Arquivo da Categoria 'Mundo'

EUA: um orçamento de guerra da era Obama

Manuel Raposo

obama-orcamento-pentagono.jpgO orçamento norte-americano para 2011, que entra em vigor em Outubro próximo, foi apresentado pela Administração Obama em inícios de Fevereiro. A proposta suspende muitos dos gastos correntes, mas não todos. A Defesa vai beneficiar de mais 2%, atingindo o montante de 700 mil milhões de dólares, além de mais 33 mil milhões que Obama conta obter do Congresso para as tropas recentemente enviadas para o Afeganistão. Apesar da crise (ou por isso mesmo), o imperialismo norte-americano não perde o tino sobre as suas prioridades. Ler o resto do artigo »



Na sequência das eleições de 7 de Março

Uma nova onda sectária ameaça o Iraque

Manuel Raposo

eleicoesiraque_web.jpgAinda não se conhecem os resultados definitivos das eleições iraquianas de 7 de Março, mas conhecem-se já alguns dos efeitos, de certo modo esperados: acesas acusações de fraude e uma vaga de prisões da parte do governo ainda em funções visando os adversários políticos, sobretudo os candidatos sunitas eleitos. A oposição ao primeiro-ministro Al-Maliki acusa-o de usar as forças de segurança para afastar os rivais mais importantes, num esforço para derrotar a coligação oposicionista de Ayad Alawi que tem, pelos resultados conhecidos, uma estreita vantagem de dois deputados. Mas, mais do que esta guerra de seitas, tem interesse ver em que condições decorreram estas eleições e que efeitos podem provocar na atitude dos EUA. Ler o resto do artigo »



Mais de 4 milhões de desempregados em Espanha

Manuel Raposo

desempregoespanha_web.jpgO desemprego em Espanha ultrapassou em Janeiro os quatro milhões de trabalhadores. Se porém forem tidos em conta os números do Inquérito à População Activa (EPA) o desemprego terá atingido uma cifra superior a 4.300.000 pessoas no final do ano passado. De Dezembro para Janeiro foram registados mais 124.890 desempregados o que significa mais de 4 mil pessoas despedidas por dia. Ler o resto do artigo »



Brigadas de limpeza

A Defensoria do Povo de Buenos Aires acusou o governo da capital argentina de expulsar os sem-abrigo das ruas por meios violentos. Foram apresentadas em CD provas de maus-tratos a pessoas isoladas e da expulsão de 103 famílias de um edifício. Uma chamada Unidade de Controlo do Espaço Público (encarregada também de retirar cartazes considerados ilegais e de atender denúncias) é o instrumento desta repressão. Vários elementos da UCEP são vistos nos CD a pontapear uma mulher grávida e a insultar outros sem-abrigo. A directora de um centro de estudos sociais disse que os elementos da UCEP “saem à noite, sem identificação, não fazem autos e tratam as pessoas como se fossem coisas”.



“Inquéritos” israelitas

Apertado pelas provas de um relatório da ONU sobre crimes de guerra cometidos na Faixa de Gaza, o governo israelita admitiu ter usado fósforo branco contra a população palestiniana. Mas daí não resultam medidas sérias. Com a habitual impunidade, Israel reduziu a questão a “excessos” de dois oficiais, quando se sabe que este e outros procedimentos criminosos foram prática corrente e resultam de orientações dadas ao mais alto nível. Com o habitual cinismo, o governo israelita informou ter aberto 150 inquéritos; desses, só 36 seguiram para investigação criminal; e finalmente apenas um resultou em condenação: um soldado apanhou 7 meses de prisão por roubar cartões de crédito a um palestiniano.



Gregos não cedem

“Revoltem-se para que as medidas não sejam aplicadas”, apelam sindicalistas

Pedro Goulart

grecia_web.jpgEm 24 de Fevereiro, muitos milhares de trabalhadores, reformados e estudantes manifestaram-se por toda a Grécia. Milhares de fábricas, empresas diversas, locais de construção, portos, aeroportos, hospitais e escolas encerradas ou trabalhando a conta-gotas. Só em Atenas foram algumas dezenas de milhares os manifestantes. Combatem principalmente as medidas de austeridade que o governo grego, pressionado pela Comissão Europeia, quer impor a quem trabalha em nome do défice e da dívida pública.
Ontem, dia 3 de Março, centenas de sindicalistas invadiram o ministério das Finanças e estenderam na fachada do edifício uma faixa onde diziam: “Revoltem-se para que as medidas não sejam aplicadas!” Ler o resto do artigo »



EUA invadem Haiti

Washington deu prioridade à reorganização militar, em detrimento da ajuda humanitária e de emergência

Cristina Meneses / John Catalinotto, Workers World

haitieua_72dpi.jpgA coberto de uma missão “humanitária”, os EUA ocupam o Haiti: a um exército de 13 mil homens em terra e no mar juntar-se-á, muito em breve, um efectivo de mais 4 mil. A máquina de guerra dos EUA avança com a “propaganda” a seu lado.
A 27 de Janeiro, o semanário norte-americano Workers World mostra a realidade. Duas semanas depois da catástrofe que se abateu sobre o Haiti, deixando o país sem governo, polícia ou missão militar das Nações Unidas, os EUA asseguraram a ocupação do Haiti, com o objectivo de restabelecer a ordem pela força. As forças armadas dos EUA tomaram o palácio presidencial, os bancos, o aeroporto de Port-au-Prince e os portos. No dia 14 de Janeiro, as forças norte-americanas garantiram o controlo do tráfego aéreo; na única pista em funcionamento podem aterrar 120 aviões por dia mas há 1 400 aviões que aguardam autorização dos EUA. Ler o resto do artigo »



Greve geral une trabalhadores turcos

Em solidariedade com 12 mil trabalhadores ameaçados de despedimento

Urbano de Campos

tekel.jpgCerca de dois milhões de operários e outros trabalhadores turcos levaram a cabo, em 4 de Fevereiro, uma greve geral de um dia em apoio à luta dos trabalhadores da Tekel, a empresa pública que detém o negócio de tabacos e álcool. As doze fábricas que integram a Tekel foram vendidas pelo governo turco à multinacional norte-americana British American Tobacco e os seus 12 mil trabalhadores estão ameaçados de cortes salariais, despedimentos, de passarem à condição de precários e de ficarem impedidos de se organizarem. Ler o resto do artigo »



Trabalhadores gregos em luta

Milhares de trabalhadores da função pública, em greve, manifestaram-se dia 10 no centro de Atenas e Salónica. Foram gravemente afectados os serviços de saúde, os hospitais, as escolas públicas, os caminhos-de-ferro e os aeroportos. Os trabalhadores lutam contra as medidas de austeridade que o governo grego, pressionado pela Comissão Europeia, quer impor a quem trabalha. Entre as gravosas medidas previstas salienta-se: redução do salário real, restrições à contratação e supressão de benefícios fiscais. Uma das palavras de ordem dos manifestantes, também conhecida entre nós: “Os ricos que paguem a crise”. No dia 24, são os trabalhadores do sector privado que estarão em luta.



Haiti – um povo em sofrimento

Grande parte da tragédia radica na situação económica e social há muito vivida no país

Pedro Goulart

haiti_web.jpgPrimeiro, a nossa reacção de horror face à catástrofe sísmica que se abateu sobre o povo haitiano. Com cidades arrasadas e centenas de milhares de mortos e feridos (com mais de 150 mil mortos e cerca de 2 milhões de vítimas). Depois, um forte sentimento de solidariedade com este povo oprimido e faminto. E o nosso olhar impotente face à sua luta desesperada pela sobrevivência.
Mas, também, a nossa compreensão de que o grau de destruição e morte no Haiti não pode ser atribuído apenas à magnitude do sismo. Que parte significativa dos trágicos resultados radicam na grave situação económica e social há muito vivida naquele país caribenho, com grande parte da habitação mal construída ou degradada e uma quase total falta de infra-estruturas, elementos incapazes de resistir minimamente à catástrofe. Ler o resto do artigo »



Israel e os “povos inferiores”

António Louçã

grandeditadorchaplin_72dpi.jpg“Reparem que ele está sentado numa cadeira mais baixa e nós estamos nas mais altas, que apenas existe [na sala] uma bandeira israelita e que não estamos a sorrir”.
Com estas palavras, em hebreu, Danny Ayalon dirigiu-se aos jornalistas que tinham vindo fazer a cobertura da sua entrevista com um diplomata turco convocado, em 11 de Janeiro, para receber um protesto israelita. Ayalon não é qualquer irresponsável: é o vice-ministro israelita dos Negócios Estrangeiros e braço direito do ministro Avigdor Liebermann, também ele conhecido como extremista e racista. Ler o resto do artigo »



Contra a tortura em Espanha

Não à extradição dos independentistas bascos

Carlos Completo

rubalcabaruipereira_web.jpgPerseguidos pela Guardia Civil em Espanha, Garikoitz Garcia e Iratxe Yañez entraram em Portugal, por Trás-os-Montes, onde foram presos pela GNR. Foi uma “coordenação espectacular” disse Pérez Rubalcaba, o ministro espanhol das polícias, ao referir-se à rápida detenção pela GNR dos dois independentistas bascos. “Agradeço a Portugal e às suas forças de segurança, pela sua eficácia”, acrescentou ainda Rubalcaba. As palavras do ministro espanhol são, no fundo, o reconhecimento da crescente cumplicidade repressiva entre as autoridades portuguesas e espanholas. Ler o resto do artigo »



Bilbau: manifestação pelos presos políticos bascos

Milhares de manifestantes (muitos deles idos de outras localidades de Espanha) desceram às ruas de Bilbau, no dia 2 de Janeiro, convocados por organizações políticas e sindicais. Isto, apesar da proibição e das manobras do Ministério do Interior, com o ministro Rubalcaba a anunciar um sequestro ou um atentado da ETA, visando a desmobilização da esquerda independentista. Os manifestantes criticaram a criminosa política penitenciária do Estado espanhol, defenderam os direitos dos presos bascos e reivindicaram a sua ida para o País Basco. Entretanto, prossegue o debate sobre o futuro entre as diversas forças da esquerda independentista basca.



Nada a comemorar

Muro de Berlim acabou há 20 anos

Manuel Raposo

muroberlim_web.jpgComo Afonso Gonçalves assinala no artigo Berlim em 2009 (publicado em baixo), foi triste a festa com que a burguesia de todo o mundo pretendeu comemorar os vinte anos do derrube do muro. Retomo o tema reforçando a ideia de que a crise do capitalismo esvaziou a festa de qualquer sentido; e dizendo que, em toda esta história, o muro foi uma mera medida defensiva de um regime decadente, sujeito a uma ofensiva sistemática das potências capitalistas. Ler o resto do artigo »



Berlim em 2009

Afonso Gonçalves

muroberlim2_web.jpgFoi com festejos e alguma pompa que a burguesia de todo o mundo ocidental, acompanhada pela Rússia e restantes países da ex-URSS, comemoraram os vinte anos do derrube do Muro de Berlim. Em contrapartida os saudosistas da URSS viram nisso um lamentável acto de propaganda do imperialismo.
A festa, no seu balanço final, foi triste e um retumbante fiasco porque, entretanto, decorreram vinte anos cujas expectativas de melhores condições de vida trazidas pela conquista da democracia se transformaram numa enorme desilusão para os cidadãos dos países do leste europeu. Ler o resto do artigo »



Mais 30 mil

Manuel Baptista

obamaafghanistan_web.jpgPerante um eleitorado democrata que pensa, por dois terços, que a guerra não merece a pena ser combatida, Obama envia o segundo reforço de tropas para o Afeganistão, menos de um ano após tomar posse, isto apesar da situação do emprego e do défice catastrófico.
Não se trata de «mau aconselhamento técnico» do seu gabinete. Trata-se sim de uma clara fuga para a frente, sem outro fim que não seja evitar um colapso completo e uma retirada sem glória. Ler o resto do artigo »



Louco?

O italiano Massimo Tartaglia agrediu Silvio Berlusconi na cara com uma miniatura da catedral de Milão, cortando-lhe um lábio e partindo-lhe alguns dentes. Os jornais e a televisão arrumam o caso dizendo que Massimo é louco. Mas resta saber a ligação do acto com as constantes malfeitorias de Berlusconi (repressão de trabalhadores, perseguição a imigrantes, atentados às liberdades) ou com o desespero gerado pela frouxa e “civilizada” oposição institucional em Itália. Louco ou não, Tartaglia fez o que muitos italianos (e outros pelo mundo fora) gostariam de fazer. Pelo menos, teve o mérito de quebrar a imagem de impunidade e de intocabilidade que o mafioso até agora ostentava.



Solidariedade com Aminetu Haidar

Manuel Raposo

aminetuhaidar_72.jpgAminetu Haidar, uma mulher sarauí impedida pelas autoridades marroquinas de entrar no seu país, está desde 15 de Novembro em greve de fome no aeroporto de Lanzarote, Espanha, para onde foi recambiada depois de detida, interrogada e privada do passaporte. O seu protesto é contra a arbitrariedade a que foi sujeita mas também contra a ocupação do Sara Ocidental por Marrocos e pela Mauritânia desde 1975. Ler o resto do artigo »



O que Obama não disse: há apenas 100 combatentes da Al Caida no Afeganistão

ABCNews/Manuel Raposo

karzai_72.jpgBarack Obama decidiu enviar mais 30 mil soldados para o Afeganistão, a um custo de 30 mil milhões de dólares por ano, justificando a medida com o que chamou o “cancro” da Al Caida. De acordo com um artigo publicado em 2 de Dezembro pela ABCNews, Obama omitiu um facto importante: os serviços secretos norte-americanos reconhecem que há apenas cerca de 100 membros da Al Caida no país inteiro. Ler o resto do artigo »



O boicote a Israel tomou balanço há um ano e cresce rapidamente

Três perguntas a Robert Bibeau

Manuel Vaz

bibeau_web.jpgRobert Bibeau, funcionário aposentado do Ministério da Educação do Quebeque, é um especialista em questões de educação e projectos educativos através da rede Internet. Dirige, desde Abril 2009, o grupo Samidoun (Resistência) que no Quebeque tem vindo a apoiar o movimento de boicote contra Israel, denominado BDS. Com efeito, em 2005, 170 organizações da sociedade civil palestiniana decidiram lançar um apelo mundial de boicote, que designaram BDS (Boicote, Desinvestimento, Sanções). Em véspera do dia 27 Dezembro 2009, data do primeiro aniversário do massacre de Gaza que fez 1 300 mortos e mais de 5 mil feridos numa vintena de dias, procuramos, com Robert Bibeau e em 3 perguntas, delinear os objectivos do movimento de boicote e estabelecer um primeiro balanço geral. Ler o resto do artigo »



Grécia rebelde

Assinalando o primeiro aniversário do assassinato do jovem Alexandros Grigoropoulos pela polícia, milhares de estudantes, professores e outros trabalhadores vieram para as ruas de Atenas e de outras cidades gregas manifestar-se (como há um ano) contra a repressão e as más condições sociais vividas neste país, nomeadamente o desemprego. Dos confrontos violentos entre manifestantes e polícias já resultaram numerosos feridos de um e outro lado e quase mil manifestantes presos. Solidariedade com a luta (que continua) dos trabalhadores e estudantes gregos.



A escravatura não acabou

Francisco Colaço Pedro

escravatura.jpgA “crise” mundial está a fazer crescer o apetite pelo trabalho escravo: a cada dia que passa, milhares de pessoas são vendidas e forçadas a trabalhar ou a prostituir-se. O tráfico de seres humanos, escravatura dos tempos modernos, está a aumentar por todo o Mundo. A maior parte das histórias não são tão espectaculares – e não têm final feliz. Ler o resto do artigo »



Dubai: o capitalismo em sobressalto

Pedro Goulart

dubaitowers.jpgBastou que o grupo Dubai World, sob controlo do governo do Dubai, pusesse em causa a amortização atempada das suas emissões obrigacionistas (no valor de 40 mil milhões de euros), para que as praças financeiras mundiais entrassem em depressão. Os estragos causados pela recente “crise financeira” mundial estão ainda bem presentes e os investidores permanecem nervosos.

