes dias).



Projecto para Abril e Maio

Na sede do núcleo do norte da Associação José Afonso (dia 29, às 21h30), será dado o pontapé de saída ao projecto “Ocupar Abril, tomar de assalto o mês de Maio”, proposto pela AJA-N. Pretende-se com a iniciativa encher os meses de Abril e Maio de 2011 com actividades descentralizadas que celebrem datas, eventos, acontecimentos, homens, mulheres, factos, épocas, etc., que tenham contribuído para o desenvolvimento da humanidade, para tornar o mundo mais livre, mais justo, mais fraterno e solidário. O núcleo da AJA convida pessoas e organizações a estarem presentes na reunião, ou a apoiarem a ideia da forma que entenderem, para que o projecto possa ser partilhado o mais amplamente possível.



Saramago

MV

saramago_site.jpgJosé Saramago foi um grande escritor e assim permanecerá. Pouco ou nada haverá a dizer contra isso, a não ser por questões de gosto pessoal ou dor de cotovelo.

Mas entre o escritor e o homem político vai uma diferença. As suas posições políticas mais recentes – toleradas pelo PCP certamente à conta da sua posição de intocável – mostram que um grande escritor, ou um grande artista, não é forçosamente um grande político. Os critérios para aquilatar dos méritos do escritor e dos méritos do político são diferentes. A história fornece-nos exemplos de sobra disto mesmo. Ler o resto do artigo »



Canto de Intervenção em Setúbal

zecaafcantointervsetubal_jpg.jpg
Sábado, 8 de Maio, pelas 21h, na Sociedade Filarmónica Capricho Setubalense, a Associação José Afonso (AJA Norte) promove mais um Canto de Intervenção, em que actua o cantor Tino Flores, integrado no conjunto de iniciativas que esta Associação tem levado a cabo a propósito da comemoração do 80.º aniversário do nascimento do Zeca Afonso. Comparece.



“Maneiras Cooperativas de Pensar e Agir”

Acaba de sair, nas Edições Universitárias Lusófonas, um livro de José Hipólito Santos com este título. Além das referências autobiográficas ao autor, nomeadamente ao seu papel no movimento cooperativo, encontramos abundantes elementos que ajudam a caracterizar este movimento entre nós, no século XX. E, entrelaçada com esta maneira de pensar e de agir, uma certa resistência antifascista em Portugal. O autor, tal como António Sérgio, defende a possibilidade do “reino da liberdade mesmo no interior do reino da necessidade”.



“Minha pátria é o mundo inteiro”

Acaba de sair um livro de pesquisa histórica sobre o militante anarquista Neno Vasco. É da autoria do historiador brasileiro Alexandre Samis e trata-se de uma obra editada pela Livraria Letra Livre. Neno Vasco (1878-1920) foi um destacado militante e intelectual anarquista, com importante intervenção na imprensa sindicalista portuguesa e brasileira da época, sendo também autor de “A Concepção Anarquista do Sindicalismo”. Por ocasião do 90.º aniversário da CGT (Confederação Geral dos Trabalhadores) e do jornal A Batalha, esta é uma iniciativa que visa dar um contributo para o conhecimento da história do anarco-sindicalismo em Portugal.



Cantar Zeca Afonso

No dia 22 de Fevereiro, pelas 16h30m, na Academia de Santo Amaro, em Alcântara, realiza-se uma sessão comemorativa do 22.º aniversário da morte de José Afonso, em que será celebrada a memória do poeta e militante exemplar que o Zeca foi. Entre outros, participam Francisco Fanhais e os Cantadores de Rusga. Alexandre Castanheira declama Ary dos Santos.



