Homenagem a José Manuel Esperto

José Borralho / Manuel Raposo — 6 Julho 2020

Com familiares, no lado direito da foto

No dia 1 de Julho faleceu, com 88 anos, o camarada José Manuel Esperto. Era enfermeiro de profissão, aposentado, e residia de há muito no Montijo. Foi membro do PCP, depois militante de organizações marxistas-leninistas e, com a fusão destas em 1975, co-fundador do PCP(R). Não abandonou as ideias revolucionárias que o animaram desde jovem.

Nascido em Grândola, em 1932, começou por ser, ainda quase criança, operário corticeiro. Muito jovem, aderiu ao MUD Juvenil e ao PCP. Foi preso por duas vezes, por actividades políticas, em 1952 e em 1962. De ambas as vezes foi torturado, por espancamento e privação do sono. Começou a ter divergências com a linha do PCP, no início dos anos 60, a respeito da guerra colonial e do derrube do fascismo.

Emigrou em 1966 para Paris onde entrou em contacto com os exilados políticos da esquerda revolucionária. Integrou o grupo O Comunista e mais tarde a Organização Comunista Marxista-Leninista Portuguesa, resultante da fusão com O Grito do Povo.

Regressado a Portugal em 1974, participou no congresso de fundação do Partido Comunista Português (Reconstruído), em Dezembro-Janeiro de 1975, de cujo comité central fez parte por largos anos.

Quando a UDP, de que foi igualmente activista, se integrou no Bloco de Esquerda, e o PCP(R) foi dissolvido, José Manuel Esperto não seguiu por esse caminho. Mesmo sem actividade militante nos últimos anos, não se deixou seduzir pelas ideias reformistas. Manteve o espírito de toda a sua vida: um elevado sentido de classe, como trabalhador e como revolucionário.


Envie-nos o seu comentário

O seu email não será divulgado. Todos os campos são necessários.

< Voltar