O Emirado do Dubai é um dos sete que constituem os Emirados Árabes Unidos, cuja federação mantém relações fortes com os países capitalistas ocidentais, particularmente com o Reino Unido e os EUA. Ler o resto do artigo »



SOS Honduras

Organizações portuguesas exigem à Cimeira Ibero-Americana reunida em Lisboa condenação dos golpistas hondurenhos

hondurasgolpe_72dpi.jpgTrês dezenas de organizações portuguesas (cívicas, políticas, sindicais) lançaram um apelo aos chefes de estado e de governo reunidos em Lisboa na XIX Cimeira Ibero-Americana (que decorre neste fim-de-semana) para que, de forma clara e sem ambiguidades, condenem o golpe militar levado a cabo nas Honduras em 28 de Junho passado. A mensagem denuncia os preparativos dos golpistas para se legitimarem no poder através da convocação de eleições que não oferecem garantias de liberdade.
Em Julho deste ano, um mês depois do golpe, as mesmas organizações convocaram um protesto de repúdio pelo golpe militar, associando-se à movimentação internacional pelo restabelecimento pela legalidade nas Honduras. Na altura, o protesto apontou as responsabilidades dos EUA nos acontecimentos, mostrando que o golpe faz parte duma ofensiva das forças reaccionárias e imperialistas para contrariar os avanços de vários povos do continente americano na defesa da sua soberania e de sistemas sociais mais justos e igualitários. Ler o resto do artigo »



Estado espanhol: repressão continua

Na vizinha Espanha, para além das altas taxas de desemprego e da exploração desenfreada de imigrantes, mantém-se elevada a repressão. Na mira, novamente os independentistas. Na madrugada do dia 24, mais de 650 polícias e magistrados desencadearam uma mega operação no País Basco e em Navarra, detendo 35 jovens e “visitando” 92 locais – residências e estabelecimentos diversos, incluindo associações de moradores. Segundo o governo espanhol (do “socialista” Zapatero) e o seu aparelho judicial, estes jovens estariam ligados à organização juvenil Segi, que por sua vez estaria ligada à Batasuna, que por sua vez estaria ligada à ETA.



Boicote e resistência: Israel e África do Sul

Nadine Rosa-Rosso

israel-barcode.jpgO boicote a Israel é uma palavra de ordem muito antiga. Nos anos 80, os anti-imperialistas boicotavam tanto as toranjas de Jaffa ou os abacates de Carmel, como as laranjas de Outspan ou as maçãs do Cabo. O que hoje torna o boicote a Israel mais massivo e popular é acima de tudo o massacre selvagem da população de Gaza pelo Tsahal (as Forças armadas de Israel) e a resistência encarniçada dos combatentes palestinianos. A vitória da resistência libanesa de 2006, dirigida pelo Hezbollah, preparara já a mudança na opinião internacional.
A luta pela abolição do apartheid na África do Sul pode servir de referência à actual luta pela Palestina, na condição de que a respectiva história seja fielmente reconstituída. E, nessa história, o papel do boicote internacional deverá ser correctamente avaliado. Ler o resto do artigo »



Cimeira da NATO em Edinburgo

Em busca de saída para o desastre no Afeganistão

Manuel Baptista

afghanistan_war_72dpi.jpgNo momento da cimeira parlamentar da OTAN/NATO em Edimburgo e à beira de um desastre militar, igual em repercussões à enorme derrota dos EUA no Vietname, os altos dirigentes do «império global» tentam desesperadamente uma solução.
É uma armadilha onde eles próprios se foram colocar e onde se enterraram ao longo de oito anos de guerra criminosa e que serviu exactamente o oposto do seu propósito declarado. Ler o resto do artigo »



EUA: que Forças Armadas?

Não é apenas a destruição e a morte que as Forças Armadas norte-americanas levam a diversas partes do mundo. As consequências materiais e morais de tais actos atingem os próprios EUA e mesmo o interior das suas Forças Armadas. Só desde Janeiro de 2009, já se suicidaram nos EUA 140 militares no activo e 71 na reserva. E, por vezes, militares descontentes com as acções de guerra promovidas pelo seu país descarregam o descontentamento ou o desespero sobre os colegas. Foi, por exemplo, o que recentemente aconteceu com o ataque levado a cabo na base americana de Fort Hood, Texas, em que o major Nidal Hassan atirou sobre dezenas de pessoas, matando 13 delas.



Cesare Battisti em greve de fome

Preso há mais de dois anos no Brasil e tendo obtido refúgio político neste país há cerca de um ano, Cesare Battisti iniciou uma greve de fome contra a sua eventual extradição para Itália. Em carta a Lula da Silva, Battisti coloca a sua vida nas mãos do presidente brasileiro. A extradição está dependente da decisão do conservadorismo empedernido do Supremo Tribunal Federal brasileiro que, assim, poderá entregar este preso político nas mãos do fascistóide Berlusconi. Além do mais, tal entrega representaria um recuo no campo dos direitos humanos, desrespeitando o direito ao refúgio e ao asilo político. Solidariedade com a luta de Cesare Battisti!



França

Altos e baixos voos da família Dassault

Estreitas ligações entre poder, eleições e material de guerra

Manuel Vaz

marcel_dassault_1914.jpgPara ganhar o apoio da populaça, Nero organizava festas e oferecia presentes ao seu redor. Suetónio (69-141 D.C.) na sua obra As vidas dos doze Césares, descreveu uma dessas festas oferecidas pelo imperador romano, nestes termos: “dia-a-dia chovia sobre a multidão uma braçada de presentes dos mais variados: diariamente um milhar de pássaros de todas as espécies, víveres diversos, cupões dando direito a sacos de farinha de trigo, muita roupa, oiro, prata, pedras preciosas, pérolas, quadros de pintura, outros cupões dando direito à aquisição de escravos, bestas de carga, e mesmo animais selvagens domesticados e, por último, navios, casas e propriedades agrícolas”.
O pai Dassault, Marcel (1892-1986), fabricante de aviões de guerra, também comprava a populaça como o fazia Nero; não dava tanto nem tão variado, mas o objectivo era o mesmo. Ler o resto do artigo »



Ainda sobre o Nobel de Obama

Para a Academia Sueca a paz passa pela guerra

Manuel Raposo

obamanobelprize_72dpi.jpgO Prémio Nobel da Paz vale o que vale. Mais do que qualquer outro, tem-se prestado a todo o tipo de manipulações por parte das potências que influenciam a supostamente isenta Academia Sueca.
Só para referir as últimas décadas, o Nobel da Paz foi parar às mãos de pessoas como Henry Kissinger (1973), responsável pela condução da guerra do Vietname nos anos finais. Le Duc Tho, o dirigente norte-vietnamita da altura, também distinguido, recusou o prémio. Kissinger foi acérrimo defensor das ditaduras na América Latina. Era conselheiro de Nixon para a Segurança Nacional quando a CIA organizou, em 1973, o golpe militar no Chile contra Salvador Allende. Ler o resto do artigo »



Morte não é anomalia, anomalia é não pagar a renda de casa

Manuel Vaz

hlm_poissy_72.jpgAconteceu em Poissy. José Gomes Macedo, 62 anos, português imigrado em França, operário da construção civil, apareceu morto em casa. Apenas deram por ele dois anos depois de ter morrido.

Poissy lembra imediatamente Peugeot, o grupo PSA Peugeot Citroën. Uma cidade na cidade: 180 hectares onde se fabricam 1500 automóveis por dia, onde trabalham 12 mil assalariados. Ao redor, as torres e as bandas de alojamentos sociais HLM para os operários da fábrica, desterrados dos quatro cantos do mundo. De permeio muitos imigrantes portugueses. Ler o resto do artigo »



“Piratas” da Somália

Uma luta por condições de vida mais dignas

Anónimo internet / MV

somalia_72crop.jpgOs “piratas” da Somália, nas suas embarcações precárias, são perseguidos por navios de mais de 12 nações, dos EUA à China. Aqueles que os governos “ocidentais” rotulam como “uma das maiores ameaças do nosso tempo” são oriundos de um dos países mais miseráveis do planeta.
O mundo ocidental encontrou nos mares da Somália o local ideal onde descarregar lixo nuclear. Além disso, a Europa, que esgotou os recursos naturais das suas águas, rouba anualmente milhões de euros de atum, camarão e lagosta, nas costas da Somália, enquanto os pescadores locais passam fome. Quando os “piratas” se intrometeram no caminho pelo qual passa 20% do petróleo do mundo… imediatamente a Europa despachou para lá os seus navios de guerra. Ler o resto do artigo »



Noruega: universitários pelo boicote a Israel

O jornal francês Le Monde noticiou que a universidade norueguesa das ciências e da tecnologia (NTNU), a segunda do país, vai pronunciar-se no dia 12 de Novembro sobre uma proposta de boicote académico a Israel apresentada em carta aberta por cerca de 30 universitários. A carta acusa as instituições universitárias israelitas de terem “papel chave na política de opressão” e defende a pressão sobre Israel até que “seja posto termo à ocupação dos territórios palestinianos”. Esta iniciativa vem na sequência de campanhas semelhantes lançadas na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, seguindo o exemplo do boicote académico decretado contra a África do Sul no tempo do apartheid.



O direito a ter direitos

Um milhar pessoas participou, dia 17, numa manifestação em Madrid pedindo a revogação da nova Lei de Imigração, considerada um grave retrocesso para os direitos dos imigrantes. Os manifestantes, convocados por quase 70 associações de apoio aos imigrantes, percorreram as ruas da capital espanhola exibindo, entre outras, uma faixa com os dizeres “Paremos a reforma da Lei de Imigração. Temos direito a ter direitos”. O protesto decorreu ainda em mais nove cidades espanholas. A reforma da lei, segundo os organizadores, “consolida uma visão eminentemente policial da gestão das migrações, ligando perigosamente a crise à imigração”. Em Espanha, dos quase 46 milhões de habitantes 12% são imigrantes.



“O sistema capitalista está esgotado”

Três perguntas a Nadine Rosa-Rosso

Manuel Vaz

nadine1_web.gifEm Janeiro de 2009, Nadine Rosa-Rosso (1) participou em Beirute no Fórum internacional pela resistência, o anti-imperialismo, a solidariedade dos povos e as alternativas. A sua intervenção incidiu sobre o tema, “A esquerda e o apoio à resistência” (2). No mês seguinte, começou a trabalhar na proposta concreta que lançou em Beirute: uma campanha europeia para retirar a organização palestiniana Hamas da lista das “organizações terroristas”, elaborada pelos Estados Unidos e a Europa.
“É a mínima das coisas que podemos fazer se pretendemos apoiar a resistência palestiniana, libanesa e árabe. Ler o resto do artigo »



Roma: milhares contra o racismo

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se no dia 17 contra o racismo no centro de Roma, denunciando uma lei do governo de Berlusconi que torna crime a imigração clandestina. Os manifestantes reclamaram contra o racismo e contra o repatriamento dos imigrantes, dizendo “Estamos todos no mesmo barco”, referindo-se aos imigrantes clandestinos que chegam ao sul da Itália vindos da África em barcos. O protesto celebrava o 20.º aniversário da primeira grande manifestação contra o racismo, realizada em 7 de Outubro de 1989, quando centenas de milhares de pessoas saíram às ruas de Roma depois de um refugiado sul-africano, Jerry Essan Masslo, ter morrido na província de Caserta (sul de Itália).



Universidades públicas e empresas

A socióloga Gaye Tuchman, baseando-se no que conhece nos EUA, critica a crescente aliança entre as universidades públicas e as grandes empresas, pois afirma ser prejudicial à qualidade do ensino e da investigação desenvolvida, dada a influência dos administradores das empresas na elaboração dos currículos. Acrescenta a conhecida especialista norte-americana que a investigação “passou a ser mais orientada para uma investigação paga” e que esta aliança também “faz aumentar as propinas, levando a que muitos alunos de poucos recursos já não consigam frequentar o ensino público e, dessa maneira, se desperdice talento”.



Contra a recente prisão de dirigentes políticos e sindicais

País Basco: milhares de manifestantes mostram que a luta prossegue

Pedro Goulart

paisbasco_web.jpgNo dia 14 de Outubro, dez militantes sindicais e políticos do País Basco, entre os quais Arnaldo Otegi, Rafa Diez e Rufi Etxeberria, parte deles reunidos na sede do Sindicato LAB, em São Sebastião, foram detidos pela mão do juiz Baltazar Garzón e dos partidos espanholistas. A acção policial foi levada a cabo sob pretexto de que estes militantes estariam a tentar reconstruir o Batasuna, organização política da esquerda abertzale (a esquerda basca independentista) anteriormente ilegalizada pelas autoridades espanholas. Ler o resto do artigo »



Diante das dificuldades em sair da crise

“Agravam-se as tensões políticas e militares entre potências capitalistas”

Três perguntas a Henry Houben

Manuel Vaz

henryhouben_72dpi.jpgHenri Houben é economista, membro do secretariado do grupo Attac Bruxelas 1 (www.bxl.attac.be) e investigador do Instituto de Estudos Marxistas de Bruxelas (www.marx.be).
Na primeira conferência da World Political Economics Society, realizada em Xangai a 2 e 3 de Abril 2006, centrou a sua intervenção na análise marxista da fase actual da globalização do sistema capitalista, declarando a dado momento: “O projecto europeu de relançamento da competitividade da Europa entra em conflito com a posição dos Estados Unidos da América que pretendem manter-se como a única potência hegemónica e impedir assim a emergência de qualquer outro rival. Deste ponto de vista, a União Europeia, sob direcção liberal ou social-democrata, não representa uma alternativa à dominação imperialista dos EUA. Pois não se trata de substituir um capitalismo selvagem, como o dos EUA, por um outro pretensamente mais civilizado como seria o da Europa. Trata-se sim de substituir uma classe dominante hegemónica por outra. Se nos voltamos para um passado recente, sabemos que a elite europeia demonstrou sobejamente ser capaz do pior: colonialismo, fascismo e nazismo, tudo isto coroado por duas guerras mundiais desencadeadas no mesmo século”. Ler o resto do artigo »



País Basco: paz impossível?

No País Basco, o costume: mais 10 prisões de militantes da esquerda independentista, sob a batuta do juiz Baltazar Garzón. No dia 14, parte deles, entre os quais Arnaldo Otaegi, foram detidos na sede do Sindicato LAB, em Donostia. Esta ofensiva da justiça espanhola é mais uma prova da quase impossibilidade da esquerda independentista fazer política legal no País Basco. De entre as várias manifestações de protesto contra esta situação, destacamos a carta aberta de Alfonso Sastre dirigida aos magistrados espanhóis em que afirma: “aqueles que estão aplaudindo estas detenções não são partidários da paz, antes preferem a existência da violência armada”.



Turquia: manifestações contra FMI e BM

Nos últimos dias têm sido numerosos os protestos contra a presença e reunião anual dos funcionários do Banco Mundial na cidade turca de Istambul. Estão em causa as conhecidas e bem nefastas políticas económicas e financeiras levadas a cabo por estes importantes organismos do imperialismo – FMI e BM. Um morto, vários feridos e cerca de 100 pessoas detidas são parte do balanço dos confrontos verificados entre milhares de manifestantes (contra o capitalismo e em defesa do ambiente) e as forças repressivas turcas.



A deriva nacionalista da falsa esquerda

Manuel Vaz

colagem_varlez_72dpi.jpgO uso da burca ameaça a ordem republicana burguesa. Em nome do “orgulho de ser francês” apela-se ao “combate comum direita/esquerda” para preservar “a identidade da França”. Numa palavra, tratar-se-ia de um “desafio de civilização” para o qual nos convida não um qualquer partido fascista ou um agente particularmente tonto do partido republicano norte-americano, mas simplesmente o deputado do PCF, André Gérin, ex-presidente da câmara de Vénissieux (arredores de Lyon).
O homem é já conhecido pelas suas posições nacionalistas tacanhas que confirmou em Os guetos da República, um livro publicado em 2007 onde justificava os célebres propósitos do então presidente Chirac, de Junho de 1991, acerca de insuportáveis “ruídos e odores” das famílias imigrantes, que perturbariam o quadro de vida idílico das famílias autóctones… Ler o resto do artigo »



A ditadura da produtividade

23 suicídios na France Telecom em dois anos (*)

PCOF / MV

france-telecom-employees_web.jpgComo referimos numa pequena notícia recente, uma onda de suicídios atingiu os trabalhadores da France Telecom (FT), na sequência de uma “reestruturação” que, desde 1995, enviou para o desemprego 60 mil trabalhadores e deu lucros astronómicos aos accionistas. O texto que agora divulgamos (publicado pelo Partido Comunista dos Operários de França) traz mais alguma luz sobre os factos, relacionando os despedimentos, o estado de stress dos trabalhadores e os suicídios com os métodos de gestão postos em prática por administradores que em nada são inocentes. Ler o resto do artigo »



”Estamos no começo de um longo período de perturbações e de revolução social”

Três perguntas a Tom Thomas

Manuel Vaz

crise-financeira-castelo.jpgTom Thomas é um economista marxista prolixo que nos últimos vinte anos publicou livro atrás de livro sobre as mutações capitalistas nos diferentes sectores da sociedade contemporânea (o trabalho, a mundialização, o Estado, o programa de transição para o socialismo, o capital financeiro, as crises cíclicas, o fascismo, o indivíduo…). A sua análise teórica, rica e variada, constitui, como o próprio autor diz, “um comentário actualizado de Marx”. Ler o resto do artigo »



Defender Cesare Battisti

Saudávamos no MV13 a concessão de asilo político ao militante italiano Cesare Battisti, decidida pelo governo brasileiro. E, na altura, o ministro brasileiro da Justiça justificava a concessão de asilo com “um fundado temor de perseguição” por parte do estado italiano. Entretanto, por pressão do governo italiano e sob pretexto de “controlo judicial de actos de administração”, o Supremo Tribunal Federal decidiu intervir no processo de extradição de Cesare Battisti, temendo-se seriamente pela sua sorte, dadas as conhecidas posições conservadoras de grande parte dos elementos daquele tribunal. Para mais informações, consulte o site do Comité de Solidariedade a Cesare Battisti.