Harold Pinter

A voz desassombrada do dramaturgo e activista político

haroldpinter.gifNascido em 1930, em Londres, faleceu no passado dia 25, o grande dramaturgo (Prémio Nobel da Literatura, em 2005) e activista político Harold Pinter. Foi poeta, romancista e ensaísta, mas ficou particularmente conhecido pelas suas peças de teatro. As acusações sem rodeios que fez a Bush e a Blair acerca da guerra contra o Iraque são de toda a actualidade diante do massacre dos palestinianos de Gaza. Ler o resto do artigo »



Projecto associativo inter-bairros

Rap Acção Directa / MV

rapaccaodirecta.jpgDe 28 de Julho a 2 de Agosto, as associações Freestylaz e Khapaz, em conjunto com vários colectivos da Cova da Moura, Monte Caparica, Outorela, Portela, Barronhos, Laranjeiro, Arrentela, Musgueira e Almada, promoveram um encontro no CENTA (na Tapada da Tojeira, Salgueiral, junto a Vila Velha de Ródão). A iniciativa foi proposta em conversas informais, por diversas sedes e espaços, sendo determinada a sua necessidade da forma mais lata possível para que todos os intervenientes exerçam funções no seu planeamento e execução. Ler o resto do artigo »



“Ele era o nosso coração e a nossa língua”

Morreu o grande poeta palestiniano Mahmoud Darwish

José Mário Branco / AP / Wikipedia

darwish1_72dpi.jpgNa sequência de uma delicada operação ao coração, morreu este sábado, em Houston (Texas, EUA), o grande poeta palestiniano Mahmoud Darwish, com 67 anos de idade. É sem dúvida uma grande perda, para o povo palestiniano, para a cultura árabe e para a cultura universal.

Nascido em 1941 na aldeia de Al-Birwa (na Galileia), fugiu com os pais para o Líbano aos 6 anos de idade quando os habitantes foram expulsos pelos sionistas em 1948. Ler o resto do artigo »



FICA: dinheiros públicos para os audiovisuais privados

Salazar, M.S. Fonseca e o negócio da “cultura”

Cândido Guedes / Youri Paiva

salazar72dpi.jpgDecididamente, com a ajuda do “concurso” que a RTP inventou no ano passado para determinar “o maior português de sempre”, está na moda o ditador fascista Salazar. Uma sequência de acontecimentos culturais inteligente e oportuna (não veio Salazar, em 1932, “salvar Portugal da crise”? e não estamos nós “em crise”?) veio, a seguir a esse “concurso”, pôr a render os “aspectos humanos” do homem que nos impôs o analfabetismo, a opressão religiosa, o atraso económico, a Pide, o campo de concentração do Tarrafal e milhares de mortos em 13 anos de guerra colonial. Nomeadamente Os meus 35 anos com Salazar, da afilhada do ditador Maria da Conceição Rita e de Joaquim Vieira, e o livro da jornalista Felícia Cabrita Amores de Salazar. Ler o resto do artigo »



Arte comprometida com o destino dos povos

Uma denúncia "da forma leve como os ocidentais digerem os seus crimes"

Manuel Monteiro

eurico-carrapatoso_72dpi.jpgEstreou ontem, dia 18 de Março, no Centro Cultural de Belém, a obra musical “Stabat Mater”, versão do compositor português Eurico Carrapatoso. O texto é sobre a dor de uma mãe (a mãe de Cristo).
Em entrevista dada ao Diário de Notícias, e em declarações à Antena 2 da RDP, Eurico Carrapatoso assinalou “a actualidade da mensagem, porque há muitas mães dolorosas”, referindo “as que continuam a perder os filhos em conflitos armados”. E concretiza: “as mães iraquianas que perderam milhares de filhos desde o início da intervenção norte-americana, um crime horrendo de mutilação e assassínio bárbaro”. Ler o resto do artigo »



Rivoli: de centro cultural a centro comercial

Um Rio de dinheiro para La Féria, em troca de quê?

M. Gouveia

rivoli2reduz.jpgOs negócios pouco transparentes legitimam todas as suposições. E na sociedade em que vivemos, adoradora de um só e único deus, o dinheiro, os poderosos nada fazem à borla. Está nos genes do capitalismo. La Féria e os seus espectáculos têm uma determinada função social, cuja utilidade é reconhecida e paga pela classe no poder. Ler o resto do artigo »