Fraude maciça nas eleições no Afeganistão

Tentativa de legitimar a ocupação militar vira-se contra as potências ocupantes

Manuel Raposo

afeganistaocartune_72.jpgO artigo que agora divulgamos (escrito em final de Agosto e publicado na última edição em papel do MV) está neste momento desactualizado. Apenas por uma razão: os factos que entretanto vieram a lume, dando conta da fraude que foram as eleições no Afeganistão, ultrapassaram em muito as suspeitas que há poucas semanas era possível fundamentar. Pode hoje dizer-se, sejam quais forem as fontes, que se confirma por completo a viciação dos resultados da votação. Mas, acima de tudo, o descalabro que ficou à vista resultou numa inequívoca vitória política da resistência afegã e, consequentemente, em mais um problema sem saída para as forças ocidentais que levaram a guerra ao Afeganistão. Como tirar os pés do lamaçal é, agora, a única questão que as potências ocupantes têm a resolver. Ler o resto do artigo »



Maravilhas do capitalismo

A France Telecom, empresa hoje privatizada mas em que o Estado francês ainda conserva 27% do capital, tem andado num processo de reestruturação, impondo aos trabalhadores mais e mais das já bem conhecidas medidas de flexibilidade e mobilidade tão caras ao patronato. As pressões têm sido de tal ordem que o desespero e o descontrolo dos trabalhadores, desde que a empresa decidiu fazer reestruturação, já levaram a 22 suicídios (e diversas tentativas) nos últimos 18 meses. Até o governo de Sarkozy já manifesta “preocupação”!



Contra a pena de morte

Segundo a Amnistia Internacional, em 2008 foram executadas em todo o mundo cerca de 2400 pessoas e mais de 8800 foram condenadas à pena capital. No ano passado, cinco países totalizaram 93% das execuções: Paquistão, China, Irão, Arábia Saudita e Estados Unidos da América. Apesar de uma moratória nas execuções aprovada em 2007 na Assembleia-Geral da ONU, estas medidas criminosas de diversos estados prosseguem. É preciso combatê-las e eliminá-las.



Iraque

“As tropas dos EUA retiram porque a resistência a isso as obriga”

Três perguntas a Gilles Munier

Manuel Vaz

gilles-munier-1.jpgA Associação de Amizade Franco-Iraquiana (AFI) foi fundada em 1985 por um grupo de personalidades defensoras da política árabe do governo francês. O seu secretário-geral desde 1986, Gilles Munier, é um profundo conhecedor desta região do mundo na qual efectuou mais de 150 viagens entre 1974 e 1983, tendo encontrado por várias vezes os principais dirigentes do partido Baas, então no poder. A agressão norte-americana de Abril de 2003 veio alterar profundamente as relações franco-iraquianas e, por tabela, o funcionamento da associação.
Antes de 2003, Gilles Munier participa activamente no programa “Petróleo por alimentos”, único meio concedido às autoridades iraquianas para atenuar os efeitos do embargo económico ao Iraque imposto pelos EUA e sancionado pela ONU. Em 2005, Munier é acusado, conjuntamente com outras personalidades, de ter furado o embargo. As autoridades judiciais decidem-se a instruir um processo (que continua sem data de julgamento marcado), retiram-lhe o passaporte e proíbem-lhe a saída do território nacional. Ler o resto do artigo »



Dick Cheney, Bush e o Tribunal Penal Internacional

Pedro Goulart

tpi_72dpi.jpgO Tribunal Penal Internacional (TPI) – que é um tribunal permanente com sede em Haia e que se diz vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU) – pretende “promover o Direito Internacional” e afirma procurar julgar indivíduos acusados de crimes de genocídio, de agressão, de crimes de guerra e de crimes contra a humanidade. Isto, quando os Estados não possam, ou não queiram, julgar esses indivíduos.
O TPI, cuja criação foi incentivada pelos EUA, surgiu na sequência de alguns tribunais provisórios, que resultaram, por sua vez, de uma resolução da ONU, de 1973. Mas a ironia é que o TPI só pode investigar em Estados que tenham aderido ao Estatuto de Roma, de 1998. E os EUA são um dos países que não aderiram a este Estatuto. Ler o resto do artigo »



Sindicatos dos EUA contra G20

A cimeira do G20 juntará, nos EUA, os 20 países mais ricos do mundo, em 24 e 25 de Setembro, na cidade de Pittsburgh. A crise mundial do capitalismo vai ser o centro das conversações. Ao mesmo tempo, no dia 20, terá lugar uma Marcha pelo Emprego. Esta mobilização de protesto, organizada por forças anticapitalistas norte-americanas, teve um grande impulso na semana passada com a adesão de dois dos maiores sindicatos dos EUA que têm sede nacional em Pittsburgh: a United Steel Workers Union (metalúrgicos) e a United Electrical Workers (electricidade) – que decidiram apoiar a iniciativa e mobilizar os seus membros para o protesto.



9 a 10% da população activa

Imigrantes rendem milhares de milhões de euros à economia francesa

Três perguntas a Albano Cordeiro

Manuel Vaz

imigrantesfranca_web.jpgAlbano Cordeiro é engenheiro reformado do CNRS (Centre Nationale de Recherches Scientifiques), doutor em economia e ex-docente da Universidade Paris VIII, especializado em questões identitárias e migratórias, mormente no seio da comunidade portuguesa em França, tema de pesquisa que sempre captou a sua atenção.
Como autor, os seus trabalhos, tanto pessoais como colectivos, incidiram igualmente sobre as transformações sociais e económicas observadas no seio das jovens gerações oriundas de uma primo-imigração.
Em 1981, o Office Municipal des Migrants de Créteil, publicou-lhe uma obra importante, Pourquoi l’immigration en France? Critique des idées-reçues en matière d’immigration, que, uma vez ampliada e enriquecida, seria reeditada pelas edições La Découverte em 1983, 1984 e 1987.
Sobre a actualidade política da emigração e o seu papel específico no modo de funcionamento da extracção de mais-valia capitalista, pusemos-lhe 3 perguntas. Ler o resto do artigo »



Colômbia cede bases militares aos EUA

Obama realizou um acordo com Álvaro Uribe para a criação de 7 bases militares na Colômbia. Isto, a acrescentar às mais de 800 bases militares que os EUA detêm no estrangeiro. Aqui, a pretexto do narcotráfico e do terrorismo, os EUA visam impedir o desenvolvimento do processo bolivariano na Venezuela e em outros países da América central e do sul, de modo a controlarem as riquezas naturais destes países. Se a isto juntarmos a intensificação da guerra no Afeganistão, dispomos de elementos suficientes para concluir que Obama mais não faz que prosseguir, ainda que com métodos diferentes do seu antecessor, a velha e criminosa política imperialista dos EUA.



O fim anunciado do dólar

Urbano de Campos

dollar-a-arder_72dpi.jpgSe fosse algum economista suspeito de ser marxista a falar do fim do dólar como moeda internacional não faltaria quem o apelidasse de lunático. Mas agora é um prémio Nobel da Economia, o norte-americano Joseph Stiglitz, a dizer que “é preciso criar uma nova divisa mundial que substitua o dólar”.
Falando numa conferência na Tailândia, Stiglitz não deixou dúvidas: a moeda norte-americana tem hoje um valor “questionável” e investir em dólares é por isso um “grande risco”. Disse mais: “o actual sistema de reservas está em desgaste” e o dólar já “não é um bom refúgio de valor”. Ler o resto do artigo »



Boicote a Israel

A Amnistia Internacional anunciou na semana passada que vai retirar o apoio ao fundo criado pelo cantor Leonard Cohen com receitas do concerto dado em Israel. Esta decisão decorre da pressão de activistas BDS (Boicote, Desinvestimento, Sanções) em todo o mundo, incluindo Portugal, que acusam o fundo de Cohen de se destinar a lavar os crimes do apartheid israelita. Também o banco de investimentos britânico BlackRock anunciou que retirou o financiamento aos projectos de construção em colonatos israelitas. Esta decisão resulta da pressão de três bancos noruegueses que participam nos fundos do BlackRock. O banco era o segundo maior accionista da empresa de construção israelita África-Israel. (Comité Palestina)



O dilema afegão

Sondagens vindas não se sabe de onde, previam que o presidente afegão Karzai obteria 44% dos votos nas eleições de 20 de Agosto e o seu principal rival, Abdulah Abdulah, 26%. Ora isto obrigaria a uma segunda volta. O dilema discutido nos meios políticos e militares é este: se Karzai vence à primeira volta, dá ar de que o resultado foi fabricado; se há segunda volta, um provável aumento da abstenção (não esqueçamos que o país está em guerra!) evidenciaria a falta de legitimidade das eleições e de quem fosse eleito. Como os resultados definitivos só serão divulgados em meados de Setembro, há tempo para decidir pela melhor das vias.



Não esquecer Gaza

As Nações Unidas publicaram esta semana um relatório sobre o impacto humanitário do bloqueio israelita a Gaza que em Julho passado entrou no seu terceiro ano. Dados a destacar: desemprego acima dos 40%, mais de 75% das famílias dependentes de assistência alimentar, impossibilidade de reconstrução das mais de 6 mil estruturas destruídas ou danificadas durante a última ofensiva israelita, mais de 20 mil pessoas a viver em habitações precárias, 2-8 horas de cortes de electricidade diários, cerca de 10 mil pessoas sem acesso a água corrente, impossibilidade de tratamento médico fora de Gaza, salas de aulas superlotadas. (Comité Palestina)



Crise do capitalismo acentua a vaga migratória dos trabalhadores pobres

Manuel Vaz (*)

imigrantes_web.jpgA crise sistémica do capitalismo está a acentuar a vaga migratória dos trabalhadores pobres oriundos de todas as regiões do mundo onde a dominação colonial e neocolonial cavou um fosso profundo entre zonas de acumulação capitalista e zonas de espoliação, entre os centros de desenvolvimento industrial e as vastas zonas de pilhagem de matérias primas e expropriação do campesinato. Ler o resto do artigo »



Os EUA adiam a crise

O governo norte-americano evitou a morte de gigantes industriais e financeiros, mas não os salvou: comprou tempo

Carlos Simões

chinaeuadebtcartoon.jpgNo calor do Verão, as economias ocidentais regressaram ao crescimento, mas é um falso milagre. Com a economia norte-americana a registar crescimento e desaceleração no desemprego, os economistas dizem que a recessão acabou. A França e a Alemanha foram surpreendidas por igual sinal positivo nas suas estatísticas. Até Portugal cresceu um terço de um por cento no segundo trimestre do ano, e José Sócrates correu para reclamar o resultado como prova da sua liderança e genialidade. Ler o resto do artigo »



Hotelaria em luta no sul de Espanha

Trabalhadores paralisam trânsito em Marbella

Manolo García, Málaga / MV

monteros_1web.JPGOs trabalhadores do hotel Los Monteros, em Marbella, sul de Espanha, manifestaram-se no dia 12 de Agosto pela reabertura do hotel (encerrado ilegalmente pelo empresário) e pelo pagamento dos seus salários, por pagar desde Janeiro, vai portanto para oito meses. Não querendo saber das limitações impostas pelas autoridades, 2 mil manifestantes irromperam pelo centro da cidade e paralisaram o trânsito até à noite. Ler o resto do artigo »



STOP à execução de mulheres iraquianas

Associação sueca de solidariedade com o Iraque lança campanha para salvar a vida de 9 iraquianas

Manuel Raposo

iraq_woman_son.jpgPor iniciativa da IrakSolidaritet (Associação Sueca de Solidariedade com o Iraque, sedeada em Estocolmo) foi lançada uma campanha de denúncia e um apelo à intervenção junto das autoridades iraquianas para impedir a execução de nove mulheres iraquianas. De acordo com a Amnistia Internacional, pelo menos nove mulheres estão em risco de ser executadas a todo o momento. Três outras foram executadas desde o início de Junho. Ler o resto do artigo »



Apartheid fora do futebol

Dia 6 de Agosto, das 18h às 21h, simpatizantes da causa palestiniana juntam-se frente ao estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, onde o Paços de Ferreira joga com a equipa israelita Bnei Yehuda. A iniciativa, do Comité de Solidariedade com a Palestina, visa denunciar a ocupação da Palestina e o regime israelita de apartheid. Respondendo a apelos de organizações palestinianas, estão em curso duas campanhas internacionais contra Israel: uma, de “Boicote, desinvestimento e sanções”, como aconteceu contra a África do Sul na era do apartheid; outra, designada “Chutem o apartheid para fora do futebol”, para que a FIFA aplique sanções às equipas israelitas, tal como fez à África do Sul.



Unir a luta dos imigrantes com o movimento operário

Três perguntas a Tendance Claire, fracção do Novo Partido Anticapitalista

Manuel Vaz

travailleurs_unis_72dpi.jpgNa série “Três perguntas a…”, que Manuel Vaz iniciou com centro na realidade francesa de hoje, publicamos desta vez um texto que aborda a questão antiga mas actual da presença e do peso dos imigrantes na luta de classes em França – na sequência dos acontecimentos, de que o Mudar de Vida deu conta, da Bolsa do Trabalho de Paris. Vistos sempre e paradoxalmente como um motor de luta e um freio pelas organizações operárias indígenas, os imigrantes constituem sem dúvida um ponto de referência clássico em matéria de internacionalismo e solidariedade. Destacam-se, nesta entrevista, os esforços dos meios da esquerda revolucionária francesa para reerguer um movimento operário anticapitalista assente em critérios de luta de classe. Ler o resto do artigo »



Refugiados e deslocados

Continua a aumentar por todo o mundo o número de refugiados e deslocados. Hoje, já são mais de 42 milhões. Isto acontece devido a condições de vida degradantes, a problemas climáticos (por exemplo catástrofes) e por causa das guerras (promovidas por uns países contra outros ou por grupos militares dentro de um mesmo país). Para a ACNUR (Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), um dos pilares de apoio a refugiados e deslocados, os cenários prioritários da sua intervenção são o Afeganistão, Paquistão, Sudão, Somália, Congo, Palestina e Iraque.



Contra o golpe militar nas Honduras

Concentração de apoio ao povo hondurenho, dia 28 às 19 horas, Rossio, Lisboa

honduras72dpi.jpgNa próxima terça-feira, 28 de Julho, tem lugar em Lisboa (Rossio, 19 h) uma concentração de solidariedade com o povo hondurenho e de repúdio do golpe de Estado levado a cabo há um mês que instaurou uma ditadura militar neste país centro-americano.
Desde 28 de Junho, sucedem-se as manifestações populares em defesa das liberdades e do presidente eleito Manuel Zelaya. Foi lançado um apelo à greve geral e solicitado apoio internacional à resistência do povo hondurenho. A repressão policial e militar causou já numerosas mortes e detenções. Ler o resto do artigo »



Import/export de lixo tóxico

É velha e sórdida a história dos países ditos desenvolvidos que procuram exportar o seu lixo tóxico para os países com mais baixo nível de desenvolvimento. Agora, foram quase 100 os contentores, com centenas de toneladas de lixo tóxico (fraldas, preservativos, seringas e pilhas), vindos do Reino Unido e descobertos nos portos brasileiros de Santos e Rio Grande. Apesar das investigações ministeriais, prossegue o negócio sujo de quem, nos “países ricos”, não quer assumir o tratamento dos seus próprios lixos, com comerciantes sem escrúpulos e ávidos de dinheiro dos “países menos desenvolvidos”.



14 de Julho em França

Balanço de uma festa espectacular e chauvinista

A luta operária não foi enterrada pelos festejos

Manuel Vaz

fete-nacionale-johnny-sarko-bis-72dpi.jpg14 de Julho é o dia da festa nacional em França comemorativa da tomada da Bastilha, início do processo revolucionário que conduziria à queda da monarquia absoluta em 1789. Hoje, a burguesia rodeia o acontecimento de festejos espectaculares, demagógicos e chauvinistas com o intuito de seduzir as multidões.
Segundo os números da polícia, que neste caso pratica a inflação – e exactamente o contrário quando se trata de manifestações hostis ao governo – as multidões afluíram por toda a parte onde o Estado lhes proporcionou encontro. Ler o resto do artigo »



Porque se justifica um boicote académico a Israel

Apelo de uma feminista e professora universitária israelita

Rachel Giora / MV

boicotisrael_72dpi.jpgRachel Giora, destacada feminista israelita e professora de Linguística na Universidade de Telavive, apela ao boicote contra Israel numa carta, divulgada em final de Maio pelo colectivo “Jewish Peace News”, em que apoia os esforços desenvolvidos pelo Comité Britânico para as Universidades da Palestina. Na sua mensagem, refere alguns dos êxitos do movimento de boicote até à data e explica porque se justifica um boicote académico. Publicamos um resumo das principais passagens. Ler o resto do artigo »



Trabalhadores ameaçam explodir fábrica

Os operários da francesa Fabris, fábrica de componentes automóveis em liquidação, ameaçam fazer explodir botijas de gás nas instalações da empresa, caso não lhe sejam pagas indemnizações individuais de 30 mil euros, pela perda dos seus postos de trabalho. A Fabris, actualmente ocupada pelos trabalhadores, ainda dispõe de um valioso stock destinado aos seus principais clientes: PSA e Renault. Chamamos a atenção para a radicalização das lutas verificada em França, que depois dos sequestros de executivos de grandes empresas, agora ameaçam a destruição de uma fábrica, caso não vejam satisfeitas as suas reivindicações.



Cinco trabalhadores do MST assassinados no Brasil

Pedro Goulart

mst.jpgNa tarde de 6 de Julho, no estado de Pernambuco, foram assassinados cinco camponeses do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e um outro, que ficou ferido, foi hospitalizado. O massacre ocorreu no Assentamento Chico Mendes (na fazenda Garrote), propriedade há anos atribuída legalmente ao MST. Os seis construíam uma casa, quando os assassinos chegaram de moto, obrigaram os trabalhadores a deitar-se no chão e dispararam. Ler o resto do artigo »



Bispos bascos pedem perdão

Os bispos bascos de Bilbau, Donostia (S. Sebastian) e Gasteiz (Vitória) pediram agora perdão pelo “injustificável silêncio dos meios oficiais da nossa igreja” em relação à execução de catorze religiosos bascos pelas tropas franquistas durante a guerra civil espanhola (1936-39). A restante igreja católica espanhola, tão disposta a vir para a rua manifestar-se por causas reaccionárias, mantém, ao longo destes 70 anos, absoluto silêncio sobre as suas cumplicidades com os crimes do franquismo.



Livraria parisiense atacada por grupo sionista armado

Três perguntas a Olivia Zemor, animadora da livraria Résistances e do movimento de apoio à Palestina

Manuel Vaz

livrariaresistances_003.jpgUm comando de cinco homens encapuzados e declarando pertencer à Liga de Defesa Judaica (LDJ) atacou no passado dia 3 de Julho a livraria Resistances [Resistências], situada no 17.° bairro parisiense, ocasionando várias destruições materiais. Não é a primeira vez que esta livraria é objecto de agressões orquestradas pelas organizações sionistas armadas, como é o caso da LDJ, organização terrorista proibida em… Israel e… nos Estados Unidos da América!
A livraria, aberta em 2007, desenvolve uma vasta actividade de apoio ao mundo árabe e à Palestina em particular. Na véspera da agressão, tinha acolhido nas suas instalações uma conferência de Mahmoud Suleiman, presidente da câmara da aldeia de Al-Masara, na Palestina ocupada. Ler o resto do artigo »



Só perde quem não luta

Últimas notícias (10 de Julho) sobre a luta dos imigrantes, em Paris, pela regularização da sua condição de trabalhadores: depois de 14 meses de ocupação das instalações da Bolsa do Trabalho, depois da expulsão musculada efectuada pela CGT, depois de 15 dias de ocupação dos passeios em frente da Bolsa… a decisão do governo apareceu – 300 propostas de regularização! (M. Vaz, Paris)



Paris

Imigrantes expulsos à força da Bolsa do Trabalho pela CGT

Manuel Vaz

101_pana_002.jpgVerão é tempo de férias para quem pode. Não será o caso para mais de metade da população parisiense que não tem meios para tanto. A imprensa por seu lado, já vai falando de uma baixa significativa de turistas em visita à capital. Efeitos evidentes da crise. Mas, se tal não é o seu caso e está a pensar em visitar Paris, aproveite para descobrir uma das facetas do Paris operário actual: o Paris dos imigrantes sans papiers [sem papéis], clandestinos. Ler o resto do artigo »



Nova caravana de apoio à Palestina

O deputado britânico George Galloway, que organizou, a partir do Reino Unido, uma caravana de solidariedade com a população de Gaza, logo após o ataque militar de Israel de Dezembro-Janeiro, está agora a organizar um segundo comboio, com origem nos EUA. Desta vez, as 500 viaturas previstas permitirão transportar, via Cairo, centenas de pessoas e fazer chegar à Palestina uma ajuda médica de 10 milhões de dólares.



A campanha dos EUA para desacreditar as eleições no Irão

Paul Craig Roberts / MV (CM)

irao.jpgA campanha de descrédito lançada sobre as eleições no Irão, com origem nos EUA e no Reino Unido, é desmontada por Paul Craig Roberts, num artigo publicado no site norte-americano CounterPunch, de que divulgamos um resumo. Paul Roberts, economista e ex-secretário adjunto para o Tesouro no governo de Reagan, conhece bem os processos usados pelos EUA, sendo uma das mais vozes mais críticas da política belicista da Casa Branca. Ler o resto do artigo »



“Recuperação” económica faz-se à custa do emprego

Dados da OCDE mostram que o desemprego em todo o mundo vai continuar a crescer

Manuel Raposo

chomageweb.jpgA Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) divulgou em 24 de Junho uma visão optimista sobre a evolução da crise económica. Fala mesmo em luz ao fundo do túnel. Mas, vistas as coisas em concreto, a luz não será para todos. Ler o resto do artigo »



Salários reais e desemprego

Um estudo do instituto alemão IZA, da autoria de três economistas portugueses, conclui que cada ponto percentual de aumento da taxa de desemprego se traduz numa diminuição de 1,1% a 1,4% no salário real de quem está a trabalhar e de 2,3% a 2,8% para os novos contratados. Isto explica-se pelo congelamento ou pela subida abaixo da taxa de inflação dos salários de quem está a trabalhar e pelo recurso a salários mais baixos para os novos contratados. Assim, para os patrões e os seus economistas de serviço, um grande número de desempregados pode ser útil para aumentar a “competitividade” e ajudar à saída da crise!



Espanha: solidariedade com Alfonso Sastre

Iniciativa Internacionalista de novo debaixo de fogo

Pedro Goulart

alfonsosastre72dpi.jpgPrimeiro foi a tentativa frustrada de impedirem a Iniciativa Internacionalista (encabeçada por Alfonso Sastre) de participar nas eleições para o parlamento europeu, com o pretexto de que esta candidatura teria algum tipo de articulação com a ETA. Agora, na sequência do recente artigo de Sastre no jornal Gara, intitulado A prosa e a política, onde defende uma saída negociada e pacífica para o problema basco e manifesta as suas preocupações caso tal não se verifique, surge uma campanha deturpadora e torpe do PSOE, do PP e dos média do sistema (RTVE, El País, ABC e El Mundo) contra este grande dramaturgo do estado espanhol. O El País chega a titular que há “indignação contra o partido de Sastre”. Ler o resto do artigo »



Luta exemplar dos operários metalúrgicos na Galiza

Pedro Goulart

metalurgicosgaliza72dpi.jpgOs meses de Maio e Junho de 2009 ficam profundamente marcados por uma prolongada e dura luta dos operários metalúrgicos nas empresas e ruas de Vigo e sul da Galiza, com os trabalhadores levando a cabo diversas greves e manifestações por melhores salários e condições de trabalho. Ler o resto do artigo »



Cresce o desemprego a nível mundial

Segundo dados do Eurostat, e apenas no primeiro trimestre de 2009, na União Europeia, a 27, foram atirados para o desemprego mais de 1 milhão e 900 mil trabalhadores. Foi o terceiro trimestre consecutivo em que o desemprego cresceu fortemente no conjunto destes países. Em Portugal, no mesmo período, foram destruídos cerca de 90 mil postos de trabalho. Por outro lado, a nível mundial e segundo dados da OIT, é previsível que, só este ano, aumente em 59 milhões o número de desempregados. Assim, haverá actualmente mais de 240 milhões desempregados em todo o mundo.



Protestos em Cabul

Centenas de mulheres manifestaram-se em Cabul, Afeganistão, em 15 de Abril, pela revogação de uma lei que lhes nega direitos básicos. A lei protege a violação marital, sujeita as saídas de casa à autorização dos maridos e priva-as da custódia dos filhos e do direito de herança. Protestos, dentro e fora do país, coagiram o presidente Karzai a recuar. Os EUA ocupam e tutelam o país desde 2001 e exercem nele influência decisiva há 30 anos, desde que apoiaram o derrube do governo progressista então no poder.



Comunistas revolucionários condenados em Itália

Enquanto o corrupto e fascistóide Berlusconi governa a Itália e goza impunemente dos seus privilégios, um tribunal de Milão condenou, em 13 de Junho e em primeira instância, vários comunistas revolucionários italianos a pesadas penas de prisão e a elevadas indemnizações. Foram condenados por “terem tentado constituir o partido comunista político-militar”, organização que o aparelho judicial italiano considera terrorista. Os advogados destes militantes de esquerda já declararam que as referidas condenações são típicas dos tribunais especiais fascistas dos anos 20 e 30 do século passado.



O assalto a África

Um estudo da FAO (organização da ONU para a alimentação e agricultura) revela que, em África, 2,5 milhões de hectares de terras férteis foram comprados, desde 2004, em apenas cinco países – Etiópia, Gana, Madagáscar, Mali e Sudão. Os compradores são maioritariamente estrangeiros e grande parte das terras destinam-se a culturas para biocombustíveis. Milhares de camponeses pobres estão assim a ser privados dos seus terrenos de cultivo ao mesmo tempo que a produção alimentar tenderá a diminuir. Vem aí mais fome, portanto; e não vai faltar, no mundo ocidental, quem depois lamente o “atraso” dos africanos.



Saneamento à inglesa

Pela primeira vez em mais de 300 anos, o presidente do parlamento britânico teve de se demitir por actos de corrupção. Em causa, o uso de dinheiros do Estado para pagar despesas pessoais, como corridas de táxi da mulher do dito presidente. No acto de moralização, porém, ficou a saber-se que muitos outros deputados de todos os partidos estavam envolvidos em pagamentos da mesma espécie, que iam de limpezas de piscinas até trabalhos de jardinagem e decoração de interiores. Quer dizer que, antes do caso vir a público, toda a gente sabia do assunto e tolerava-o como prática corrente. Presume-se, portanto, que estas pequenas acções de saneamento no parlamento britânico ocorram de 300 em 300 anos.



O capitalismo em coma profundo sobrevive ligado à máquina

Afonso Gonçalves

capitalism_graffiti.jpgO capitalismo global, tal como o moribundo, pode permanecer vivo mais 15 ou 30 anos alimentado a soro e apoiado com sucessivas terapias de reanimação. O G20, Banco Mundial, FMI, etc. tentam em vão resolver a grave crise que se abateu sobre a economia capitalista e o seu sistema financeiro. Pouco há a fazer senão recorrer a despedimentos, aumentar impostos e aliviar as despesas do Estado com cortes na Segurança Social e práticas afins – desmantelando um sistema que durante longos anos foi o rebuçado e o sedativo que amestrou a classe trabalhadora e uma grande franja da pequena burguesia ligada à gestão de serviços e, também, a pequena intelectualidade universitária e artística. Ler o resto do artigo »



Um planeta à beira da catástrofe

A violência de massas cresce com o agravamento da crise mundial

Michael T. Klare / Manuel Raposo

grecia-molotov-no-choque72dpi.jpgO texto que divulgamos é um resumo de um artigo do norte-americano Michael T. Klare, que lecciona sobre paz e segurança mundial no Hampshire College, EUA. Foi publicado em Março no site CounterPunch e aborda a actual crise mundial do capitalismo por um ângulo interessante e actual: o crescimento da violência de massas num quadro de aumento da pobreza e do desespero.
Numa altura em que as forças da ordem (políticas, policiais, judiciais, morais) visam criminalizar as acções de protesto social – insistindo na tecla do aumento da criminalidade e iludindo a relação entre crime e pobreza – o texto de Michael Klare mostra bem a relação directa que existe entre a crise em curso e os protestos massivos. E mostra mais: a inevitabilidade da violência como reacção ao aumento da pobreza e à falta de perspectivas de futuro. Ler o resto do artigo »



Sindicatos da Noruega propõem boicote a Israel

Urbano de Campos

palestinelatuff72dpi.jpgA maior central sindical da Noruega, a LO, lançou em 16 de Maio a todo o país um apelo para liderar um boicote internacional a Israel se não for alcançado um acordo de paz com os palestinianos. A posição foi aprovada durante o congresso da LO realizado na véspera. Ler o resto do artigo »



Otegi apoia Iniciativa Internacionalista

Arnaldo Otegi, destacado militante da esquerda independentista basca e ex-dirigente de Herri Batasuna, apelou ao voto na Iniciativa Internacionalista. Recordamos que o aparelho judicial espanhol tentou ilegalizar esta lista, mas que o Tribunal Constitucional decidiu favoravelmente à sua participação nas eleições europeias. Otegi, em conferência de imprensa, justificou este apoio, pois, embora não seja uma lista da esquerda abertzale, a Iniciativa Internacionalista aposta na alternativa social e no reconhecimento do direito dos povos à autodeterminação. E sublinha que esta lista pode contribuir para uma solução pacífica e democrática no País Basco.



Contra o bloqueio a Gaza

Visando quebrar o bloqueio a Gaza, várias delegações internacionais tentam entrar no território palestiniano. De uma delas, promovida pela CodePink, organização norte-americana de mulheres contra a guerra, faz parte um médico português recém-licenciado, André Trassa. Um grupo de 66 outros activistas conseguiu entrar, em 26 de Maio, com imensa dificuldade, apesar da intimidação dos serviços secretos egípcios que colaboram com os israelitas no bloqueio. Centenas de outros activistas estão acampados em Rafah, impedidos de entrar. Esta pressão internacional procura chamar a atenção para a desumanidade do bloqueio, que dura já há dois anos, e forçar as autoridades israelitas a mudar de atitude.



Conversas da treta

Em campanha para as eleições europeias, Sócrates e Zapatero fizeram comícios conjuntos em Valência e Coimbra onde, para além de algumas picuinhices eleitoralistas, falaram dos seus valores “democráticos” e de “esquerda”. Conhecendo bem as políticas de José Sócrates, designadamente nas Reformas (Segurança Social), no Código de Trabalho ou na Educação, assim como o seu apoio a Durão Barroso para a Comissão Europeia, ou a repressão no estado espanhol (ainda agora a tentativa de ilegalizar a Iniciativa Internacionalista), bem se pode dizer que se trata de conversas da treta, para confundir os tolos.



Abstenção sem mistério

Uma sondagem feita em Maio prevê que 57% dos eleitores europeus irão abster-se no dia 7 de Junho. Apesar de ter baixado dos 66% estimados em Janeiro, o nível de abstenção mostra não só alheamento mas recusa em dar crédito às eleições. Dados do inquérito apontam, com efeito, que as preocupações maiores dos eleitores são, por esta ordem, a quebra económica, o crescimento da criminalidade e o futuro das reformas, tudo questões decorrentes da crise do capitalismo. Deveriam ser estes os temas debatidos, dizem os inquiridos. Não é difícil deduzir que, para os eleitores, os debates passam ao lado das questões decisivas para as suas vidas. Não há mistério portanto.



O poder imuniza-se

Um advogado britânico foi condenado em Milão por falsas declarações em tribunal que permitiram ilibar o primeiro-ministro italiano. Berlusconi e a sua firma Fininvest eram acusados de subornar funcionários das Finanças para terem favores fiscais e de terem criado uma empresa fictícia com a qual financiavam ilegalmente partidos políticos. O tribunal de Milão provou que o advogado recebeu um suborno de 430 mil euros e condenou-o a quatro anos e meio de prisão. Mas Berlusconi, que começou por ser co-acusado no mesmo processo, não chegou a ser julgado graças a uma lei, que ele mesmo fez aprovar, que lhe dá imunidade enquanto for primeiro-ministro, suspendendo assim as acusações de que era alvo.



Festa de apoio a Mumia Abu-Jamal

O Colectivo de Solidariedade com Mumia Abu-Jamal promove uma festa de apoio a este preso político norte-americano. Ao recusar um pedido de recurso, o Supremo Tribunal Federal dos EUA pôs em perigo a vida de Mumia. A manter-se a pena actual, Mumia cumprirá prisão perpétua. Mas a pena de morte ainda pode ser-lhe aplicada se um pedido nesse sentido, feito pelo Estado da Pensilvânia, for atendido pelo Supremo. A festa de solidariedade tem lugar no próximo sábado, 6 de Junho, a partir das 19h no Grupo Desportivo da Mouraria – Travessa da Nazaré, 21, 2º, Lisboa. Ver programa



Turismo de anexação

Anúncios de turismo israelitas foram retirados do metropolitano de Londres em resultado de pressões e queixas massivas. No princípio de Maio, a Campanha de Solidariedade com a Palestina começou a receber informação de apoiantes seus acerca de anúncios do ministério israelita do Turismo com um mapa que incluía a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e os Montes Golã, territórios que fazem parte da Palestina e da Síria.



Apesar das tentativas de ilegalização

Iniciativa Internacionalista concorre em Espanha às eleições europeias

Pedro Goulart

iniciativainternacionalista.jpgA fúria persecutória do estado espanhol contra quem defenda a independência dos povos ou ponha em causa o sistema capitalista vigente parece não ter limites. As classes dominantes espanholas, com os seus principais instrumentos partidários – PSOE e PP – quando pressentem o perigo mandam avançar o aparelho judicial. E começa a ser claro que o fazem mesmo independentemente da participação ou não de elementos ligados à ETA. Ler o resto do artigo »



A “justiça” aqui ao lado

Por recurso do governo espanhol, uma juíza decidiu que devem ser retirados os nomes de Otaegi e Txiki de uma praça do país basco. Txiki e Otaegi foram dois combatentes antifascistas fuzilados pela ditadura terrorista de Franco. A senhora juíza justifica a sua “mui douta” decisão, afirmando que “ eram dois terroristas culpados de pertencer a um grupo terrorista”. O nome de Franco, responsável por uma guerra civil e por quase 40 anos de ditadura, esse continua por ruas e praças de Espana sem que o governo se sinta incomodado. É mais uma sentença do aparelho judicial espanhol que ajuda bem a caracterizar e perceber a justiça praticada por um estado com papel de relevo na União Europeia.



A luta de classes ganha novo fôlego

A maioria dos franceses apoia o sequestro de patrões

55% justificam os sequestros e 64% são contra as acções judiciais

Manuel Raposo

patronssequestres.jpgNo passado dia 28, o canal francês TV5 transmitiu um interessante debate intitulado “Patrões sequestrados: até quando?”. Em discussão, não apenas o sequestro de patrões e administradores, mas de uma forma geral as acções cada vez mais destemidas da parte dos trabalhadores franceses em resposta aos efeitos da crise, particularmente os despedimentos. Ler o resto do artigo »



“Patrões, não pagaremos a vossa crise!”

Operários franceses não hesitam em sequestrar patrões e administradores para fazer valer os seus direitos

Manuel Vaz (em Paris)

patraosequestro1_72dpi.jpgA crise aguda do sistema capitalista conduz os actores políticos e económicos da burguesia a batalhar em diversas frentes para suster o fim do mundo (capitalista): introdução maciça de capitais no sistema bancário ameaçado de falência, nacionalizações parciais ou totais do sector, destruição de capital pela baixa acentuada do preço das mercadorias em super-abundância, supressão ou paralisação de segmentos inteiros da produção. Ler o resto do artigo »



As crises na era senil do capitalismo

Jorge Beinstein / MV (adaptado de www.rebelion.org)

criseprato72dpi.jpgA crise actual do capitalismo é mais uma das muitas que o sistema superou na sua história, ou o que está em causa é algo de novo, a ponto de os remédios do passado não servirem? O que está em causa: mais um ciclo de “renovação”, ou a sobrevivência do próprio capitalismo? São estas questões importantes que o artigo (aqui abreviado) do economista argentino Jorge Beinstein aborda. A resposta da parte dos trabalhadores, que é o campo que nos interessa, depende do conhecimento do que se passa diante dos nossos olhos. Ler o resto do artigo »



Crise do capitalismo

Que resposta dos trabalhadores?

Manuel Monteiro

grevistas72dpi.jpgPerante a crise do capitalismo, e as suas medidas brutais sobre o mundo do trabalho, qual tem sido a resposta dos trabalhadores para se oporem a esta ofensiva?
A reivindicação principal tem sido o direito ao trabalho dentro do quadro capitalista, sem pôr em causa o sistema burguês de exploração. Esta reivindicação é acompanhada em alguns países – Inglaterra e Irlanda, entre outros – por posições chauvinistas, anti-imigrantes (“Trabalho primeiro para nós”). Ler o resto do artigo »



Uma imagem da nossa miséria colectiva

Manuel Vaz (em Paris)

oliviermassonnaud72dpi.jpgUm médico de 72 anos, reformado, assiste em Janeiro de 2009 à reconstituição da morte do seu filho, um ano e meio depois de a polícia lhe ter batido à porta para o informar de que Olivier fora morto por um polícia “que tinha tido de fazer uso da arma”. A justificação da polícia não o convence. Os factos dão-lhe razão, mas a Justiça não se sabe se lha dará. Ler o resto do artigo »



“Cabe aos EUA mudar de política”

Representante da Frente Nacional da Resistência Iraquiana visitou Portugal a convite do Tribunal-Iraque

Manuel Raposo

p1000500reduz.jpgA convite do Tribunal-Iraque, e com o apoio da CGTP e do CPPC, esteve em Portugal entre 5 e 8 de Abril o dirigente e porta-voz da Frente Nacional da resistência iraquiana dr. Abu Mohamad.
Nos contactos que teve com diversas organizações, deu conta da situação actual no Iraque, relatou as acções da resistência contra a ocupação e expôs o programa político defendido pela Frente Nacional. No dia 5, Abu Mohamad foi recebido pela comissão organizadora do Tribunal-Iraque, realizando depois um encontro com activistas e organizações empenhados na luta contra a ocupação do Iraque, em que o Mudar de Vida esteve presente. Ler o resto do artigo »



Afeganistão: evolução na continuidade

Nuno Severiano Teixeira, ministro da Defesa, disse ao jornal Público que o compromisso de José Sócrates na recente cimeira da Nato, “implica um reforço significativo das forças portuguesas” no Afeganistão. Assim, o governo de José Sócrates, na continuidade do governo de Durão Barroso, propõe-se intensificar o apoio à política imperialista dos EUA no Afeganistão, agora sob a batuta de Barack Obama. O governo arranja dinheiro para esta política criminosa, enquanto lhe falta dinheiro para apoio aos trabalhadores em dificuldades!



Lista dos maus offshores

Na sequência da cimeira do G20, a OCDE apresentou uma lista dos “maus” offshores: entre eles, os da Costa Rica, Malásia, Filipinas e Uruguai. Por outro lado, os dos EUA, da China e do Reino Unido (nomeadamente o conhecido paraíso fiscal das Ilhas Caimão), onde se concentra grande parte dos dinheiros escondidos do fisco, ficaram de fora desta categoria. É de prever, assim, que as promessas de sanções, decididas naquela cimeira para calar a opinião pública, se traduzam em quase nada.



Manifestação contra a Nato

Cerca de 5 milhares de opositores à Nato, participantes de uma grande manifestação contra a realização da cimeira deste bloco militar agressivo, em Estrasburgo, no dia 4, entraram em confronto com as forças policiais. Como rescaldo, há a salientar a existência de vários feridos, a detenção de alguns manifestantes, assim como vários edifícios incendiados, entre eles um hotel da cadeia Ibis.



Centenas de milhares de manifestantes em Itália

Dia 4, centenas de milhares de trabalhadores convocados pela central sindical CGIL saíram à rua em Roma contra a política do governo Berlusconi. Manifestavam-se por salários mais altos, por maiores apoios sociais para os reformados, por mais estabilidade para os precários e contra os cortes orçamentais na Educação. Várias personalidades políticas da oposição integraram-se nesta manifestação.



Irlanda: Visteon ocupada

Os trabalhadores da Visteon na Irlanda do Norte acabaram de ocupar a fábrica face à ameaça de desemprego. É importante que os trabalhadores da Visteon em Portugal conheçam mais este exemplo. Eles e todos os outros.(FOR)



Ataque ao MST

Um dos mais recentes ataques ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) surgiu de Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal do Brasil. Este veio acusar o Governo Federal de incorrer em “ilicitude” ao conceder verbas públicas a entidades que, como o MST, “cometem ilícitos”. Este “ataque legal” de Gilmar Mendes, fortemente apoiado pelos média e por alguns políticos brasileiros, contra o Governo de Lula, faz parte do papel de alguns magistrados ditos acima das classes e enquadra-se na continuada ofensiva dos latifundiários e gente do agronegócio contra os camponeses que lutam pelo direito à terra.



Manifestação contra a Nato em Bruxelas

A polícia belga prendeu 450 pessoas que participavam, no dia 22 de Março, numa acção de desobediência civil contra a Nato. Os manifestantes, em número de 700, idos de vários países, foram acusados pela polícia de tentarem entrar na sede da Nato. Exigiam o fim da participação das tropas agressoras e ocupantes daquela aliança militar no Afeganistão e no Iraque, assim como a retirada imediata das armas nucleares da Bélgica. Esta acção em Bruxelas faz parte da preparação de uma iniciativa contra a Nato, a realizar em 3 e 4 de Abril, por ocasião dos 60 anos da organização militar imperialista.



EUA: salvar os trabalhadores, não os lucros

Workers World / MV

Só depois de décadas de ataques económicos às classes trabalhadoras é que o governo capitalista vem à pressa dar uma ajuda insignificante. Estes curativos nada têm de preocupação com os trabalhadores. Destinam-se a salvar o sistema de lucro. Ler o resto do artigo »



Greves e manifestações em França

Contra o desemprego, em defesa do poder de compra, pelo aumento dos investimentos em políticas públicas, cerca de três milhões de trabalhadores, numa das maiores manifestações de sempre, participaram no dia 19 em mais de duas centenas manifestações por toda a França. Houve paralisações significativas em numerosos locais, nomeadamente nos transportes aéreos e ferroviários. Segundo uma sondagem, 80% dos franceses estavam de acordo com os objectivos destas movimentações populares. E, desta vez, foi também importante a participação dos trabalhadores portugueses emigrados, nomeadamente da construção civil e da indústria automóvel.



A esquerda e o apoio à resistência anti-imperialista

Nadine Rosa-Rosso / MV

forumbeyrouth.jpgTeve lugar, em 17 de Janeiro deste ano, o Fórum Internacional de Beirute, dedicado à resistência, ao anti-imperialismo, à solidariedade dos povos e às alternativas que se lhes colocam. A militante comunista belga Nadine Rosa-Rosso proferiu uma importante intervenção de que apresentamos um resumo das principais passagens. Ler o resto do artigo »



Colômbia ameaça países vizinhos

Juan Santos, ministro da Defesa do presidente colombiano Uribe e candidato à Presidência da República da Colômbia, afirmou recentemente o direito das forças armadas colombianas intervirem militarmente na Venezuela e no Equador. Isto, a pretexto de perseguir “grupos armados terroristas”, (FARC?) o que, segundo o ministro, seria “um acto de legítima defesa”. Esta doutrina defendida por Juan Santos, e que é seguida pelo imperialismo norte-americano, obteve o apoio das forças armadas colombianas, que contam hoje com mais de 400 mil militares. Na Venezuela e no Equador estas afirmações já provocaram uma justa indignação.



A China é banca dos EUA

Carlos Simões

hillary-na-china72dpi.jpgEm Fevereiro, Hillary Clinton esteve na China na última paragem da sua viagem ao Oriente. No encontro com os líderes chineses, a secretária de estado norte-americana garantiu o financiamento do programa de retoma económica dos EUA e iniciou uma nova fase nas relações entre os EUA e esse país. Ler o resto do artigo »



Como dantes

Na sua primeira visita a Israel, a secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton defendeu a criação de um Estado palestiniano como medida “inevitável” para acabar com o “conflito no Médio Oriente”. Reafirmou, ao mesmo tempo, o apoio “firme e duradouro” dos EUA a Israel. Como a origem do conflito no Médio Oriente é Israel, como as agressões aos países vizinhos têm sido apoiadas pelos EUA, como os EUA financiam e armam Israel – as palavras de Clinton não dizem nada de novo.



Greve geral vitoriosa em Guadalupe

Depois de 44 dias de greve geral, o LKP (União Contra a Exploração, agrupamento de 49 organizações, partidos e sindicatos) assinou um acordo com os representantes do Estado francês, terminando o movimento de protesto. As principais reivindicações foram vitoriosas: 200 euros de aumento para os salários mais baixos e uma baixa no preço dos bens e serviços essenciais. Guadalupe é um arquipélago das Caraíbas, com 450 mil habitantes e faz parte dos departamentos franceses na América. Também na Martinica, igualmente nas Caraíbas, uma greve geral por idênticas razões já dura há mais de um mês.



Prisões privadas e acumulação

Na Pensilvânia, EUA, os juízes Ciavarella e Conahan, que estão a ser julgados por corrupção, num processo que ainda decorre, consideraram-se culpados por terem recebido 2,5 milhões de dólares dos proprietários de prisões privadas, em troca da condenação à prisão de cerca de 2 mil crianças que, muitas vezes, nem sequer tinham acesso a qualquer advogado. A privatização das prisões nos EUA nas últimas décadas transformou o que era encargo do Estado num chorudo negócio capitalista alimentado com dinheiros públicos. Pelos vistos, tanto aos proprietários das prisões, como aos juízes, não faltou a tal iniciativa privada tão necessária à acumulação de capital e de riqueza pessoal.



Contra o apartheid israelita

John McDermott, professor de História canadiano, participa numa sessão pública contra o apartheid israelita a realizar na Faculdade de Ciências de Lisboa, hoje, 6 de Março, às 15 horas. Será projectado o filme Wadi Funkin, a aldeia cercada. A semana internacional contra o apartheid israelita foi iniciada há três anos na Universidade de Toronto, Canadá, alcançando enorme repercussão em universidades de todo o mundo. Um exemplo recente foi o cancelamento de um intercâmbio de estudantes entre as universidades de São Paulo, Brasil, e Tel-Aviv, Israel. O responsável internacional do PT brasileiro justificou a decisão pelo parentesco entre o apartheid israelita e o apartheid sul-africano.



Independentistas bascos votaram nulo

Depois de a “Justiça” do estado espanhol ter proibido todas as candidaturas independentistas do País Basco, grande parte do eleitorado destas correntes decidiu-se pelo voto nulo, seguindo a orientação dos independentistas de esquerda da proibida D3M e da ETA. O resultado está à vista. Para além de mais de 30% de abstenções, os votos nulos que, em 2005, foram apenas 4 mil, subiram agora para 100 mil! São, pelo menos, 100 mil bascos excluídos da participação política legal no seu país! Mas, entre nós, os médias do sistema preferem dar relevo ao decréscimo de votos no Partido Nacionalista Basco, ao aumento dos votos dos partidos espanholistas e esconder os votos nulos e o seu significado.



Obama, apoiante da pena de morte

António Louçã

pena-de-morte72di.jpgNo seu discurso de 25 de Fevereiro, Barack Obama distanciou-se enfaticamente da prática da tortura que a quadrilha Bush-Cheney-Rumsfeld vinha assumindo com toda a desfaçatez. O encerramento do centro de tortura de Guantánamo parece um sinal concebido para reforçar essas categóricas garantias verbais do novo presidente. Fica por observar o que fará Obama doutros centros de tortura, como o de Bagram, no Afeganistão, e até onde responsabilizará os torcionários e seus mandantes, que durante a administração anterior praticaram a tortura sem peias nem escrúpulos. Ler o resto do artigo »



Flores de Gaza, lucro de Israel

Carlos Simões

boicotisraeligoodsmargem.jpgApós 20 meses de bloqueio, Israel permitiu a exportação para a Europa de 25 mil cravos provindos de Gaza. Desde a eleição, em Junho de 2007, do movimento Hamas para governo da autoridade palestiniana que Israel e Egipto, com o apoio dos Estados Unidos da América e da União Europeia, impuseram uma proibição à entrada e saída de bens da Faixa de Gaza. Alimentos, combustível e medicamentos, sejam mercadorias ou ajuda humanitária, são inspeccionados e confiscados na fronteira. Durante a breve trégua do Outono de 2008, Israel permitiu movimento de bens, mas o seu volume manteve-se abaixo de 3% dos valores de 2007. Ler o resto do artigo »



“Viva Palestina”

Para Gaza, com amor

Rita Moura

london_gaza_map.jpgUm mês depois do genocídio em Gaza, o trio terrorista – Livni (que levou a cabo o último massacre), Netanyahu (que a criticou por ter terminado o ataque cedo demais), e Lieberman (que pretende negar cidadania aos israelitas árabes) – ganhou as eleições em Israel. Os cidadãos israelitas, na sua maioria, mostraram mais uma vez que são pela guerra em vez da paz, pela morte em vez da vida. Ler o resto do artigo »



A morte de Eluana

O bando capitalista e retrógrado que governa a Itália, com Berlusconi à cabeça, tudo fez para torpedear as próprias leis burguesas que regem este país, prolongando artificialmente a vida de Eluana Englaro, uma situação que se arrastava há já 17 anos. Na sua campanha reaccionária a favor da vida (que hipocrisia!), contou com o habitual apoio do não menos reaccionário Vaticano. A morte agora consumada representa o fim de um pesadelo de muitos anos, em que não havia qualquer hipótese da doente melhorar, assim como uma derrota daqueles que, laicos e clérigos, querem impor a sua moral a toda a sociedade.



Roma: indiano queimado vivo

Um indiano imigrado em Itália foi espancado e queimado vivo numa estação de comboios nos arredores de Roma, tendo sido hospitalizado em estado muito grave. A vítima, de 35 anos e sem abrigo, foi atacada por um grupo de indivíduos que o agrediram e seguidamente o regaram com gasolina e lhe pegaram fogo. A hipótese posta pela polícia de se ter tratado de roubo não bate certo com os factos e só pode ser vista como uma tentativa de disfarçar a natureza fascista do ataque. Com efeito, os agressores iam munidos de uma garrafa com gasolina, o que não deixa dúvidas sobre a premeditação do acto.



Crise gera onda de chauvinismo

A crise económica está a gerar, entre os trabalhadores dos diversos países, reacções nacionalistas e de rejeição dos imigrantes. Nos EUA os alvos são sobretudo os trabalhadores de origem latina, e também crescem os ataques racistas. No Reino Unido, centenas de trabalhadores têm-se manifestado contra italianos e portugueses que trabalham nas refinarias do norte do país, exigindo prioridade de emprego para os nacionais britânicos. Na Islândia, levada à bancarrota, igualmente os estrangeiros, portugueses nomeadamente, foram hostilizados. Factos que mostram a importância de travar um combate ao nacionalismo que divide as classes trabalhadoras e que as torna instrumentos do capital em crise.



Iraque: qual vitória?

A propósito das eleições locais iraquianas realizadas em 30 de Janeiro – que a imprensa fiel ao dono norte-americano elogiou como mais uma “vitória da democracia” – o jornal The Nation (EUA) publica um artigo em que John Tirman (director executivo do Centro de Estudos Internacionais do MIT) lembra, com base em números indesmentíveis, o resultado dos 6 anos de ocupação do Iraque: 4,5 milhões de desalojados, 1 a 2 milhões de viúvas, 5 milhões de órfãos, 1 milhão de mortos. De um modo ou de outro, lembra o autor, um em cada dois iraquianos foram atingidos. “Será difícil”, comenta John Tirman, “descrever isto como uma vitória seja de que tipo for”.



Greve geral em França

A greve geral em França, dia 29, promovida pelos principais sindicatos, foi um protesto contra o desemprego (já este ano foram despedidos mais de 100 mil trabalhadores, no país), contra o ataque aos serviços públicos e contra o dinheiro gasto para salvar os grandes empresários e banqueiros (lá como cá), em detrimento de quem vende a sua força de trabalho. Na greve participaram muitos milhares de trabalhadores dos transportes públicos, dos aeroportos, das escolas e universidades, dos hospitais e correios, da indústria automóvel, dos bancos, rádios e televisões. Numerosas manifestações realizaram-se por todo o país, envolvendo cerca de um milhão e meio de trabalhadores.



Vinho roubado

O embaixador israelita na Grécia enviou em Dezembro a Theodoros Pangalos, deputado grego, três garrafas de vinho de boas-festas. Pangalos devolveu-as dizendo: “Reparei que o vinho que me enviou foi produzido nos Montes Golã. Desde criança ensinaram-me a não roubar e a não aceitar coisas roubadas. Não posso, pois, aceitar o presente e tenho de devolvê-lo. O seu país ocupa ilegalmente os Montes Golã que pertencem à Síria, de acordo com a lei internacional. Espero que Israel encontre segurança dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas, mas também espero que o seu governo cesse de praticar a política de punição colectiva aplicada em escala maciça por Hitler e os seus exércitos”.



França: o direito à habitação

Madame Boutin, deixe-se de tretas

François Pechereau

droitaulogement_72dpi.jpgTodos os Invernos voltam as palavras dos políticos sobre as mortes dos sem-abrigo. O então candidato às presidenciais Nicolas Sarkozy declamava com grande convicção que, caso fosse eleito, mais ninguém seria obrigado a dormir na rua, num prazo de dois anos. Passado este tempo somos forçados a constatar que ainda se morre nas ruas das grandes cidades francesas… Ler o resto do artigo »



País Basco: detidos 8 independentistas

O Estado espanhol, através do juiz Baltasar Garzon, colocou em “detenção preventiva” 8 militantes independentistas que procuravam formar uma lista concorrente às eleições locais de 1 de Março. Segundo Garzon, os factos apontados aos 8 militantes “poderiam constituir um delito de participação em organização terrorista”. Dada a ilegalização do Batasuna, as duas novas organizações independentistas que pretendem concorrer às eleições no País Basco são a Askatasuna (“Liberdade”) e D3M (Democracia 3 000 000). A engenharia jurídica do “democrático” Estado espanhol está a tentar retirar qualquer hipótese de luta legal aos independentistas bascos.



Rumo a uma sociedade nazi?

É conhecido como nos “democráticos” EUA há regras tão rígidas para determinadas questões – já não falando na perseguição a comunistas e a “terroristas” – que tornam o dia a dia dos cidadãos verdadeiramente irrespirável. São numerosos os exemplos por todo o país, desde o aparelho de estado às empresas, mas há uma empresa que se esmera nas regras. A Clarian Pledge promete rescindir os contratos aos seus trabalhadores fumadores, hipertensos, obesos ou que tenham os níveis de glucose ou colesterol elevados. Não, seguramente, pela saúde de quem trabalha, mas pela saúde da empresa.



Bolívia e Venezuela cortam relações diplomáticas com Israel

Um exemplo de como isolar internacionalmente o estado israelita

Manuel Raposo

O presidente boliviano Evo Morales deu a conhecer no dia 14 o corte de relações diplomáticas da Bolívia com Israel e disse que ia pedir ao Tribunal Penal Internacional para acusar os responsáveis israelitas de genocídio. Também a Venezuela expulsou o embaixador israelita no dia 6. Dois exemplos que contrastam com a postura cúmplice das autoridades portuguesas diante do massacre. Ler o resto do artigo »



Brasil dá asilo político a Cesare Battisti

O governo brasileiro concedeu asilo político a Cesare Battisti, cuja extradição era pedida pelo estado italiano, em evidente demonstração de perseguição política. E o ministro brasileiro da justiça justificou a concessão do asilo com “um fundado temor de perseguição”. Cesare Battisti, a quem já nos havíamos referido solidariamente no MV, foi militante, na década de 70, da organização política italiana Proletários Armados para o Comunismo e, em Junho passado, apresentara um pedido de refúgio ao Comité Nacional para os Refugiados.



Gaza e o Ghetto de Varsóvia – um inventário de analogias

António Louçã

ghetto_varsovia.jpgA invasão de Gaza pelo exército israelita reproduz uma série de padrões de procedimento bem conhecidos noutros genocídios do passado. Acusa-se o Hamas de ter provocado a invasão ao lançar morteiros sobre as antigas povoações palestinianas, hoje colonizadas por Israel. O nazismo afirmava também que tinham sido os judeus a provocar a nação alemã, através duma conspiração mundial contra ela. A Alemanha nazi nunca proclamou a sua intenção de exterminar os judeus e sim a necessidade de se “defender”. Ler o resto do artigo »



Maquinistas noruegueses param por Gaza

No dia 8 de Janeiro todos os comboios na Noruega, e todos os eléctricos e o metropolitano de Oslo, pararam por dois minutos em protesto contra a invasão israelita de Gaza. O sindicato divulgou a seguinte informação aos passageiros: “Devido à situação em Gaza, o Sindicato dos Maquinistas da Noruega decidiu manifestar a nossa solidariedade com o povo palestiniano. O protesto consiste em acrescentar mais dois minutos de paragem na estação. A mesma acção vale para todos os comboios de passageiros da Noruega simultaneamente. Exigimos a imediata retirada de todas as tropas israelitas do território palestiniano. Obrigado pela vossa compreensão.” Um exemplo de solidariedade internacionalista.



Provas da barbárie de Israel sobre a população civil de Gaza

Al-Jazira, Nações Unidas e Cruz Vermelha comprovam crimes de guerra e violação do direito humanitário

Manuel Raposo

gazafosforobranco.jpgA cadeia de TV árabe Al-Jazira tem denunciado repetidamente, desde dia 10, a utilização de fósforo branco contra a população de Gaza pelas tropas de Israel. O uso de fósforo branco contra pessoas é proibido e a violação desta interdição constitui crime de guerra.
A Al-Jazira divulgou imagens que mostram o lançamento de bombas de fósforo através de meios aéreos, as densas cortinas de fumo que se formaram nas zonas urbanas e ainda pedaços do mesmo fósforo a arder no meio das ruas. Foram igualmente mostradas imagens de feridos com queimaduras consistentes com o tipo de lesões causadas pelo fósforo. Ler o resto do artigo »



Os nomes dos mortos

Um site chamado Serviço de Notícias dos Árabes Indignados publica uma lista com os nomes de 187 palestinianos mortos no primeiro dia do ataque israelita, que já dura há 11 dias, lembrando simplesmente: “Os nossos mortos têm nome e cara”. Consulte a lista, leitor, porque as vítimas do terror israelita são pessoas concretas.



Genocídio!

Comunicado de imprensa do Comité de Solidariedade com a Palestina denuncia massacre de crianças em escola de Gaza

gaza2.jpg“As agências noticiosas acabam de divulgar a notícia do bombardeamento, pela força aérea israelita, duma escola da ONU em Gaza. Segundo as primeiras informações, há pelo menos 40 mortos e um número indeterminado de feridos, provocados pelos estilhaços das granadas utilizadas no bombardeamento. Com esta nova carnificina, eleva-se a mais de 600 o número de baixas, em grande parte civis e em grande parte crianças, causado pela invasão de Gaza. Ler o resto do artigo »



Harold Pinter

A voz desassombrada do dramaturgo e activista político

haroldpinter.gifNascido em 1930, em Londres, faleceu no passado dia 25, o grande dramaturgo (Prémio Nobel da Literatura, em 2005) e activista político Harold Pinter. Foi poeta, romancista e ensaísta, mas ficou particularmente conhecido pelas suas peças de teatro. As acusações sem rodeios que fez a Bush e a Blair acerca da guerra contra o Iraque são de toda a actualidade diante do massacre dos palestinianos de Gaza. Ler o resto do artigo »



Solidariedade grega com Gaza

Milhares de gregos, à semelhança do que se está a verificar por todo o mundo, manifestaram hoje em Atenas o seu repúdio pela agressão militar israelita a Gaza, atirando pedras e sapatos contra a embaixada de Israel. Uma parte significativa do povo grego, que ultimamente se tem batido valentemente nas ruas da Grécia contra a grave situação económica e social no seu país, bem como contra o governo de direita no poder, dá, assim, mais uma exemplar prova de solidariedade internacionalista.



Fim do ataque israelita e do bloqueio a Gaza!

Lisboa: concentração na embaixada israelita, dia 8, 18 horas / acção de rua, Largo de S. Domingos-Rossio, dia 5, 18 horas. Porto: “Noite de inquietação”, Púcaros-Bar, Arcos da Ribeira, dia 8, 22 horas.

gazaholocaust2_72dpi.jpgO ataque das tropas de Israel contra os palestinianos de Gaza já fez mais de 400 mortos e 2500 feridos. A ameaça de uma invasão terrestre promete ainda mais morticínio e destruição. À semelhança do que está a acontecer por todo o mundo, várias organizações portuguesas decidiram protestar publicamente contra mais estes crimes. Ler o resto do artigo »



A opção da paz no Iraque

Declaração internacional apoia propostas de paz da resistência

Cristina Meneses

iraqeuaferido.jpgUm conjunto de activistas, responsáveis nos seus países de origem pela organização de sessões do Tribunal Mundial sobre o Iraque – que culminaram em Istambul em Junho de 2005 (1) – reuniu em Agosto último em França para debater os meios e a forma de prosseguir acções de solidariedade e contra a ocupação do Iraque. Organizados agora sob a designação «Rede Internacional Anti-Ocupação» (International Anti-Ocupation Network, IAON) adoptaram a «Declaração de Le Feyt: A paz no Iraque é uma opção» (2), de que foram os primeiros subscritores. Ler o resto do artigo »



Para Bush, a prenda é o próprio sapatinho

Protesto 3.ª feira, 23 de Dezembro, às 18h, em frente da embaixada dos EUA (Sete Rios, Lisboa). Liberdade para o jornalista Muntader al-Zaidi

bushshoeiraq72dpi.jpgOs milhares de manifestantes iraquianos, sunitas e xiitas, que saíram à rua mal souberam do ataque, à sapatada, contra Bush não deixam dúvida de que o acto corajoso de Muntader al-Zaidi não foi em vão. O mesmo mostra o apoio que a sua atitude teve por todo o mundo fazendo renascer a questão iraquiana, tão apagada dos meios de comunicação – como se no Iraque, no sexto ano de ocupação, nada se passasse. Ler o resto do artigo »



O massacre de Bombaim

Manuel Raposo

condirice72dpi.jpgCom os dados que vieram a público não é possível saber ao certo quem promoveu os atentados em Bombaim e para que fins. Como também não se sabe quem terá provocado os atentados que, dias depois, mataram dezenas de pessoas no Paquistão. As acusações mútuas entre Índia e Paquistão de que os responsáveis pelas chacinas se encontram do outro lado da fronteira podem querer dizer que alguém procura espicaçar ódios de ambas as partes. Ler o resto do artigo »



Solidariedade

Durante uma concentração em Alma-Ata, capital do Cazaquistão, organizada por pessoas que perderam poupanças e hipotecas, em resultado da crescente crise económica, um operário arsenalista, Ainur Kurmanov, dirigente da organização Resistência Socialista, foi atacado pela polícia e detido. Num processo sumário, sem direito de defesa, foi condenado a duas semanas de prisão. Os companheiros de Ainur apelam a que sejam enviados protestos ao procurador de justiça de Alma-Ata para os endereços gp-rk@mail.online.kz ou bolshevik1917@list.ru.



Dia de acção internacional

Solidariedade com o povo grego

Lisboa e Porto, Sábado 20

greciamotins2_72dpi.jpgRespondendo ao apelo feito em 12 de Dezembro pela Assembleia de Ocupantes da Universidade Politécnica de Atenas (ver texto no final), vão realizar-se em Lisboa e no Porto acções públicas no âmbito de um Dia de Acção Internacional de solidariedade com o povo grego.

Lisboa: concentração na Praça da Figueira às 15h00
Porto: actividades na Casa Viva (Praça Marquês de Pombal, nº 167) às 15 horas Ler o resto do artigo »



EUA

Operários ocupam fábrica em protesto contra encerramento

La Jornada / FK blog / MV

euaocupacaowindowsanddoors72dpi.jpgOs 260 operários da fábrica de janelas e portas Republic Windows and Doors, em Chicago, ocuparam a fábrica no dia 6 de Dezembro depois de terem sido notificados pelos patrões de que a empresa seria encerrada dentro de três dias. A razão que os patrões invocaram foi a suspensão pelo Bank of America da linha de crédito à indústria. Ler o resto do artigo »



Mais dados sobre os voos da CIA

Depois de o governo espanhol ter comprovado que pelo menos um prisioneiro da CIA escalou os Açores, num voo entre Guantánamo e o Cairo, o jornal El País revelou documentos provando a implicação do governo de Madrid nos voos da CIA. Aznar recebeu das autoridades norte-americanas comunicação dos voos e autorizou-os. E, como nota o El País, o mesmo aconteceu com todos os governos europeus nas mesmas condições. No caso português, a suspeita recai sobre os governos de Guterres, Durão Barroso e Sócrates, mas o seráfico ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, continua a negar a existência de provas. Esperemos. Ao ritmo a que as denúncias vão aparecendo é uma questão de tempo.



A crise: imagem da irracionalidade do capitalismo

Manuel Raposo

fome2jpg_72dpi.jpgNas notícias e nos comentários sobre a crise financeira domina a ideia de que a causa do descalabro está no comportamento de determinados agentes económicos. O exagero dos empréstimos de alto risco, a ganância, a falta de controlo das operações de crédito, etc., são apontados como origem do problema, e sugere-se mesmo que uma eficaz fiscalização teria evitado que se chegasse a tal ponto. Ler o resto do artigo »



Os colonatos são a essência do sionismo

António Louçã

palestina-nablus.jpgO título deste artigo deve parecer despropositado, no momento em que a polícia israelita, numa operação-relâmpago, invadiu e desocupou o edifício de Hebron que se encontrava ocupado por cerca de duas centenas de colonos.
O edifício, cinicamente baptizado pelos colonos como “Casa da Paz”, era propriedade de um palestiniano que nega tê-lo vendido. Os colonos instalaram-se nele e afirmaram tê-lo comprado. O Supremo Tribunal israelita ordenou a sua evacuação, até que uma instância judicial inferior decidisse sobre o assunto. Os colonos recusaram sair e a questão arrastou-se durante várias semanas. Ler o resto do artigo »



Grécia insurrecta

Motins prosseguem, pelo quinto dia seguido. Greve geral paralisou o país.

Manuel Raposo

greciamotins.jpgDesde sábado, dia 6, milhares de manifestantes vêm protestando contra a polícia em mais de uma dezena de cidades da Grécia, e até fora do território grego, nas representações diplomáticas em Londres, Berlim e Paris. Centenas de lojas, agências bancárias e viaturas foram destruídas ou danificadas com pedras e bombas incendiárias em todo o país. Esquadras de polícia foram atacadas. Dezenas de polícias foram feridos. A indignação generalizada contra as forças repressivas cresceu poucas horas após o assassinato pela polícia, em Atenas, de um jovem de 15 anos, Alexandro Grigoropoulos. Ler o resto do artigo »



Mumia Abu-Jamal em risco de execução

CSMA-J / MV

A procuradora distrital de Filadélfia, Lynne Abraham (equivalente a procuradora do ministério público) pediu ao Supremo Tribunal dos EUA que voltasse a impor a pena de morte a Mumia Abu-Jamal. Esse pedido, se for aceite, pode significar a execução imediata de Mumia, sem qualquer nova audiência ou julgamento, apesar da montanha de novas provas que têm surgido em defesa da sua inocência. O sistema judicial norte-americano não perdoa a Abu-Jamal as suas posições revolucionárias e não desiste de o assassinar. Ler o resto do artigo »



Em defesa do Sara Ocidental

De acordo com informação prestada pela Plataforma Internacional de Juristas por Timor-Leste (IPJET), até ao dia 4 de Dezembro encontra-se a circular pelo mundo inteiro uma petição pelo Sara Ocidental. O objectivo é que o território do Sara Ocidental não seja incluído no Estatuto Avançado que está a ser negociado entre Marrocos e a União Europeia. Se esse território for incluído nas negociações, a União Europeia estará claramente a legitimar a ocupação ilegal do Sara Ocidental levada a cabo por Marrocos, o que é inaceitável por constituir uma violação inequívoca do direito internacional.
Contactos IPJET: labarek@gmail.com ipjet2@gmail.com



Espanha: unidade antifascista

Perto de quatro mil pessoas desfilaram em Madrid no dia 11 para assinalar o primeiro aniversário do assassinato do jovem antifascista Carlos Palomino. Actos de solidariedade verificaram-se igualmente em outros pontos de Espanha. Palomino, de 16 anos, foi morto com uma facada no coração por um militar fascista que participava, em Madrid, numa manifestação contra os imigrantes convocada pelo grupo da extrema-direita Democracia Nacional.



Bons ventos vindos de Espanha

Trabalhadores despedidos atacam sede da Nissan

Urbano de Campos

nissanespanha.jpgNo passado dia 11, mais de um milhar de trabalhadores espanhóis desfilaram em Barcelona, desde o centro da cidade até à sede da Nissan, protestando contra o despedimento de 1680 trabalhadores da empresa, cerca de 40% dos efectivos. Sem temerem o dispositivo policial, os manifestantes atacaram o edifício com pedras, garrafas e até com as próprias barreiras metálicas que a polícia tinha colocado no local. Ler o resto do artigo »



A polémica da eutanásia

Em 1992, após um acidente de automóvel, a jovem italiana Eluana Englaro ficou em estado vegetativo. Antes, ao assistir a um caso idêntico passado com um amigo, afirmara que se tal lhe acontecesse queria morrer. O pai, que há mais de 10 anos lutava nos tribunais para pôr termo a esta dolorosa situação, viu agora o Supremo Tribunal de Justiça italiano autorizar a retirada do tubo de alimentação que mantinha a filha viva há 16 anos. Vários membros da Igreja Católica vieram protestar contra este “assassinato”. Claro, tanto aqui como na questão do aborto, para eles, o sofrimento e a submissão às rígidas leis da Igreja são coisas sagradas!



Miriam Makeba

A conhecida cantora e grande lutadora sul-africana contra o apartheid, Miriam Makeba – Mamã África, como também era conhecida – faleceu aos 76 anos, em Nápoles, de ataque cardíaco, depois de um espectáculo dedicado ao jornalista e escritor Roberto Saviano, ameaçado pela Camorra. Em 1963, após ter denunciado, perante o Comité das Nações Unidas contra o Apartheid, as condições em que viviam os negros na África do Sul, o governo racista da altura retirou-lhe a nacionalidade sul-africana e proibiu-a de regressar ao seu país. Também os seus discos foram então proibidos pelo governo. Esteve exilada 31 anos e só regressou à Africa do Sul em 1990, a pedido de Nelson Mandela.



A marcha do mundo força os EUA a mudar

Manuel Raposo

obama2_72dpi.jpgO mundo está a mudar e por isso os EUA estão a ter que mudar. E por isso também surge, neste momento, o “fenómeno” Obama. Os termos da questão colocam-se, portanto, exactamente ao contrário do que fazem os comentadores superficiais quando falam dos efeitos do sucesso eleitoral de Barack Obama. Não é a mudança na “América” que vai mudar o mundo, é a mudança no mundo que está a forçar a “América” a mudar. Ler o resto do artigo »



A força dos negros num Estado cinzento

Rita Moura

obama1_72dpi.jpg4 de Novembro de 2008. O dia começou chuvoso na Carolina do Norte, mas a maioria das pessoas estava confiante que o sol ia espreitar mais tarde, com os primeiros resultados das eleições presidenciais. Desde Outubro que se vivem dias interessantes nesta parte do mundo. A última vez que a Carolina do Norte votou democrata foi em 1976. Ainda no ano passado foi referido como “o estado eternamente republicano”. Mas nos últimos meses, a corrida presidencial ficou em aberto. E a força da mudança está nos negros e negras da Carolina do Norte. Ler o resto do artigo »



Marcha indígena na Colômbia

Mais de 8 mil indígenas iniciaram dia 21 uma marcha entre a província de Cauca e a cidade de Cali, reivindicando a posse das terras retiradas aos seus antepassados e que lhes haviam sido prometidas pelo governo de Álvaro Uribe. Protestam, igualmente, contra a violência exercida sobre as suas comunidades. A marcha conta já com adesões em mais 16 províncias. Em vez de entregar as terras prometidas, o governo enviou a polícia e o exército, que já fizeram vários mortos e feridos. Face ao carácter terrorista do governo de Uribe, é de temer o que possa acontecer aos milhares de indígenas que marcham para Cali.



A crise e as suas consequências

José Luís Félix

Em meu entender nos dias de hoje o sistema capitalista esgotou as capacidades que lhe permitam dar uma resposta positiva aos problemas com que se depara e não consegue satisfazer as necessidades do conjunto das populações do globo. Isto tudo apesar das capacidades de produção terem atingido uma dimensão sem paralelo na história da humanidade, mas a distribuição é distorcida e a obtenção generalizada de bens e serviços só se encontra ao alcance daqueles que têm capacidade aquisitiva. Mesmo segundo os paradigmas do sistema, iníquos e destrutivos, a sede do lucro que é o principal móbil do sistema não encontra saídas que permitam satisfazer as necessidades básicas das populações. Ler o resto do artigo »



Apoio aos presos iraquianos

No dia 4 de Novembro tem lugar em Bruxelas uma conferência de imprensa promovida pela Comissão Mundial de Solidariedade com os Prisioneiros de Guerra e Detidos Iraquianos com o objectivo de denunciar a situação nas prisões do país. Serão mostrados filmes e documentos sobre as práticas brutais das autoridades de ocupação norte-americanas e dos serviços de segurança do governo iraquiano. Serão igualmente revelados os métodos de tortura a que os presos são sujeitos. Entre os promotores da iniciativa conta-se o dr. Abdul-Jabbar Al-Kubaisy, que se deslocou a Portugal em 2006 a convite do Tribunal-Iraque e de outras organizações por ocasião do 3.º aniversário da ocupação do Iraque.



Greve na Grécia

Os trabalhadores dos transportes e dos serviços públicos gregos estiveram em greve no dia 21 de Outubro contra a política económica e social do governo de direita do seu país – contra as privatizações, a austeridade salarial e a reforma das pensões. Esta greve envolveu mais de 800 mil trabalhadores, do metropolitano, dos autocarros, dos aviões, assim como dos bancos e do sector público. Estava igualmente prevista uma manifestação no centro de Atenas. Os trabalhadores gregos têm-se destacado no panorama europeu pela sua grande combatividade.



17 feridos no Rio Grande do Sul

Em 16 de Outubro, a “Marcha dos Sem”, manifestação dos sindicatos e movimentos populares do estado brasileiro do Rio Grande do Sul, que tem ocorrido desde 1995 e agora contou com 5 mil participantes, foi reprimida por 400 soldados da Brigada Militar. Para impedir que o carro do som se aproximasse da sede do governo do estado, os militares lançaram bombas e feriram 17 manifestantes, a maioria na cabeça. Foram ainda agredidos três deputados estaduais do Partido dos Trabalhadores (o partido de Lula) e um do Partido Comunista do Brasil (que integra a coligação governamental). Os manifestantes não arredaram pé e afinal o carro do som pôde alcançar o seu objectivo.



Isto não é sociedade que se apresente (VII)

Segundo um estudo divulgado em São Paulo – num encontro de especialistas sobre o tráfico de seres humanos – redes criminosas especializadas no tráfico de mulheres para exploração sexual actuam em 241 rotas, sendo 131 para o estrangeiro, incluindo Portugal e Espanha. Cerca de 75 mil brasileiras estão actualmente sob o controlo de redes internacionais de prostituição nos países da UE. O tráfico internacional de pessoas movimenta por ano cerca de 23,7 mil milhões de euros, sendo uma das actividades ilícitas mais rentáveis. Todos os anos 2,5 milhões de pessoas são vítimas do tráfico internacional para exploração sexual e trabalho forçado, sendo de 127 nacionalidades distintas em 137 países.



Bons costumes

Uma jovem de 15 anos norte-americana foi presa, acusada de “utilização ilegal de material sexual explícito e posse de ferramentas criminosas”, por, alegadamente, ter enviado fotos sem roupa aos seus amigos por telemóvel. Tem de cumprir uma pena de prisão domiciliária, está proibida de aceder à Internet ou utilizar telemóvel e corre o risco de ver o seu nome na lista de criminosos sexuais do estado durante 20 anos. As investigações vão determinar quantos colegas receberam as fotografias e analisar a hipótese de também estes serem acusados.



Outras guerras

João Bernardo

sarkozy-la-guerre.jpg“Tirem da palha as espingardas, a metralha, as granadas
“Oh! matadores! à bala e à faca, matem depressa
“Oh! sabotador! atenção ao teu fardo, dinamite”
Este apelo ao terrorismo, ao assassinato e ao derrube violento das instituições, que pelo simples facto de ser escrito suscitaria hoje ao autor sérios problemas com as autoridades e que, se fosse posto em prática, levaria os executantes − caso não fossem mortos − para Guantánamo, foi impassivelmente escutado pelo presidente da República Francesa, Nicolas Sarkozy, e proferido por um coro de militares fardados, com o cabelo cortado à escovinha, perante um público de generais e de senhores enfatiotados com ar de serem alguma coisa. Ler o resto do artigo »



O sonho americano

Uma mãe saiu do estado norte-americano de Michigan e percorreu mais de 1100 km durante 12 horas para abandonar o filho de 13 anos no Nebrasca, onde as leis permitem que adultos deixem crianças nos hospitais públicos sem correrem o risco de serem processados por abandono de menores. Pelo menos 18 já foram deixados em hospitais e em estações de polícia do Nebrasca desde que a lei entrou em vigor.



Quando os escritores não se calam…

Na sessão de abertura da Feira do Livro de Frankfurt, o Prémio Nobel Orhan Pamuk afirmou que «a teimosia do Estado turco de banir livros e punir escritores continua, infelizmente». A declaração foi feita na presença do Presidente da Turquia, país convidado especial da edição de 2008 daquele certame. Pamuk já foi processado por desafiar a versão oficial turca do massacre dos arménios no início do século XX.



…há formas de os calar

Roberto Saviano, escritor napolitano de 29 anos e autor de um livro recentemente transposto para o cinema sobre a Camorra (máfia napolitana), vai ter de abandonar Itália para escapar a múltiplas ameaças de morte. Saviano vive escondido num edifício da polícia, em local não identificado, e a única ligação que tem ao exterior é feita através do telefone. Conta com vários seguranças pessoais que o vigiam 24 horas por dia. «A minha vida não é vida. Eu vivo num caixão», disse à BBC.



Marx “na moda”

«Marx está de novo na moda e a procura das suas obras em alta», explicou Schütrumpf ao jornal Neue Ruhr Neue Rheinzeitung. Segundo a editora de Berlim, o primeiro tomo de O Capital já vendeu este ano 1500 exemplares, contra 500 em 2005, e as vendas vão continuar a aumentar até ao fim do ano. Os leitores pertencem a «uma nova geração de eruditos que reconheceu que as promessas neo-liberais não se realizaram», sublinhou. O próprio ministro alemão das Finanças, Peer Steinbrück, fez à revista Der Spiegel uma referência a Marx no contexto da crise financeira. «Certas partes da teoria de Marx não são assim tão falsas», como a que se refere à autodestruição do capitalismo por causa da sua avidez.



Pena de morte

São numerosos os Estados que mantêm em vigor a criminosa legislação que condena seres humanos à pena de morte, de que destacamos os EUA e a China. Segundo a Amnistia Internacional, na Arábia Saudita são executadas, em média, duas pessoas por semana. A pena de morte é aplicada neste país a crimes que vão desde homicídios a alegada feitiçaria ou descrença no Corão. Em 2007, na Arábia Saudita, foi aplicada a pena de morte a, pelo menos, 158 pessoas.



Os chineses de Guantánamo

João Bernardo

chinesesguantanamo.jpgUm despacho da Associated Press com data de 8 de Outubro noticiava que nos Estados Unidos, a pedido do governo Bush, um tribunal federal de recurso suspendera temporariamente uma decisão judiciária que ordenava a libertação imediata de 17 muçulmanos chineses presos em Guantánamo desde 2001. Chineses? Em Guantánamo? Encarcerados há sete anos? Nunca de tal eu ouvira falar. Procurei a explicação, e de um texto razoavelmente embrulhado consegui perceber o seguinte. Ler o resto do artigo »



Os bons costumes e os maus usos

João Bernardo

É intrigante que a sociedade francesa, caracterizada desde há vários séculos por uma certa liberdade de costumes, coexista com atitudes de puritanismo tão cómicas como retrógradas. São conhecidas as dificuldades que As Flores do Mal e Madame Bovary tiveram com a justiça, para me limitar a estas duas incontestáveis obras-primas, embora seja muito menos referido o facto de terem sido as autoridades francesas − tanto quanto sei − a inaugurar a prática de condenar artistas dissidentes a internamento psiquiátrico. Ler o resto do artigo »



Paradoxos da história georgiana

António Louçã

Quem seguiu pela televisão a mais recente guerra no Cáucaso, pôde pasmar diante das imagens de uma estátua de Estaline na capital georgiana, Tbilisi. Não é pouca coisa, numa ex-república soviética, quando sabemos que a implosão da antiga URSS foi acompanhada pelo sistemático derrubamento das estátuas de dirigentes bolcheviques. Ler o resto do artigo »



A reputação do capitalismo

“Se entrarmos num período de grande recessão e de perda de empregos, mas os principais administradores continuarem a receber enormes quantias, isso será mau para a reputação do capitalismo” declarou Peter Montagnon, director de investimentos da Associação de Seguradoras Britânicas.



Não vamos ganhar esta guerra

Segundo o Sunday Times, o general Mark Carleton-Smith, comandante das forças britânicas no Afeganistão, declarou numa entrevista que a guerra não podia ser ganha militarmente e que era desejável entrar em negociações com os Taliban. “Não vamos ganhar esta guerra”, disse o general. “Temos de reduzi-la a um nível de insurreição que não constitua uma ameaça estratégica e possa ser controlada pelo exército afegão”. A violência no país atingiu o pior nível desde 2001.



Bolívia: o dilema

João Bernardo

bolivia1_72dpi.jpgO regime de Morales representa uma enorme ruptura porque surgiu não dos partidos políticos mas dos movimentos sociais, movimentos de massa organizados na base em torno de luta concretas. Foram eles que o levaram ao poder e o têm sustentado. Na Bolívia, a clivagem social corresponde a uma diferença étnica. Os pobres são índios ou mestiços, enquanto os ricos são descendentes dos colonizadores espanhóis. Isto faz com que os confrontos sociais sejam mais drásticos e visíveis, reforçados por uma diferença muito vincada nas tradições culturais, contribuindo para reforçar o racismo da direita. Ler o resto do artigo »



O carácter de classe da candidatura de Obama

Larry Holmes (Workers World, adaptado)

A campanha presidencial de Obama não foi lançada por um movimento de massas mas por uma parte da classe governante dos EUA e do seu aparelho político. Alguns apoiaram-no para combater os Clinton dentro do Partido Democrático, mas outras daquelas forças vêem-no mais bem preparado do que Hillary Clinton e McCain para enfrentar a crise central do imperialismo norte-americano. Querem encontrar uma forma de deter o rápido desgaste da posição dos EUA como poder económico e militar dominante. Ler o resto do artigo »



Contra a repressão ao povo basco

Em 27 de Setembro, cerca de 2000 pessoas participaram em Baiona, França, numa manifestação contra a política repressiva do Estado francês em relação ao povo basco. A polícia francesa, em articulação com a polícia espanhola, acabara de deter 14 alegados militantes do Batasuna. Das palavras de ordem da manifestação, destacamos: Não nos irão deter; Liberdade para Euskal Herria. Entretanto, porque nada havia de concreto contra os 14 militantes independentistas bascos detidos nem o Batasuna está ilegalizado em França, as autoridades francesas foram obrigadas a pô-los em liberdade.



Em França, famílias ciganas metidas à força no combóio

“Isto não vos lembra nada?”

José Vieira / MV

f_ciganos04_72dpi.jpgO nosso amigo e cineasta José Vieira, que vive em Paris, acaba de nos enviar uma reportagem da expulsão programada de um grupo de famílias roms (ciganos originários da Roménia) da estação de Massy-Palaiseau, nos arredores a sul da capital francesa. Transcrevemos o essencial da sua longa descrição e algumas das fotos que nos fez chegar. Num folheto de solidariedade que reproduzimos em baixo (clicar na imagem para ver em tamanho maior), pode ler-se: «Por ocasião da primeira cimeira europeia sobre os ciganos, organizada em 16 de Setembro em Bruxelas pela Comissão Europeia e patrocinada conjuntamente pelo seu presidente José Manuel Barroso e pela presidência francesa do Conselho Europeu, a prefeitura do departamento de Essonne convida-o a vir assistir, nesse mesmo dia às 6 horas da manhã, à expulsão dos ciganos que habitam no estacionamento em construção da estação do metro regional de Massy-Palaiseau. A expulsão será lugar segundo a técnica varrimento rápido com a participação das forças da ordem.» Ler o resto do artigo »



A democracia electrónica das espingardas

As eleições no Rio de Janeiro

Alexander Hilsenbeck

O governo brasileiro, com a finalidade de garantir os “direitos políticos” e o bom andamento das eleições democráticas no Rio de Janeiro [eleições autárquicas de 5 de Outubro], está a ocupar 27 favelas, identificadas como “curral eleitoral”, com um “manto de segurança” formado pelo Exército e pela Marinha. A ocupação militar (pré-agendada para evitar confrontos reais) deve-se ao facto de que traficantes e milicianos (polícias que extorquem a população) estabeleceram tabelas de “portagens” para os candidatos às eleições entrarem nas comunidades, colarem cartazes e pedirem votos. Ler o resto do artigo »



Propaganda do ódio

Em duas semanas, 28 milhões de famílias estadunidenses receberam gratuitamente um DVD do filme de propaganda Obsessão: A guerra do radicalismo islâmico contra o Ocidente. Os destinatários residem nos estados onde o resultado das próximas eleições presidenciais é mais incerto (em particular Ohio, Michigan, Flórida, Colorado, Carolina do Norte, Pensilvânia e Missouri). Trata-se de convencê-los da existência de um perigo islâmico e de os incitar a votar no candidato republicano, John McCain. A operação, de um custo calculado em 28 milhões de dólares, foi financiada pelo produtor do filme, o rabi Ephraim Shore. (Voltaire)



Torturador brasileiro impune

O Tribunal de Justiça de São Paulo (Brasil) extinguiu, na terça-feira 23, a acção movida contra o coronel reformado Carlos Ustra, pela família do jornalista Luiz Eduardo Merlino, assassinado aos 23 anos, em 19 de Julho de 1971, após sessões de tortura. O processo contra Ustra foi movido pela irmã do jornalista, Regina Merlino Dias de Almeida, e sua ex-companheira, Ângela Mendes de Almeida. O advogado da família afirmou que irá recorrer ao Supremo Tribunal de Justiça. Segundo ele, a intenção da acção “corresponde a todos aqueles que não querem ver abafado o horror do regime militar”. Sobre a derrota de hoje, afirmou: “lutar sempre, vencer às vezes e desistir jamais”. (fonte: Brasil de Fato)



Independência dos tribunais

Um tribunal de Catânia (Sicília, Itália) decidiu retirar a uma mãe a guarda do seu filho de 16 anos, e entregá-la ao pai. Motivo: este último encontrou, entre os pertences do rapaz, um cartão de filiado no Partido da Refundação Comunista e uma bandeira com a imagem do Che. O tribunal considerou que o rapaz faz parte de um “grupo extremista” e responsabiliza a mãe por esse e outros desvarios do adolescente: bebidas alcoólicas, drogas, etc. – factos estes desmentidos formalmente na audiência. O secretário-geral do PRC queixou-se ao Presidente da República por esta decisão “inconstitucional”. O juiz extremista de direita, esse, fica à vontade na sua independência de critério. (fonte: Lusa e SOL)



Suíça: Novo caso de espionagem praticado pela Securitas

Isabelle Paccaud (*)

A cadeia de televisão suíça TSR revelou em 7 de Setembro um novo caso de espionagem e de infiltração conduzido pelo departamento da empresa Securitas, Investigation Services (IS), dentro de um grupo anti-repressão (GAR) no cantão de Vaud. Um novo caso, que, tal como o do Nestlégate (**), mantém importantes e inquietantes zonas de sombra: é de admitir que a infiltração em grupos de cidadãos, considerados como críticos, é uma prática corrente por parte da maior empresa de segurança da Suíça. Ler o resto do artigo »



EUA: nacionalização dos prejuízos

Na continuação das intervenções governamentais em relação à crise que varre os EUA, Bush apresentou um novo plano que visa investir 700 mil milhões de dólares (cerca de 475 mil milhões de euros) em empresas à beira da falência. Trata-se de uma efectiva nacionalização dos prejuízos, à custa dos contribuintes. Se tal plano se concretizar, cada norte-americano (homem, mulher ou criança) terá de contribuir com cerca de 1.500 euros para mais este remendo no sistema económico e social dos EUA. Já não referindo o que habitualmente paga para as guerras em que o seu país se envolve pelo mundo fora.



Uma semana "à moda antiga"

Ilegalizações no País Basco

Rui Pereira

anv72dpi.jpgSessenta e nove anos depois de ilegalizada por Francisco Franco (juntamente, então, com o Partido Socialista Operário Espanhol – PSOE -, hoje no poder), a Acção Nacionalista Basca (ANV) voltou esta semana a ser proibida e os seus bens patrimoniais e importantes arquivos históricos confiscados pelo Estado espanhol. Nesta mesma semana, os tribunais espanhóis ilegalizaram também uma outra formação política, o Partido Comunista das Terras Bascas, e a organização de apoio aos presos bascos e seus familiares, Gestoras Pró-Amnistia/Askatasuna. Ler o resto do artigo »



A maior crise financeira mundial desde 1929

Loren Goldner

domino72dpi.jpgA 7 de Setembro os mercados mundiais foram encerrados. O banco central (Reserva Federal) e o Tesouro dos Estados Unidos anunciaram que iriam disponibilizar 25 milhares de milhões de dólares para salvar “Freddie Mac” e “Fanny Mae”, duas agências que subscrevem 5,4 biliões de dólares em dívidas hipotecárias nos Estados Unidos. Ao longo de várias décadas, Freddie e Fanny têm ajudado a proceder a empréstimos a 70% das famílias norte-americanas com meios para possuir casa própria. Ler o resto do artigo »



Iraque: um crime de guerra continuado

Workers World *

A administração Bush quer convencer-nos de que controla o Iraque. Depois de ter procedido a uma guerra e a uma ocupação criminosas, de ter morto mais de um milhão de iraquianos, de ter convertido outros 5 milhões em exilados, de ter destruído a infra-estrutura do que fora previamente uma terra próspera e de ter promovido a repartição do território por grupos que se guerreiam, Washington procura agora apoderar-se permanentemente dos frutos da vitória numa guerra efectivamente perdida. Ler o resto do artigo »



Estrangeiros na própria casa

O Estado sionista de Israel, continuando a refinar a política de lento extermínio do povo palestiniano, decidiu impedir os originários de Gaza e da Cisjordânia de juntarem livremente as suas famílias. Os originários de Gaza “apanhados” na Cisjordânia são recambiados à força para Gaza. Por motivos de origem regional, há pessoas que vivem ilegalmente… nas suas próprias casas! Organizações israelitas de direitos humanos dizem haver já centenas de palestinianos atingidos por estas medidas. Justificação: Gaza, depois de ter eleito o governo do Hamas − que afronta usar a democracia para escolher um governo errado! − tornou-se uma “entidade hostil”. (fonte: Haaretz/AP)



Mais um passo na luta para que Cesare Battisti não seja extraditado

João Bernardo

battistialgemas2.JPGJá várias vezes me referi aqui ao caso de Cesare Battisti, romancista e antigo militante político italiano que desde Março de 2007 se encontra detido no Brasil, aguardando a decisão das autoridades sobre um processo de extradição apresentado pelo governo da Itália, onde ele foi condenado à prisão perpétua (ver o site de Janeiro, Fevereiro e Julho).
Em 27 de Junho Battisti apresentou um pedido de refúgio ao Comité Nacional para os Refugiados (CONARE), uma comissão interministerial sob o âmbito do Ministério da Justiça brasileiro. Ler o resto do artigo »



Brasil

Nova ocupação pelo MTST

MTST / MV

mtstqueremoscasa.jpgNa madrugada de 6 de Setembro, às 24 horas, 600 famílias organizadas pelo MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Tecto) ocuparam um terreno de 100.000 m2 no Jardim Nossa Senhora de Fátima, município de Embu das Artes, na Grande São Paulo. As 600 famílias que ocuparam o terreno são as mesmas da Ocupação Silvério de Jesus, localizada no Jardim Tomé, que foram despejadas pela Câmara Municipal sem lhes ter sido proporcionado qualquer auxílio, simplesmente colocadas no olho da rua. Muitas destas famílias não têm onde morar nem têm sequer um local para pôr os seus pertences. Ler o resto do artigo »



Dossiê sobre o Movimento dos Trabalhadores Sem Tecto, Brasil

“Construir formas colectivas e solidárias de existência e organização”

Manuel Raposo

lizanda.jpgDesde há uma década que o MTSTdesenvolve, nas periferias de algumas das grandes cidades brasileiras, acções de ocupação de terrenos desafectados para aí instalar casas de trabalhadores e de desempregados que não têm tecto (ver dossiê do MV 4 e notícia sobre o MTST publicada neste site em 30 de Julho). Centenas ou mesmo milhares de famílias participam nestas acções que chocam com os interesses dos proprietários e fazem movimentar políticos e poderes policiais locais e nacionais.
Sobre o assunto, entrevistámos Lizandra Guedes, activista brasileira do MTST, por ocasião da sua passagem por Lisboa, onde participou numa sessão organizada em Julho pelo MV. Ler o resto do artigo »



Solidariedade com Ernesto Cardenal

Ernesto Cardenal, poeta e sacerdote católico nicaraguense, destacado defensor da Teologia da Libertação e ex-ministro sandinista da cultura, foi agora condenado por “injúrias” a um empresário alemão numa já antiga disputa de terras. Cardenal recusou-se a pagar a multa sentenciada, por considerá-la “ilegal e injusta”, referindo haver perseguição política neste caso julgado por um juiz da confiança de Daniel Ortega, com quem cortou politicamente há vários anos. Entretanto, este homem da esquerda nicaraguense, com 83 anos de idade, já recebeu o apoio de numerosos intelectuais, incluindo José Saramago, Eduardo Galeano e António Skarmeta.



Vítimas e vítimas

O blogue basco “Un Hombre del Partido” transcreve na íntegra o artigo do nosso colaborador Rui Pereira, A vida como pena, aqui publicado em 8 de Agosto, e com versão resumida no MV-papel nº 10. Na mesma página, e a propósito do mesmo tema – a libertação do patriota basco Iñaki de Juana – pode ver-se um cartune em que uma apresentadora de televisão diz: “O governo vai tentar por todos os meios que Iñaki de Juana não resida nas proximidades de familiares das vítimas… O que não sabemos é se vai consultar as famílias dos assassinados na guerra civil, famílias que viveram 70 anos com os assassinos dos seus.”



Cubanos presos nos EUA

Há 10 anos que cinco cubanos estão presos nos EUA acusados de espionagem. Na verdade, investigavam na Florida as actividades terroristas lançadas contra Cuba a partir dos EUA, que causaram mais de 3 mil vítimas. Entre essas actividades contam-se uma explosão num avião cubano em que morreram 80 pessoas e a introdução do vírus do dengue em Cuba que causou a morte de 13 crianças. Aqueles cinco cubanos, condenados a penas pesadas, aguardam novo julgamento mas estão privados da visita de familiares. A 12 de Setembro, décimo aniversário da detenção dos Cinco, tem lugar uma jornada mundial de solidariedade mundial exigindo a realização de um julgamento justo e a sua libertação.



GM poupa

A General Motors (GM), transnacional com sede nos Estados Unidos e que fechou a sua fábrica de automóveis na Azambuja, prevê encerrar mais quatro unidades no mundo até 2010. Esta uma das medidas com as quais a empresa visa poupar mais de 6 mil milhões de euros nos próximos anos. A GM planeia reduzir em 20% os custos com a força de trabalho, e vai adoptar uma outra medida bem significativa do tipo de relação que o capital mantém com a força de trabalho que explora: os reformados com mais de 65 anos deixarão de ter direito a assistência médica gratuita – ou seja, quando a força de trabalho, como mercadoria que é, deixa de lhe ser útil, o capital não se preocupa já em mantê-la em boa forma.